Review: o livro da Duny, de Girls In The House, é um hino – e é hilário!

qua

Se você curte cultura pop, memes e “The Sims” (e como não curtir?), com certeza já se deparou com “Girls In The House”, websérie cheia de personagens hilárias gravada dentro do jogo. O programa já ganhou várias temporadas, shows derivados e agora a grande protagonista da série dá mais um passo em direção ao estrelato: Duny acaba de lançar um livro! 

Escrito pelo roteirista e criador da série Raony Phillips, “Meu Livro. Eu Que Escrevi” (Ed. Intrínseca) traz Duny como narradora de sua própria vida e propõe um mergulho na cabeça dessa personagem que fala o que pensa, é barraqueira, ácida e muuuuito bonita de rosto mexxxxmo. 

Quem já é fã da série, certamente sabe que Raony não está para brincadeira no seu timing de humor e na precisão com que escreve os diálogos – com o perdão do trocadilho! Mas em “Meu livro…”, o autor surpreende com o ritmo em que alterna fatos e pensamentos da personagem, além de rechear com referências absurdamente específicas da cultura pop que vão fazer você chorar de rir durante a leitura.

Logo depois de ler, também acabei conhecendo o criador disso tudo durante a gravação do podcast Asterisco, do site Judão (recomendo que você ouça!) e hoje trago não só a review em vídeo, mas também algumas curiosidades que descobri sobre a série nessa entrevista. Enfim: este foi o primeiro “livro de youtuber” que eu li. Acho que comecei certo! rs

Para ver a review completa, dá o play e aproveita para se inscrever no canal e receber os vídeos primeiro!

Para ver outros vídeos já publicados, clique aqui.

Atômica: crítica do novo filme #girlpower de Charlize Theron

sex

“Atômica”, novo filme estrelado por Charlize Theron, acaba de chegar aos cinemas e merece ser assistido na tela grande. No filme, a atriz vive uma espiã inglesa trabalhando em Berlim no final da Guerra Fria, bem às vésperas da queda do Muro que separava a cidade. No vídeo de hoje, faço a crítica sem spoilers e conto algumas curiosidades sobre o filme! Além da impecável Charlize, também estão no elenco James Mcavoy (“Fragmentado”), Sofia Boutella (“Kingsman”) e Bill Skarsgård (“Hemlock Groove” e o novo Pennywise de “It”).

Dá o play e aproveita para se inscrever no canal  e receber os vídeos primeiro!

Para ver outros vídeos já publicados, clique aqui.

 

 

Shonda Rimes no Netflix e review do livro “O Ano Em Que Disse Sim”

qui

Shonda Rhimes, a mulher superpoderosa por trás de séries premiadas como “Grey’s Anatomy”, “Scandal” e “How To Get Away With Murder” acaba de trocar a emissora norte-americana ABC, onde trabalhou por 15 anos, pela Netflix.

Enquanto todas essas notícias pipocavam na mídia, eu estava terminando de ler o livro da Shonda, “O Ano Em Que Disse Sim”, e tirei alguns aprendizados interessantes da vivência dela que, durante um ano, resolveu dizer SIM e aceitar oportunidades e situações que ela costumava evitar, seja por timidez seja por puro medo.

No vídeo de hoje, faço minha review do livro – spoiler: eu gostei, mas não taaanto assim – e comento o que essa mudança de “job” da Shondinha pode ter a ver com a própria fase de descobertas que ela relata em “O Ano..”.

Dá o play e aproveita e se inscreve no canal  para receber os vídeos primeiro!

Para ver outros vídeos já publicados, clique aqui.

 

 

O Estranho que nós amamos: crítica sem spoilers do novo filme da Sofia Coppola!

qua

Após quatro anos desde o lançamento de “Bling Ring”, a diretora Sofia Coppola está de volta à tela grande. “O Estranho que Nós Amamos” é uma nova adaptação do livro de Thomas Cullinam, que já tinha ganhado uma versão para o cinema em 1971, com Clint Eastwood num dos papeis principais. O filme se passa durante a Guerra Civil americana e mostra o que acontece quando um grupo de mulheres que vive num internato isolado resolve oferecer abrigo para um soldado inimigo machucado.

A diretora Sofia Coppola e parte do elenco no tapete vermelho em Cannes

Nesta nova roupagem proposta por Sofia, somos conduzidos aos fatos pelo ponto de vista das mulheres e terminamos o filme com reflexões importantes sobre sexo e estupro. O filme também rendeu à Coppola o prêmio de melhor direção no Festival de Cannes, algo “quase” inédito no festival, que só pela segunda vez premiou uma diretora em 70 anos de existência. No elenco, a excelente Nicole Kidman e a parceira de longa data Kristen Dunst, além de Colin Farrell e Elle Fanning.

Dá o play para ver a crítica completa! Aproveita e se inscreve no canal  para receber os vídeos primeiro!

Para ver outros vídeos já publicados, clique aqui.

 

 

Glow: a nova série empoderada da Netflix tem tudo para virar hit

qui

Mulheres no controle de seus corpos, carreiras e do rumo de suas próprias vidas: são assim as personagens de “Glow”, a nova série original da Netflix que tem tudo para ser mais um sucesso da plataforma de streaming! O seriado das mesmas produtoras de “Orange is The New Black” mergulha no universo da luta livre feminina pegando carona no programa de TV “Gorgeous Ladies of Wrestling”, que existiu de verdade e foi ao ar nos Estados Unidos nos anos 80!

Além de muita música e moda 80’s, a série traz nada mais nada menos que 14 mulheres lutadoras na tela e, entre elas, rostinhos famosos como o de Alison Brie (“Mad Men”) e Kate Nash (sim, a cantora britânica!). Dá o play no vídeo da crítica para entender porque já tem tanta gente torcendo por uma segunda temporada! <3

Aproveita e se inscreve no canal  para receber os vídeos primeiro!

Para ver outros vídeos já publicados, clique aqui.

 

Dear White People: um papo sobe a incrível e importante série do Netflix

qua

Na última semana terminei de assistir a nova série original da Netflix, “Dear White People”, e trago agora um comentário sobre essa série que, além de tratar de assuntos importantes, é extremamente bem feita e tem direção de arte e fotografia caprichadas! A trama acontece numa universidade da tradicional Ivy League dos Estados Unidos e toda a história se desenrola quando um grupo de alunos passa a denunciar atos de racismo depois de uma festa de Halloween em que os convidados eram estimulados a fazer “blackface”.

A discussão super relevante, a boa direção e o elenco já estão garantindo uma avaliação altíssima para a série no Rotten Tomatoes.  Certamente esta é uma daquelas obras obrigatórias para os brancos refletirem sobre os próprios privilégios e exercitarem um pouco o músculo da empatia. Para falar de todas estas questões com propriedade, convidei a Xan Ravelli, do Soul Vaidosa, para vir comigo nessa.

Dá o play e se inscreve no canal para receber os vídeos primeiro!

Para ver outros vídeos já publicados, clique aqui.