100 fatos sobre a Europa – Parte 1

dom

Tudo o que eu vi, o que você já sabe e o que ainda não te contaram. 100 fatos divididos pelas 9 cidades que visitei e um top 10 geral para não faltar nadinha.

Esta é a primeira parte dos 5 posts que farei contando tudinho, com algumas fotos e muitos links!


LISBOA


“Ó mar salgado, quanto do teu sal
São lágrimas de Portugal!
Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
Quantos filhos em vão rezaram!
Quantas noivas ficaram por casar
Para que fosses nosso, ó mar!
Valeu a pena? Tudo vale a pena
Se a alma não é pequena.
Quem quer passar além do Bojador
Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo deu,
Mas nele é que espelhou o céu. “

Fernando Pessoa

1. Se você assistiu uma aulinha de literatura cujo tema fosse Fernando Pessoa, com certeza sabe que Lisboa não tem saída para o mar. Por isso, o Rio Tejo tornou-se extremamente importante, pois era ele que levava as naus da capital portuguesa para o mar, para os novos mundos e para o nosso Brasilzão sem dono.  Em inúmeros poemas (principalmente os de Fernando Pessoa!), o Tejo é tratado como um marzão, e qual não foi minha surpresa quando o vi pessoalmente: sim, o Tejo é um marzão. É lindo e é um horizonte sem fim. Poderia passar horas ali olhando as gaivotas e as embarcações modernas que saem minuto a minuto do porto.

2. Lisboa é definitivamente uma mistura equilibrada e perfeita do centro de São Paulo com o pelourinho de Salvador. Se alguém aqui conhecer os três lugares, por favor me corrija se eu estiver errada. 8)

3. O português de lá é lindo. É mais bonito e lembra pouco as reproduções cômicas que encontramos por aqui.

4. Eles amam o Brasil. Melissa, Maria Valentino e Morena Rosa são algumas grifes super in por lá, sem contar a 51. Para eles, importar nossa pinga é com certeza uma boa idéia.

5. Os homens portugueses são triplamente charmosos. É difícil encontrar alguém maravilindo, mas todos eles são bonitinhos e tem cara de homem (e de Orlando Bloom). Só que se você odiar homem com pêlos ou barba, esqueça.

6. Pastelarias estão espalhadas em cada esquina e eu pessoalmente recomendo que vocês experimentem os empanados e (meu preferido!) os “rissóis” de camarão. O engraçado é que lá eles comem essas frituras frias, ao contrário das nossas lanchonetes, que mantem coxinhas aquecidas, por exemplo. Mas, enfim, o recheio é
tão bom que você certamente não vai pensar nisso.

7. O metrô de Lisboa é bem singelo. Ao contrário das outras cidades que eu visitei, que, em sua maioria, tinham estações em cada esquina ou então tinham um bom motivo para não ter metrô (chegarei nisso mais tarde!), as linhas lá são restritas e não dão amplo acesso a cidade. No entanto, é possível conhecer boa parte dos pontos turísticos usando o metrô e tomando ônibus para o restante. Por esse motivo, recomendo que mesmo assim vocês procurem hotéis próximos de estações.

8. Os preços da cidade são bastante razoáveis se comparados ao resto da Europa. Geralmente gasta-se muito para comer e lá é possível comer bem gastando uma quantia ok. É possível, por exemplo, encontrar restaurantes em que você coma bem com até 10 euros. Com relação a compras em geral, os preços também são convidativos, porém não espere encontrar 934873485 lojas transadas. Aparentemente a cidade é bastante tradicional e a moda e os gostos da população refletem isso.

9. Os portugueses são silenciosos e atenciosos. Fale baixo.

10. Um sobe e desce desgraçado: use tênis.



MADRID

11. Eu achei que seria impossível usar meu espanhol (bem enferrujado e, portanto, praticamente portuñol) por lá, mas, por increça que parível, me fiz entender e entendi. Porém, se você achar que não consegue entender o espanhol deles durante a resposta, mande o inglês na lata e pronto. Melhor coisa.

12. Madrid é uma grande metrópole e, incrivelmente, foi a cidade que mais me lembrou Nova York. Muitos letreiros, muita propaganda, muito ônibus e bastante gente na rua, em todos os lugares.

13. A malha do metrô serve bem a cidade e tudo é bastante limpo e organizado, sem ter tarifas caras. As estações são bonitas e os trens vão rapidinho. Para mim, foi o melhor metrô que “pegamos”.

14. Homens estilosos. Não se espante se todos os jovens que você encontrar parecerem ter saído de um clipe new-rave. Aparentemente eles curtem essa coisa de “saí de um editorial de moda e tô aqui”. Ao contrário deles, as garotas se vestem normalmente. Com estilo, mas nada gritante. Ah, os espanhóis são feios. Sem exceções.

15. O inverno por lá não costuma ser tão rigoroso, porém este ano o frio foi mais forte e tinha neve a dar com pau, o que resultou em gelo espalhado por toda a cidade, criando oportunidade para fotos lindas. Se quiserem ver, link pro flickr já!

16. Moda: a Espanha é terra de algumas das grandes redes de lojas mais famosas na Europa. Zara, Mango (aqui MNG e etiqueta do meu sobretudo vermelho da foto, que as meninas têm comentado no flickr e no orkut), Stradivarius e Six são nomes que se vê por todas as esquinas lá. Eu já ficaria contente se tivéssemos a Six por aqui: moderna e anos luz mais barata que a Acessorize.

17. Arte: se você também teve alguma aula de arte, deve saber que grandes nomes da pintura vieram da Espanha, assim como a estética por eles criada influenciou muitos outros pintores clássicos Europa a fora durante o apogeu da coroa espanhola. O país enriqueceu com sua frota marítima imbatível e tornou-se multimilionário, permitindo que a corte acolhesse diversos artistas, como Velázques, famoso por “As Meninas”, 1657, e Goya, pintor de “Saturno devorando a un hijo”, 1823, e autor de retratos da aristocracia.

Além destes clássicos, Espanha é a pátria-mãe do gênio Dalí e do gênio Picasso. Portanto, se estiver na cidade você deve, no mínimo, visitar os dois principais museus: Museu do Prado (arte clássica) e Museu Reina Sofía (arte moderna e contemporânea), que exibem as obras citadas de todos estes artistas e muito mais. E, sim, “Güernica”, 1937, Picasso, é emocionante vista ao vivo e nenhum livro pode reproduzir a sensação que eu tive ao ver aquele quadro gigante ao vivo. Ahm, e bom, você também pode ver no Prado o safadinho “Jardim das Delícias“, 1504, do holandês Bosch e o genial-pervo “El Gran Masturbador“, 1929, de Salvador Dalí. Dalí era foda, só digo isso. Ao vivo, então…

18. Paellas! Ah, delícia. Também fizeram o crime de me dizer que as paellas de lá não são tão boas como as nossas. Peraê, né pessoal? A comida aqui no Brasil é ótima e seguramente uma das melhores do mundo, mas nem por isso nós apresentamos as melhores versões da culinária mundial (aguardem o capítulo sobre as pizzas!). Portanto, entupam-se de paellas se forem à Espanha. Eles têm diversos tipos de paellas conforme os ingredientes que acompanham e é simplesmente maravilhoso. Agora, ok, o café do Brasil é o melhor do mundo. Isso sim está fora de discussão. 8)

19. Os espanhóis falam alto. Bem alto. E são bravos. Presenciei a briga de uma mãe com seus filhos danadinhos e deu muita vergonha alheia. E, ahn, também descobri porque falo alto (família espanhola, vovó espanhola…).

20. Fiquei com muita vontade de voltar para ver Barcelona no verão.

Aguardem o próximo post do Top 100, com os top 10’s de Paris e Amsterdam.
Cidades incríveis onde vivi experiências bizarras, cômicas e (quase) românticas que eu tenho realmente de compartilhar!

ps: aparentemente, Portugal não aderiu à reforma ortográfica. Nem eu. 8)