Lana Del Rey vem para o Planeta Terra 2013!

ter

Lana Del Rey se apresenta no festival Planeta Terra 2013

Dia 9 de novembro: é este o dia em que os fãs brasileiros poderão ver e ouvir Lana Del Rey, nome mais comentado da música em 2012 (principalmente neste blog!), que chega com delayzinho ao Planeta Terra 2013. Ao lado da musa, a produtora dos shows anuncia também Clarice Falcão, O Terno e BNegão, que se juntam aos já anunciados Blur, Beck e Palma Violet.

Os ingressos começam a ser vendidos no dia 22 de julho, à 0h01, no site da Tickets for Fun, em pré-venda exclusiva para clientes que possuem o cartão Ourocard, do Banco do Brasil. A partir das 0h01 do dia 26 de julho, a venda é aberta ao público em geral, portador de outros cartões. Os preços do primeiro lote são de R$300 (inteira) e R$150 (meia). A edição deste ano do festival acontece no Campo de Marte, na zona norte de São Paulo.

Será um dia de muitas emoções, dia para cantar bem alto “go play a videogame”, “my pussy tastes like pepsi cola” e “will you still love me when I’m no longer young and beautiful”. Sei lá, já tô ansiosa. E pra descarregar dessa melancolia toda, se o headliner mandar “Song 2” no fim do dia, tudo certo!

.

– Woo-hoo, When I feel heavy metal!

Planeta Terra 2012, a edição da mulherada: Imagens da Semana

qua

Entre um show e outro curti o camarote do Palco Indie graças à gentileza da Gol. Obrigada pelo convite! Para ver tudo o que já contei nesta tag, clique aqui.

.

a vista do camarote!

Já fui em Planeta Terra que poderia se chamar “Planeta Strokes”, em outro que poderia ganhar facilmente o prêmio de “lineup da vida” e fui neste, nesta edição 2012, que pode ser facilmente lembrada como “a edição da mulherada”. Não teve para ninguém: foi o girl power que garantiu a energia de shows como o do Garbage e o do Gossip

Beth Ditto chamou todas as atenções, Shirley Manson arrancou choros e suspiros e, entre amor & ódio, Azealia Banks mostrou para muita gente que veio pelo menos para incomodar. Fora tudo isso, ainda teve a fofurice de Little Boots, uma das primeiras artistas de eletropop que comecei a curtir láá atrás, junto com a Yelle. Faz tempo e tem história, mas ouvi o primeiro CD dela “Hands” de cabo a rabo no repeat por pelo menos um ano e foi uma delícia ver a gatinha bem de perto!

Little Boots: uma lady!

Dando uma volta pelo festival, vi trechinhos ainda do Maccabees, do The Drums e até mesmo do Garbage; só uma pena que perdi as músicas que curto pra valer do grupo, mas ainda assim valeu a pena.

Pouco depois, veio Azealia Banks. 10 minutos de DJ e show de meia horinha da moça já fizeram o povo querer arrancar as calcinhas. Vale o parênteses: Azelia tem apenas um EP lançado, clipes lindos e uma mixtape recheada de música boa, mas também de muita coisa conceitual que não cola em festival. Daí a escolha de esquentar o povo e entrar só pra arrebentar, algo que ela já fez lá fora e que funciona já que o tempo para causar é curto.

Azealia Banks: perucona e o top que brilha – e que não deu certo

Nos bastidores rolaram boatos de que a nova-iorquina deu uma de estrela, mas no palco sinceramente isso não veio à tona. Foi só música boa e um fôlego desgraçado para entregar as notas e o rap sem parar de mexer as pernocas um só segundo. Achei de tirar o chapéu. Só incomodou mesmo o probleminha que a gata teve com o figurino; algo deu errado com o top cheio de “luzinhas” e toda hora ela virava para o DJ para arrumar, fora que saiu do palco segurando o peitinho e com cara de ponto de interrogação depois que o áudio falhou por alguns segundos para a plateia. Bizarro! Vai se benzer, diria a minha avó. hehe

Só sei que depois dessa apresentação, dona Banks me ganhou mais ainda e já tô até com ciúmes do tanto que ela vai estourar. Digo e repito: Rihanna que se cuide.

Beth Ditto simpaticona e seu Gossip

E então, Beth Ditto e o Gossip. Nem ao menos considerei dar uma ouvida no Kings of Leon, porque perder esse espetáculo de voz e personalidade ia ser imperdoável. Beth entrou no palco já dando uma ~zoada~ para aquecer o público, brincou de falar “Oi Oi Oi” e apresentou o grupo como sendo o Kings, que tocava lá do outro lado. O povo já começou a rir e antes de outra piada, Beth mandou mil e um “deixxxculpa” por ter cancelado outras apresentações por aqui. E mandou ver na sequência.

Beth tomou goles e goles de caipirinhas e cervejas, arrotou duas vezes, cantou sem perder uma nota pulando pelo palco descalça e ainda achou espaço para homenagear outros artistas no meio de suas próprias músicas. Rolaram trechinhos de Nirvana, Michael Jackson, Ramones, Madonna e até Lady Gaga, de quem ela disse que é fã (só não saquei se foi ironia! hehe).

Foi extremamente divertido e fiquei pensando que, sei lá, uma cantora de timbre parecido como a Adele jamais seria capaz de fazer aquilo. Beber e soltar o gogó na sequência com tamanha precisão não é apenas difícil, é simplesmente arriscado e pode danificar a voz. Mas, ó,  a Beth #vidaloka não estava com medo algum e ainda se jogou pra plateia no fim do show: saiu dando selinho no povo.

Só amor pra ela! <3

.

E O LOOK!

E, rá!, mais uma vez uma roupa confortável para ir em festival. O dia estava chuvoso e a probabilidade de lama era alta, logo fui de bota, calça pra não sujar as pernas e joguei um casaquinho muito, muito leve por cima da blusa, só pra não tomar ~friagem˜. rs Os créditos das peças seguem depois das fotos e o coturninho é mais um achado da viagem! Yey! <3

Jaqueta e blusa: H&M; jeans: 7 For All Mankind; coturno: Necessary Clothing;
colar: Ebay (vendedor xiaojion)

. 

A irmã da Miley Cyrus tem uma banda – e é muito boa!

sex

Codi Caracol + Brandy Cyrus = som delícia!

Apesar do sobrenome famoso, a irmã de Miley Cyrus está lançando aos pouquinhos sua dupla FRANK+DEROL. Ao lado de Codi Caracol, Brandi Cyrus passa longe do pop chiclete e faz um som feminino e interessante, com elementos eletrônicos e um pouquinho da crueza indie que a gente adora.

Conheci as duas com a fofa “Barely Love You Too” e duvido que você também não fique viciada nessa letra que tem francês no refrão e fala sobre os estúpidos jogos de amor que as pessoas jogam. Dá o play:

.

O EP das garotas estreou no Itunes no início do mês e, por enquanto, o canal das meninas no Youtube tem apenas dois “teasers”, um para a dançante “Lightning + Gold”, e outro para “Apparition”, que também vai no clima de “Barely Love You Too”.

.

.

Bem gostosinho o som, né? É o tipo de coisa que a gente quer ouvir numa tarde tranqüila lendo um livro. <3

Road trip: fotos da Beyoncé viajando

qua

Road trips estão definitivamente na moda e, se você não viu o post sobre isso, recomendo que o faça agora. Pois eis que eu estava navegando nessa grande rede e encontro fotos lindas de dona Beyoncé viajando de carro com a maninha Solange e outras moçoilas.

As fotos foram postadas no Tumblr da cantora em agosto, o que significa que Queen B é uma verdadeira trendsetter e eu sou uma verdadeira perdida que só vi agora. rs Os registros são de uma viagem de carro até a casa dela no Texas.

As imagens são lindas e alguns dos looks da cantora parecem ter saído do gramado de um festival de música. Quem disse que para se fantasiar de ~indie~ tem que vestir manequim 34? Tapa na cara da sociedade!  hehe

.

Amo esse look Coachella-baby de bota étnica e camisetona larga, no maior clima “tô linda, f*da-se”. Um belo PÁ na face das brasileiras cheias de curvas (incluindo eu mesma!) que ficam babando nas menininhas mignon super alternativas achando que não podem usar isso ou aquilo. Tem que usar o que tiver vontade, com a cor do batom que tiver vontade e o cabelão solto no vento. Anotou?

Grimes: som bom e o clipe maluco de “Genesis”

qui

a cantora e compositora Grimes

A canadense Grimes já tinha dois discos lançados até estourar com o seu “Visions”, álbum que chegou às lojas em janeiro deste ano. Com composições malucas, visual interessante e som eletrônico pra te botar pra pensar (e dançar), a moça já saiu em turnê com Diplo e Skrillex e ganhou de vez o coração dos hipsters – a tag da gatinha bomba no Hipster Runoff!

Esta semana, Claire Boucher, seu nome de batismo, lançou o clipe para uma das tracks mais comentadas do álbum, “Genesis”. Para o vídeo, ela mesma assinou a direção, mas fez questão de dar uma confundida na galera usando o nome real nos créditos.

São pouco mais de cinco minutos e meio de maluquices. O vídeo começa com Grimes pegando carona com três coleguinhas “exóticas” no meio de uma estrada. A partir daí, o visual vai mudando completamente e é tanta informação visual que não tem como não ficar vidrado.

Podem chamar a construção visual de poser, mas essa mistura maluca de espada no mar, espada pegando fogo, Yemanjá clubber, Sailor Moon punk, cobra amarela passeando no carro e ritual de gangue acaba ficando interessante. Não precisa tentar entender, até porque a música já tem uma pegada “diferente”, para dizer o mínimo.

E, bom, claro: quem achar o clipe bizarro demais, pode por os fones e se concentrar na música, que é realmente uma das  melhores do ano.mais primorosas do álbum e certamente uma das mais interessantes do ano. Dá o play!

.

Grimes é artista para ficar de olho, nem que seja para prever tendências e separar o joio do trigo, a bizarrice da modernidade. Para entender bem o que digo, ela até já se aventurou criando acessórios: um anel em formato de vulva. Sim, vulva.

Doida/poser/à frente do seu tempo ou viajandona, taí uma pessoa no mínimo corajosa e com bom humor. Que turminha do barulho, hein? rs

Gotye é tendência entre as modelos no Fashion Rio

sex

Em matéria do portal FFW, que faz a cobertura oficial do Fashion Rio, várias modelos contaram o que tem ouvido em seus ipods ultimamente.

A pauta é clássica, mas entre Rihannas, Adeles e Bruno Mars, quem mais deu pinta foi Gotye (pronuncia-se “Go-ti-ê”), o cantor belga-australiano que estourou com o hit “Somebody That I Used To Know”. Além da música mela-cueca lindinha com a Kimbra, as tops ouviram o CD direitinho e indicaram outras músicas. Dá o play nas escolhas das meninas, porque esse cara já é tendência agora e deve ficar até o próximo verão (não resisti ao trocadilho!):

Ana Claudia Michels está ouvindo “Easy Way Out”:



.

Aline Weber indicou “Hearts a Mess”:


.

E, como não poderia faltar, Adriana Cayê  indicou “Somebody That I Used To Know”:  


.

ps: para constar, a única brasileira a aparecer entre os favoritos das modelos foi Gaby Amarantos. Eta paraense arretada, hein? ;)