E se as redes sociais estivessem no colegial?

sáb

social media high school

Se há um tempo atrás nossa vida se resumia em checar scraps no Orkut, hoje o próprio fica de lado diante de tantas outras opções – e melhores opções. Para os fãs de música, há last.FM, MySpace, Hype Machine. Para os fotógrafos e “aspiras”, Flickr, Tumblr e Instagram. Para os blogueiros, WordPress, Livejournal, Blogger e muitos outros. Para quem fala pelos cotovelos, Twitter. Para quem não tem paciência para nada disso, Facebook. E, claro, para todos os mortais, Google e Wikipedia.

Não é preciso nem dizer que cada pessoa usa aquilo com o que mais se identifica, então que tal transformar as redes sociais em “panelinhas” do colegial? Pois sim: o infográfico resume o perfil de cada usuário de acordo com aquelas turminhas do colégio.

Várias definições são geniais, mas meus favoritos são os twiteiros, gossip girls de plantão, e os orkuteiros, alunos de intercâmbio!

Clique para ver maior:

Class Of 2011: If Social Media Were a High School

.

Se você gostou muito, deixo a dica de decorção: tem poster desse infográfico para vende por $16,99 na Flowtown!

.

Botinhas pra ouvir: conheça Little Boots

qua

Eu disse “botinhas” porque quem me conhece um pouquinho sabe o quanto eu sou viciada em botas. Sim, são meus sapatos preferidos e, atualmente, devo ter em torno de uns 12 pares no armário…

Little Boots e o instrumento inseparável

Ao contrário dos meus 12 pares, Victoria Hesketh tem apenas um cd, recém-lançado no início do mês, mas é meu novo vício musical. Só que não, ninguém a conhece assim: a loira britânica é famosa mesmo como Little Boots, tem 25 anos e faz um eletropop dos bons!

Conheci Little Boots em abril, quando vi este vídeo de sua apresentação no Later… with Jools Holland e achei tudo fanstástico. Além de cantar e tocar bem, a moça deu conta sozinha de sua própria criação musical. E antes de continuar lendo esse post, recomendo que você dê play e assista a moça fazendo música com um gadget e um clássico piano de calda:

.
Litte Boots começou a estudar piano aos cinco anos de idade e, aos 16, participou de uma espécie de show de talentos britânico, o Pop Idol. Na atração ela não alcançou tanto destaque e foi eliminada logo na terceira etapa do programa, o que, segundo ela, foi ótimo, pois fez com que ela lutasse mais por seus objetivos. Pode ser!

Na faculdade, Victoria estudou “Estudos Culturais” (?) e apresentou uma tese sobre Jamie Cullum. Apesar de ter se formado como uma das primeiras da turma, a universidade pesou mais no quesito musical: foi lá que ela formou a Dead Disco, banda de indie rock só com garotas, e foi através deste grupo que conheceu Greg Kirstin, produtor com quem trabalha até hoje.

O grupo durou de 2005 a 2008 e chegou inclusive a deixar o solo europeu para ir até Los Angeles gravar um disco, depois de ter sido uma das atrações de maior destaque no Carling Leeds Festival, festival de música de Leeds – a terra natal das duas Mel’s das Spice Girls.

Chegando em LA, Vicky, que ainda não era Little Boots, repensou seus rumos musicais e começou a compor músicas que iam por um outro caminho, o do eletropop. E foi assim: em pouco tempo ela abandonou a banda e começou a fazer versões “eletrificadas” de canções pop de diversos grupos, como Girls Aloud e Miley Cyrus. Fez também um cover de uma canção do The Virgins, que eu pessoalmente adoro. Little Boots transformou com sucesso Rich Girls em Rich Boy.

Dentro de um ano, a moça adotou o nome de “Little Boots”, lançou dois EP’s: Arecibo e Illuminations, e começou a produzir seu primeiro álbum, Hands, lançado no último dia 8. E se você quiser uma dica, comece ouvindo Tune Into my Heart, Meddle e a música de trabalho, New In Town.

Entrando na moda de cantoras com “nomes exóticos”, como Lady Gaga e Ladyhawke, Little Boots faz um som bastante diferente destas outras moças (apesar de eu adorar as três!). Ela tem um quê mais sombrio e denso, além de abusar do piano nas faixas onde isso se faz possível – e eu adoro!

Como prova do sucesso, o MySpace da cantora já divulga shows agendados até outubro e a canção Meddle virou trilha sonora de um comercial da Victoria’s Secrets. Agora, melhor que tudo isso é o seu primeiro clipe oficial, de New In Town: bem dirigido, figurinos incríveis e uma coreografia que chama a atenção sem ser mala como a de um clipe pop padrão (e nisso ela se assemelha à dona Gaga). E, obviamente, uma música boa.


O que mais posso dizer?
Arranjem o cd. Sigam a LB no twitter. 8)