Jantar no Ramona: Imagens da Semana

sex

Para ver tudo o que já contei nesta tag, clique aqui.

.

o letreiro do Ramona visto de dentro do restaurante e a Av. São Luís

Com nome de travesti, ambiente de hotel chique dos anos 1970 e horário da cozinha extendido, o restaurante Ramona fica no centro de São Paulo e mostra rapidinho a que veio: é uma nova opção com preços amigáveis para comer comida boa sem frescura.

A casa é dos mesmos donos da balada Alberta #3 (os dois estabelecimentos são vizinhos) e vi o movimento de pertinho quando jantei lá no último sábado – chegamos quase meia-noite. O salão estava cheio e bem animado; o público se dividia entre os quatro ambientes da casa e enquanto alguns comiam, outros estavam ali apenas tomando cerveja e papeando, o que provou que lá também não tem carão se você não quiser uma refeição.

meu bloody e o mojito do Rafa

Enquanto aguardávamos uma mesa, pedimos nossos drinks no bar. Eu fui de bloody Mary, o Rafa de mojito e já fomos observando o cardápio para o jantarzinho logo mais. Ali no balcão ainda acabamos tomando mais uns golinhos de lambuja do que o barman estava preparando e deu uma provinha pra gente – o apple martini também deve ser uma delícia! Uma curiosidade é que o bloody Mary tem uma versão com bacon (!!), mas eu preferi ficar com a cenourinha tradicional. Achei meio bizarro e nem o barman me encorajou a pedir a mistura. rs

Saímos do bar no “subsolo” do restaurante e fomos subindo até o último andar, no salão maior, com mesas grandonas e poltronas confortáveis. As paredes todas de vidro deixam você ver a rua e o ambiente acaba ficando ainda mais modernete. Sentamos exatamente atrás do luminoso do restaurante, como vocês podem ver na primeira foto.

massa com cogumelos e steak tartare

Mas vamos falar de coisa boa: a comida! Eu estava morrendo de vontade de um belo steak tartare e me deliciei com o temperinho e as fritas. Lá no Ramona esse prato é na verdade uma entrada, mas apesar da porção reduzida, fiquei satisfeita sem exageros e sobrou espaço para provar o prato do namorado! hehe O Rafa pediu um fusili com molho de 7 cogumelos, servido generosamente e sem enganação: era quase mais cogumelo que massa! Quando voltarmos lá, vou pedir um pra mim.

o último andar do Ramona, onde sentamos

As comidinhas, bebidinhas, o ambiente e até a trilha sonora (só rock e indie goxxxtoso no estilo do próprio Alberta #3) nos agradaram muito. Os pratos principais tem preços variando entre R$30 e R$50 e a minha entrada, que se saiu um belo prato para fome moderada, custa R$24. Você pode ver as opções e valores na página deles no Facebook.

Taí uma dica boa pra quem quiser fazer o roteiro completo de jantar e balada: o restaurante também é do lado do famoso Club Royal. Só que olha, vou ter que dizer: é ele a maior estrela do quarteirão no momento. Gostei!

.

Imagens da Semana: Adote Um Gatinho, Bacio di Latte e look do sábado

qua

Para ver tudo o que já contei nesta tag, clique aqui.

.

ADOTE UM GATINHO

Sábado foi dia de conferir de pertinho as camisetas da Adote Um Gatinho em parceria com a Wonder e passei pela loja no meio da tarde para buscar duas camisetas e ajudar os bichanos. Quando cheguei, a loja já estava super cheia e os modelos estavam quase acabando, então escolhi uma pra mim e uma pra minha mãe e já parti de lá para um belo almoço na região.

..

BACIO DI LATTE

Depois de almoçar (foi quase uma almojanta!),  passamos pela Bacio di Latte para a sobremesa. Já falei dessa sorveteria aqui há muuito tempo atrás (quem lembra? quem já foi?) e sempre falo sobre ela no Twitter, é o meu lugar favorito na cidade para tomar sorvete. A casa dos Jardins está sempre cheia e o sucesso é tão grande que finalmente mais unidades abriram. A primeira loja nova inaugurou junto com o Shopping JK Iguatemi e recentemente mais uma casa inaugurou em Moema.

 


.

Quem não conhece o sorvete ainda, tem que provar (veja todos os endereços aqui). Como eu já disse e repito: é o sorvete que mais se aproxima do gelato true italiano em São Paulo. E o pote pequeno, que serve até 3 sabores, custa R$8. Dá de 10 a zero em muito projeto de gelateria por aí!

Rafa e eu ~curtindo~ os sorvetes no banquinho na parte externa da loja

E MEU LOOK!

No sábado estava um calorzinho gostoso à tarde, aí resolvi vestir um short e colocar a outra camisa que comprei da Andrea Marques + C&A para usar. Não me pergunte porque, mas acho short a cara do sábado. Como é uma peça que é quase impossível de usar no meio da semana no trabalho, eu realmente me sinto “de folga” quando tô usando. rs Nos pés, a botinha com tachas que garimpei no bazar da Juliana Jabour por um preço inacreditável! <3

Camisa: Andrea Marques + C&A; short jeans: Me Move; ankle boot: Juliana Jabour
bolsa: Siberian; relógio: Casio; colar de crucifixo: Íris Bijoux (mostrei aqui); colar de dente: antigão!

.

E agora quero uma ajudinha! Muita gente vem me pedindo para postar mais looks, mas gostaria de saber se vocês preferem posts exclusivos para isso ou se preferem quando conto tudo junto desse jeitinho, mostrando como foi a ocasião. Eu gosto mais assim, até mesmo porque os looks são só um “extra”, mas quero saber a opinião de vocês! Que cês acham? rs ;)

.

The Creators Project: Imagens da Semana

ter

Para ver tudo o que já contei nesta tag, clique aqui.

.

“Six-Forty by Four-Eighty”: os pixels interativos de Zigelbaum e Coelho

Neste domingo fui com o Rafa à terceira edição do The Creators Project que rolou aqui em São Paulo. O evento mistura música, arte, tecnologia e agora até gastronomia numa parceria entre a Vice e a Intel. Assistimos ao show da Karol Conká, dançamos ao som do Leo Justi,  visitamos as instalações que chegavam até a ter fila (!) e também comemos nas barraquinhas dos chefs da feira O Mercado, que estavam instalados por lá fazendo a alegria do povo – comi dois sanduíches deliciosos e não vejo a hora de ir na feira oficial mesmo, que é realizada uma vez por mês na cidade. Com certeza venho contar aqui!

Uma das instalações que eu achei mais legal (sem fila e super intuitiva para interagir) foi a “Meditation”, de Minha Yang. Aproveitei para fazer um vídeo para mostrar a obra (vocês vão entender como funciona), mas a ideia do artista é de promover uma conexão profunda consigo mesmo ao trabalhar com as formas e o som emitido pelos círculos centrais. Infelizmente tive de trocar o áudio original do trabalho do artista porque estava muito barulho e mal dava para ouvir, mas já dá pra ver a obra em ação:

.

Adorei o evento (que teve entrada grátis), a música boa, a cerveja barata e as comidinhas despretensiosas! As obras são sempre incríveis e o Creators ganhou e muito ao se mudar da Bienal para o Moinho. Nem se compara esta edição com a do ano passado, mas imagino que eles já estejam pensando em algo diferente para o ano que vem! Deixo vocês com mais algumas fotos e, lá pra frente, o que eu escolhi vestir para o dia (atentendo a pedidos! hehe).

 A instalação “Parede” de Rejane Cantoni e Leonardo Crescenti: você tirava uma foto do seu olho e ele ia  automaticamente para o mural digital

no centro, o meu olho e o do Rafa aparecendo juntos! hehe

a barraca com os melhores sandubas!

vista geral da “praça de alimentação” e da galera modernete 

.

E O LOOK!

Enquanto esperávamos o DJ Leo Justi começar, aproveitei a pista semi-cheia para registrar o look para quem sempre me pede! rs O vestido tem estampa de lenço espelhada e o efeito é super legal no corpo, mas fiquei chateada porque não esperava que ele fosse amassar tanto, mesmo sem ficar sentada. Peninha, mas agora já sei que infelizmente não dá pra usar esse aí para um jantar, por exemplo.

Jaqueta: OMK Couro (guerreira!); vestido: River Island; colar de triângulo invertido: Ebay; meia: Trifil; bota biker e bolsa: Asos

.

A receita de Bloody Mary do Chez Lorena

sex

drink do coração: bloody mary!

Bloody Mary não é um drink “super de menina” e há quem considere “suco de macarrão com vodka”, mas isto é papo para os fracos! hehe É um dos meus drinks favoritos: forte, intenso, nada *docinho* e ainda por cima não abaixa sua pressão! hehe

A questão é que nem sempre fazendo em casa fica tão gostoso e nem sempre os próprios bares acertam na receita – já tomei alguns horrorosos e tive vontade de devolver & vomitar. rs Os ingredientes são beeem simples, mas o resultado final depende totalmente do suco de tomate que você escolher, do limão que você escolher e até da vodka que você tiver para usar, já que uma bebida com fundo muito intenso pode deixar a mistura com pimenta algo intragável.

Por isso mesmo, vibrei demais quando o restaurante que faz o melhor bloody mary de São Paulo resolveu colocar um vídeo online para ensinar todo mundo como fazer. Como é sexta-feira, já deixo a dica para o final de semana!

A receita é do Chez Lorena:

Fácil, né? O jeito é caprichar na compra dos ingredientes e testar em casa!

Mini-guia: restaurantes e bares favoritos em São Paulo

qui

Sempre dou dicas de muitos lugares legais para visitar por aqui, mas uma coisa ou outra acabam passando! Por isso, resolvi fazer essas duas listas com alguns dos meus lugares favoritos para comer e beber em São Paulo, de um jeitão bem rápido e sem delongas, assim quem está de passagem pela cidade por causa do feriado tem mais ideias de onde ir e quem já mora por aqui, quem sabe!, conhece lugares diferentes através do post!
.

o sensacional secreto burger do Chez Burger e um pedacinho do milk shake de pistache ali atrás

 

RESTAURANTES FAVORITOS

Um temaki: Temakeria e Cia.

Um hamburguer: Lanchonete da Cidade (muitos posts aqui)

Um fast-food: kebabs do Pita Kebab
(e não deixe de comer a torta zebra, pelamor dos meus filhinhos!)

Um milk-shake: o de pistache do Chez Burger
(mas os burgers são excelentes, também. o pão merece menção honrosa!)

Drink em restaurante: Bloody Mary no Lorena 1989, agora Chez Lorena
(arrisco dizer que é o melhor bloody da cidade, nunca provei melhor que esse!)

Aberto até mais tarde: Tutto Italiano
(gostoso, bom preço e ambiente aconchegante!)

Para almoçar ao ar livre: Zena Caffé (posts aqui)

Para almoçar com família grande: Consulado Mineiro (posts aqui)

Para ir a dois: Marakuthai (posts aqui)

Para ir com os amigos: Marcelino Pan Y Vino (posts aqui)
(também dá para ir a dois, dá para ir sozinho, com a família… Simplesmente vá! rs) 

Para comer algo diferente: o basco Donostia
(o ambiente é lindo e o lado espanhol do país Basco fala alto e tem muitas *tapas para picar también*!)

.

o Sancho Bar Y Tapas lotadão no sábado à noite e com o balcão cheio de delícias!

 

BARES FAVORITOS

Um chopp: Filial

Uma caipirinha: Pé de Manga
* as do Velloso são muito famosas, mas lá é tão lotado que simplesmente é impossível ir à noite. Tentei ir duas vezes e não consegui!

Para tomar cervejas diferentes: Melograno (posts aqui)

Para tomar drinks feitos à risca: Bar Numéro (post aqui)
(esse é lindão, bem de “boyzinho”: rola um clima de “ver e ser visto” meio chato, mas tem quem curta)

Para se sentir no Rio de Janeiro (e comer coisinhas de lá também): Pirajá
(a feijoada aos sábados é um must eat! rs) 

Para ficar ao ar livre:  Skye, no Hotel Unique

Para os dias de chuva: Barão da Itararé (post aqui)

Para cantar com os amigos: karaokê da Choperia Liberdade
(verdadeiro clássico da madrugada paulistana)

Para conhecer gente, se é que me entendem: Puma Social Club (posts aqui)
(entre um joguinho e outro, muita coisa acontece, viu? o bar reabriu depois de um hiato e continua ótimo!)

Para um belo de um esquenta: Sancho Bar Y Tapas
(fui nesse final de semana e AMEI, vou postar aqui ainda. É na R. Augusta, perto de várias baladas, super descontraído e com tapas deliciosas e com preço camarada. Vale dar uma priorizada, os bares espanhóis estão virando moda na cidade!)

 

.

nerdiando no equipo da Funhouse

Mas… E as baladas? Entonces, São Paulo tem casas noturnas para todos os gostos e é sempre tanta novidade que mesmo saindo bastante a gente não dá conta de conhecer tudo – mesmo tocando, não dá pra conhecer tudo! rs

Eu, que não vou dançar toda semana, fico desatualizada do último grito da **night**. Masss, de bate-pronto, recomendo três lugares: D-Edge, sempre uma opção para quem curte eletrônico (preste atenção no dia: de sexta é noite gay e de sábado o público é meio misturadão – vou de sexta,  mas sábado é só quando é a salvação!), Vegas Club (sempre tem alguma coisa bacaninha), Estúdio Emme (lá o lance são as festas itinerantes; cheque qual será a festa que estará por lá, tem várias divertidas, como a Squat Party).
.

ps: Espero ter ajudado os leitores que vieram me pedir dicas esta semana! Quem quiser mais, deixa aqui nos comentários e eu tento ajudar. ;)

.

Escapadinha para a serra: Imagens da Semana

sex

Para ver tudo o que já contei nesta tag, clique aqui.

**tá vendo, coronerrr? tudo essas terra são minha**

Há duas semanas, Rafa e eu pegamos as malas na sexta-feira, jogamos no carro e demos uma escapadinha para a Serra da Mantiqueira, mais precisamente para a pousada Solar d’Araucárias em Gonçalves, MG. Apesar do clima estar ameno em São Paulo naqueles dias, pegamos um friozinho delicioso na serra, andamos a cavalo, relaxamos com direito à lareira, comemos pratos mineirinhos incríveis, tomamos cachaças artesanais e aproveitamos uma hidromassagem sensacional que dava vista para a serra. Bem romântico, mesmo.

Conhecemos a pousada através de uma promoção num site de compras coletivas e resolvemos arriscar – as fotos dos chalés eram super incríveis e parecia não ter como dar errado. Até pelas fotos do site serem tão legais, acabei nem tirando fotos para mostrar pra vocês. Logo que chegamos já fomos armando bagunça super cansados do trajeto e deixei pra registrar as outras coisas com mais detalhes.

Gonçalves é pequena e, apesar dos estabelecimentos terem bastante foco no turismo, a cidade é realmente um refúgio. Não foi descoberta por milhões de turistas insanos que vão atrás de passar frio e tomar chocolate quente antes da balada, como em Campos do Jordão. Arrisco até dizer que não tem balada em Gonçalves, só bar. rs É realmente uma ótima alternativa para quem quer relaxar nas pousadinhas legais ou fazer trilha/esportes radicais. A cidade é cheia de cachoeiras e tem alguns QGs que oferecem turismo de aventura. Como queríamos descansar mesmo, o negócio foi só aproveitar o frio, comer, ver a paisagem e namorar.
.

o fofíssimo e delicioso restaurante Janelas com Tramela

No sábado, aproveitamos a pousada e almoçamos num restaurante lindinho chamado Janelas com Tramela. Não peguei o endereço de nada, mas olha, não é tão difícil de achar. rs Comemos comida bem mineirinha, a famosa carne de lata, tomamos cerveja e nos esbaldamos nos torresmos bem preparados. Minha metade mineira, aliás, saiu de lá bem feliz, apesar de que eu certamente perdi uns anos de vida de tanto torresmo que comi! hauheuhe

Para compensar o almoço pesadinho, à noite jantamos no Le Gourmet Bistrô (o site é feio, mas a comida é boa! hehe), restaurante francês que fica escondidinho numa estrada de terra e você pode jantar olhando as estrelas. O negócio é familiar e os chefes são pai e filhos que cuidam da cozinha com muito cuidado. Apesar de ter demorado para chegar, estava tudo delicioso e cuidadoso – infelizmente não registrei meu “risotinho” porque lá estávamos no clima de romance à meia luz.
.

o meu esquecimento com mel, por favor

No domingo, levantamos cedo, comemos pães de queijo quentinhos no café da manhã da pousada e nos mandamos para a cidade para levar umas cachaças para casa. Eu escolhi a Dona Beja com mel, que é ótima para tomar gelada ou com gelo no copo, como se fosse um drink mesmo!
.

a branquinha que me levou pra passear

Depois das compras “típicas”, fomos para o Haras Boa Vista, um haras bem simples que oferece alguns passeios curtinhos a cavalo. Fazia já uns três anos que eu não montava e quis fazer um passeio de uma horinha para matar a saudade. Há muito, muito, muio tempo atrás fiz aula de equitação num haras aqui em São Paulo e parei depois que caí do cavalo e rolou um certo trauma na família. Comigo não aconteceu nada, mas acabei parando, já tinha aprendido todo o básico e estava saltando os obstáculos, só que, enfim, eu nunca ia virar amazona, mesmo. Eu fazia porque gostava de montar e adorava os cavalos. O bom é que andar a cavalo é como andar de bike: nunca se esquece!  rs

Com as botas ainda sujas do passeio, saímos do haras direto para… Um restaurante! hahaha Resolvemos almoçar no Kitanda Brasil, restaurante super bem recomendado pelo Gastrolândia. O restaurante foi uma das experiências gastronômicas mais legais que já tive e, enfim, se Gonçalves fosse mais perto, diria que vale ir até lá só pelo almoço (mas se você ficar curioso, vá mesmo assim! É longe, mas dá pra ir e passar o dia).

as entradas maravilhosas do Kitanda Brasil e a sobremesa de queijo e doce de leite

A casa de entrada simples e jardim imenso com mesinhas oferece apenas um menu degustação em que você faz um verdadeiro passeio pela culinária brasileira, misturando elementos revisitados e também a comidinha tradicional e caseira, caso do prato principal servido no dia em que fomos: guizado de carne com arroz, feijão, couve e batatas doces apimentadas.

Estava tudo absolutamente delicioso, mas as entradas são um charme à parte, pois chamam a atenção pela elaboração e apresentação. Comemos, entre outras entradas, pãezinhos quentinhos com manteiga de banana, de frutas vermelhas e de damasco, assim como biscoito de polvilho feito na hora (e fofiiinho!), bolinho de tapioca frita, bolinhos de arroz com queijo caseiro e mais torresminho! rs De sobremesa, uma sopa de queijo fria com doce de leite, num equilíbrio de doce e salgado maravilhoso junto com um cafézinho que você coa na mesa, direto na sua xícara, para ficar a seu gosto (postei foto no Instagram). Mais mineirinho, impossível!

Depois do almoço do domingo, seguimos de volta para São Paulo felizes da vida e beeem descansados. Certamente voltaria para Gonçalves, para descansar, para comer e também para dar um tempo do mundo me sentindo em casa, porque a cidadezinha é pequena – no estilo uma igrejinha e um coreto – mas tem lugares lindos e deliciosos com bom atendimento para visitar.

… E UM LOOK!

Apesar da viagem ter sido curta, levei meu chapéu portenho para ser fotografado e passear um pouco fora de casa, já que já vi que em São Paulo não consigo usar muito – não sei porque, mas sempre acho que chapéu tem a ver com viagem! hehe Taí o que vesti no sábado, para almoçar e ver a cidade:

cardigan: Complot (Buenos Aires), camiseta: Urban Outfitters (comprei online), jeans: Levi’s Demi Curvechapéu: chapelaria em Buenos Aires, bota: lojinha em Roma, bolsa: Siberian 

E, enfim…

Obrigada, Rafa, pela companhia neste fim de semana incrível! :)