Tradi: a hamburgueria que sabe ser gourmet sem firula

ter

Em meio ao antro coxinha da Vila Nova Conceição, uma hamburgueria nasce para fazer todos os raios gourmetizadores tremerem. Anote este nome e coloque na sua lista de lugares para comer: a Tradi veio para ficar.

Com a sede de chamar a atenção na concorrida cena de restaurantes desta cidade de São Paulo, já sabemos que está cheio de estabelecimento pensando só em decoração, só em cerveja gourmet ou só em qualquer coisa que não seja fazer o mínimo aceitável. Ou, quando fazem, cobram um exagero inaceitável por isso.

tradi_salao2

o salão da Hamburgueria Tradi em São Paulo

Tendo esse cenário em mente, é fácil perceber porque a Tradi mal inaugurou no final de 2015 e já aparece em vários guias da cidade: quando o trivial é bem entregue, nada pode dar errado. E o que mais, meus caros, pode ser mais importante num sanduba que um pão quentinho adequado e uma carne deliciosa – um blend secreto da casa- no ponto exato? Pois é. Junte a isso um bom atendimento e preço legal (e uma área externa bacaninha pra esse verão) e bingo!

O cardápio da casa (todo online) se divide em receitas de sanduíches tradicionais e gourmet. Na primeira seção, sanduíches no melhor estilo “das antigas”, com carne fininha, queijo prato e variações de salada e molhos para acompanhar. É aí que encontramos o “Ipiranga”, inspirado no hambúrguer da já tradicional lanchonete Seu Osvaldo, que leva molho de tomate pelado. Muito gostoso, mas menorzinho – e com preço menor também: R$16,99. Certamente alguns vão trocar a sobremesa pra experimentar esse. rs

tradi2

o hambúrguer “Gringo” por R$23,11

Já no time “gourmet” estão os deliciosos Castelões e Oráculo, criações da casa ótimos para sua primeira pedida. Ambos trazem 180g do tal blend secreto de hambúrguer, uma receita que leva três tipos de carne bovina. O ponto da carne também é sempre perfeito: centro rosado. Esqueça aquela história de pedir pelamordedeus para que o sanduíche venha ao ponto. Eu, pelo menos, já estou tão cansada de casas que não sabem respeitar o pedido “ao ponto”, que comecei a pedir sempre ponto menos – e ainda assim recebo carne cinza às vezes. tsc tsc

tradi3

o hambúrguer Vila Nova: cheddar, anéis de cebola, bacon e barbecue à parte

Fora do cardápio também aparecem algumas novidades que são divulgadas via Facebook. Na  minha última visita, experimentei o “Vila Nova”: bacon, cheddar inglês (delicioso), anéis de cebola e um bom barbecue à parte para acompanhar. Digno de nota: um ótimo barbecue, viu? Tem sabor de defumado e não de catchup queimado. rs

tradi1

Porção fritas tradi, R$12,11

Agora chegou a hora delas: as batatas! Embora a casa tenha uma boa no estilo rústico, com aquele combo conhecido de alecrim e alho, as fritas tradicionais finas são gostosas, mas realmente não chegam à altura dos sanduíches. Se há um ponto a melhorar, deixo aqui a minha sugestão. Em todo caso, por R$12,11 duas pessoas aproveitam bem o acompanhamento e vão desejar ter um potinho extra dessa maionese para acompanhar.

As sobremesas ainda não provei, mas já vou guardar espaço numa próxima visita. ;) Com esses preços, duas pessoas comem e tomam cerveja(s) por menos de R$50 cada um. E tem uma pegadinha: em homenagem à cidade, quase todos os valores terminam com “11”. Simpático!

 

tradi_salao1

VAI LÁ: Rua Diogo Jácome, 391, São Paulo, SP. Horários, cardápio e informações extras aqui.

Kobe burger e gatêau de doce de leite: delícias da nova Hamburgueria Nacional

qui

Para ver tudo o que já contei nesta tag, clique aqui.

Muito antes das hamburguerias começarem a pipocar loucamente por São Paulo, uma ‘lanchonete chique’ chamava a atenção no Itaim: tinha um milk shake de Nutella que valia a ida e hambúrguer absolutamente saboroso – isso numa época em que sanduba era feito com carne fininha e sem grandes firulas. Essa era a Hamburgueria Nacional há 10 anos atrás, restaurante do chef Jun Sakamoto que só agora inaugura sua segunda unidade, em Moema.

Com um salão claro, abertão e uma cozinha bem à vista para encher os olhos de qualquer amante de um bom hambúrguer, a casa está com cardápio renovado e opções bem alinhadas com o que o paulistano, agora acostumado com bons burgers, procura por aí. Como a concorrência hoje em dia é grande, te dou um bom motivo para ir até lá: a casa serve Kobe burger, feito com uma das carnes mais caras e saborosas do mundo, a dos bois Wagyu, de origem japonesa.

burgernacional1

Menu: sanduíches e porções da Hamburgueria Nacional

Por R$70 dá para experimentar a iguaria, que vem servida com queijo catupiry, ou então customizar os acompanhamentos à vontade. Foi o que fizemos no dia da visita ao restaurante, para experimentar a belezinha em grande estilo. A carne é extremamente suculenta e saborosa e, apesar de alta, não pesa em momento algum: parece desmanchar na boca.

burgernacional3

Kobe burger com bacon e gorgonzola

Se você é do time dos bem passados, melhor passar longe dessa escolha: o lance aqui é pedir ao ponto para poder sentir toda a suculência do kobe burger. E não hesite em verificar se o ponto está de acordo com o pedido, afinal, se isso já é fundamental em praticamente qualquer hambúrguer, nesse aqui é simplesmente o principal da experiência.

Antes que você aí pense, já me adianto: realmente, não é uma escolha para ser feita sempre. Muitas vezes decidimos comer um hambúrguer não só porque amamos, mas também para economizar e ser mais práticos, o que nesse caso simplesmente não rola. O kobe burger não é um lanchinho: está mais para uma experiência para quem ama hambúrguer e tem curiosidade de provar essa carne.

burgernacional4

Para completar o sanduíche, o bacon torradinho e o queijo gorgonzola da casa fazem uma dupla perfeita de acompanhamento. A maionese clássica é correta: não rouba a cena com tempero em excesso, o que seria um pecado diante de tantas delícias encaixadas entre duas fatias de pão.

Por outro lado, a maionese verde chama bastante a atenção: experimentamos com a gostosa batata spice, apimentadinha e crocante. A porção é ótima para aquietar dois famintos enquanto o hambúrguer não chega.

burgernacional2

Batatas spice: pra quem ama pimenta

Se ainda sobrar espaço para dar uma olhadinha no cardápio de sobremesas, não se espante se os milk shakes chamarem mais a atenção: são varias opções e, claro, o de Nutella continua no menu. Mas, no bloco de sobremesas mesmo, quem brilha é o petit gatêau de doce de leite, que leva canela e vem acompanhado de sorvete de baunilha.

Os fãs de doce de leite vão até esquecer que um dia provaram gatêau de chocolate! :P hehe

burgernacional5

Com preços de sanduíches a partir de 30, a Hamburgueria Nacional é uma ótima pedida para ir com amigos e família: mesas grandes não faltam no salão e ninguém se chateia com o cardápio super democrático e com opções vegetarianas. Só ficou devendo pão integral e batata doce rústica! :P

burgernacional6

VAI LÁ: Avenida Ibirapuera, 2835, São Paulo, SP. Horários, cardápio e informações extras aqui.

Holy Burger: hambúrguer para comer rezando no centro de SP

sex

Para ver tudo o que já contei nesta tag, clique aqui.

Eu adoro hambúrguer. Eu como hambúrguer frequentemente. Eu também confesso que embarquei no hype do sanduíche em São Paulo e por isso também já gastei dinheiro à toa, comendo porcaria que não valia um tostão furado ou era absolutamente supervalorizada. Dito isso, vem o alívio: nem tudo está perdido. O Holy Burger é dessas novidades que valem a pena. E, já aviso, tem preço justíssimo.

holy6

holy2

A casa pequena fica no centro de São Paulo e está despretensiosamente localizada perto de vários botecos simples ali na região do Mackenzie. Algumas mesas ficam na calçada, algumas cadeiras em volta do balcão e outras pequenas mesas no salão, que nada mais é que uma cozinha para olhos atentos ficarem observando.

Uma placa já avisa que eles não gostam de servir hambúrguer bem passado. E eu penso: graças a Deus! Quantas lanchonetes pseudo de qualidade começaram a servir carne torrada mesmo quando você pede ao ponto? Veja, sempre se pode reclamar, mas uma hora fica chato ficar pedindo para seu lanche voltar quando se está morto de fome.

Pedimos, então, nossos sanduíches. Optei pelo Original Burger, uma mistura dos ingredientes mais maravilhosos que um hambúrguer pode ter, em minha humilde opinião: pão preto, carne ao ponto rosadinha, bacon, cheddar e maionese – que preferi pedir à parte.

holy4

Original Burger: fome só de olhar para a foto

O sanduba chega “agregado” por um espeto de churrasco e é com certeza um dos melhores que já comi. Em São Paulo, entrou para o top 3 fácil, até porque meu favoritão anda deixando bastante a desejar. Sempre volto nessa lanchonete esperando aquele hambúrguer pelo qual me apaixonei, mas nos últimos tempos parece que eles não são mais tão cuidadosos assim. Uma tragédia que só posso esquecer comentando sobre a batatinha frita do Holy:

holy

As deliciosas fritas e nossas SixPoint

Para acompanhar, pedimos a porção (gigante!) de batatas fritas fininhas e crocantes por somente doze realidades. Eu que sou completamente ta-ra-da por batatas fininhas voltaria lá para sempre por isso. Para sempre. Sério. SERIÃO. Inclusive me surpreendi com o preço – muitas cervejas da longa carta deles custam bem mais caro que isso. Que mantenham assim! E, claro, também existem bons drinks, milk shakes e, para quem curte, strawberry lemonade, algo que vou provar na próxima ida.

holy1

holy5

A decoração rústica, apesar de bem cenográfica, combina com a região da cidade e deixa o espaço pequeno mais aconchegante. No verão, pode ser um pouco quente, mas me parece um lugar delícia para escapar do friozinho na mudança de estação que vem aí.

Para fechar, as sobremesas são uma coisa. Também sou fã incondicional de pudim e, qual foi minha surpresa, quando o mesmo chegou dentro de uma latinha de leite condensado na mesa? Gostoso e uma gracinha:

holypudim

 VAI LÁ: Rua Doutor Cesário Mota Junior, 527, São Paulo, SP. Horários, cardápio e informações extras aqui.

Hambúrguer gostoso e novinho na Mooca: Imagens da Semana

seg

Para ver tudo o que já contei nesta tag, clique aqui.

É com muita alegria e orgulhinho bairrista que hoje venho dar a dica de um restaurante delicioso e pertinho de casa: é na Mooca, meu! Fiquei sabendo do Cadillac Burger através de uma matéria do Guia da Folha e já logo anotei para ir num dia de preuiça de de atravessar a cidade. rs

O Cadillac Burger fica na Rua Juventus, super bem localizado, e tem decoração caprichada. O dono é José Américo “Tatá” Crippa, figurinha carimbada da cultura “lowrider” no Brasil e responsável por personalizar carros de gente como o rapper Mano Brown – dá pra ver, aliás, algumas obras dele estacionadas do lado do restaurante.

pedacinho do salão do Cadillac!

O resultado da pesquisa do cara é uma casa com carinha de diner de estrada californiana e elementos estradeiros pelas paredes, além de hambúrgueres muito leves e bem feitos e cervejinhas diferentes, como a Brooklyn. Outros pontos positivos são o estacionamento próprio (viva o mundo sem valet!) e o som que toca: uma rádio bem boa lá do Havaí.

Algumas das nossas escolhas:

“La Mafia”: hambúrguer com mussarela de búfala gratinada, tomate confitado, rúcula e manjericão

torta de maçã absurda, simplesmente a melhor que já comi em São Paulo!

Comemos as batatinhas rústicas da casa e eu optei por esse belo hambúrguer, o La Mafia, surpreendentemente leve e com tempero no ponto certo. A leveza dos pratos, aliás, foi um ponto positivo: o meu sanduíche e o do Rafa estavam perfeitos e ainda deu para pedir essa torta de maçã para dividir. Eu amo essa sobremesa e saí de lá suspirando, foi a melhor que já comi em São Paulo!

No fim das contas, vou voltar com certeza – e não só porque é perto de casa. Realmente é uma novidade competitiva e fora do circuito tradicional de hamburguerias da cidade.

.

O hambúrguer do Facebook

qui

o hambúrguer mais famoso da cidade

Eu nunca fui para Boston, mas de uma certa forma já estive na Bartley’s Burgers, a hamburgueria mais famosa da cidade, que fica no bairro de Cambridge.

Pertinho da Universidade de Harvard, a lanchonete cinquentona já recebeu convidados ilustres como Johnny Depp, Matt Damon e até Jackeline Kennedy, que esteve lá para um hamburguer e fritas com sua filha, Caroline, quando esta concluía a Faculdade de Artes.

Depois de tanto servir alunos famintos, eis que seu representante não mais famoso, ou talvez não mais bonito, mas certamente um dos mais jovens e milionários, lhe deu um presente. A história de Zuckerberg e seu Facebook rendeu: Bartley’s é a locação de abertura do filme “A Rede Social”.
.

o menu

Logo na primeira cena, Mark Zuckerberg, interpretado por Jesse Eisenberg, está sentado junto a sua namorada. No diálogo,  ele já dá indícios de seu estilo megalomaníaco e conversa com ela de um jeito que conversou com poucos ao longo do filme, o que tornou a cena longa o suficiente pra sacarmos o ambiente bombado do restaurante.

A namorada de Mark no filme não existe – o Mark da vida real que disse -, mas a Bartley’s existe sim e está lá proporcionando um sentimento de Harvard student a qualquer um que peça seus sanduíches.

Em julho, o estabelecimento ganhou a honraria de ser eleito o dono do melhor hambúrguer da cidade numa votação realizada, adivinhe!, via Facebook. Mais de 70 mil moradores de Boston votaram e a casa incluiu o Facebook Burger em seu cardápio:

sanduba para nerds e famintos

Por $9,99, você leva carne grelhada ao ponto, molho barbecue, picles e  batatas fritas como acompanhamento.

O restaurante, super bem-humorado, também completa seu cardápio com lanches que homenageiam Lady Gaga, Hilary Clinton, Michelle Obama, o iPhone (??) e até o remédio viagra (!!).

O “Bartley’s Burgers” fica no 1246 da Massachusetts Ave e funciona de segunda a sábado, das 11 da manhã às 9 da noite. O preço de uma refeição com sanduíche e bebida sai em torno de $14 por pessoa + taxas.

Acho que não preciso nem dizer: se estiver em Boston, vale a visita! 8)

Cabelo, restaurantes e mimos – Imagens da Semana

sáb

Antes tarde do que nunca, o “Imagens…” desta semana! Para ver todas as outras dicas e coisas que contei nesta tag, acesse aqui.


CABELO NOVO


Podem culpar minha fisioterapia e a manhã no cabeleireiro pelo atraso do post! hehe A fisioterapia já está chegando ao final, mas como vocês poderão ver na próxima foto, meu cabelo não só já estava gigante quanto pesado, e eu implorando por uma mudança finalmente fui no salão mudar. Faz muito tempo que uso franja longa ou curtinha, então quando finalmente consegui deixá-la crescer, hesitei muiiito em cortar de novo. Pois ontem cortei e valeu a pena!

A responsável pela mudança foi a Gisa, ótima cabeleireira do Studio W do Shopping Anália Franco. Já tinha tosado outras vezes com ela e dessa vez deixei ela definir o corte, sem influenciar muito. Ficou super legal e já estou apaixonada pela franja (de novo! hehe). Em breve posto mais fotos que mostrem melhor, porque tirei essa correndo no carro e não dá pra ver as mil e uma camadas do cabelo.

.

STELLAS, STELLAS, STELLAS


Terça-feira fui com os brothers Rex e Mark num evento da Stella Artois aprender a tirar chopp! E, ó, só digo uma coisa: se eu não tive talento para o curling ou para o golfe, descobri que tenho talento SIM pra tirar chopp. Olha só esse colarinho perfeito (e o Mark disfarçando para não sair na foto atrás)! 8)

O evento foi para mostrar para a galera como trabalha um chopeiro e também divulgar a 14ª edição da “copa do mundo” do chopp, a World Draught Meister, que será realizada em Londres dia 28 de outubro e levará um representante dos 30 bares brasileiros que fornecem Stella tirada na hora para competir. Quem quiser provar o chopp da Stella, super leve e saboroso, pode ir em estabelecimentos como o “Bar Anhangüera”, o “MyNy Bar”, o “Bar Astor” e os pubs “All Black” e “Blue”.

.

MARAKUTHAI

No sábado, depois de assistir o belo espetáculo “Ensina-me a Viver”, em cartaz pela terceira vez em São Paulo, Rafa e eu emendamos um delicioso jantar no Marakuthai. Como o próprio nome do restaurante denota, os pratos misturam elementos da gastronomia tailandesa e brasileira e o resultado é indescritível e simplesmente imperdível, fora o fato da chef Renata Vanzeto ser super jovem e mandar muito bem na empreitada.

Na foto, as entradinhas que pedi: um “shot”, espécie de mini sopinha de caldo de camarão, e o “satun”, mariscos e lula no caldo de leite de coco. Para quem se interessou, deixo o recado: barato não é, mas vale cada centavo.

O ambiente tem cara de despretensioso, mas é absolutamente lindo e tão contemporâneo quanto o menu. É uma ótima pedida para levar alguém especial e impressionar com o jantar à luz de velas, mas também é gostoso para ir em mais gente, sentar numa super mesa e tomar drinks enquanto come pratos leves. Recomendadíssimo.

.

BURDOG

Depois de um restaurante phyno, nada como fechar o final de semana no Burdog, né? hehe Donos de uma das melhores maioneses de São Paulo, a lanchonete expandiu ainda mais e inaugurou uma loja mais perto de mim, na região do Ipiranga.

Fãs dos sandubas burdoguenses, Rafa e eu fomos até lá conferir se o padrão das outras unidades estava sendo mantido e, enfim, não só está tudo ótimo, quanto estão caprichando ainda mais para conquistar a clientela local. A loja fica aberta até duas da manhã, então dependendo do seu programa, dá pra dar uma passadinha depois de sair. Espero que ela vire quase 24h como a da Dr. Arnaldo, que vive lotadona até de manhã.

.

#VCEM3D

Para fechar, um mimo incrível que recebi esta semana: o “1001 Filmes para ver antes de morrer”. Na realidade, recebi uma edição especial da obra super limitada. Parte da ação #VCEM3D, o livro virou “1002” e incluiu a produção da Circus Filmes, da qual eu e mais outros interneteiros faremos parte. Por enquanto, sabemos muito pouco, e a curiosidade está nos matando. Taí um arg que ainda vai dar o que falar!

Para entender mais e ajudar a gente a descobrir tudo sobre essa produção cinematográfica maluca, acesse o site e o twitter do diretor, Dado Di Ducchesi.

.