Três blogueiras dão uma celebridade?

seg

Capa de revista com blogueiras já não é novidade no Brasil: apesar do acesso fácil à informação de moda ter chegado bem atrasado por aqui, em julho de 2013 já tínhamos a primeira revista reconhecendo o poder da internet quando o assunto é estilo.

bloggers_br

Camila Coelho, Thássia Naves, Lalá Rudge, Camila Coutinho e Helena Bordon em ensaio da “Glamour”

A “Glamour” foi pioneira ao colocar cinco influenciadoras no lugar geralmente destinado a celebridades ou modelos internacionalmente famosas. Depois de Camila Coelho, Camila Coutinho, Thássia Naves, Helena Bordon e Lalá Rudge, muitas outras blogueiras brasileiras apareceram em capas e recheios, inclusive em outras publicações e para públicos diferentes, como a “Capricho”. Este mês, inclusive, a guru de maquiagem Camila Coelho é a estrela da “Women’s Health”. Curiosamente, a chamada pouco tem a ver com sua especialidade, mas sim com sua boa forma. O mesmo já tinha acontecido com Lalá Noleto.

A questão acaba de ganhar nível internacional com as primeiras três blogueiras a conseguirem uma capa de moda nos Estados Unidos. A edição de fevereiro da “Lucky” traz a italiana Chiara Ferragni, que já figurou em outras capas no seu país, e mais duas australianas mundialmente famosas, Nicole Warne (“Gary Pepper Girl”) e Zanita.

bloggers_lucky

Chiara, Zanita e Nicole: italiana e australianas nas bancas norte-americanas

Não é novidade ver blogueiras em páginas internas, mas num universo editorial extremamente competitivo como o americano, vê-las na capa demonstra uma mudança e tanto do mercado. Encontrar mulheres ligeiramente mais próximas da realidade numa revista que você pode comprar pode significar muita coisa, desde uma crise até o empoderamento absoluto destas self-made women. Por aqui, vamos ficar com a segunda hipótese.

Com milhões de seguidores no mundo todo, essas três com certeza inspiram muito mais o público do que uma modelo qualquer dando declarações sobre como beber 2L de água e usar protetor solar faz bem. Ah, e também há outro diferencial nesse caso: nenhuma delas é uma girl next door qualquer. Além da boa presença online, todas tem aparência acima da média. Pode ter sido só uma coincidência, mas a “Lucky” também optou por mais de uma garota por vez – seria uma alternativa de se destacar no mar de retratos das bancas ou um jeito de dar “peso” à capa, unindo a força digital de cada uma das garotas? Fico, novamente, com a segunda hipótese, embora a própria “Glamour” vá desafiar a fórmula colocando Thássia sozinha na revista de fevereiro.

Vai ser interessante observar os próximos capítulos desse fenômeno do avesso: a mídia se virando para entender um novo tipo de celebridade e a nova celebridade, por sua vez, escolhendo cuidadosamente todas as suas fotos, como uma Beyoncé. E, pasme!, passando a usar grifes tão absurdamente caras que a realidade pode até ir embora pelo ralo. Ficarão as leitoras órfãs de suas bff ou ainda mais aficcionadas por acompanharem suas vidas, agora incríveis? Ao estilo Criolo, convoco Chiara Ferragni: ajude-nos a entender.

Se até pouco tempo era inimaginável uma estrela “B” de reality show estampar a capa da “Vogue”, agora podemos dizer que Kim Kardashian abriu as portas para outras superpoderosas das redes sociais entrarem, independentemente de onde esse “reality” foi exibido. Doa a quem doer.

paris

Comentários via Facebook

21 comentários

  1. Wanila Goularte

    Pra ser sincera, não acompanho nenhuma dessas blogueiras porque não ligo muito pra moda e porque acho que elas passam uma imagem de perfeição que simplesmente não é tão fácil de se conseguir. Acompanho diversos blogs de meninas que compartilham sua rotina, seus gostos, suas roupas com a gente e que são ótimas nisso. Mas não tenho cabeça pra acompanhar gente que usa Chanel e Dior e trata isso como se fosse coisa fácil de ser comprada, como se quando eu tiver 20 mil reais na conta bancária, vou comprar uma bolsa e não um carro. Acho que essas “novas celebridades” não são muito diferentes das antigas. São apenas várias pessoas que ostentando coisas que nem todo mundo (ou quase ninguém) pode ter e o pior de tudo: ver leitoras que se endividam cada vez mais apenas para ter as peças “must have” do momento. Desculpe o desabafo, mas não suporto! E parabéns pelo post, eu amei!

    Responder
    1. Larissa Tobias

      Concordo plenamente Wanila, no começo os blogs davam aquela ideia de coisas mais reais, e a blogueira era tipo uma pessoa normal e dava dicas de como ser mais estilosa com coisas reais, hoje em dia tá tudo tão ‘gourmetizado’ que fica impossível acompanhar de verdade, tirando que mais da metade dos posts são publicidade, ou seja, já não dá para acreditar no que as blogueiras falam.

      Responder
      1. Fernanda Pineda

        Você falou uma verdade, Larrisa. Agora, uma curiosidade, afinal de contas, esse também é um blog: o que faz você deixar de confiar em quem escreve? Você confiou neste texto de hoje aqui , por exemplo?

      2. Larissa Tobias

        Oi Fernanda!
        Então, eu amo ler blogs desde sempre… E alguns eu parei de ler e confiar mesmo sabe, por exemplo a Lalá Noleto e a Gabriela Pugliesi eu não confio, porque fica meio na cara que quase tudo que elas fazem agora é publi de alguma coisa, aí não tem muita graça de ler sabe? Eu gosto quando eu leio e percebo que a pessoa escreveu aquilo porque gosta sabe, o seu blog Fê eu já visito há muito tempo também, e sempre achei ele bem original e que combina com você, confio nos seus textos, um outro blog que também acho bem ‘real’ mesmo sendo muito famoso é o Just Lia, já comentei lá também elogiando que os looks do dia dela são mais reais, assim como os seus! Espero que continuem assim! :)

    2. Fernanda Pineda

      Oi Wanila! Adorei seu comentário!! É exatamente isso. É outra realidade, não vou deixar de comprar absolutamente nada para ter uma bolsa ou um sapato. rs Quando você vê um look do dia por aqui, por exemplo, o que acha? Ou você prefere mais os textos? Aliás, tenho te visto comentando um monte, adoro! <3

      Responder
      1. Wanila Goularte

        Fernanda, comento muito sim porque amo seu blog! Conheci faz pouco tempo, mas já sigo no Bloglovin e mesmo quando não comento, tô sempre por aqui. Eu não ligo muito pra coisas relacionadas a moda, então os looks do dia pra mim são os posts que sempre vejo mas as vezes não comento por não ter o que falar mesmo! hahaha Gosto do seu estilo, me identifico e tenho vontade de roubar várias peças as vezes, mas não é totalmente a minha praia, sabe? Embora eu ache super legal e já prometi pra mim mesma que quando me sentir bem com meu corpo vou postar alguns looks no meu blog também, porque assim como eu gosto de ver looks de outras pessoas pra me inspirar na hora de comprar algo legal, também quero inspirar as pessoas que lêem o que eu escrevo. E sobre os textos… Tenho amado tudo que você escreve e inclusive mandado link prazamiga tudo! hahaha O blog tá lindo e cheio de coisa interessante, e é por isso que eu amo seguir! Você mostra seu lado feminino e amante de moda/estilo nos looks e também mostra que tá por dentro de tudo que acontece no mundo nos textos. É a imagem da mulher moderna! :)

    3. Fernanda Pineda

      Ahh que comentário incrível! <3 hahaha Obrigada mesmo, sorri só de ler! <3 E o lance do look é exatamente esse: um exercício, acima de tudo. Só de olhar as fotos ajuda MUITO a escolher roupas no dia-a-dia, lembrar o que combina com o que... E olha que eu nem fotografo muito! Imagino se fizesse quase todo dia, com certeza já teria evoluído mais!

      Responder
  2. Re Vitrola

    Tem coisa que olho e acho bonito, mas tô com as meninas: tá muito longe da minha realidade, então a identificação passa longe. E eu tô dizendo isso sendo uma mulher que trabalha, que adora maquiagem e comprar roupas e acessórios. Viver só do sonho não é o bastante no meu estilo de vida, eu quero o possível, o que o meu bolso permite. Eu quero poder ver uma amiga blogueira postar algo e eu dizer “isso eu me identifico, e POSSO comprar”, sabe?

    Adorei o post, como inúmeras vezes que vim aqui, Fe!
    Um beijo,
    Re

    Responder
    1. Fernanda Pineda

      ahh Rê! obrigada! <3
      Mas sim, acho que esse é o grande problema, só fico pensando se de repente não é "culpa" do próprio sucesso.

      Responder
  3. Helo Inoue

    Fê, Estou pensando no que comentar tem uns dez minutos.
    Se alguma blogueira comprar uma bolsa nova, que custa mais que o meu carro,viajar de primeira classe, ficar em hotel cinco estrelas, ir às festas mais legais, tiver mais de 1000 likes (verdadeiros ou fakes) e eu ficar mal, puxa, isso pra mim é caso de terapia.
    Vc pode trabalhar e batalhar, mas nem sempre vc vai conseguir tudo o que quiser, faz parte da vida.
    Sem contar que as marcas menos grifadas se inspiram/copiam modelos de grife.
    Camila Coutinho estava usando uma sandália Gucci que é praticamente igual uma da Loucos e Santos que comprei há uns 3 meses, sem nem saber da existência dessa Gucci
    De qualquer modo, vale a premissa: não gosta, não acesse, vá procurar sua turma e seja feliz

    Responder
    1. Fernanda Pineda

      Eu concordo totalmente. Quis propor a reflexão porque eu estou no time que acha super legal o lifestyle mucho louco delas e também consigo separar que aquilo não é pra mim. Não vou me endividar por uma it bag – vou trocar de carro, vou viajar, sei lá. Precisa ter muito dinheiro sobrando para encarar isso com naturalidade (a meu ver). Hoje não me identifico com a grande maioria delas, apenas “assisto” como espectadora, da mesma forma que faço com quase qualquer celebridade. Imagino que seja assim pra vc também, né?

      Responder
      1. Helo Inoue

        Sabe do que lembrei ? Quando era mais nova e lia editoriais de revistas femininas de consultório e eu me perguntava: mas quem compra isso ? Bolsa de RS 5000. Blusinha de R$1000. Hoje dá pra ver que muita gnt surpreendentemente HAHAHAHHA

  4. Thamiris Souza

    Ja me irritei muito com essas blogueiras podres de ricas, parei de gostar, de acessar e achei minha turma na blogosfera!
    Só de pensar que a Thássia é 1 ou 2 anos mais velha que eu, me olho no espelho e penso: sou eu a garota de vinte e poucos ou ela a mulher de saia envelope e salto alto da minha mãe?
    Mas por ter um trabalho relacionado totalmente com moda, acabo dando uma olhadinha nos looks do dia.. looks esses com os quais não me identifico de forma alguma e nem tenho coragem de pagar por eles (pra começar, nem o dinheiro eu tenho).

    Responder
  5. Chell

    Teve uma época que eu só seguia blogs de meninas que falavam de roupas, esmaltes e makes. Ficava maluca, sabia de todos os lançamentos de tudo, mas adivinha, essa não era eu. Primeiro que não tinha dinheiro pra comprar nenhuma daquelas coisas, segundo que não gostava de usar, resumindo, era um “demonho” consumista no meu corpo hahaha

    Acho que o mundo de hoje merece o “menos”, o consumo consciente, o conforto e o que você se sente bem, não importando a moda ou o que todos usam. Por um mundo de mais vidas de verdade, espinhas, gordurinhas e menos máscaras =D

    Responder
    1. Fernanda Pineda

      apoiada!!!!

      Responder
  6. Lou Arruda

    Sei que essas revistas todas estão interessadas em consumo e parte do conteúdo dos blogs é isso, mas, respondendo também à pergunta que você fez ali em cima, sobre o que faz perder a confiança em quem escreve: eu também leio blogs interessada em dicas de moda e beleza, bem como a pessoa que escreve compartilha seu interesse – mas é exatamente essa a chave, a PESSOA. E como uma pessoa, você consegue vê-la nas opiniões, nos gostos, nas experiências, nos desabafos que acabam ocorrendo vez ou outra (coisa que adoro aqui, nos seus textos críticos, que dá pra ver muito da sua personalidade), enfim, é quando acontece a sensação de proximidade, que é o mais bacana desse meio. Já entrei nos blogs de todas essas meninas da Glamour e li produtos e marcas, não pessoas, e isso não me interessa.

    Responder
    1. Fernanda Pineda

      Forte seu comentário, Lou! Acho que são poucas que conseguem dosar o jabá com conteúdo legal atualmente. E conteúdo legal não significa levar uma vida legal e instragramável, mas sim também ser útil pra quem acompanha.

      Responder
      1. Lou Arruda

        Pois é, e isso fica mais complicado porque essa influência toda acaba ficando voltada somente sobre consumo e a “camarotização” de um lifestyle intangível pra maioria de nós (me dá uma certa aflição quando me percebo acompanhando um blog onde parece que nem a anatomia básica a pessoa me permite ter em comum, haha – inclusive ninguém vai dizer que não são modelos nessas capas aí), e nenhuma delas usa de seus blogs pra acrescentar em outros assuntos, e eu acredito que elas se interessem por outras coisas também… Sei lá, como você falou aí embaixo, quando conheceu uma delas pessoalmente e viu que era gente boa e tal, eu acompanho as que já conseguem ser legais de tudo via internet, que não perdem tempo se eu não conhecer pessoalmente um dia, hahaha.

        Beijo!

  7. Vic

    Fe, tenho a sensação de que a ideia de blogs tem se distanciado cada dia mais do conceito de “compartilhar o que você gosta e pensa em um espaço para pessoas como você”. Criou-se uma “aura” de glamour em torno dos blogs e parece que se você não segue determinadas regras para ter um, seu blog torna-se automaticamente ruim. Dai tanto blogueiros quanto leitores se perdem. Isso sem falar no endeusamento dos leitores para os blogueiros, tratando como celebridade, e os blogueiros consequentemente tratando os leitores como fãs. Cadê o sentimento de ser todo mundo mais próximo? :~

    Como trabalho com isso, preciso ler todos os tipos de blog, mesmo os que não me agradam tanto (tipo de humor ou carros), mas na hora de ler os meus favoritos, sempre ficam os que eu leio há anos e os que ainda mantém o cuidado de ser “gente como a gente”.

    Beijo!

    Responder
    1. Fernanda Pineda

      Com certeza, Vic! Mas acho interessante perceber como alguns prosperam em outros não. Dá a impressão que todo mundo que se colocar na caixinha do “physique” certo e do dindin suficiente pra levar um lifestyle xis, tem grandes chances de prosperar. Você já deve ter notado isso no mercado, com certeza. A personalidade ficou em segundo ou terceiro plano, já que o importante é sair bem na foto. Eu tinha uma birra com a Chiara Ferragni e sabe quando mudou? Só quando eu falei com ela ao vivo, numa SPFW. Ela foi tão simpática e autêntica que percebi que ela também era uma pessoa real (só que com dinheiro). rs No outro comentário, eu realmente comentei que gosto de acompanhar essas pessoas, mas pra mim é quase como ver uma novela, um reality. rs

      Responder
  8. Marina

    Não sou muito fã de blogs de moda. Adoro ver looks do dia de pessoas “comuns” na blogosfera, mas no momento em que começam a dar dicas eu caio fora. Leio, aprendo, mas no fim das contas sei que vou pegar a primeira roupa que vier na frente pra sair de casa e que não vou comprar nada daquilo que indicam/postam. Pra mim, transformar blogueiras em celebridades no nível que você mostrou aqui é só mais um jeito disfarçado de influenciar as pessoas. Da mesma forma que aquelas revistas adolescentes tentam fazer as leitoras acreditar que quem escreve faz parte/entende do universo adolescente e está próxima das leitoras, essas outras revistas tentam fazer com que a gente pense que elas fazem parte do nosso universo e são próximas de nós. Pelo menos é assim que eu vejo

    Responder

Deixe seu comentário