Promoção: “Always Bons Sonhos” – até dia 29/09!

qui

Conforme o prometido, venho aqui para anunciar a promoção de “Always Bons Sonhos”!

O mimo é o resultado de uma pesquisa realizada pela Fundação Norte-Americana do Sono (National Sleep Foundation), com 1.102 mulheres onde  descobriu-se que 73% das que ainda menstruam têm sintomas perturbadores do sono durante seu ciclo . Inchaço, cãibras, dores de cabeça, seios inchados e sensíveis…. Aí, já viu, né? Com o sono agitado, fica difícil não acontecerem “surpresas”.

Por isso, a linha “Bons Sonhos” da Always tem gel de alta absorção, capaz de encapsular até o fluxo mais intenso – e se você sofre realmente com isso, pode até usar a linha no dia-a-dia, já que existe a versão ultrafina!

Agora, vamos falar do presente: vocês vão ganhar um kit igualzinho a este meu, com várias embalagens de Always Bons Sonhos, cházinho pra dormir bem, caneca para tomar seu chá, CD com músicas relaxantes, fones de ouvido, um livro-guia para dormir melhor e uma almofadinha cinza bem fofa da Tok Stok… Tudo isso dentro de uma caixa azul incrível que você vai usar com certeza aí no seu quarto! ;)

Para concorrer ao kit é muito simples: responda aqui nos comentários por que você precisa dormir melhor! Tipo assim:

Eu preciso dormir melhor porque… Trabalho até tarde, levanto cedo, estou perdendo a memória, estou terminando meu TCC e quero ter pique para dar conta da minha vida social toda sexta e sábado!

Serão válidos comentários enviados até a próxima terça-feira, dia 29, e a melhor resposta leva o mimo para casa. Deixem e-mails válidos para que eu possa entrar em contato e sejam criativas, porque não está difícil!

O resultado sai na quarta, dia 30 de setembro!

#Twittertrash, desafio Seda e kit Bons Sonhos – Imagens da Semana

qua

#TWITTERTRASH

Sexta-feira foi dia de arranjar pique para sair do trabalho (às 22h!), vir pra casa, me arrumar em meia hora e sair de novo para ir direto para o Clube Caravaggio, no centro de São Paulo.  O objetivo? Curtir a noite toda a #twittertrash, festinha organizada pela Lú Sabbag e pelo Metheoro! Encontrei outras @’s por lá e fiquei alegre com apenas uma caipirinha, já que eu simplesmente esqueci de jantar (sério, gente! Esses esquecimentos tão ficando perigosos!)

#twittertrash

Lú Sabbag, a dona da sobrancelha mais perfeita do Brasil, e eu

#twittertrash

E eu e a Lini. Se liga na minha cara. Tá.

Bom, pelo menos eu não estava dirigindo dessa vez, né? Tem mais umas fotos no flickr, mas não tirei nem meia dúzia, então não deu nem graça…! hehe
.

DESAFIO SEDA 10

Comecei a usar os produtinhos da Seda e não é que gostei? Vou dizer pra vocês que no primeiro dia o impacto de “cabelo bonito” foi grande, porque o brilho ficou  ma-ra de verdade. Agora, neste exato momento, meu cabelo está macio, fofinho e cheiroso, buuut… O frizz não resistiu à chuva paulistana de hoje.

Vamos aguardar os próximos capítulos até o décimo dia, porque por enquanto o defeito é do meu cabelo, não é do produto, não.  Afinal, nem Kèrastase, nem Paul Mitchell (nem escova progressiva) corrigiram 100% meus rebeldes até hoje. Posso chorar agora? hehe

.

KIT BONS SONHOS

Acho que o pessoal da Always andou realmente lendo o blog e viu que eu estou precisando dar um slow down e simplesmente não consigo, afinal, se eu parar eu durmo, ou então perco os prazos, logo sou uma cafeína ambulante há algumas semanas, já.

Hannah-aparecida e meu kit “durma, Fernanda, durma”

Mas, como eles são uns amores, me mandaram  um estoque de Always Bons Sonhos que serão bem úteis (já que eu realmente gosto da marca!), um livro “Guia do Sono Saudável”, uma almofada cinza lindona da Tok Stok, uma caixinha de chá relaxante, uma caneca para eu tomar meu chá quentinho e um CD de relaxamento junto com um fone de ouvido. Ou seja? Faça o chá, coloque os fones, repouse na almofada e, por favor, inspire profundamente e relaaaaaxe.

Quer saber? Eles estão certos. Mas acho que vou aproveitar o clima de relax e imendar uma máscara verde gosmenta no rosto, uns pepinões, um banho de creme no cabelo… O tempo tá escasso, então melhor juntar o útil ao agradável, não? E… Ah, sim! Aguardem: vocês vão concorrer a um kit igualzinho a esse! :D

Top 10: Coisas que já esqueci.

qui

Fiz um comentário sobre minha memória podre no post das “imagens…” e rapidinho me lembrei dos maiores absurdos de esquecimento que já cometi.

Dizem que você começa a esquecer das coisas quando tem coisas demais para lembrar. É tipo um acúmulo: se você não tem nada para lembrar, não tem nada para esquecer. Agora imagine quando são tantas coisas importantes para lembrar que você começa a se esquecer das coisas…. Hm… Básicas?

agora eu entendo o drama da Dóri.

Sim, é justamente isso que está acontecendo comigo neste exato momento. Justo eu, que sempre fui super “ligadinha”. Estou achando engraçado, pra não dizer dramático. E claro que não poderia deixar de registrar um pouco da minha tragicomédia recente de perda de memória aqui.

O curioso é que o impacto de esquecer as coisas bestas é tão grande que é impossível esquecer que eu  as esqueci depois do estrago que provocam. Entenderam? Ah, esquece. Pode rir da minha cara com o best of de coisas que já esqueci.
.

1. Já esqueci de colocar o sutiã pra sair (e reparei no meio da manhã que tinha alguma coisa solta dentro da blusa quentinha – era inverno, ainda bem);

2. Já fui para um primeiro encontro e esqueci de passar desodorante (e tomara que ele não tenha percebido);

3. Já saí naqueles dias e, enfim, adivinha só o que eu esqueci…? (nestas horas agradeço por ser prevenida – e por não ter esquecido a necessaire!);

4. Já esqueci chave de casa dentro da geladeira;

5. Já esqueci de comprar comida pro cachorro (quando eu tive cachorro) em plena véspera de natal.  O sortudo foi alimentado com pernil;

6. Já esqueci 8947283947 vezes de levar biquíni pra praia e provavelmente mais da metade dos meus biquinis foi comprada em situações como essa. E não, não era desculpa para comprá-los, ou você acha que eu sempre estava afim de torrar dinheiro com duas peças de roupa que eu só uso vez ou nunca?!;

7. Já esqueci de um encontro. E só me toquei quando a pessoa ligou, da fila do cinema;

8. Já esqueci que uma festa era na sexta. E liguei para as amigas para perguntar com que roupa íam em pleno sábado. Ouvi o seguinte: “não acredito, Fê! Por isso que você não foi?”;

9. Esqueci toda minha documentação do DRT de atriz numa feira. Sim, numa feira. De frutas e peixe. Com feirantes gritando. Ao sair da escola de teatro, atravessei a feira que acontece na rua, paramos para comprar cerejas (adoro!) e adivinha? O envelope ficou e por sorte não foi molhado por água de peixe;

10. E, por fim, as pequenas coisas: num espaço curto de quinze dias eu consegui esquecer um trabalho,  deixar em casa a minha necessaire duas vezes e ainda largar minha máquina fotográfica e meu celular com amigos. Despreendimento? Não. Desencanada? Nunca. Só falta de magnésio – se é que é isso que faz bem pra memória. É isso? Alguém lembra? …

.

Só para constar: o que eu não esqueço mesmo são textos no teatro. E datas, mesmo as mais esdrúxulas.  Pode me chamar de louca, mas até hoje eu confundo o dia do aniversário do meu pai com o do meu padrinho, mas lembro de cada data de aniversário/primeiro beijo/blablabla com ex-namorados. Memória mal alocada? Também acho.

Se eu fosse um pen drive, eu só teria 1GB. Certeza.

Quando traí meu absorvente.

seg

Eu nunca fui a favor de traição. Nunca traí, nunca aceitei, nunca nada. Se fui traída, fui muito bem chifrada, porque nunca descobri. Claro que hoje as coisas mudaram, e eu vejo que, dependendo do caso, nada que uma vingancinha e uma acalmada de ânimos não cure! Brincadeira. A vingança não vai levar a nada nesse caso, néam.
.

imagem via Flickr

Só que com 10 anos a gente teve aquela palestra na escola sobre absorventes, menstruação e “ficar mocinha” e eu ganhei umas amostras de Always. Como achei meu pacote bonito, jovem e moderno, enfiei na cabeça que “quando for minha vez, vou usar always!”. As amostrinhas ficaram no armário por um ano e lá vai quebrada, até que um dia eu fui surpreendida com o “símbolo máximo da feminilidade” na roupa íntima e tirei-as da gaveta.

No mesmo dia, minha mãe me enviou flores, um vaso de lírios maravilhoso, me deu parabéns “você agora é mulher!”, e deve ter contado pra minha tia e pra minha avó, porque elas também começaram a me tratar ainda mais como adultinha daí em diante.

Como eu comecei a vida com always (e eles realmente são bons!), achei que eu fosse usar always para sempre. E assim foi, Fernanda usando todos os modelos disponíveis – menos os sem abas, porque me deixavam insegura. Todos ótimos, mas meu favorito era o roxinho, “noturno ultrafino”. É uma maravilha, até hoje recomendo.

Daí que faz alguns anos, eu comecei a tomar anticoncepcional e vi meus “dias de visita” caírem pela metade, assim!, como um passe de mágica! Então eu finalmente soube que poderia viajar ou sair de casa no dia DOIS, que era sempre dramático – aí sim eu me senti Sempre Livre. Logo, de olhos fechados, eu jurei fidelidade a minha pílula mágica. Ela era como um pó de pirlimpimpim que me tirava do mundo de uma menstruada em crise, que sofria de cólica, TPM, dor “nos peito”, “nas costa”, e ainda passava 8 dias olhando pra surpresinha na roupa íntima – um inferno.
.


Semprelivre.

imagem via The Cobra Snake

.
Só que com a mágica, adivinhem o que aconteceu? A necessidade de tantos pacotinhos de Always caiu absurdamente. Minha mãe sempre teve mania de comprar o tal do SempreLivre e eu, agora aliviada e livre, até esquecia que ficaria de chico e não comprava meus pacotinhos de ultrafino noturno. Abria o armário e, ta-da! Semprelivre estava lá, então semprelivre seria.

Leve e solta por aí, comecei a ganhar trocentas amostrinhas de absorvente: semprelivre, semprelivre teens (como se o outro fosse só pra mulheres acima de 30!), SYM e etc e tal. Guardava tudo! Depois da 21ª pílula e alguns dias, era só abrir uma embalagem de brinde, usar um, enfiar o outro na bolsa e pronto. Simples assim.

Eu traí o Always. Traí bonito, traí com todos. Traí com o mais barato, com o que tinha embalagem mais bonita, com o que prometia mundos e fundos, com todos os que tive direito e mais ainda com os que não paguei nada por eles.

Quanto à traição tradicional? Outro assunto, já que tô semprelivre faz tempo. Agora quem eu não traio mesmo é minha pílula. Homens vão, homens vêm e são anos com ela. São anos felizes com ela e este é de fato o meu relacionamento mais duradouro que envolve sexo e camisinha – um trio infalível. Hoje eu só sou fiel a ela: vida longa à Yasmin, minha querida pó de pirlimpimpim que ainda tem nome de melhor amiga.