“Normcore”: agora a moda é ignorar a moda

qui

Acordou se sentindo… Básica? Não é culpa (só) sua. Os contornos desse movimento foram aparecendo aos poucos: parecia anos 90, depois parecia minimalismo, mas de repente parecia outra coisa que nada tinha a ver com o espaço-tempo e um gazilhão de looks “básicos” foram tomando conta dos sites de street style. O buraco é mais embaixo. Deu no NY Times: a moda agora é ignorar a moda.

.

A overdose de informação e seus efeitos interessantes… Depois de nos conectarmos ao extremo e engolirmos todo e qualquer tipo de informação, fomos buscar nossas raízes usando a armadura do hipster. Buscamos a nossa individualidade com roupas de outra pessoa vendidas num brechó, compramos roupas novas que pareciam roupas vindas de um brechó, ressucitamos vinis, a barba do vovô e muitas outras histórias que nos dessem noção do valor real das coisas. Resolvemos pedalar até o trabalho – e quem não pôde pedalar até lá sonha em um dia poder pedalar até lá.

Quando usar barba e camisa xadrez deixou de ser um diferencial para virar uniforme, a coisa mudou de figura. Agora há quem rejeite tudo isso por um único motivo: acreditar que não é preciso desse circo todo de informação para se destacar. A expressão máxima do estilo seria, por exemplo, Steve Jobs e seu guarda-roupa de Cebolinha recheado com a mesma blusa preta de gola alta usada por anos e anos despretensiosamente.

.

Steve Jobs e o pai casual: muita semelhança

“Normcore” é a palavra para falar desse comportamento que, à bem da verdade, nunca foi moda: se vestir sem se importar com nada além do conforto. É como o seu pai se vestiria para te buscar no meio da noite numa festa, ou como um turista mistura tênis esportivos super confortáveis com uma jaqueta corta-vento colorida e uma mochila. Mas é claro: na moda, a questão ganha tons diferentes e tudo é planejado para parecer que não foi planejado. É confortável, mas não confortável demais. É o seu pai indo te buscar na festa depois de ler a Vogue.

.

Os cools do Brooklyn, as celebridades cool e outras nem tanto, como Leo DiCaprio: “normcore”

Se a intenção era aparentar um “acordei assim”, o tiro sai pela culatra e temos aí uma das tendências mais bobas de moda e comportamento que já vimos nos últimos anos – isso até ela virar padrão e todo mundo achar legal e enjoar, vide o que rolou com os hipsters do nosso bairro. Porém, depois do circo em torno do xadrez, da it bag, do color blocking, do choque de estampas, dos maxi bolsas, dos tênis com salto, dos tênis sem salto, das mini bolsas… Como discordar de quem quer usar moletom?

Demorei a entender essa tendência, mas ela é simplesmente uma resposta à descoberta de que quando todo mundo é único, ninguém é. Agora só tenho uma dúvida: sem o circo na roupa, quem segura “o look” só com a personalidade? .

Comentários via Facebook

4 comentários

  1. Chell

    Adorei o texto =D

    Responder
    1. Fernanda Pineda

      Chell on 26/06/2014 at 9:16 am said:

      Adorei o texto =D

      Que ótimo! :D

      Responder
  2. Pamela Ribeiro

    Gostei do post! Acho a moda meio estranha às vezes com essas tendências, e olha que sou estudante de Moda. kk

    Responder

Deixe seu comentário