São Paulo “un poquito más” gelada

seg

@buenosaires

já vejo uma dessas na Oscar Freire

Nosso verão acaba de perder alguns graus, tudo porque o verdadeiro tesouro argentino vai aterrissar em terras paulistanas em breve: o sorvete (incrível, diga-se de passagem)! Depois de inaugurar sua primeira filial em Brasília, a rede argentina Freddo também vem para São Paulo.

Em março será inaugurada a primeira loja na cidade, na Rua Normandia, em Moema. Em abril, é a vez de inaugurar a unidade do Shopping Iguatemi de Alphaville. E, bem, estou torcendo de verdade para os investimentos do señor Sergio Gratton darem certo e a gente ter copinhos de sorvete de dulce de leche nos aguardando em cada esquina!

Notícia boa para abrandar o verão, né? 8)

Fonte: Estadão

Buenos Aires: voltei!

seg

Buenas tardes!

“my english is better than my spanish”
(eu explicando para um senhor americano que não sabia dizer “garfo” em espanhol)
.

De volta ao mundo real, temos que Buenos Aires é mesmo uma cidade muy guapa. De todas as impressões (e diquinhas que virão), posso adiantar que, aos olhos brasileiros, é uma cidade que funciona e cujos habitantes homens querem, definitivamente, nos derrotar no futebol e levar nossas mulheres.  Guardando as situações engraçadas com portenhos atirados para depois (mals, Rafa!),  vamos focar na cidade.

Se você vive em São Paulo como eu, tente imaginar como seria se a cidade fosse a capital do Brasil, estivesse cheinha de pontos turísticos e de trocentos turistas por metro quadrado? Obviamente que não daria certo. Tenho a mania (ruim, talvez) de comparar todo lugar que vou com o Brasil e certamente este foi um caso típico.

O trânsito simplesmente funciona, o metrô é velho, sujo e tem batedores de carteira, mas também funciona. Segundo os argentinos, a criminalidade é preocupante, mas até aí, onde não é, não é mesmo? Comento disso, pois, infelizmente foi em ares portenhos que passei pelo primeiro incidente de furto de todas as viagens que já fiz.

Não sou marinheira de primeira viagem, estava sim tomando cuidado, mas aconteceu e c’est la vie. Uma hora o nervoso passou e, ainda bem, o dinheiro não fez falta. Agora tenho aí uma semana de dor de cabeça com documentos e essas coisas burocráticas irritantes por definição. Ao ladrão, desejei uma morte lenta por engasgamento com Havana! hehe

Quanto aos famosos outlets, muita calma. Nem tudo é um excelente negócio, os outlets não valem tanto a pena e o negócio é apenas pagar mais barato em produtos caros no Brasil. Portanto a galera precisa esquecer aquela história de ir para lá passar um final de semana e voltar com uma calça da Diesel paga com dinheiro de pinga. Juro que tem gente que vai lá unica e exclusivamente para isso e, vou dizer, volta frustrado.

A comida é simplesmente, OMG, ótima – e por preços módicos. Se compararmos que qualquer jantar com um bom vinho em São Paulo dificilmente sai por menos de R$100 por pessoa, Buenos Aires já traz excelentes opções por em torno de $80 pesos por cabeça. E, vamos lá meus amigos, isso dá R$40,00 e, para mim, gastronomia é investimento!

Os taxis baratinhos também nos levam de um lugar para o outro com rapidez e vale a pena utilizá-los se você não for atravessar a cidade. Para outros casos, recomendo o combo metrô + taxi, mas por favor, prestem bastante atenção nos “pick pockets”. Eles estão lá aos montes e são rapidinhos para abrir o zíper da sua bolsa e roubar o que virem pela frente sem fazer o menor barulho ou causar danos ao tecido.

Só para terminar, definitivamente Buenos Aires é o destino principal para uma mulher solteira que queira fazer comprinhas ao lado das amigas e ainda receber uma bela injeção de auto-estima. Antes de torrar seu salário no shopping, pense em poupar mais uns meses e passar um feriado prolongado lá. Os galanteios em espanhol valerão à pena – e algumas pechinchas também! 8)

Por enquanto, é isso. O que vocês querem saber da cidade? Deixem seus comentários e me ajudem a preparar a série de posts que vem pela frente, sobre pontos turísticos,  compras, dinheiro, roaming de celular e por aí vai!

Passei seis dias lá e até que deu para aprontar várias confusões do barulho. Deixem suas dúvidas que a série de textinhos sobre a viagem começa já já!

.