Guia de Viagem: as roubadas fazem parte das férias

qua

Supercombo de histórias de viagens, junto com dicas para evitar ter dor de cabeça nas férias! Post gigante, para guardar e mandar para aquele seu amigo de primeira viagem: tem dica sobre como escolher restaurantes, que remédios levar, como contratar seguro de saúde para viajar e o que fazer em caso de roubo. Tem uma dúvida? Deixa aí nos comentários que eu tento ajudar! Mais dicas de viagem você encontra nesta tag!

Todas as imagens deste post são minhas, tiradas em viagens. Algumas estão no flickr; outras estão a caminho!

.

admita: você já pagou um mico de viagem! 

É impressionante como ser turista profissional se tornou um objetivo a ser conquistado por todos. Todo mundo faz viagem perfeita, volta com mil dicas in-dis-pen-sá-veis para dar para os amigos e acha que tem o melhor roteiro de compras depois de ter ido uma única vez para Miami. Já repararam?

Estou exagerando, mas já notou como ninguém conta que perdeu avião, foi enganado pelo taxista ou chegou naquele restaurante hiper cool quando já estava fechado? Pois saibam que estes erros te ajudam sim a se tornar um turista mais esperto com o tempo – e obviamente fazem parte de qualquer viagem, não há nenhum pecado nisso.

Como o Carnaval vem aí e muita gente aproveita o feriado pra viajar, resolvi fazer este post para contar algumas das piores roubadas que já aconteceram comigo e o que aprendi com o erro, para tentar evitar que vocês passem por isso também.

No meu Guia de Viagem sobre Buenos Aires contei que fui roubada no metrô, mas tenho muuuito mais que isso para contar pra vocês… hehe Respirem fundo, riam de mim e vejam se conseguem aprender um pouquinho com o meu top 5 de gafes em viagens:

1 – Sempre vai ter alguém que fala português

aquele carinha ali no canto pode ser brasileiro, nunca se esqueça!

Nunca me esqueço do dia em que encontramos um cara que falava português no meio de uma estação de trem vazia de Paris. Estávamos Larissa, Eddie e eu tentando passar pelas catracas com um bilhete problemático e todos os guichês estavam fechados para que pudéssemos comprar bilhetes novos. Ou melhor, eles precisavam comprar bilhetes novos, porque eu já estava lá do outro lado.

Rindo da nossa desgraça e pensando que teríamos que jogar alguns euros e um passeio no lixo, me surge um cidadão ao longe. O rapaz era um anão de terno, muito bem alinhado, só que a cena foi tão inusitada que começamos a rir feito loucos. E falar português, obviamente. Agora você aí, leitor, adivinhe quem nos ajudou a resolver o caso? O próprio anão. Não sei o que ele fez, mas os tickets funcionaram e ele só disse “vou ajudar vocês, sou português!”. Agradecemos demais e ele disse, com aquele sotaque legal de Lisboa: “não tem de que!”.

Como evitar a gafe: haja como se sempre todos entendessem o que você diz. Isso vale também para aquela vontade danada que dá de gritar mil palavrões enquanto você está de ponta cabeça girando bem rápido num brinquedo de parque temático da Flórida.

2 – Cheguei no ponto turístico fechado – ou faltando meia hora para fechar

o famigerado museu de Frankfurt: fechado!

Essa é um clássico. Mesmo já tendo ido a Buenos Aires e já tendo visitado o Cemitério da Recoleta, cheguei atrasada agora recentemente quando estava com o Rafael para fazer o passeio. Sabíamos bem o horário, mas infelizmente não deu tempo. Ficou para a próxima viagem.

Outro caso foi durante meu mochilão, quando cheguei no Museu de Arte Moderna de Frankfurt louca para ver um Lichtenstein. Era horário comercial, era dia útil, tudo certinho – mas estava fechado. Para obras. Durante 12 dias. Não dizia no site. Bacana, né?

Por fim, teve também o Museu de Orsay em Paris que visitei pela primeira vez em apenas **meia hora**, ouvindo a mulher anunciar que todo mundo ia ficar preso e ver os quadros tomarem vida à noite dali a pouco. Brincadeiras à parte, fiquei feliz de visitá-lo novamente ano passado nas férias e pude perder algumas horas por lá para dar a atenção que  Renoir, Degas, Monet e Van Gogh mereciam.

Como evitar a gafe: confira todos os horários no seu guia turístico e no site oficial do local que você vai visitar. No caso de museus, por exemplo, vale checar até para ver que dias não abrem, se há horários alternativos (alguns abrem mais tarde e ficam até mais tarde, por exemplo), se há dias de ingresso gratuito e se haverá algum evento tipo “noite no museu” enquanto você estiver na cidade. Pesquise direitinho e monte seu roteiro, mesmo que você dê com a cara na porta, igual aconteceu comigo em Frankfurt. Em todo caso, esse nosso problema poderia ter sido resolvido perguntando para alguém do hotel antes de sair. Mas quem ia imaginar, né? rs

3 – Segui uma dica de restaurante “exótico”

um dos salões do meu restaurante favorito em Buenos Aires, o Grand Parrilla del Plata

Antes de embarcar para Buenos Aires em 2010, comprei um guia bem atualizado que me ajudou bastante. Mergulhei de cabeça nas dicas de restaurantes e me prometi que ia comer bem por lá, e que ia comer coisas diferentes também.

No meio do mar de sugestões (Bs As tem muitos restaurantes interessantes!), uma casa chamava a atenção por ter “clima intimista” e “pratos com carne que fugiam da parrilla tradicional”. Fiquei curiosa e marquei para ir. Chegando lá, vi que as carnes fugiam bem do tradicional mesmo: era um menu de alguns passos que incluía carne de tubarão, jabuti e outras iguarias mil.

A parte boa foi que escapamos de lá e descobrimos o restaurante que se tornou meu favorito na cidade, o Grand Parrilla del Plata. O engraçado é que ele também era apresentado pelo meu guia, mas não dei tanta atenção! rs

Como evitar a gafe: sabe o bom e velho cardápio ilustrado? Pois é. In loco não é uma prática super elegante, mas nos sites, certamente é. Esse restaurante inventivo tinha uma página super minimalista e não deu para ter noção do que íamos encontrar. Portanto, se quiser algo diferente do tradicional, já sabe: tente dar uma olhadinha no que é antes de ir. No caso de Bs As, vale dar um search no Guía Oleo, que traz resenhas de praticamente todos os restaurantes da cidade, assim como horário de funcionamento e gasto médio por pessoa no almoço e no jantar. O site é muito bom e usei bastante quando viajei para lá de novo para o Revéillon!

Continue lendo →

Guia de Viagem: 10 dicas para a Europa

seg

Post para ler com calma, salvar, guardar, compartilhar e enviar para os amigos que planejam viajar.

Esta é a última parte dos posts de 100 fatos sobre a Europa e espero sanar todas (ou quase) dúvidas que me foram enviadas. Se você tiver algo a perguntar, pergunte aqui nos comentários, de forma que a resposta fique disponível para quem quiser saber o mesmo.

Vai viajar para Buenos Aires? Veja 10 dicas para visitar a capital da Argentina!

.Baseando-me em meu mochilão de 23 dias pela Europa, passando por 7 países e 9 cidades, escrevi aqui as minhas principais dicas de viagem para vocês. Como já tenho um certo tipo de experiência com viagens internacionais, agreguei aqui alguns toques que também servem para qualquer lugar do mundo, principalmente no que diz respeito a dinheiro, às malas, às bebidas, a passeios culturais e equipamentos eletrônicos.

Se você procura por informações específicas de cidades ou países, veja estes posts: Lisboa e Madrid, Paris e Amsterdam, Berlim e Frankfurt, Salzburg e Veneza e, por fim, Roma. Se você estiver indo para os Estados Unidos, especificamente para Nova York ou San Francisco, leia também este meu post sobre minha viagem ano passado.

(Só não falo de “Disney” ou América Latina por aqui porque viajei para esses lugares há alguns anos, portanto torçam para eu ter verdinhas e viajar mais, assim dou conselhos fresquinhos! rs)


1. DINHEIRO

 

Roma

eu, “desperdiçando” 0,50€ na Fontana Di Trevi, em Roma

 

Vamos começar pela parte chata, já que várias coisas legais você já sabe. Depois de quebrar seu cofrinho e passar horas pesquisando hotéis ou indo até uma agência de viagens encomendar um pacote tradicional (ou um pacote mochilão, tipo o que fechei com a CI), você terá de calcular seus gastos.

Quando você viaja por diversos países europeus, a média de gastos com transporte público, museus e comida giram em torno de 50€ por dia, e pode inclusive sobrar se você não fizer questão de ir em restaurantes chiquetérrimos. Aliás, se você tiver condição pra isso, pode pular para o item 2.

Certo, você que também é gente como a gente mas quer ir pra Zoropa, faça o cálculo dos 50 por dia baseando-se em quantos lugares você irá. Digo isso porque algumas cidades são caras e outras super baratas. Por exemplo, se você for passar 20 dias apenas e exclusivamente em Paris, saiba que você irá gastar mais que 50, com certeza.

Em cidades “baratas” como Lisboa, Madrid, Amsterdam ou as alemãs que conheci, Frankfurt e Berlim, você certamente vai gastar menos de 50 e vai sobrar uma quantia razoável para equilibrar com as cidades caras que vierem pela frente, como Paris e Veneza. E, sim, Paris é a mais cara (das que visitei). Nós sentimos bem a diferença, pois ficamos lá 6 dias, enquanto que nos outros lugares ficamos no máximo 3 – minha viagem foi super frenética.

Com relação a gastos com compras: tudo depende do seu poder aquisitivo, mas souvenires geralmente são razoavelmente caros para o que são (a não ser na Itália, sei lá porque cargas d’água!). E uma observação idiota, mas importante: nunca, NUNCA, nunca compre postais, miniaturas e breguedet’s do lado do monumento/museu/etc. Aí ficam os pega-turistas e eles chegam a cobrar o dobro do preço de lojinhas em regiões centrais.

Última coisa: vai levar cartão de crédito? Calcule o limite de reais para euros antes de sair daqui, para não ter surpresas. Se vai viajar com traveller check ou com o Visa Travel Money (cartão de débito pré-pago), tenha cuidado também. O traveller check pode não ser aceito e o Visa Travel Money pode travar, dar uma falha, ou qualquer merda – aconteceu com a minha amiga.

Na dúvida? Leve dinheiro vivo, pelo menos para cobrir o básico (alimentação e transporte). Seja esperto e ande com a grana com você, dentro daquelas “bolsinhas” que vão por baixo da roupa. Não tem erro e você não precisa alugar cofre do hotel. Até porque, mizifio, você tá na Europa. Podem até bater sua carteira, mas jamais vão rasgar sua roupa e descobrir a “pochetinha” do dinheiro. ;)



2. FAZENDO AS MALAS

Tudo certo com a grana? Vamos à mala!

 

 

lisboa

esperando no terminal de trem, em Lisboa, apoiadas nas nossas mochilonas (eu sou a galocha de onça! hehe)

Primeira coisa: pense sinceramente no estilo de viagem que você fará. Mala ou mochilão? Se for mochilão, tenha consciência que sair daqui com mais da metade da mala cheia te dará prejuízo e você comprará uma mala nova.

Se você for de mala, IDEM. Por que? Porque, sim, você vai encontrar promoções incríveis lá e vai querer encher o resto da mala. Por mais duro que você esteja, alguma coisa você sempre acabará trazendo, então nessas horas é bom treinar o desapego e ser compacto.

Eu viajei com mochilão, porém lá pelo 18º dia da viagem troquei para uma mala de rodinhas de qualidade, que comprei com a certeza de que ela seria muito bem vinda e duraria mais várias outras viagens. Se possível, faça o mesmo.

Geralmente, malas boas no exterior custam muito mais barato do que aqui e você pode fazer um bom negócio. E não seja bobinho: ao comprar uma mala nova, considere se ela conseguirá comportar com folga tudo o que você já tem no momento além da própria mala que você viajou primeiramente, já que nem sempre ela poderá ser usada como bagagem de mão ou poderá ser despachada, conforme o peso da mala nova.

– Como escolher o que levar?

Outra parte difícil. Depois de checar a temperatura de seus locais de destino, comece a escolher roupas alguns dias antes de viajar. Depois disso, tire metade da pilha – principalmente se você for exagerado(a) – e capriche nos acessórios. Se o seu cachecol for rosa hoje e branco amanhã, o foco nas fotos vai pra isso, e não pra sua roupinha igual. Got it?

Se você for no inverno, leve boas blusas cacharrel (ou bem quentes, no caso dos meninos) e uma jaqueta, ou no máximo duas. Mais que isso é exagero e muitas vezes os tecidos daqui não nos protegem o suficiente, pois lá o frio é diferente. Sendo assim, se ao chegar lá a sua jaquetinha não agüentar, você só vai ter ocupado espaço na mala com ela e não com duas.

Tenha algumas camisetinhas básicas para ir trocando por baixo da “blusa quente”. Elas não irão sujar e você com certeza consegue usar por mais de um dia, pois por mais que você ande, confia em mim!, você não vai suar, já que o frio deles é seco (com exceção de Veneza, por motivos óbvios!).

Quanto aos sapatos? Keep it simple, a não ser que você já saiba que terá algum tipo de evento fino por lá. Um bom tênis quentinho e uma bota sem salto já são o suficientes. Para os homens, tênis e pronto! Sortudos.

(calcinhas, cuecas e meias vocês podem contar sozinhos né? 8) )


Continue lendo →

100 fatos sobre a Europa – Parte 4

sex

Tudo o que eu vi, o que você já sabe e o que ainda não te contaram. 100 fatos divididos pelas 9 cidades que visitei e um top 10 geral para não faltar nadinha.

Esta é a quarta parte dos 5 posts que farei contando tudinho. Se você perdeu as primeiras partes, veja aqui: primeira parte (Lisboa e Madri), segunda parte (Paris e Amsterdam) e terceira parte (Berlim e Frankfurt).

Penúltimo post da série: Salzburg e Veneza.


SALZBURG

Salzburg

61. Salzburg é uma cidade pequena. Minúscula. E nós conseguimos nos perder por lá. Tipo, não se perder como em Paris, em que as ruas fazem curvas de 60º e não mudam de nome, mas se perder bonito, tipo andar 4 quarteirões à toa.

62. Apesar de parecer pequena para nós, para os austríacos, Salzburg não é coisa pouca. A cidade tem pouco mais de 150 mil habitantes e é a segunda mais importante do país, ficando atrás apenas da capital, Viena. Porém, vale lembrar que toda a Áustria abriga aproximadamente 8 milhões de pessoas, portanto tem uma população menor do que a da cidade de São Paulo. Ou seja? Seria até estranho se a vida nas “grandes” cidades por lá não funcionassem.

63. Lá é a cidade natal de Mozart e a casa onde ele passou maior parte de sua vida foi tombada. Hoje, lá funciona um museu no qual eu pude ver de pertinho todos os cravos e piano-fortes em que ele compunha, além de ver partituras originais manuscritas. Infelizmente, lá não era permitido tirar fotos, portanto ficou tudo na minha cabecinha. Foi um momento bem emocionante para mim, aliás. Além de eu já ter tocado músicas do Wolfgang, o cara de fato foi um gênio, mesmo tendo sido um dos compositores mais “vendidos” da história da música clássica.

Salzburg

64. O castelo: subimos centenas de degraus para chegar ao alto do burgo de Salzburg, já que o “bondinho” estava em manutenção.  Canseiras à parte, “Burg” quer dizer castelo ao pé da letra, porém os burgos foram espécies de micro-cidades feudais. Assim, ao chegar lá no alto eu relembrei as aulas de história de fio a pavio, pois você consegue distingüir direitinho desde as edificações para os protegidos do rei até as pequenas casinhas, onde residiam comerciantes e empregados. Isso sem contar todos os canhões que ficam apontados para pequenas janelas nas muradas do forte.

65. Quem disse que a Europa é um continente de velhinhos te enganou! Um dos lugares onde menos esperávamos ver adolescentes era a Áustria. Sabe aquela galerinha-13-anos-me-acho? Sim, sim: meia noite e todos bombando no Burger King da estação central. Praticamente uma rave no posto.

66. Esta cidade tem a catedral mais linda que eu já entrei. Nada de ouro caindo pelas paredes, nada de se sentir angustiado em meio a tanto brilho e pompa: esta igreja te acalma profundamente com a sua beleza simples. Admirei.

67. Ao mesmo tempo, nunca vi um cemitério com tantos centenários! Andamos no cemitério charmoso atrás da principal catedral da cidade e ficamos bestas com a idade das pessoas. 90 anos, pra eles, é morrer jovem! Afinal, nós não encontramos um ou dois, mas vários túmulos de pessoas com mais de 105 anos. Vida longa aos Salzburguenses!

68. Fantoches: aparentemente a cidade é bastante reconhecida por sua produção artesanal de “puppetiers”. Dentro do burgo, encontramos um museu de fantoches que exibia inclusive os bonecos usados no filme Amadeus (1984), sobre a vida do sr. Mozart.

Train


69. Momento mais emocionante da viagem:
a sensação épica de liberdade dentro do trem, vendo os alpes passarem pela janela, na fronteira com a Itália. A sensação de sorte de poder fazer uma viagem como essa. A sensação de “Deus existe” ao observar as paisagens mais lindas que eu já vi em toda minha vida. Tudo branco.

70. Tudo o que eu pensei sobre Salzburg caiu por terra quando cheguei lá. Cidade linda? Sim! Mas eu sonhei alto achando que chegaria lá e aproveitaria um “clima de lareira” gostoso e relaxaria observando a neve na janela enquanto algum loiro nórdico massageasse meus pés…. E é claro que não! Nós passamos foi frio e nada de lareira! É claro que, enfim, se pensar bem, passamos frio a viagem toda, mas lá foi com gosto:  o único lugar com temperaturas abaixo de zero. E NADA DE NEVE. Grrrr ¬¬
.


.
VENEZA

.

Veneza


71.
Você já viu em filmes, você já viu fotos, teus conhecidos que foram pra lá já comentaram, mas nada se iguala a de fato ir para esse lugar. Eu nunca fui louca pra conhecer a Itália, e Veneza parecia só uma cidadezinha bonita. Porém, ao chegar lá, me surpreendi e me apaixonei. A cidade me conquistou de tal forma que agora estou colocando nos meus planos voltar pra lá no Verão e também, obviamente, no carnaval. É simplesmente má-gi-co. E o céu na Itália é mais azul. Entendam.

72. Veneza é uma cidade cara. Nada de H&M e lojonas por lá. Ali o esquema é só Louis Vouitton, Prada, Gucci e Salvatore Ferragamo. Por essas e outras, tanto eu quanto 99% dos pobres mortais que viajam para lá, acabam ficando em Mestre, cidade vizinha e meio judiada. Uma pena, pois ela fica a apenas 20 minutos (de ônibus!) do paraíso veneziano.

73. A única coisa barata nessas mais de 100 ilhas e ilhotas é o sorvete. Sorvete que, aliás, nos conquistou: duas bolas gigantescas por apenas 1€ e que colocam Gelateria Parmalat no chinelo. Nós só não sabemos ao certo se foi a vanilla absurdamente saborosa que nos ganhou ou se foi o sorveteiro simpático com carinha de nerd-me-leva-pra-casa, só que italiano – portanto, mais sexy.

74. Veneza abriga a maior concentração de turistas por metro quadrado de todos os lugares que visitamos! Ver italianos mesmo, só se for nas lojas. Tanto é verdade que encontramos com a mesma família americana umas quatro vezes durante os dois dias que passeamos por lá. Mas, claro, lembremos que Veneza também é uma cidade puramente turística, já que nas ilhas mesmo só residem os moradores mais antigos. Até os comerciantes e lojistas costumam morar em Mestre e fazer pequenas viagens todos os dias.

Veneza


75. As gôndolas.
Sim, elas são lindas. Sim, elas existem. Sim, os gondoleiros são maravilhosos. Não, eu não andei. Por que? Porque por apenas 20 minutinhos de passeio, eu e Lari teríamos de desembolsar a bagatela de 80€, sendo que ainda por cima sentíriamos uma dupla facada no peito, já que não estaríamos aproveitando devidamente o romance do rolê. Tirei fotos e me dei por satisfeita. Virei a esquina e comprei lingeries made in Italy maravilhosas em promoção por um quarto do que eu gastaria na gôndola. Melhor, não? 8)

76. Se antes nós ficamos impressionadas com quadros gigantes, em Veneza vimos paredes inteiras pintadas a óleo no Museu São Marco. Aí sim vimos a maior pintura a óleo do mundo, só não me pergunte sobre o que era nem quem pintou: vimos tanta coisa que, na terceira sala depois da “maior pintura”, já tínhamos esquecido tudo. ¬¬

77. Como esquecer? Nos sentamos à beira de uma ponte charmosa para almoçarmos una bella pizza de mussarela, champignons, tomate e prosciutto (presunto cru delicioso!) e acabamos batendo um papo com um engenheiro espanhol que mora na Alemanha e vem constantemente ao Brasil resolver negócios com a Itaipava, Coca-cola e N outras empresas gigantes. A conversa foi longe, o rapaz senhor homem deu até um cartão para mandarmos e-mail para ele. Chaveco? Imagina… Pagou inclusive nossos capuccinos. Obrigada, viu? O papo foi ótimo, mas passei a bola pra Lari. hehe 8)
(continuo o assunto da pizza no post sobre Roma!)

78. Sem dúvida alguma, a cidade vai desaparecer. Você pensa que a situação não é tão problemática, que a cidade vem afundando apenas “alguns centímetros”, mas chega lá e vê casas e prédios com o primeiro e o segundo andar totalmente inutilizados pela invasão da água. Casas em que é possível enxergar apenas o batente superior de uma porta chique deteriorada e uma janela fina transformada em “passagem”… Portanto, se você tem vontade de conhecer a cidade, não espere mais 20 anos até ganhar na loteria. Viaje, veja, visite porque o lugar é lindo, é histórico e vai acabar. Não existem estimativas concretas de tempo para isso, mas o aviso está dado.
.

Veneza

79. A famosa Piazza San Marco sofre com enchentes diariamente, devido a elevação das águas do rio que banha as ilhas da cidade. De manhã, plataformas de madeira são posicionadas por toda a praça para que os turistas possam andar. Às 11 da manhã já está tudo sequinho, mas se você for azarado, pode acabar tendo que enfrentar uma enchente nessa mesma paisagem assim.

80. Não, gente! O rio não fede, não cheira mal! Pelo menos não no inverno, né? hehe 8)

No próximo e último post sobre a viagem: Roma e as considerações finalíssimas sobre toda a viagem. Aguardem! 8)

Eurotrip. Au revoir.

seg

Para muitos, as férias já terminaram. Para mim, elas nem começaram!

Quarta-feira embarco para Lisboa, onde começará minha aventura de 22 dias pela Europa. 9 cidades, 7 países, uma mochila de 60L, uma amiga, uma câmera, frio e neve. Neve a dar com pau! Meu itinerário? Olha aí!


Primeira parada: Lisboa, para ir acostumando com o frio e ouvir muitos “tudo bains?”


Madrid. Um pouco mais frio, muitos museus, mucha música buena!


Paris, Louvre – porque a Eiffel Tour todo mundo já viu.
E, bom, Paris é Paris, então acho que não preciso entrar em detalhes do que farei por lá. :)


Amsterdam. Red light district, Party 24h, barcos, Heinekens (perigon!), marijuana free pra quem gosta.


Berlim: mais homens lindos gente linda, muito mais frio, história moderna em cada esquina.


Frankfurt: modernidade, moda³, carros!, frio da porra.


Salzburg, Áustria. Terra de Mozart, ski, muito charme e tudo coberto de neve.


Veneza: visite antes que a cidade acabe.


Roma: cidade eterna, gente linda, terra nostra.

Interrompo agora as atividades por aqui para arrumar minha mochila, tirar as meias de lã do armário, encontrar as luvas de couro, desenferrujar meu alemão e aperfeiçoar minha lista de besteiras pra comprar, que já inclui o calendário dos padres do Vaticano.

Quero postar de lá, mas não garanto, afinal eu obviamente vou ter coisa melhor pra fazer – procurar casacos e aquecedores, por exemplo. Logo, quem quiser acompanhar a jornada timtim por timtim, pode seguir meu twitter ou ler as twittadas que serão agrupadas e publicadas aqui. Encontrei um plugin legal que faz isso, então rezemos para funcionar. E claro! Se possível, darei um aperitivo das fotos no flickr!

Volto dia 28 de janeiro, depois de uma overdose italiana e cheia de histórias para contar!
Hasta la vista, au revoir, auf Wiedersehen. 8)

ps: dicas e sugestões extras do que fazer nas cidades são super bem vindas!