Musical das Spice Girls está em produção

ter

Spice Girls na “Rolling Stone” em 1997: saudade!

As Spice Girls estão voltando. Não exatamente Victoria Beckham, Emma Buntom, Geri Haliwell, Mel B e Mel C, mas  sim suas músicas e seus estilos, recheados com muita nostalgia.

Segundo a “Nylon”, o produtor Simon Fuller, que já foi empresário das garotas e criou os programas “American Idol” e “So You Think You Can Dance”, está por trás da produção de um musical da Broadway que reuniria os grandes sucessos da girl band.

Por enquanto ainda sem data de estreia definida, a peça se chamará “Viva Forever” (!) e será escrita pela comediante Jennifer Saunders, que já colaborou com “Friends” e é a roteirista de “Absolutely Famous”. A ideia original de levar as pimentinhas para os palcos foi de Judy Craimer, justamente a pessoa que pensou em colocar as músicas do Abba como pano de fundo para a história de “Mamma Mia”.

Ainda não se sabe o que esperar do roteiro, se será a história do grupo ou se as canções serão apenas um plus, como em “Mamma Mia”, mas sinto cheiro de comédia por aí. A própria Jennifer Saunders declarou que a peça irá “aproveitar a personalidade distinta das Spice Girls”, o que pelo menos garante um elenco original.

Acho ótimo e absolutamente divertido, principalmente porque será uma forma de reviver os 90’s sem precisar contar com a personalidade das cinco integrantes, que demonstraram só estar afim de money, honey quando armaram aquele “retorno” desastroso.

E aí, você iria para Nova York assistir? (e fazer umas compras, vai…)

E o girl power? Será que eu sou louca?

sex

Justin Bieber.

Vamos pensar nessas manias teen. Justin Bieber, Restart, Cine, Luan Santana, Fiuk, colíros da Capricho e sabe-se lá quem vem na próxima semana. Na minha época tinha Backstreet Boys, ‘N Sync e 5ive e a  gente estava contente. Também teve o Twister, que no fim foi uma leve brisa, mas nem coceguinha fez. Bom, nunca fui maníaca por nenhum, então não conseguia gritar ou soltar a franga quando um mero clipe passava na televisão.

Tive amigas dessas que choravam pra comemorar o Nick loirinho no primeiro lugar do Disk e eu achava uma grande babaquice já naquela época. Quer dizer, por que raios dar bola pro Nick se o importante mesmo era saber se Spice Girls iam terminar mesmo? Poxa, isso sim ia mudar o mundo! Seria o fim do girl power – e, pelo visto, foi o fim do girl power.

Outras bandas adolescentes lideraradas por meninas surgiram, Lady Gaga vem provando toda sua força, mas nada que atinja de fato a mente de pequenas pimpolhas saindo das fraldas e entrando nos absorventes.

a família Restart que não desiste nunca encontra seus ídolos

Conheci os meninos do Restart e o Luan Santana por conta do trabalho e juro que não entendo. Restart tem a questão da música não ser aquelas coisas, mas vou te dizer que ao menos eles são muito, muito simpáticos. São honestos, estão ali tentando pra valer. Já Luan Santana, não. Para bem atendê-lo, creio que seria preciso de duas salas grandes, uma para ele, outra para seu ego, já que com apenas dois anos de carreira ele se refere a si mesmo em terceira pessoa.

E o Justin Bieber, então? O bebezinho é fofo, mas tenho um pouco de dó das garotas vendo tanto potencial sexual no astro que canta “Baby, baby” num clipe em que se esforça para protagonizar cenas de sedução com uma garotinha – sem sucesso. Aliás, com tão pouca idade, será que o Justinzinho estava afim de toda essa atenção voltada para sua masculinidade? E, enfim, será que ele também estava afim de ser questionado sobre ela em entrevistas com a mamãe do lado?

Esse certamente não é o caso dos meninos-colírios. Federico Devito, Dudu Surita e Caíque Nogueira viraram sensação sem prometerem ser talentosos, sem vender a imagem de artistas – e se agora eles se tornarem, pouco importa. Tornou-se uma demanda do público que os levou ao topo.

Vejo tudo isso e ainda estou para entender qual é a desse público, dessas meninas que se dedicam a votar nesses clipes, que choram quando a banda aparece na televisão, que vibram com cada twitada do seu ídolo, que adotam o sobrenome do líder da banda como se fosse seu. Quer dizer, hoje dá pra ver tudo no Youtube eternamente, será que elas se emocionam a cada vez que dão o play? Será que elas reúnem as amigas em frente ao computador para cantarem juntas de olhos marejados? …

Por que, hein? Me respondam. Quanto ao Fiuk, até entendo um pouquinho o porquê do hype. Este sim faz mais o tipo homem de verdade, sedutor, músico, o cara mais bonito da banda da escola, carinha de cafajeste e etc., tudo isso embalado com um papel de presente que já embrulhou muitas gerações, a “Malhação”.

Só que ainda prefiro o girl power. Sou muito mais a identificação positiva, de mulher para mulher Marisa, do que essa paixão platônica que serve unicamente para as meninas criarem príncipes encantados mentais que não estão por aí na banda da escola. E, bom, o Fiuk nem é tudo isso, vai? Ou é? … Sou louca?

Lady Gaga e Polaroid – ou como irei realizar um sonho de consumo mal resolvido

qua

Eu amo Polaroids, todo mundo aqui já sabe, afinal qualquer novidadezinha que vejo, já tenho vontade de contar por aqui, fora as opções de polaroid makers que já postei, aqui e aqui.

Nunca tive uma coisinha mágica dessas,  mas acho que elas representam, mais do que qualquer outra câmera moderninha que inventem, a captura imediata do instante-já, como diria Clarice Lispector.

Nas digitais, você espera pra por no computador, ou só vê numa tela. Nas de filme tradicionais, manda revelar – ou “escaneia” o filme, como fazem os fotógrafos de filme de hoje. Com as Polaroids você simplesmente… Clica! Acho que é essa a grande magia que eu vejo na câmera e está aí um grande sonho de consumo mal resolvido da minha infância/adolescência: a Polaroid das Spice Girls.

Por essas e outras, fiquei realmente feliz quando li hoje que Lady Gaga irá assumir um cargo de criativa na  Polaroid. Além dela poder propor inovações para a marca, eu duvido muito pouco que não lancem uma câmera todinha estilizada pela loira maluca.

E aí, ainda bem, vou poder torrar meus dinheiros com isso, já que duvido muito que não façam algo realmente popular, assim como Gaga é.

O anúncio oficial da parceria da Polaroid com a cantora acontece ainda esta semana, no Consumer Eletronics Show,  e, por enquanto,  Gaga comemora com seu pai que “finalmente tem um emprego de verdade”.

…  Posso dar um palpite?  Aposto que ela irá “vestida de fotografias” no evento. Wait and see! 8)


Fonte: Musicrooms.net

“The Runaways”: mais um filme para esperar em 2010!

qui

A banda “The Runaways” nos 70’s:

E agora o trailer do filme “The Runaways”, com réplicas perfeitas deste figurino,  Kristen Stewart muy macha quebrando cadeiras, pulando no palco e girl power para deixar qualquer Spice Girl no chinelo:

Gosto!

O filme “The Runaways” é sobre a banda de mesmo nome que lançou a roqueira-mulher-mór Joan Jett nos anos 1970. No papel da protagonista doidona está Kristen, que com certeza vai surpreender.  A previsão de estreia é para março de 2010 nos Estados Unidos.

ps: falei “mais um filme” porque “Alice no País das Maravilhas” já tá na lista, né? 8)

Dica da Lia no twitter!

As polaroids vão voltar!

sex

… Mas por pouco tempo!

A Urban Outfitters, rede de lojas norte-americana supercool, trará de volta a mania da fotografia instantânea! Serão revendidas 700 câmeras do último modelo fabricado pela Polaroid a partir do dia 21 de agosto por $180, num kit como esse da foto, que já inclui um pacote de filme. Quando acabar, sem pânico: a loja também venderá filmes extras por $24 cada, só que com um estoque obviamente limitado.

É claro que o estoque vai chegar ao fim (e acho que vai ser rápido!), mas os sortudos que conseguirem comprar o kit sentirão  um pouquinho do que era ter uma polaroid. Em todo caso, não deixa de ser legal! E para os pobres mortais que não moram em Los Angeles, San Francisco, Vancouver, Nova York, Boston ou Londres, haverá também a opção de comprar a câmera pela internet (!) a partir do dia 28 de agosto. Quem quiser, vai ter de correr – e rezar para um estoque mínimo ficar reservado para os donos de cartão de crédito internacional.

Se você é como eu e sempre quis ter uma polaroid nem que fosse a das Spice Girls, recomendo novamente baixar o Poladroid, programinha criado pela própria marca para transformar suas fotos digitais em réplicas das polaroids instantaneamente.

– Vi nos itens compartilhados do reader da Mel, do Supercolors, que sempre dá dicas legais!

.

ps: … eu gosto tanto desse software que criei um tumblr só para fotos pessoais manipuladas com ele. Mas eu também tenho um tumblr “normal”, caso alguém queira ver minhas fotografias favoritas. 8)

Botinhas pra ouvir: conheça Little Boots

qua

Eu disse “botinhas” porque quem me conhece um pouquinho sabe o quanto eu sou viciada em botas. Sim, são meus sapatos preferidos e, atualmente, devo ter em torno de uns 12 pares no armário…

Little Boots e o instrumento inseparável

Ao contrário dos meus 12 pares, Victoria Hesketh tem apenas um cd, recém-lançado no início do mês, mas é meu novo vício musical. Só que não, ninguém a conhece assim: a loira britânica é famosa mesmo como Little Boots, tem 25 anos e faz um eletropop dos bons!

Conheci Little Boots em abril, quando vi este vídeo de sua apresentação no Later… with Jools Holland e achei tudo fanstástico. Além de cantar e tocar bem, a moça deu conta sozinha de sua própria criação musical. E antes de continuar lendo esse post, recomendo que você dê play e assista a moça fazendo música com um gadget e um clássico piano de calda:

.
Litte Boots começou a estudar piano aos cinco anos de idade e, aos 16, participou de uma espécie de show de talentos britânico, o Pop Idol. Na atração ela não alcançou tanto destaque e foi eliminada logo na terceira etapa do programa, o que, segundo ela, foi ótimo, pois fez com que ela lutasse mais por seus objetivos. Pode ser!

Na faculdade, Victoria estudou “Estudos Culturais” (?) e apresentou uma tese sobre Jamie Cullum. Apesar de ter se formado como uma das primeiras da turma, a universidade pesou mais no quesito musical: foi lá que ela formou a Dead Disco, banda de indie rock só com garotas, e foi através deste grupo que conheceu Greg Kirstin, produtor com quem trabalha até hoje.

O grupo durou de 2005 a 2008 e chegou inclusive a deixar o solo europeu para ir até Los Angeles gravar um disco, depois de ter sido uma das atrações de maior destaque no Carling Leeds Festival, festival de música de Leeds – a terra natal das duas Mel’s das Spice Girls.

Chegando em LA, Vicky, que ainda não era Little Boots, repensou seus rumos musicais e começou a compor músicas que iam por um outro caminho, o do eletropop. E foi assim: em pouco tempo ela abandonou a banda e começou a fazer versões “eletrificadas” de canções pop de diversos grupos, como Girls Aloud e Miley Cyrus. Fez também um cover de uma canção do The Virgins, que eu pessoalmente adoro. Little Boots transformou com sucesso Rich Girls em Rich Boy.

Dentro de um ano, a moça adotou o nome de “Little Boots”, lançou dois EP’s: Arecibo e Illuminations, e começou a produzir seu primeiro álbum, Hands, lançado no último dia 8. E se você quiser uma dica, comece ouvindo Tune Into my Heart, Meddle e a música de trabalho, New In Town.

Entrando na moda de cantoras com “nomes exóticos”, como Lady Gaga e Ladyhawke, Little Boots faz um som bastante diferente destas outras moças (apesar de eu adorar as três!). Ela tem um quê mais sombrio e denso, além de abusar do piano nas faixas onde isso se faz possível – e eu adoro!

Como prova do sucesso, o MySpace da cantora já divulga shows agendados até outubro e a canção Meddle virou trilha sonora de um comercial da Victoria’s Secrets. Agora, melhor que tudo isso é o seu primeiro clipe oficial, de New In Town: bem dirigido, figurinos incríveis e uma coreografia que chama a atenção sem ser mala como a de um clipe pop padrão (e nisso ela se assemelha à dona Gaga). E, obviamente, uma música boa.


O que mais posso dizer?
Arranjem o cd. Sigam a LB no twitter. 8)