Ubatuba: dicas de melhores praias e restaurantes para sua próxima viagem!

ter

Ubatuba é uma cidade no litoral norte de São Paulo com mais de 100 praias e alguns tesourinhos gastronômicos escondidos. Como encontrar os lugares mais legais para ir? Só pesquisando mesmo – ou indo bastante, como foi meu caso nos últimos anos! Pensando nisso, registrei minha última ida para a praia num vlog bem recheado para mostrar alguns dos lugares que mais gosto de ir, entre praias e restaurantes.

Você já conhecia todas as dicas? Aproveita para se inscrever no canal  e receber os vídeos primeiro!

Visite as páginas dos locais citados no vídeo no Trip Advisor e veja mais dicas de outros viajantes:

Padaria Integrale
Praia do Prumirim
Bar de praia Jundu
Restaurante Spaghetto
Praia da Fazenda
Restaurante San Telmo

Para ver outros vídeos já publicados, clique aqui.

Liga da Justiça: afinal, o filme da DC passa de ano?

sáb

Depois de muita espera, finalmente “Liga da Justiça” chegou aos cinemas! Num misto de ansiedade com ‘medinho’, fui aos cinemas querendo ver minha infância na tela com tantos heróis importantes juntos, mas ainda reticente graças aos muitos comentários mundo a fora dizendo para ir “sem expectativas”. Pois bem: o filme novo da DC está amargando 41% no Rotten Tomatoes, nosso maior termometrão de estreias a nível mundial, mas ainda assim diverte bastante. Mas é o que a gente queria e esperava? Ahn… Provavelmente não.

Como sempre, crítica e comentários completos no vídeo abaixo, só que desta vez com spoilers para falarmos livremente sobre o assunto, especialmente nessa semana pós-estreia.  Aproveita para se inscrever no canal  e receber os vídeos primeiro!

Para ver outros vídeos já publicados, clique aqui.

Afinal, dá para separar o artista da obra em meio a tantos problemas em Hollywood?

qui

Depois das denúncias envolvendo o produtor Harvey Weinstein, muitas outras estão vindo à tona e numa velocidade que fica até difícil de acompanhar. Nomes como o dos atores Kevin Spacey (“House of Cards”) e Ed Westwick (“Gossip Girl”), do humorista Louis C.K. e até mesmo o do físico e apresentador Neil deGrasse Tyson (“Cosmos”) vieram à tona em uma série de acusações de assédio, abuso e até mesmo estupro. Tudo isso reacende aquela velha pergunta: afinal, dá para separar o artista da obra?

Para ter essa conversa que não tem respostas fáceis nem definitivas, sentei com a querida Alice Aquino do Ali e Aqui para discutirmos que armas temos, enquanto público pagante, para ir contra certos comportamentos. O boicote é realmente a única arma que temos enquanto público? Existem casos ‘mais complicados’ que outros? E como ficam as pessoas inocentes da indústria que se prejudicam e perdem seus empregos quando um cancelamento de seriado, por exemplo, acontece sem mais nem menos?

Dá o play no vídeo e aproveita para se inscrever no canal  e continuar acompanhando esta e outras discussões.

 

Para mim, fica cada vez mais clara a importância de termos mais mulheres nessa indústria: um ambiente pelo menos um pouco mais seguro para outras que chegam. Por isso, indico fazer a dobradinha e assistir o vídeo que gravei com a Alice para o canal dela sobre mulheres diretoras de cinema. Quais são as de maior destaque? Por que tão poucas? Recomendo!

Para ver outros vídeos já publicados, clique aqui.

The Good Place: a série de comédia da Netflix fala de vida após a morte de um jeito que você nunca viu

ter

Você está preparado (a) para rever sua opinião sobre frozen yogurt e ainda dar risada enquanto relembra aulas de filosofia? Então “The Good Place” merece sua atenção! A série de comédia da NBC americana é estrelada por Kristen Bell e Ted Danson e trata de um tema bastante improvável para uma comédia: a vida após a morte. O show criado por Michael Schur, que já esteve por trás de “Brooklyn 99” e “Parks and Recreation, já está na segunda temporada e começou a bombar por aqui logo que entrou no catálogo da Netflix. Ou seja? Tá tudo lá para maratonar deliciosamente!

O seriado tem texto ácido e inteligente e mostra o que acontece quando partimos desta para o lado de lá. Quem vai para o “lugar ruim” ou quem vai para o “lugar bom”, que dá nome à série? Como isso é definido e o que aconteceria se esse sistema bugasse? É esse o dilema pavoroso que a protagonista, Eleanor Shellstrop, enfrenta, além de ter que lidar com muito frozen yogurt e a incapacidade de xingar no paraíso.

No review de hoje conto porque vale a pena assistir a série e também algumas reflexões que tive enquanto assistia, tudo sem spoilers, até porque essa é daquelas séries cheeeeias de reviravoltas! Veja a crítica completa no vídeo e aproveite para se inscrever no canal  e receber os vídeos primeiro!

Para ver outros vídeos já publicados, clique aqui.

Stranger Things: a evolução da série na nova temporada e teorias mirabolantes

ter

Depois de 9 horas de uma deliciosa e crocante maratona de “Stranger Things”, era impossível deixar passar em branco no canal e no blog essa série original da Netflix que ganhou de vez meu coração. Criada pelos irmãos Duffer, o seriado se apoiou um bocado nas referências anos 80 na primeira temporada, mas agora finalmente mostrou a que veio, com uma trama – e um monstro – muito mais grandiosos do que pensávamos. O suspense deu lugar ao desenvolvimento dos personagens numa leva de episódios mais ‘cabeçudos’, mas igualmente interessantes.

Veja a crítica completa no vídeo, assim como algumas teorias do que esperar para a terceira temporada que, embora ainda não tenha data definida, certamente vai acontecer! Aproveita para se inscrever no canal  e receber os vídeos primeiro!

Para ver outros vídeos já publicados, clique aqui.

A Guerra dos Sexos: Emma Stone, militância feminista e crítica do filme

ter

Esta semana, a crítica de filme e também indicação vai para “A Guerra dos Sexos”, com Emma Stone e Steve Carell. Dos mesmos diretores de “Pequena Miss Sunshine”, o filme revisita a história real de uma memorável partida de tênis ocorrida em 1973 entre a atleta Billy Jean King e o então ex-atleta Bobby Riggs. O que era para ser uma ‘aposta’ banal acaba se tornando uma verdadeira guerra dos sexos e revelando de vez a falta de igualdade entre os gêneros no mundo do esporte. Além de excelente tecnicamente, o filme emula a fotografia de filmes dos anos 70 e pode render prêmios para Emma Stone, que está ainda melhor que em “La La Land”. 

Além disso, o tema do filme é bastante oportuno, especialmente neste momento de revelações do sexismo assombroso em Hollywood. Para se ter ideia, a militância da tenista Billy Jean acabou sendo determinante para mudar o cenário para as atletas que vieram em seguida.

Dá o play e aproveita para se inscrever no canal  e receber os vídeos primeiro!

Para ver outros vídeos já publicados, clique aqui.