Jungle: a banda que você precisa ouvir – e ver só se quiser

sex

Imagem, superexposição, mais imagem. Vídeos. Virais. Imagem. Imagem é tudo para quase todas as áreas do entretenimento atual, até mesmo para a música que, coitada, vive uma repetição de clichês e personalidades sonoras simplesmente porque vende bem. É quase um dilema “tostines”: a imagem é importante para vender mais ou vende mais porque a imagem é super explorada? Dois amigos de infância resolveram quebrar este paradigma e esta semana deram um rasante pelo Brasil mostrando no palco o que descobriram.

jungle0

J. e T.: sucesso sem fama

Jungle é a banda formada pela dupla J. e T. (ou mais precisamente Josh Lloyd-Watson e Tom McFarland) e por mais 5 integrantes que fazem a magia soul-funk-eletrônica acontecer no palco. Vi de perto o show em São Paulo esta semana e me encantei com o trabalho dos vizinhos de porta de Londres que esconderam sua identidade por algum tempo.

jungle1

a Jungle completa

Acontece que J. e T. quiseram começar um experimento e tanto em 2013: mostrar que a música pode sim funcionar por si só e não ficar na dependência da personalidade de um frontman. Por isso mesmo, os rapazes conseguiram se manter misteriosos por algum tempo, mesmo com as visualizações de seus clipes passando da casa dos 6 dígitos.

O mistério se foi quando enfim precisaram subir ao palco e começaram a ser bookados para festivais de música pelo mundo. Para a magia do disco feito a quatro mãos dar certo, mais cinco músicos entraram na dança e, mesmo que de forma não proposital, ajudaram a despersonificar o Jungle, dividindo a atenção do palco com os dois membros originais.

No show dos caras há tanta gente para olhar e ao mesmo tempo não ver que é de fato melhor escutar. O som é complexo e orquestrado nos mínimos detalhes e o vocal é perfeito, ao contrário de muitas bandas novas dessa geração. Para completar o clima, a iluminação esperta pouco revela quem são os artistas e cria um clima etéreo.

A photo posted by Fernanda Pineda (@loverox) on

O som do grupo é sexy, dançante e ao mesmo tempo suave. Você já deve ter ouvido o grande hit “Busy Earning” por aí, mas se o som te é famílar e você não consegue lembrar porque, pode ter sido dos games: a música toca em “Fifa 15” e também no jogo de corrida “Forza Horizon 2”. Tenho certeza que foi aí no último que ouvi primeiro.

Quem perdeu os shows que rolaram no Rio e em São Paulo, pode corrigir o erro e ir atrás de ver os vídeos da banda, que não mostram os músicos, mas sim a música. E são bonitos.

Comentários via Facebook

Deixe seu comentário