Videogame na moda: Game Boy vira bolsinha fashionista

seg

Ainda fico um pouco intrigada em como a moda explora pouco o universo do videogame. Música, cinema e artes plásticas são referências constantes e inesgotáveis, mas por que não seria a hora de incluir um pouco de diversão eletrônica nisso tudo?

Até hoje, Pac-Man e Space Invaders reinam absolutos como referência do mundo gamer, só que sem nenhum rebuscamento: a gente vê os personagens pura e simplesmente aparecendo impressos em peças variadas, só para dar um ar divertido (e às vezes infantil), mas nunca recebendo aquela reinterpretação mágica que a moda costuma dar para suas outras referências mais antigas.

Com a moda cada vez mais carente de impacto com os consumidores, acredito que é apenas uma questão de tempo para essa indústria dar uma olhadinha com um pouco mais de carinho para o videogame e seus representantes menos ‘old school’. Embora os jogos ainda sejam bem novatos, especialmente se compararmos com música ou pintura, tá aí uma fonte inesgotável de histórias e referências visuais que merece tratamento de gente grande.

Mas eu disse: é só uma questão de tempo! 

thassia_gameboy

Thassia Naves desfilando seu Game Boy na semana de moda em Paris

A marca de acessórios grega Urania Gazelli acaba de lançar uma coleção que usa não só o manjado universo de Pac-Man em suas bolsas, mas também faz uma reconstrução exata de um Game Boy. Sim, o portátil da Nintendo que reinou lindamente nos anos 90 virou uma clutch na coleção “Game Girl”! Quem é que não queria ter um na infância, me conta? (eu não tive, portanto estou chorando com essas imagens)

 

Fiquei apaixonada pela ‘bolsinha’ singela, mesmo sabendo que a coleção ignora totalmente o fato de que Pac-Man e Game Boy são de épocas totalmente diferentes – vamos tolerar só por ver, finalmente, algo mais novinho sendo representado. A clutch deve custar algo entre US$800 e US$1800, média de preços da grife. 

Salgado sim, mas sacou direitinho essa história de inspirar desejo, tanto nas nerds, quanto nas fashionistas que lembram muito bem dos anos 90 e vão ficar suspirando em casa.

Mais alguém se identifica com os dois lados? Eu sim, só me faltam limites no cartão! kkk

imagens: reprodução/Instagram Urania GazelliBlog da Thássia

[VÍDEO] Deboísmo não! Como o Facebook estragou nossas vidas

ter

Você consegue ficar “de boa” com o Facebook? Eu não! A rede social já mudou demais a forma como a gente se relaciona. Ninguém se lembra mais aniversários, fazer um evento na vida real virou um verdadeiro spam no virtual e as tretas que pareciam inofensivas ganharam proporções tremendas, chegando ao ponto da galera inventar o tal ‘deboísmo’. Em pensar que tudo começou com um grupo cheio de gente interessante tentando trocar ideias…

Dá o play no vídeo e se inscreve no canal! ;) Quero saber se você também está num relacionamento complicado com o Facebook. Eu tô.


Para ver outros vídeos já publicados, clique aqui.

 

Emojis invadem Nova York

qua

Se a geração da internet paleozóica pode se orgulhar por ter sido a primeira a usar gifs, a geração já mobile tem um grande trunfo nas mãos: os emojis. Não conseguimos mais conversar com os amigos sem usar os símbolos, que não são só fofos e bem-humorados, mas muitas vezes nos poupam de muitas palavras (aquela cara de tédio é maravilhosa). E não, não vale só mandar um coração quando você não tem nada a dizer, porque é chato.

O diretor de arte do Brooklyn Brad Warsh resolveu fazer um projeto com o quanto esses desenhinhos já estão nas nossas vidas e transformou várias fotos do cotidiano de Nova York! O resultado é demais e ganhou até hashtag no insta: #emoji_irl. Dá pra fazer em São Paulo, hein? ;)

emojinyc

 

dancinha no fim de tarde! Happy hour alguém?

emojinyc1

O teleférico de Rooseveld Island de outro jeito

emojinyc2

ovos no brunch de domingo

emojinyc3

camelando no metrô. quem nunca?

Continue lendo →

[VÍDEO] Passando vergonha no Snapchat

seg

O Snapchat está aí há tempos, mas a verdade é que só pegou mesmo no Brasil nos últimos meses. Provavelmente todos os seus blogueiros e youtubers favoritos já estão por lá e até seus amigos offline já se renderam à magia do app que apaga tudo depois de 24 horas. Espontaneidade é a lei na terra dos 8 segundos, mas já tá bem fácil de exagerar na dose ou até esquecer do que está sendo gravado.

Em homenagem ao MEU próprio exagero, o vídeo de hoje tem umas dicas e conselhos pra você não fazer cagada usando o Snapchat! hehe Aproveita para se inscrever no canal também!

Para ver outros vídeos já publicados, clique aqui.

Testei: como funciona o Spotify Running

ter

No final de maio, o Spotify anunciou uma de suas grandes novidades: uma interface de corrida no aplicativo mobile que mandaria uma playlist de acordo com o treino do usuário. Eu, que já sou usuária assídua do Spotify e tenho lá umas tantas listas temáticas de músicas para correr, fiquei animada com a novidade e comecei a usar semana passada.

spotifyrunning0

Spotify Running: detecta seu ritmo e manda uma playlist de acordo

Ao abrir o Spotify, basta ir na lateral esquerda e procurar por Running. Lá você encontra uma série de playlists especializadas, desde as “feitas” para o aplicativo, como a “Blissed Out” e a “Burn” (do Tïesto) até várias outras seleções interessantes de músicas famosas que levam em conta seu ritmo.

Depois de escolher qual será o tipo de música que vai te embalar, é hora de ler o quanto você corre. Uma tela assim vai aparecer e medir o seu ritmo:

spotifyrunning2

Apesar de ser extremamente intuitivo para quem corre na rua, os corredores de esteira não ficam para trás: o aplicativo só precisa ler seu pace uma única vez, de forma que você pode apenas segurar o celular para descobrir o ritmo e depois deixá-lo de volta no suporte tranquilamente.

Também é possível ajustar mudanças de ritmo na mão, para mais ou para menos. A música? Sim, ela acompanha sempre cada mudança e é fantástico!

spotifyrunning1

Já usei estas duas playlists e embora tenha uma ou outra faixa que não tenha sido do meu agrado, elas são no geral bem energéticas e para cima. Como a música vai acompanhar perfeitamente o ritmo em que você está, acaba sendo muito gostoso pisar junto com a batida.

Esse movimento sincronizado ajuda até mesmo a relaxar a mente: é como se eu colocasse o corpo no automático. Pode ser só um grande placebo, mas juro que me sinto até menos cansada e mais energizada. A playlist do Tïesto é especialmente legal, só tem um problema: acaba muito rápido! Qualquer corrida de mais de 35 minutos já esgota e começa do zero. Podem mandar mais! rs

Ainda não testei na rua, mas mesmo no wi-fi da academia notei alguns engasgos com a sincronização da música, especificamente nessa modalidade Running. Não sei se tem a ver com a conexão em si ou com a leitura do pace, já que o aplicativo aumenta/diminui os BPMs das músicas para atender o usuário, mas achei um pouco esquisito, até mesmo porque as playlists normais costumam tocar normalmente, mesmo no 3G.

Entre uma música e outra, você também vai ouvir uns segundinhos de silêncio, mas neste caso é bastante compreensível: a pausa acontece para que a próxima música já entre no ritmo em que você está correndo.

Para entender mais como funciona, este foi o vídeo de divulgação do serviço: 

[Vídeo] #Geek Girls: Minhas nerdices favoritas e mais!

seg

Há algum tempo entrei para um grupo aberto super legal do Viber chamado Geek Girls! Lá eu e várias outras meninas incríveis conversamos sobre games, seriados, filmes e nerdices em geral, e você pode ser uma mosquinha e acompanhar toda nossa conversa ao vivo.. Dá uma busca aí para encontrar a gente, é rapidinho! <3

Para expandir nossos horizontes, criamos uma tag bem legal para contar quais são os nossos favoritos nesse mundo gamer-tech e, é claro, se você curtiu pode responder no seu canal também! Vou deixar as perguntas todas depois do pulo.

Dá o play aí e me conta: qual seu item geek favorito? 8) Aproveita e se inscreve no canal também!

Para ver outros vídeos já publicados, clique aqui.

Continue lendo →