Rex Restaurante, para comer e beber até tarde: Imagens da Semana

qua

Para ver tudo o que já contei nesta tag, clique aqui.

Um dos jeitos mais espertos de se escapar do caos da cidade é adotar um horário alternativo. Dá para evitar um pouco do trânsito, do pico do transporte público e até mesmo da fila do cinema – chegar e comprar o ingresso sem preocupação é luxo para poucos em São Paulo! O problema é quando alguns serviços da cidade não acompanham o ritmo de quem já adotou um horário diferente para viver.

Quer exemplos? Bares e restaurantes com cozinhas que fecham, impreterivelmente, à meia-noite. E o que dizer dos lugares que nem abrem aos domingos à noite para o jantar? Não sou ninguém para aconselhar donos de restaurantes, mas nestas horas, mesmo estando na maior capital do país, o público se sente numa cidadezinha do interior.

.

Rex: cheio até altas horas

Pois foi justamente numa situação difícil – domingão e tarde da noite – que visitei, finalmente!, o Rex. Ele estava sempre ali, no jeito e de portas abertas na Consolação, mas nunca havíamos parado para lhe dar atenção. Que erro grotesco! Foi só colocar o pé ali dentro e provar o primeiro drink para saber que vou voltar muitas e muitas vezes.

.

bloody mary: meu favorito bem preparadinho

O ambiente descontraído e com trilha sonora bem pensada faz você se sentir à vontade. O serviço é bacana e amigável, também te deixa livre para escolher o que estiver afim. Você não vai se sentir pressionado a pedir um prato ou um drink. Você pode só beber ou só comer, ou então pedir uma cerveja e pular para sobremesa. O clima de acolhimento, aliás, faz a casa ficar cheia mesmo num tal domingo de madrugada, deixando claro que há público para mais estabelecimentos com essa proposta em Sampa.

.

cogumelos puxados na manteiga

Steak tartare acompanhado de pãezinhos e batatas

Os pratos tem preços variando entre 40 e 60 reais, drinks em torno de 20 e entradas de 20 a 30 reais. Provamos a porção deliciosa e bem servida de cogumelos puxados na manteiga e também dividimos um steak tartare, que é servido como entrada compartilhável, mas eu recomendaria para uma pessoa só – talvez você ache gostoso demais para dividir. ;)

.

decoração cheia de detalhes

Quero voltar para provar os pratos, que são servidos mesmo a este horário – e não se espantem por eu estar batendo nesta mesma tecla, viu? Quem tenta jantar depois das 11 da noite em São Paulo sabe bem do que estou falando. Vida longa ao Rex, um lugarzinho especial que também faz a gente se sentir em outro lugar – yeah, New York, I’m looking at you! 

VAI LÁ: Rex Restaurante – R. da Consolação, 3193 – São Paulo, SP. Horários e demais informações aqui.

Cateto, queijos e cervejas artesanais na Mooca: Imagens da Semana

ter

Para ver tudo o que já contei nesta tag, clique aqui.

Cateto: cervejas, queijos e um lugar para passar horas degustando novos sabores

Quem disse que só se pode harmonizar queijos com vinhos? Hora de rever isso aí. Os sócios do Cateto – Beber e Comer Artesanal resolveram tentar algo diferente: unir queijos brasileiros com bebidas de cervejarias artesanais. O bar de ambiente rústico e aconchegante apóia produtores locais e abre suas portas justamente num bairro que carecia (e muito!) de novas propostas. Sim, é no coração  da Mooca, meu! Oba!

.

as cervejas e o cardápio do Cateto

No Cateto, não há cozinha. Tudo é preparado à vista e no balcão. O menu de comidinhas foca em sanduíches e em tábuas de queijos e embutidos. Já a geladeira tem cervejas diferentonas que já ficaram famosas e muitas do tipo “achado”,  que nunca tinha ouvido falar ainda – caso da Madalena, de uma cervejaria do ABC. Também dá para levar tudo para viagem, com exceção do chopp Colorado, tirado ali no bar, na hora.

.

o balcão e algumas peças de queijo para levar para casa

Provamos duas cervejas diferentes (Madalena e Curupira), o chopp, uma porção de bruschetas que levam linguiça defumada, além de uma bela tábua de queijos. No dia em que fomos, ainda estava rolando uma degustação e tivemos a felicidade de comprar queijos diretamente com o produtor mineiro. Os queijos, aliás, são sempre servidos com uma porção de pesto ou de mel. Para escolher tudo isso, um dos donos, o Márcio, nos deu recomendações e foi super prestativo.

Das cervejas às comidas, tudo estava maravilhoso, sem exceções. Os mais puristas só não vão gostar de uma coisa: as bebidas são servidas em potes de vidro, não em copos. Não me incomodo e acho que tem a ver com a proposta, mas, é… Prefiro copos. rs

.

as bruschetas e a maravilhosa tábua de queijos: diferentes texturas e sabores

O Cateto é lugar para chegar relativamente cedo  e passar a tarde comendo e bebendo, sem preocupação – especialmente se você adorar queijos e cervejas. rs Como o local é pequeno, talvez seja realmente bom ficar atento à este detalhe e se programar. Algumas degustações tem sido marcadas na casa, por isso a lotação também pode variar bastante. Ah sim: o som também faz jus ao estilão da casa e é uma verdadeira viagem no tempo.

.

as sacolinhas para levar sua “marmita” para casa

Ultimamente, o bairro vem ganhando várias novidades que se destacam das tradicionais pizzarias e faço questão de prestigiar, até mesmo porque é ótimo não ter que atravessar a cidade só para tomar uma cerveja num lugar legal, para comer num bistrô, ou num japa com preparo de respeito.

Estes lugares das redondezas, aliás, estão despertando a curiosidade até de gente que chamava a região de “zona lost”. Casos recentes são o do Cadillac Burger, que foi eleito uma das melhores hamburguerias da cidade em 2013 segundo a Veja (já falei sobre ele aqui no blog também) e o Bravo Bistrô, que está entre os 10 mais de São Paulo no Trip Advisor.

Será que finalmente a Mooca vai entrar no mapa de São Paulo também para os “modernos”? Torço para que sim. Há muitos bairros além de Pinheiros, Vila Madalena e Jardins que merecem as visitas dos recém-chegados.

.

PREÇO MÉDIO: Aqui tudo vai depender do seu consumo de álcool. A nossa conta saiu em R$53 por pessoa.

VAI LÁ: Cateto – Beber e Comer Artesanal. Rua Fernando Falcão, 810 – Mooca. Aberto de quarta a domingo.

460 coisas para fazer no aniversário de São Paulo

sáb

Hoje é dia de curtir as milhares de atrações que se espalham por São Paulo em comemoração aos seus 460 anos. Mas, se não der pra ir, não tem problema: esta semana a “Veja São Paulo” criou um belo quizz para mostrar o quanto você conhece da cidade e que também serve para fazer um belo roteiro para sair por aí e explorar.

Eu gostei demais de ver que ainda tô mandando bem na área da cultura mesmo estando meio afastada ultimamente e percebi porque a cidade realmente é um polo gastronômico: mesmo com o tanto de restaurante que já conheço, é nessa área que mais preciso trabalhar para aumentar meus conhecimentos! Tudo bem, vai ser uma delícia… kkk

.

.

Dá para fazer o teste aqui!

Forever 21 vai inaugurar sua primeira loja no Brasil

ter

fachada da Forever 21 em Tóquio

Se existe uma loja capaz de superar (e muito) o amor pela H&M, esta loja é a Forever 21. As araras da loja estão sempre cheias de informação de moda, os preços são dos mais amigáveis do mundo e é realmente uma fast-fashion que agrada todos os gostos, desde as mais básicas até as mais *porra-louquinhas* – como não entrar na F21 e não levar uma camiseta, me conta?

E eis que hoje chega a notícia: a rede de lojas finalmente chega ao Brasil, com uma unidade no Shopping Morumbi. A foto da fachada misteriosa foi divulgada pela própria assessoria do shopping nas redes sociais e ainda não se sabe quando estas verdadeiras portas da esperança se abrirão, muito menos quanto as coisas irão custar e se o site da loja venderá online no país.

.

aviso simpático na porta da nova loja no Shopping Morumbi, em São Paulo

Para se ter ideia, nos Estados Unidos, os produtos tem preços extremamente amigáveis. Vestidos custam em torno de US$15, camisetinhas legais a partir de US$5 e blazers por volta dos US$28-35. A qualidade das peças mais simples não é das melhores, mas o precinho da t-shirt compensa o fato dela só durar 3 temporadas. As peças mais elaboradas, no entanto, dão de 10 em muita fast-fashion brasileira que ficou cara do dia para a noite e tem corte e acabamento bem razoável: tenho blazers lindos de lá há mais de 5 anos.

Enquanto não descobrimos mais detalhes, vale rever algumas lojas e marcas que devem chegar por aqui:

– Desigual: a catalã supercolorida chega primeiro a Proto Alegre; mais lojas deverão ser inauguradas no Brasil (mais detalhes);
– GAP: inaugura no próximo dia 26 no Sopping JK Iguatemi e em outubro também no Shopping Morumbi;
–  H&M: inaugura em 2014 lojas no Shopping Morumbi (!) em São Paulo e no Barra Shopping no Rio de Janeiro (mais detalhes);
– Mango: a espanhola que veio e voltou vai tentar de novo (mais detalhes);
– Smashbox: marca de maquiagem à venda na Sephora estrangeira chega às filiais brasileiras até o início de outubro;
– Yishion: a “Zara” chinesa, deve chegar ainda este ano (mais detalhes).

Gostaram da notícia? Pelo que tô vendo vai ter fila para entrar no Shopping Morumbi daqui pra frente!

.

Comidinhas na Casa Nero: Imagens da Semana

sex

A tag fantasma retorna com tudo, com dicas & mais. Para ver todos os posts do Imagens da Semana, clique aqui.

 

UPDATE: O RESTAURANTE ENCONTRA-SE FECHADO DESDE O FINAL DE 2013. 

 

Casa Nero: cerveja gelada, carne boa e drinks bem feitos. Precisa mais?

Uma das minhas hamburguerias favoritas na cidade morreu há algum tempo: era o Chez Burger, ficava na Al. Lorena, e era um dos restaurantes do grupo do Bar Secreto. Depois de alguns meses de tristeza, o grupo relançou o endereço no final de 2012, com uma nova proposta, novo nome e nova decoração – e ainda bons hambúrguers no cardápio: nascia a Casa Nero. E aí eu ganhei outro restaurante favorito.

O nome do imperador só tem a ver mesmo com o fogo da bela churrasqueira que ocupa a cozinha do local, já que a especialidade da casa são as carnes. Também é um bom lugar para pedir uma cerveja e dividir comidinhas de boteco (queijo coalho, pastel, pão de alho, salaminhos…) e petiscar porções de “churrasco” bem mais interessantes que a já batida picanha no rechaud servida por aí.

Carnívora que sou, já perdi as contas de quantas vezes fui na Casa Nero e de quantos dinheiros deixei por lá. Sei que já provei quase o cardápio inteiro e até hoje nada me desagradou. A frequência é ótima, o som é bom, o ambiente bonito e o preço razoável também contribui para o local ser uma ótima opção diante dos abusos que andam rolando em São Paulo. Abusivo mesmo talvez seja só o preço do valet, mas eu estaria sendo injusta se não dissesse que infelizmente é o mesmo valor praticado em toda a região – com sorte, encontra-se uma vaga na vizinhança.

Bem, depois de tantas idas e vindas, tava na hora de contar por aqui, certo? Eis alguns dos pedidos da última vez que estive por lá:

Pastéizinhos de queijo: ou de carne, ou de palmito ou de camarão. Você escolhe ou pede tudo misturado, tanto faz. Massa leve, recheio abundante. Alegria frita de boteco, não há quem não goste!

Bloody Mary: é meu drink favorito já há tempos e infelizmente não é tão fácil de achar boas versões da mistura em São Paulo. Com sorte, a Casa Nero repete a receita impecável do Chez Lorena (do mesmo grupo) e tudo fica dentro dos conformes! <3

Carpaccio rústico: a tradicional salada de carpaccio tem uma pegada bem roots por aqui. Vem numa ótima quantidade, é feita na casa, super saborosa e ainda é acompanhada de um delicioso molho mostarda e desse pão tostado que faz toda a diferença! É meu prato favorito no momento!

 

Gorgonzola Burger: carne ao ponto bem rosada com queijo gorgonzola e a porção de batatinhas fritas crocantes e fininhas que acompanham todos os sanduíches

De sobremesa, o pudim da casa é um must-eat: essa calda leva laranja e é simplesmente de delirar! A receita da sua avó vai ficar com ciúmes depois que você provar esse! hauahauh

.

Outras boas pedidas do cardápio que recomendo: queijo coalho na grelha, batatas fritas (perfeitas!), porção de lingüiça toscana, porção de azeitonas pretas e salaminho para acompanhar uma cerveja gelada, o Black Burger, o steak tartar, o bife de chorizo e o frango desossado. Quando o assunto é bebida, a cerveja de garrafa vai bem, o Bloody Mary é meu favorito e o milk shake de pistache continua 5 estrelas –  já era excelente na época do Chez Burger e continua por lá!

Preço médio: R$60 por pessoa, com entrada e prato principal. Indo em turma, dá para pedir várias porções e provar de tudo.

E só para não dizer que não falei do serviço: já dei pinta lá tantas vezes, que o gerente já chama pelo nome e pergunta se eu quero meu drink. <3 kkk

Musical “O Rei Leão” chega para reinar no Brasil

sex

Adaptação do clássico da Disney, o musical “O Rei Leão” estreou na Broadway em 1997 e 16 anos depois chega ao Brasil batendo recorde de orçamento e dando a Gilberto Gil a função de adaptar as músicas de Elton John e Tim Rice premiadas no Oscar de 1995.


O espetáculo que estreou no Teatro Renault (antigo Teatro Abril) já chega com banca de blockbuster: a peça bateu em 2012 o recorde de bilheteria do tradicional “Fantasma da Ópera” em Nova York e por aqui é o musical mais caro já encenado, com custo estimado em R$50 milhões até o final da temporada prevista para dezembro.

Os números impressionantes vêm de um espetáculo realmente impressionante, mas os leões ganham mais uma vez dos concorrentes: ao contrário de muitos sucessos grandiosos, a peça tem sim muita alma, pulso e um coração africano cheio de energia, que se traduz com cantos típicos da terra dos felinos.

Apesar de ser a adaptação do desenho que cativou filhos e pais nos anos 90, “O Rei Leão” não é nada infantil. No palco, as referências a “Hamlet” ficam bem claras, o texto é mais denso e o trabalho primoroso dos atores leva a questão da herança do trono a um nível dramático bastante interessante (e adulto). Some-se a isso o ótimo trabalho de César Mello (Mufasa), Osvaldo Mil (Scar) e dos atores-mirins que vivem Simba e não temos como não ficar impressionados logo no primeiro ato com a grandiosidade do leão rei e com a maldade de seu irmão, capaz de enganar o pequenino príncipe.


.

O segundo ato é marcado pela adolescência de Simba, vivido então pelo ator Tiago Barbosa, e pelo retorno do príncipe a sua terra natal.  É hora também de diversão garantida com a dupla Timão e Pumba e de lamentar a mudança nas letras dos super hits “Hakuna Matata” e “Can You Feel The Love Tonight”.

Imagino que muita gente irá feliz da vida para o teatro com a expectativa de que este será o musical perfeito para o público brasileiro cantar junto, já que as canções do filme ganharam versões famosas em português. Mas, bem, não foi dessa vez. As letras propostas por Gilberto Gil couberam perfeitamente em nosso idioma e ficaram ótimas na boca do elenco, mas quem está sentadinho na cadeira vai embora do teatro com vontade de ter cantado junto. Pelo menos o “Hakuta Matata” deu pra entoar em alto e bom som!


.

O musical “O Rei Leão” tem um mix delicioso: drama dos bons, ótimos atores, músicas que são sucesso e cenografia e figurinos de tirar o fôlego. De todos os musicais da safra Broadway que chegaram por aqui, é certamente dos mais imperdíveis – palavra de quem assistiu “Chicago”, “Fantasma Da Ópera”, “Cats”, “Miss Saigon” e “A Família Addams” no mesmíssimo teatro.

As máscaras dos animais são um espetáculo à parte e a expressão corporal dos atores é praticamente coreografada com o uso do adereço. Não tem como explicar: só vendo ao vivo. Fora isso, deixo um conselho de amigo: não se atrase. A abertura da peça é de encher os olhos!

.

SERVIÇO

“O Rei Leão”
Sessõs de quarta a sexta-feira às 21h, sábados às 16h30 e 21h e domingos às 15h30 e 20h
Teatro Renault – Av. Brigadeiro Luís Antônio, 411
Ingressos de R$50 a R$280 à venda na Tickets For Fun
.

Agradecimento: Time For Fun Musicais
Fotos: João Caldas/Divulgação

.