10 coisas para pensar agora que a Saga “Crepúsculo” acabou

seg

A “Saga Crepúsculo” chegou ao fim no último final de semana e como milhões de pessoas já viram o filme, cabe agora parar pra pensar no que a série deixou pra gente. Adorei o filme e me diverti muito vendo o final da história (achei o filme super curtinho!), mas não tem como não querer saber que fim vão levar essas 10 coisas aqui…

Robert e Kristen para a Vanity Fair: um dos primeiros ensaios do elenco (e ainda assim um dos melhores)

.

10 Coisas para pensar agora que “Crepúsculo” acabou:

– Como é de fato uma trepada entre dois vampiros crepusculetes? Nunca saberemos; mas os seriados estão aí pra isso – pena que eles não são charmosos o suficiente para brilhar no sol.

– Se todo vampiro tem uma alma gêmea, por que os Volturi não pegam ninguém? Será que todo esse ódio com a vida alheia não é falta de amore no cuore?

– Passaram três livros explicando que a fome dos recém-nascidos era insuportável. Qual é a da Bella ser fodona assim? A Alice não poderia ter previsto isso e facilitado tudo para todo mundo?

– Os vampiros brasileiros dão pinta quase pelados na neve durante o último filme. De fato, o único retrato verossímil de brasileiros seminus no cinema, afinal ninguém ali precisaria estar com tanta roupa se ninguém ali sente frio.

– O que a mãe da Bella vai pensar quando ver que a netinha envelheceu 10 anos em um? Essa sim vai encher a cabeça de brancos rapidinho.

– Quem era Team Jacob vai ser Team Renesmee agora?

– Como Jacob vai suportar viver com a Renesmee semi-imortal sendo que ele vai envelhecer? Ela vai dar umas mordidinhas nele pra garantir o futuro? Ele vai virar um lobisvampiro?

– Quanto tempo vai demorar para a Stephenie Meyer surgir com uma carta na manga para continuar esta série? Um ano?

Afinal de contas, será que o Robert Pattinson vai conseguir se dar bem? Além de ter sido um dos que menos conseguiu papeis interessantes se considerarmos sua visibilidade, o cara ainda passou pelo carão com a Kristen (que ainda foi lá e se tornou uma das atrizes mais bem pagas de Hollywood)… Oh dó!

– Por que o Green Day foi contratado para fazer uma música para este último filme e a música só toca nos créditos? WTF?!

.

Trailer oficial da primeira parte de “Amanhecer”

qua

a lua de mel mais aguardada do cinema

Vamos falar de guilty pleasure? Vamos falar de Robert Pattinson sem camisa? Então, vamos – e quem não quiser já sai de fininho! rs

Saiu (finalmente) o trailer oficial do penúltimo filme da saga crepúsculo, “Amanhecer” (Breaking Dawn). A história do último livro da franquia bestseller vai ser dividida em duas partes e teremos mais uma longa espera até ver o capítulo final.

Em todo caso, esse promete ser um dos filmes mais bem trabalhados da série, não só pela produção quanto pelo misto de emoções que os atores tiveram de enfrentar. Vamos ver como eles se saem, será que é o fim da cara de mármore?

“Amanhecer – Parte 1” tem estreia marcada para o dia 18 de novembro no Brasil.


.

Kristen Stewart, quanta diferença!

dom

quem te viu, quem te vê!

Se a eterna Bella de “Crepúsculo” já mata de inveja boa parte das representantes do sexo feminino com seu namoro vai-não-vai com Robert Pattinson, agora ela vai matar a outra parte com essa beleza absurda.

Kristen Stewart está na capa da revista “W” de setembro e finalmente recebeu um ensaio que valoriza sua beleza. Dona de um estilo boyish bem largado fora dos tapetes vermelhos da vida, a moça finalmente ficou linda de cair o queixo – coisa para a qual ela sempre teve potencial, afinal esses olhos e essa boca sempre estiveram aí:
.

.

Os responsáveis por lapidar esse diamante foram os fotógrafos Mert Alas e Marcus Piggot e o stylist Edward Enninful. A entrevista com a Kristen pode ser lida no próprio site da W.

.

Reese e os elefantes

qua

Reese Whiterspoon por Peter Lindbergh para a “Vogue” de maio

Reese Whiterspoon e Robert Pattinson estão em “Água Para Elefantes, filme que estreia nesta sexta-feira nos Estados Unidos e chega ao Brasil semana que vem, dia 29.

Aproveitando que o longa deve roubar toda a atenção das bilheterias norte-americanas no próximo mês por conta de Rob e suas fãs histérias, a “Vogue” colocou Reese Whiterspoon na capa de maio e convidou-a para este editorial lindo num circo.

As fotos são de Peter Lindbergh e só posso dizer que é incrível o quanto Reese está à vontade com os elefantes! Imagina no filme?
.


.

Para quem vai ver “Água Para Elefantes” só por causa do Robert Pattinson, tenho uma boa notícia: a Paris Filmes, distribuidora da saga “Crepúsculo” no Brasil, acaba de confirmar uma pré-estreia de “Amanhecer” no Rio de Janeiro.

O elenco principal ainda não foi confirmado, mas há uma chance, né? Quem sabe Kristen Stewart, Taylor Lautner e Robert Pattinson não vem passear pelo tapete vermelho? ;)

.

A versão musical de “Crepúsculo” no Oscar

seg

James Franco e Anne Hathaway apresentando o Oscar 2011

Apesar de Anne Hathaway ser fofa e esforçada para divertir, James Franco estava mais parado que a estatueda do Oscar e sentimos falta de uma pessoa um pouquinho mais divertida para jogar com Anne. E olha que opções não faltavam, não é? Justin Timberlake, Jude Law, Robert Downey Jr. e  Jake Gylenhaal poderiam ter sido opções melhores, quem sabe.

Como a dupla certamente não foi memorável no quesito humor, creio que um dos momentos mais hilários do Oscar foi a transformação de vários filmes em musicais. A melhor versão? Certamente a musiquinha feita com “Eclipse”, da saga “Crepúsculo”:
.


.

Participação hilária para uma série que só ganha prêmios “pra valer” no MTV Movie Awards, né? 8)

.

“Feios”: quanto vale ser igual a todo mundo?

qua

futurologia e crítica à sociedade com ar moderninho

Imagine que nossa sociedade chegue ao tal colapso tantas vezes já previsto por obras de ficção. Nosso modo de consumo e de produção se esgota, nossas fontes de energia e sua escassez limam as condições básicas de existência e uma nova geração surge, extremamente regrada, com modelos e objetivos de vida bastante rígidos e restritos.  Tudo  isso, é claro, regido por uma instituição invisível.

Isso te lembra alguma coisa? Pois é. A trama básica de “Feios”, de Scott Westerfeld, não é o que se pode chamar de original, mas vem fazendo sucesso justamente por isso. O autor retoma uma concepção de futuro que  já entrou para o inconsciente coletivo com obras como “Admirável Mundo Novo” e “1984”, clássicos lançados respectivamente em 1932 e 1948 que se tornaram essenciais para quem gosta de futurologia.

A obra de Westerfeld traz novamente a ideia de coletividade que remete ao socialismo, mas a apresenta de uma terceira forma, mais contemporânea e embalada com o formato comercial que ajuda a evaporar os livros das prateleiras. Best-seller do “New York Times”, “Feios” é o primeiro de uma trilogia – que tem tudo para virar filme.

Em Vila Feia, cidade em que a história começa, todos os adolescentes passam por uma operação plástica completa ao fazerem 16 anos, de forma que passam de feios a perfeitos em poucos dias. Depois de mudar de vida, os jovens entram na fase adulta e passam a viver em outra cidade, Nova Perfeição, lugar de festa 24 horas por dia.

Cerca de dois meses antes de seu fatídico aniversário, Tally Youngblood conhece Shay, uma garota que parece saber um pouco mais que a maioria e que, curiosamente, não planeja ser transformada pelos médicos. A partir daí, a jovem mergulha num novo universo e passa a questionar a desejada operação que a deixaria bonita e desejável, mas igual a todos os outros.

Quando a personagem é obrigada por oficias da Circunstâncias Especiais a fugir de tudo que conhece para se tornar perfeita,  a história realmente começa e entramos numa jornada difícil e dolorosa de amadurecimento. A fuga de Tally mostra que nem tudo lhe foi ensinado na escola e abre seus olhos para a organização política de sua sociedade. Afinal, se existe uma polícia política e se todos os seus membros são cirurgicamente alterados para serem mais habilidosos  que um cidadão comum, algo não deve ser tão perfeito assim.

A trama engrena rapidamente na segunda parte, mas antes disso demora a capturar o leitor. Apesar do narrador da história ser onisciente, é como se ele também fosse deste outro tempo, de forma que ele não se apressa para explicar como tudo funciona com energia magnética e não se demora muito descrevendo carros voadores – como voam? porque voam? como são as pistas de rodagem no céu? Ainda quero descobrir.

Além da futurologia interessante para quem nunca leu algo do gênero, o livro traz a tese de que a aparência é uma das grandes razões para a desigualdade social.

No universo de “Feios”, o governo garante as necessidades básicas a todos os habitantes. Todos recebem as mesmas casas,  vão às mesmas escolas,  dormem nos mesmos alojamentos durante a preparação para a operação e, finalmente, recebem a mesma boa aparência.

Depois de sofrer uma bela lavagem cerebral por toda a vida, a população acredita que esta é a sociedade perfeita e que, obviamente, não se pode viver sem uma cirurgia que mude desde a estatura até o tamanho dos olhos, pois no passado a estética era determinante para que alguns conseguissem cargos melhores que outros.

Com uma protagonista absolutamente mais enérgica e ativa que Bella de “Crepúsculo” e contornos modernosos para falar de política e de auto-estima, a série “Feios” tem tudo para ser grande e alcançar um público variado.  A trilogia se completa com os livros “Perfeitos” e “Especiais”, sendo que o segundo já está a venda e o terceiro chega às lojas em março.

Por fim, digo que recomendo. Acabo de começar “Perfeitos” e e estou bem curiosa para saber como será a evolução da protagonista, já que o primeiro livro termina em clima de suspense, com a jovem propondo um desafio a si mesma.

.

ps: quem mais leu? Contem suas impressões – só cuidado com spoilers! ;)