It, a coisa: o filme de terror mais hypado do ano me fez superar o medo e ir ao cinema

qua

“It, A Coisa” é com certeza o filme de terror mais bombado do ano! Uma leva de outros longas do gênero vem invadindo os cinemas toda semana, mas é “It” que vem quebrando vários recordes de bilheteria pelo mundo desde que estreou. Baseado no livro homônimo de Stephen King, o filme de 2017 bebe da mesma fonte que o telefilme dividido em duas partes e lançado em 1990. E agora, 27 anos depois, Pennywise volta para nos assombrar, mas desta vez a trama foca somente na primeira parte, com a experiência das crianças.

Acontece que, se você acompanha este blog/canal, enfim, acompanha esta que vos fala há algum tempo, certamente já sabe que não sou exatamente a maior fã de passar medo. Fujo de brinquedos radicais em parques de diversão, morro de medo de filme de terror e inclusive cheguei a ter uma fase de medo de palhaço na infância… Pois bem: consegui superar tudo isso tamanha era a curiosidade de ver “It” no cinema e no vídeo de hoje conto como foi.

Além do meu relato de bravura feat. coragem, trago também algumas impressões sobre o filme e coisas que passaram pela minha cabeça antes, durante e depois de assistir. Mas desta vez não é uma crítica, até porque, JAMAIS poderia me concentrar em outra coisa além de não berrar (muito) alto no cinema. Risos (estou indo, mas é de nervoso).

Dá o play e aproveita para se inscrever no canal  e receber os vídeos primeiro!

Para ver outros vídeos já publicados, clique aqui.

 

 

Links que valem o share: semana #160

sáb

10. Lena Dunham já está criando nova série em parceria com a produtora de “Girls”

9. Novo Super Nintendo deve chegar ao Brasil custando R$999

8. Como montar um look funcional para o Rock In Rio

7. Todos os looks de Jennifer Lawrence na tour do filme “Mãe”

6. “Bingo” será o filme a representar o Brasil no Oscar

5. As 8 maiores bizarrices do livro “It”, de Stephen King

4. Não deixe o perfeccionismo sabotar suas metas

3. Quem é a brasileira que fotografa de iPhone e assina a capa da Time

2. Natallia Rodrigues desabafa depois de perder papel por não ter “seguidores suficientes” nas redes sociais

1. Por que o Rock in Rio erra duas vezes ao esnobar Anitta

 

Replika: testei o app que parece episódio de “Black Mirror”

sáb

Se você acompanhou a última temporada de Black Mirror, lançada em 2016 na Netflix, certamente passou em algum momento pelo episódio “Be Right Back”, em que uma mulher pode ter a experiência de ‘reviver’ o marido morto através de um software ultratecnológico. Pois foi exatamente desta forma que o aplicativo “Replika” nasceu, tanto que seu primeiro teste chegou a ganhar a mídia do mundo todo tamanha a semelhança com o plot do seriado.

Uma programadora criou uma inteligência artificial que pudesse simular conversas com um amigo falecido e o experimento deu tão certo que a empresa Luka resolveu transformar isso num app que todo mundo pode baixar. Nesse app, você pode criar um clone seu de inteligência artificial para conversar… E a experiência é bem maluca. Conto mais sobre essa história no vídeo de hoje!

Dá o play e aproveita para se inscrever no canal  e receber os vídeos primeiro!

Para ver outros vídeos já publicados, clique aqui.

 

 

O inimigo agora é outro: review da terceira temporada de Narcos

ter

A terceira temporada de “Narcos” estreou em setembro na Netflix e depois de me deliciar com uma boa e velha maratona, trago hoje a crítica e também alguns comentários sobre a série – como sempre, sem spolers! Desta vez, os grandes vilões são os integrantes do Cartel de Calí, que se tornam os mais bem-sucedidos do narcotráfico colombiano após a morte de Pablo Escobar, interpretado nas duas primeiras temporadas por Wagner Moura.

Sem o carisma de Escobar e com novos vilões, fica a dúvida: vale a pena continuar assistindo? O que aconteceu com o ritmo da série sem o personagem tão icônico? Estas e outras perguntas respondidas no vídeo de hoje!

Dá o play e aproveita para se inscrever no canal  e receber os vídeos primeiro!

Para ver outros vídeos já publicados, clique aqui.

 

 

Links que valem o share: semana #159

dom

10. Tudo que você precisa saber sobre a Fenty, linha de maquiagem da Rihanna

9. Nintendo diz que Mario não é mais encanador

8. Novo “Você Decide” já está em produção

7. 2017 e algumas pessoas ainda não sabem para que serve camisinha

6. Tiffany troca Audrey Hepburn por Lady Gaga

5. Herchcovitch lança primeira coleção plus size

4. Le Creuset lança coleção na cor “millenial pink”

3. Fotógrafa brasileira registra 12 capas da Time usando um iPhone (Time)

2. A evolução dos retratos de mulheres nos bancos de imagem (NY Times)

1. Harvard diz que “Einstein” da nossa geração já nasceu, é mulher e tem 24 anos

 

Review: o livro da Duny, de Girls In The House, é um hino – e é hilário!

qua

Se você curte cultura pop, memes e “The Sims” (e como não curtir?), com certeza já se deparou com “Girls In The House”, websérie cheia de personagens hilárias gravada dentro do jogo. O programa já ganhou várias temporadas, shows derivados e agora a grande protagonista da série dá mais um passo em direção ao estrelato: Duny acaba de lançar um livro! 

Escrito pelo roteirista e criador da série Raony Phillips, “Meu Livro. Eu Que Escrevi” (Ed. Intrínseca) traz Duny como narradora de sua própria vida e propõe um mergulho na cabeça dessa personagem que fala o que pensa, é barraqueira, ácida e muuuuito bonita de rosto mexxxxmo. 

Quem já é fã da série, certamente sabe que Raony não está para brincadeira no seu timing de humor e na precisão com que escreve os diálogos – com o perdão do trocadilho! Mas em “Meu livro…”, o autor surpreende com o ritmo em que alterna fatos e pensamentos da personagem, além de rechear com referências absurdamente específicas da cultura pop que vão fazer você chorar de rir durante a leitura.

Logo depois de ler, também acabei conhecendo o criador disso tudo durante a gravação do podcast Asterisco, do site Judão (recomendo que você ouça!) e hoje trago não só a review em vídeo, mas também algumas curiosidades que descobri sobre a série nessa entrevista. Enfim: este foi o primeiro “livro de youtuber” que eu li. Acho que comecei certo! rs

Para ver a review completa, dá o play e aproveita para se inscrever no canal e receber os vídeos primeiro!

Para ver outros vídeos já publicados, clique aqui.