Games x filmes: por que tantas adaptações dão errado? Um papo com a Nat Kreuser!

seg

Estamos cansados de ouvir que “o livro é sempre melhor que o filme”, mas… Não só isso nem sempre é verdade, quanto no mundo do entretenimento outras variantes entram em jogo, por exemplo no caso dos games! No último vídeo do canal, comento com a minha amiga e youtuber Natalia Kreuser sobre adaptações polêmicas de jogos para o cinema e o porquê de muitas delas darem tão errado – ou tão certo!

Falamos de “Detona Ralph”, “Pixels” (já rolou resenha aqui!), “Tomb Raider”, “Mortal Kombat” e muitos outros… E, claro, também discutimos quais jogos deveriam virar filmes e quais filmes mereciam bons jogos! E você, qual seu filme de jogo/jogo de filme favoritos?? ;)

Dá o play e se inscreve no canal para receber os vídeos primeiro! ;)

Para ver outros vídeos já publicados, clique aqui.

 

A Barbie desenvolvedora de jogos chegou ao Brasil; vem ver o unboxing!

sex

Lembram quando eu comentei em junho sobre a Barbie Game Developer? Pois ela finalmente chegou ao Brasil, bem a tempo do dia das crianças! Os preços variam entre R$70 e R$80 reais e é fácil de encontrá-la online. No Walmart/RiHappy ela custa R$74,90, por exemplo.

 

Como eu já sabia que essa era uma boneca que eu ia querer ter, mesmo não sendo uma ~colecionadora~, acabei comprando a minha na gringa e gravei um unboxing bem especial para vocês, mostrando todos os detalhes da boneca. Esta Barbie faz parte da coleção de profissões da Mattel e certamente é um passo importante para mais meninas se interessarem por tecnologia. Quisera eu ter brincado com uma assim na infância! :’)

Dá o play e se inscreve no canal para receber os vídeos primeiro! ;)

Para ver outros vídeos já publicados, clique aqui.

 

Games da BGS 2016 para jogar já já e um passeio pelo evento!

qui

Esta semana acaba de rolar mais uma edição da Brasil Game Show e estive lá para jogar, gravar e trazer os jogos-desejo que chegam já já e podem até te convencer a comprar um videogame neste fim de ano! ;)

Antes da lista, dá o play neste vlog superespecial que gravei no evento, com direito a reviews, entrevistas e um pouquinho do clima geral, tudo feito com carinho até mesmo para quem nunca foi a um evento assim!


Dá o play e se inscreve no canal para receber os vídeos primeiro! Para ver outros vídeos já publicados, clique aqui.

.
GAMES DA BGS PARA JOGAR JÁ JÁ


SETEMBRO

Depois de anos de questionamentos e cobranças da comunidade, aparentemente as produtoras de jogos acordaram e as protagonistas mulheres estão por todos os lugares. Que bom para nós! Uma delas é Joule Adams, a heroína de “Recore”! O jogo já chega semana que vem, dia 13 de setembro, e tem produção de Keiji Inafune, o cara que tem nada menos que MegaMan no currículo, caso você ainda não o conheça. O jogo é exclusivo de Xbox e PC e super gostoso de jogar!

 

OUTUBRO

No mês seguinte, nosso jogo de dança favorito da vida inteira também chega às lojas bem a tempo de dar aquele help no #projetoverão! rs “Just Dance 2017” tem lançamento previsto para 25/10 e está com um dos melhores lineups dos últimos anos, com Beyoncé, Justin Bieber, Anitta (!) e os hits supremos “Lean On”, do Major Lazer, e “Cheap Thrills”, da Sia.


.

NOVEMBRO

Ser um ~hacker~ serious business em plena San Francisco num futuro próximo é o que vamos experimentar em “Watch Dogs 2”, que chega às lojas em 15/11. O jogo é o segundo da franquia e leva a ideia a outro nível, numa nova cidade e com outros personagens – não é necessário ter jogar o jogo anterior para curtir esse.

Na BGS, WD2 não estava jogável, maaas tudo que vimos do jogo até agora é extremamente promissor. Se este mundo aberto vai finalmente bater o de “GTA V” não sabemos, mas que teremos umas booooas horas de diversão, não há dúvida! E enfim, olha esse protagonista, essa trilha sonora e esse visual, gente! :O

TÃO PERTO, TÃO LONGE

O lindíssimo e dificílimo “Cuphead” vai chegar em 2016. E é só isso que sabemos: ainda não há data de lançamento definida para o jogo, mas algo me diz que vem lá pelos 45 do segundo tempo mesmo. O visual de cartoon dos anos 30 te deixa babando, mas também te faz se sentir meio idiota com os personagens singelamente rindo do seu fracasso. rs   É o tipo do jogo que traz aquele prazer inenarrável ao derrotar os chefões – mas isso eu não senti porque fui simplesmente aniquilada nos meus testes do jogo na BGS! hahaha O game chegará para Xbox e PC.

.

Previsto sóóó para fevereiro de 2017, “Horizon Zero Dawn” é o próximo bom motivo para muita gente adquirir um PS4 – eu, inclusive. O título é exclusivo do console da Sony e tem temática inovadora, visual incrível e a protagonista feminina que a gente queria e precisava. Alloy vive num mundo pós-apocalíptico daqui a mil anos e convive com criaturas que parecem uma mistura de dinossauros e robôs. Vai ter muito bate-cabelo incrível em 4K, certamente!

horizon_alloy

#Gamerblood: Xbox Brasil quer incentivar a doação de sangue

qua

Uma campanha super legal de Xbox promete unir os gamers por uma boa causa e estou super feliz em poder participar dessa campanha e convidar vocês também! Aproveitando a chegada da Brasil Game Show, que acontece entre os dias 1 e 5 de setembro em São Paulo, a empresa convida os jogadores de todo país a se engajarem na #GamerBlood e doarem sangue.

Além de ser uma ótima ideia para ajudar os bancos de sangue que estão sempre precisando de doadores, é um jeitinho de tentar ganhar um ingresso para o evento – quem não quer, não é mesmo?

gamerblood2

gamerblood1

Quem doar sangue entre os dias 12 e 28 de agosto e levar o comprovante de doação na Livraria Cultura do Conjunto Nacional, em São Paulo, vai ganhar uma camiseta (igual a minha!) e também um ingresso para a BGS! Presentão, né? O mimo é válido para as primeiras 300 pessoas que chegarem no local!

Quem conquistar sua camiseta e usá-la na BGS, ainda ganha acesso VIP às atividades no stand da Microsoft no evento. Todas as informações e regulamento completo da ação #GamerBlood você encontra na página oficial aqui. Estarei por lá esse ano e apoiando essa ideia! Nos vemos lá? ;)

Amiga, por que você ainda não joga videogame? 13 motivos para começar agora!

ter

Jogo videogame desde criança e trabalho com esse mercado há uns bons anos. Mas, engraçado, muitos sabem disso não porque lêem o blog, mas porque me seguem em outras redes sociais. Por algum motivo, este assunto tão importante na minha vida não era tão presente por aqui, mas definitivamente está na hora de mudar as coisas!

Embora hoje eu conheça muitas (muitas mesmo!) meninas que jogam, digamos que demorei um tempo para sair desse armário, tudo única e simplesmente porque não tinha companhia. Das duas, uma: ou eu era a excluída na turma dos meninos ou a esquisitona entre as meninas. Legal, #sqn. 

Ao mesmo tempo em que fui percebendo que não precisava de companhia nenhuma para fazer algo que me divertia e me dava prazer, o cenário foi mudando. Hoje falo de boca cheia que me orgulho demais em ver uma timeline recheada de mulheres que, como eu, adoram jogar e não estão nem aí para quem torce o nariz para isso. Se você leitora não entende do que estou falando e morre de curiosidade de saber o que tanto prende as crianças no youtube, então tá na hora de passar a mão no joystick mais próximo e experimentar. ;)

Amiga, por que você ainda não joga videogame? 13 motivos para começar agora!

gamesgirls

‘two girls play videogames’ via shutterstock


1.
Jogar é divertido, desestressante e desafiador. E, sim, vamos começar com motivos bem bestas mesmo, mas ainda assim necessários. Chegar de um dia difícil do trabalho e distribuir headshots nos inimigos vai fazer você se sentir ótima e super útil para o seu time. Não se preocupe com o que vão pensar, simplesmente divirta-se.

 2. Não é ‘coisa de menino’: games são feitos para pessoas, assim como filmes, livros ou qualquer outra forma de entretenimento. Apesar de que, enfim, se existem jogos até para gatos… Talvez realmente não devamos colocar limites ou ter preconceitos aqui, certo?

catgame

3. As mulheres não estão sozinhas nem são a minoria nesse mercado. Pesquisas recentes já comprovam que a porcentagem entre homens e mulheres que jogam está cada vez mais próxima. Outro estudo mostrou que, entre o público adulto nos Estados Unidos, são as mulheres que mais possuem seus próprios videogames. 

4. Videogame é coisa de gente grande: no conteúdo e na prática. Por anos a indústria e seus marketeiros deixaram bem claro seu foco no público masculino e jovem, mas as coisas mudaram um bocado, meus caros. Atualmente, por exemplo, já são mais mulheres adultas jogando do que moleques adolescentes. Fora isso, boa parte dos grandes lançamentos recebe classificação 18+. Sobre isso, vale lembrar: se o seu priminho anda jogando algo violento demais, é bom dar aquele toque para a família reparar na classificação indicativa de cada jogo. Todos precisam deixar isso bem claro na embalagem e há jogos adequados para todos os públicos.

Continue lendo →

Videogame na moda: Game Boy vira bolsinha fashionista

seg

Ainda fico um pouco intrigada em como a moda explora pouco o universo do videogame. Música, cinema e artes plásticas são referências constantes e inesgotáveis, mas por que não seria a hora de incluir um pouco de diversão eletrônica nisso tudo?

Até hoje, Pac-Man e Space Invaders reinam absolutos como referência do mundo gamer, só que sem nenhum rebuscamento: a gente vê os personagens pura e simplesmente aparecendo impressos em peças variadas, só para dar um ar divertido (e às vezes infantil), mas nunca recebendo aquela reinterpretação mágica que a moda costuma dar para suas outras referências mais antigas.

Com a moda cada vez mais carente de impacto com os consumidores, acredito que é apenas uma questão de tempo para essa indústria dar uma olhadinha com um pouco mais de carinho para o videogame e seus representantes menos ‘old school’. Embora os jogos ainda sejam bem novatos, especialmente se compararmos com música ou pintura, tá aí uma fonte inesgotável de histórias e referências visuais que merece tratamento de gente grande.

Mas eu disse: é só uma questão de tempo! 

thassia_gameboy

Thassia Naves desfilando seu Game Boy na semana de moda em Paris

A marca de acessórios grega Urania Gazelli acaba de lançar uma coleção que usa não só o manjado universo de Pac-Man em suas bolsas, mas também faz uma reconstrução exata de um Game Boy. Sim, o portátil da Nintendo que reinou lindamente nos anos 90 virou uma clutch na coleção “Game Girl”! Quem é que não queria ter um na infância, me conta? (eu não tive, portanto estou chorando com essas imagens)

 

Fiquei apaixonada pela ‘bolsinha’ singela, mesmo sabendo que a coleção ignora totalmente o fato de que Pac-Man e Game Boy são de épocas totalmente diferentes – vamos tolerar só por ver, finalmente, algo mais novinho sendo representado. A clutch deve custar algo entre US$800 e US$1800, média de preços da grife. 

Salgado sim, mas sacou direitinho essa história de inspirar desejo, tanto nas nerds, quanto nas fashionistas que lembram muito bem dos anos 90 e vão ficar suspirando em casa.

Mais alguém se identifica com os dois lados? Eu sim, só me faltam limites no cartão! kkk

imagens: reprodução/Instagram Urania GazelliBlog da Thássia