O Coachella ainda te inspira?

qua

Um grupo de amigas californianas lindas e magras num carro antigo dirigem pelo deserto. Uma banda indie que ninguém sabe o nome toca ao fundo. Um chapéu, uma coroa de flores, top cropped, muito crochê e algumas botinhas de camurça. Há também aquela amiga de saia longa e rasteirinha. Franjas pairam no ar.

Se eu nem precisei de uma foto para ilustrar tudo isso que você acabou de ver aí na sua cabeça, é sinal de que a imagem já está tão bem construída que nem demanda explicação, certo?

certo, mas não custa nada mostrar

A fórmula Coachella foi, ainda é, importantíssima para a moda: em meio a tantas bandas de rock que não duram até se tornarem headliners, o festival de música trouxe ar fresco para as vitrines. Ar ainda por cima etiquetado com o rótulo de “indie” e “para poucos”. O evento se consolidou como o grande atrativo de si mesmo, como o-lançador-de-tendências: não importa o que você pretende ver lá. O que importa é estar lá, ver e ser visto e colecionar pulseiras das festas VIP das modas.

Também não importa como você definiu seu look, se você se inspirou em alguém (Kate Bosworth chora!), se você acredita naquilo ou se só deu uma passadinha na H&M mais próxima e comprou direto da coleção que eles fizeram pensadinha pra você. Ninguém pode te culpar se você fizer isso, afinal.

até porque tem várias coisas lindas.

As tendências já foram tão engolidas e regurgitadas que parece que nada vai conseguir superar a mistura entre cowgirl, cigana e camponesa de boutique que reina entre o público. Até tem uma ou outra que não segue a cartilha, mas qualquer escorregão parece uma fantasia inadequada para a ocasião.

Katy Perry, why????!

Durante o festival, não adianta: os visuais mais incríveis e complementares à paisagem desértica se rendem às rendas e franjas com jeitão de empoeiradas. A mistura funciona, convenhamos. Deu tão certo que é quase um uniforme, e aceitamos até complementá-lo com uma coroa de flores, mesmo sem ter o talento ou personalidade da Frida Kahlo. Ou o dinheiro da Lana Del Rey. E agora ninguém aguenta mais.

Enquanto em alguns festivais recentes a gente se incomodava durante o show com tanta câmera e celular para cima, neste Lollapalooza outra coisa atrapalhava a visão: a repetição massiva dos chapelões anos 70 nas cabeças da mulherada. Se esse tipo de tendência enjoa até aqui, como será possível continuar inspirando alguém por lá, terrinha mãe destas tendências muito loucas?

Longe de mim, aliás, dizer que as coleções específicas de festivais não estão cheias de peças lindas. Elas estão. E ainda vão vender muito. Mas depois de anos olhando para a mesma referência, o esgotamento é inevitável, até para as “musas” do evento. É como se o próprio estilo inovador se virasse contra si mesmo. Você até pode adorar um uniforme, mas quando perceber que ele é só um uniforme, puf!, a graça se foi.

Thaila Ayala: double edition

As fotos poderiam ter sido tiradas em qualquer dos últimos anos do festival. As roupas podem ter qualquer etiqueta. As peças podem ter vindo num conteiner lá da China. Tanto faz.

coachella1

Foto: Reprodução/Driely S./Terra

Se são os frequentadores do Coachella os grandes responsáveis por elevar o status quo visual do festival, pergunto-me: de onde vai vir o próximo sopro de vida para as araras que esperam pelo mês de abril do mesmo jeito que esperam pelo Natal??

Enquanto isso, o deserto segue seu desfile edição 2015: enche os olhos de tão lindo. Mas já não faz brilhar.

coachella3

coachella2

Fotos via Vogue e Nylon Magazine

Comentários via Facebook

7 comentários

  1. Francine Matos

    Bah Fê, não teria me expressado melhor, me senti exatamente assim sobre os zilhões de fotos do festival que invadiram minha timeline no insta.
    Tudo muito lindo, algumas peças que eu olho e com certeza compraria, mas que sinceramente, “cansaram” o olhar, parece que o povo tá com uma mega preguiça de mudar.
    Torcendo pra que ano que vem o pessoal aposente o uniforme!

    Responder
    1. Fernanda Pineda

      Né? E MUITO MEDO SE TODOS VIRAREM CLUBBERS DO DIA PRA NOITE. Vamos lá pegar a pipoca.

      Responder
  2. Thamiris Souza

    Fê te amo! Vc conseguiu descrever em palavras oq eu estava sentindo olhando as mil poses de dedinhos, panos esvoaçantes e bff q bombou no instagram.
    É lindo mas.. ai sooo boring!

    Responder
    1. Fernanda Pineda

      NÉ? <3 foi um alívio desabafar aqui e VER QUE MAIS GENTE CONCORDA! hauhauha

      Responder
  3. Mariana

    Fernanda, você não poderia ter feito um post melhor sobre isso! Sério. Falou tudo que tava engasgado aqui haha eu não conseguiria me expressar tão bem! Adorei.

    Responder
    1. Fernanda Pineda

      Obrigada, Mariana! hahaha :))

      Responder
  4. Fernanda Machado

    sem tirar nem por, perfeita a colocação!

    Responder

Deixe seu comentário