Tá sumida, hein?

seg

Esse é o tipo de comentário que mais odeio. Sério. Principalmente quando vem de alguém da internet e, hello, eu passo boa parte do meu dia online. E, ok, depois do orkut, você só tem o luxo de sumir quando morrer e algum familiar seu conseguir tirar o perfil do ar. Enquanto isso, estaremos bem aqui, ninguém some, não.

O que irrita mais, na verdade, é a hipocrisia do comentário. Se eu fiz tanta falta assim, por que não procurou? Se eu não fiz falta, então também não reclame. Já pensou que eu posso ter dado um perdido proposital? E veja só: meu perdido nem é tão eficiente, já que, ainda assim, continuo no orkut, no msn, só não estou puxando papo com você, lindinho.

Eu não sei explicar bem o porquê, mas esse é o comentário que me deixa mais puta da vida no mundo. Diga que eu engordei, é melhor. Juro. Ou que eu emagreci, se quiser puxar meu saco. Comente do meu novo corte de cabelo e como faz tempo que não nos vemos, sei lá, mas, pelamordedeus, não diga que eu sumi. Não, eu não sumi.

Quer acabar com o meu humor, solte a maldita frase. Não estou dizendo que estou sempre presente, até porque, sim, eu sou uma pessoa de agenda cheia. Isso não significa que eu tenha baladas e festas 24h por dia, mas que, por exemplo, eu não costumo sair durante a semana sempre e tenho ensaios de final de semana. Logo, sempre me programo pra dar conta de tudo. Então, sinto-lhe dizer, mas eu talvez não vá e vou te avisar “olha não vou”. Mas sumir? Nunca. Não dou cano. Sou sincera: se não vou, não vou. Se ainda não tenho certeza, digo “não sei”. Porém, se digo “vou”, prepare a caipirinha de sakê de morango e conte com minha risada inconfundível no seu evento.

Agora, se você tem meu e-mail, meu telefone, meu msn, meu gtalk, meu whatever e usá-los para dizer “você tá sumida, hein?”, vai ganhar um “perdido” do Papai Noel. Entendidos?