Alguns kilos depois: como transformei meu pessimismo em resultados

qua

Ah, a academia! Tantas emoções matinais, tantos desencontros e, quem diria!, agora tantas felicidades. Depois de uma ou outra leitora me perguntarem o que mudou na minha vida desde que reclamei por aqui, resolvi escrever novamente. Tudo isto porque, no final de setembro de 2012, publiquei um post em que eu esbravejava bem forte sobre os resultados que não aconteciam. 9kg mais magra e agora com o corpo mais definido do que nunca na vida, volto pra contar o que mudou.

.

no dia-a-dia: levanta e vai!

Lá na época do post, resumindo brevemente, eu tinha acabado de tomar um belo de um susto: tinha percebido que tinha engordado praticamente 10 (eu disse DEZ) kilogramões, sendo que eu já estava fazendo natação (e, teoricamente, tentando levar uma vida mais saudável e ativa). Com o susto, veio a mudança: vamos correr, então. Três meses depois de começar a tentar correr, veio então o post em que eu arrancava meus próprios cabelos porque eu não tinha emagrecido absolutamente nada. Ou melhor, apenas 100 gramas. Isso tudo somado ao sentimento de miséria causado por não conseguir correr dois minutos seguidos na esteira (sim, é difícil para todo mundo no começo! Não me vem com essa de ‘comecei ontem e já fiz 5 km’. Amanhã você vai conseguir repetir?).

Neste momento, meu sentimento de derrota conseguiu ficar maior que a decepção com a balança. Antes que, só de raiva, eu desistisse de tudo, pus aquele post no ar. Recebi comentários (muitos comentários!) e resolvi seguir alguns conselhos que recebi aqui no blog e foram muito valiosos. E o primeiro, principal e definitivo foi: não dá para emagrecer sem fazer dieta, sem regular a alimentação, sem tomar cuidado com o que come ou sem ao menos se conscientizar sobre o que pode estar sendo o grande vilão da sua rotina.

Eu não sou um excelente exemplo, pois não fui a um nutricionista até agora, mas foi com a corrida e o cuidado com a alimentação que consegui emagrecer 9kg entre outubro de 2012 e abril deste ano e venho mantendo. Eu comecei a usar o aplicativo My Fitness Pal, que uso até hoje, e passei a observar melhor o que ia no meu prato contabilizando as calorias. Comecei também a ler mais sobre o assunto e sobre os mecanismos de satisfação do nosso corpo com determinados alimentos (essa matéria é ótima!) e passei a fazer escolhas: posso comer de tudo, mas quando e o que? Com o tempo, acredite: você começa a optar por ingerir as calorias de forma inteligente. Se é pra comer um chocolate, então que seja o melhor do mundo, não um bombonzinho sem graça que você só come porque vem sempre junto com o café expresso. É um exemplo banal, mas que hoje faz todo sentido para mim.

Quando falei sobre o aplicativo, já dei um pouco dessa visão, mas digo e repito: dieta requer regularidade e comprometimento de participante do alcoólicos anônimos, com a diferença que geralmente não somos recrimidados pelo que comemos. Quando o assunto é comida e não bebida, a luta é mais interna ainda: você e você. A maior lição que tirei disso tudo foi que é preciso fazer uma boa escolha para o prato de hoje. Para o prato desta refeição. A próxima eu não sei – e a próxima pode estar liberdada, já que só fiz boas escolhas e não quero deixar de provar nada gostoso nessa vida. Meus restaurantes vão todos bem, obrigada! ;)

.

braços “aparecendo” depois de começar a musculação, quadril mais comportado e meu copão de whey pós-treino

Depois de conquistar a perda de peso com a dieta e de ir melhorando aos poucos na corrida, no final de abril troquei de academia e finalmente comecei a musculação. Segundo minha avaliação física mais recente, eu precisava ganhar massa para ontem, até mesmo para diminuir o porcentual de gordura corporal, e eu mesma via a necessidade de dar um formato bonito ao corpo, já que depois de tanto aeróbico fiquei me sentindo um verdadeiro *pudimzão*. rs

Embora eu tivesse medo de virar uma panicat da noite pro dia (hehe!), esse preconceito se foi e em 20 dias comecei a ver resultados nítidos, especialmente nos braços, no culote e no quadril. Agora, com quase dois meses de treinos com frequência de quatro vezes por semana, vejo as costas e o abdome começarem a entrar também nos eixos, fora minha força para correr, que simplesmente dobrou. Para completar, algo mágico aconteceu: não é que comecei a gostar e muito de puxar os ferros? A rotina pra mim se tornou um ritual diário e me ajudou a criar disciplina até com outras tarefas do dia-a-dia – fora que os resultados também são um estímulo e tanto!

.

o suplemento e meu prato que prova que é possível ser saudável no kilão <3

Atualmente continuo seguindo o mesmo controle dos últimos meses de emagrecimento, mas, com a chegada da musculação, passei a tomar suplemento de proteína whey após o treino (o meu é o Beauty Workout). Sinto meu corpo melhor do que nunca e certamente meu próximo passo agora é finalmente ir ao nutricionista e conversar sobre algo mais personalizado para mim,  já que até meu metabolismo está bem diferente com o ganho de massa dos treinos diários! ;)

Depois de tudo isso, acho que ainda fica uma pergunta: como ter pique para manter o ritmo? Boa pergunta. Eu também não sei, sei apenas que me condicionei a isso e separei tempo pra isso. Depois que coloquei na cabeça que o treino é essencial para o meu corpo e até mesmo para minha imagem, já que trabalho um pouco com isso, até a preguiça matinal diminuiu. Não sou viciada nos exercícios em si, mas amo os resultados e amo mais ainda a sensação de dever cumprido. E, claro, eu aprendi a lição: nosso corpo é uma máquina sem tantos mistérios. Se não está funcionando para você, sem dúvida alguma é hora de verificar as engrenagens para um ajuste, seja com um médico, com um personal ou com um nutricionista.

.

Espero que vocês gostem desse loooongo relato. Senti a necessidade de vir contar que tudo tinha mudado e que transformei meu pessimismo em força de vontade. Foi assim que finalmente consegui os resultados que nunca tinha tido na vida. É possível SIM, e sua vida vai mudar para melhor SIM! Não tem que entrar na onda de #geraçãocoisanenhuma ou #projetobundaempinada, tem é que fazer o que é possível para você e só para você. Eu poderia ter ido mais rápido? Talvez. Poderia ter feito diferente ou até melhor? Provavelmente. Mas foi como eu consegui encontrar meu caminho.

Se mais alguém for inspirado da mesma forma que os comentários que li aqui, naquele post, e que me inspiraram, ficarei muito feliz. É meu jeito de dizer obrigada! <3

24

sex

.

Vou ser sucinta tipo a Adele: 24. Hoje sopro velinhas de aniversário e resolvi deixar um alôzinho aqui! Como se pode ver, não sou a mais animada do mundo com essas datas (ó a hora!) e por isso mesmo desejo a todas que nutrem este mesmo sentimento o seguinte: nunca queiram fazer aniversário de TPM. É claro que pelo menos tem brigadeiro, sorvete bom e boa companhia, mas… Ô desgraça! rs

Aliás, feliz dia das crianças pra vocês! =*

Opa, tô de férias!

seg

parte do Grand Canyon pela janela do avião!

Quem me segue no Twitter e no Instagram (é tudo @loverox, clica aí!), já andou vendo uma prévia das peripécias que aprontei em Las Vegas junto com o namorado semana passada. Não, não nos casamos (hunf! Enrolada até em Las Vegas!), mas apostamos horrores na roleta, torramos no sol do deserto, tomamos os melhores bloody mary de nossas vidas e descobrimos a magia dessa Disney adulta. Acreditem: qualquer pessoa, de qualquer idade ou estilo, pode se divertir em Las Vegas!

 

Agora estamos em Nova York e, enquanto não voltamos para a terrinha, mais posts especiais entram aqui pra vocês. A cidade esfriou, o Central Park está cheio de folhas e quero me divertir muito aqui ainda essa semana e compartilhar o passeio com vocês depois!

Beijos e até a volta! <3

 

Como emagreci 100 gramas em três meses (ou como abracei a raiva indo à academia 4 vezes por semana)

qui

Tenho que confessar: não sou a pessoa mais positiva do mundo. Sou uma mestra na arte da auto-sabotagem e como toda pessoa racional que age irracionalmente consigo mesma, sou capaz de encontrar os mais variados motivos para me jogar num poço sem fundo. Dito isso, aí vem a minha história de hoje, cof cof.

ok!

Há três meses re-comecei a fazer exercícios. Eu me matriculei na academia tentando mudar alguma coisa em novembro do ano passado, fiquei indo nadar duas vezes por semana, não vi grandes diferenças, parei dois longos meses no inverno e aí, quando o cheque da academia zerou minha conta e eu tomei um sustinho com a balança, finalmente resolvi retornar.

Apesar de ter sim aqui uma nota mental de quantos kilos eu gostaria de emagrecer – até mesmo porque engordei páporra -, resolvi ir várias vezes por semana e ver no que dava. Sem meta, comendo o que eu como, esperando colher calmamente os resultados e torcendo para que eles me estimulassem.

Bem, recomecei caminhando e nadando. Passei a correr, comecei a conseguir correr mais. Já corro bastante. Faço aulas de jump, nado de vez em quando. Fui pelo menos 3 vezes por semana, geralmente quatro à academia. Para quem estava sedentariazona, belo avanço! Minha ~deusa interior~ (HUAHUAUHA) comemorou a virada: nunca na minha vida tinha conseguido fazer exercícios quatro vezes num espaço de sete dias.

Aí no segundo mês resolvi que ia me pesar toda quinta e, logo no meu primeiro encontro com a balança, uma surpresa: eu não tinha emagrecido uma única grama. Um nada. Nem 0,0001. Saí da academia derrotada. Fiquei com raiva, com ódio; corri mais pra compensar e bati um papo com o professor.

Na semana seguinte, com a mesma roupa, me pesei. 100g a menos. E nada mais, na semana seguinte, na outra… Finito, parou aí: eliminei um prato do kilão. Reclamei no Twitter, reclamei na orelha do namorado, xinguei, chorei, me senti a última das mortais, tive depressão vendo fotos de antes & depois alheias. Pode me chamar de derrotista, pessimista e qualquer outro “ista”, mas a academia conseguiu diminuir ainda mais minha auto-estima.

Antes de você me dar qualquer conselho, devo explicar. Eu amo comer. Eu amo comer e comer bem. Pra mim, comida não é gula, é cultura. Eu não sei quando foi a última vez que fui a um Mc Donald’s, Burger King foi há mais um ano, não sei quando foi a última vez que abri um pacote de salgadinho, adoro salada, não tenho fúria por doce nem por chocolate. Tenho ovos de páscoa mofando na geladeira. Só sou trash quando viajo – e, coincidentemente!, sempre emagreço. Mas viagem é momento mágico pra mim, em todos os sentidos, sei lá o que acontece.

Voltando ao desabafo, é por gostar de comer bem e por adorar cozinhar que não me animo nem um pouco com o primeiro conselho que me dão quando conto a história: “vá a um nutricionista”. Ok. Procurei alguns bem contra a minha vontade e sei que aumenta a chance de ter resultados, mas ainda não quis ir me consultar, até mesmo porque vou viajar (você pode inserir sua desculpa aqui, caso se identifique com o meu caso). E, ah, também não quero fazer nenhuma dieta restritiva “só pra me animar” com o retorno rápido – fiquei uma semana sem comer carboidrato, tomei bronca na piscina e ainda fiquei com fama de “a louca da dieta” na natação. Ah, sim, claro: nem assim emagreci nada, tá? E os hormônios vão bem, obrigada.

Sabe, comida pra mim é um prazer e esse próximo passo seria como contratar alguém para ficar regulando meus orgasmos. É claro que eu não sou tão babaca e sei que a auto-confiança de um corpo melhor ajuda até os orgasmos-orgasmos, mas meu bode inflacionou e está do tamanho de um trem neste exato momento, especialmente com a recente descoberta da minha vocação pra panicat sem precisar de suplemento.

Para não dizer que não falei das flores, a pele tá melhor, o humor tá melhor, o reloginho tá funcionando, todas essas coisas que te falam e me falam são verdade e acontecem. Eu continuo indo e treino mesmo com raiva. Ultrapasso minhas próprias marcas, sorrio. Fico sem saber o que fazer com esse impasse, continuo com raiva.

A questão é que eu inventei que quinta é o dia de me pesar, o que significa que hoje é dia. Então vou decidir que é dia de finalmente se amar, e não só passar raiva.

.

Imagens da Semana: Adote Um Gatinho, Bacio di Latte e look do sábado

qua

Para ver tudo o que já contei nesta tag, clique aqui.

.

ADOTE UM GATINHO

Sábado foi dia de conferir de pertinho as camisetas da Adote Um Gatinho em parceria com a Wonder e passei pela loja no meio da tarde para buscar duas camisetas e ajudar os bichanos. Quando cheguei, a loja já estava super cheia e os modelos estavam quase acabando, então escolhi uma pra mim e uma pra minha mãe e já parti de lá para um belo almoço na região.

..

BACIO DI LATTE

Depois de almoçar (foi quase uma almojanta!),  passamos pela Bacio di Latte para a sobremesa. Já falei dessa sorveteria aqui há muuito tempo atrás (quem lembra? quem já foi?) e sempre falo sobre ela no Twitter, é o meu lugar favorito na cidade para tomar sorvete. A casa dos Jardins está sempre cheia e o sucesso é tão grande que finalmente mais unidades abriram. A primeira loja nova inaugurou junto com o Shopping JK Iguatemi e recentemente mais uma casa inaugurou em Moema.

 


.

Quem não conhece o sorvete ainda, tem que provar (veja todos os endereços aqui). Como eu já disse e repito: é o sorvete que mais se aproxima do gelato true italiano em São Paulo. E o pote pequeno, que serve até 3 sabores, custa R$8. Dá de 10 a zero em muito projeto de gelateria por aí!

Rafa e eu ~curtindo~ os sorvetes no banquinho na parte externa da loja

E MEU LOOK!

No sábado estava um calorzinho gostoso à tarde, aí resolvi vestir um short e colocar a outra camisa que comprei da Andrea Marques + C&A para usar. Não me pergunte porque, mas acho short a cara do sábado. Como é uma peça que é quase impossível de usar no meio da semana no trabalho, eu realmente me sinto “de folga” quando tô usando. rs Nos pés, a botinha com tachas que garimpei no bazar da Juliana Jabour por um preço inacreditável! <3

Camisa: Andrea Marques + C&A; short jeans: Me Move; ankle boot: Juliana Jabour
bolsa: Siberian; relógio: Casio; colar de crucifixo: Íris Bijoux (mostrei aqui); colar de dente: antigão!

.

E agora quero uma ajudinha! Muita gente vem me pedindo para postar mais looks, mas gostaria de saber se vocês preferem posts exclusivos para isso ou se preferem quando conto tudo junto desse jeitinho, mostrando como foi a ocasião. Eu gosto mais assim, até mesmo porque os looks são só um “extra”, mas quero saber a opinião de vocês! Que cês acham? rs ;)

.

Festa e casamento: Imagens da Semana

sex

Para ver tudo o que já contei nesta tag, clique aqui.

Há alguns longínquos finais de semana passados, viajei até Taubaté para o casamento de uns amigos do Rafael. Para a ocasião, além de ter ido atrás de um vestido longo bom e básico com alguma antecedência, levei toda a parafernalha na mala para tentar me arrumar de alguma forma sozinha por lá.

Resolvi então postar o look final junto com as informações da busca sobre o vestido para quem sabe ajudar alguém, afinal encontrar roupa de festa é algo geralmente complicado quando: 1. você não é milionária, 2. você não curte roupa de festa cheia de brilhos, bababados, aplicações, pedrarias, whiskas sachê.

.

Optei então por algo fácil de fazer, o que incluiu não me preocupar (muito) com as unhas, que fizeram favor de quebrar um dia antes da festa. O que deu jeito foi base, organizar a cutícula e boa! hehe No cabelo, fiz uma ondulação leve com babyliss e apliquei spray de ondas (eu uso o Beach Waves do Frederic Fekkai) e finalizei com um presinho atrás.

A maquiagem foi um olho quase tudo com tons de marrom e boca tudo com o Russian Red da MAC mais uma vez. Na pele, usei a base Photoready da Revlon, o corretivo da Laura Mercier e o da Natura Una de alta cobertura e fiz o truque de espirrar o Mist and Fix da MUFE entre uma cobertura e outra, o que garantiu pele linda sem falhar a noite toda.

.

.

A busca pelo vestido começou mais ou menos uns dois meses antes, tudo para evitar ter que comprar um vestido “qualquer coisa” em cima da hora e também porque eu queria algo realmente básico, caso contrário usaria algo que já tenho em casa, fora que há aquele velho problema da moda festa: é simplesmente uma missão impossível encontrar vestidos com preço razoável que não sejam cafonas, cheios de brilhos, aplicações ou fendas que quase mostrem seu útero. Em resumo, tarefa complicada.

Como eu já tinha passado por um aperto procurando vestido para o casamento da minha cunhada no final do ano passado, resolvi ir caçar meu exemplar de basiquinho em outra freguesia. Pesquisei na internet algumas lojas em Moema e lá me fui para a região da Rua Gaivota, onde mil e uma lojas de vestidões se espalham nas calçadas. Numa manhã de sábado, entrei em nada mais nada menos que sete (sete!!) lojas.

Todas muito bonitas, nem todas com bom atendimento, algumas mais caras, outras mais baratas, mas todas igualmente ca-fo-nér-ri-mas.  Quando eu estava quase desistindo e topando comprar qualquer coisa da Suely Censini (tem nos shoppings Iguatemi e Morumbi e comprei lá meu vestido da formatura da faculdade), entrei numa lojinha pequena, escondida e… Uma luz se acendeu: encontrei não apenas um vestido básico quanto dois vestidos básicos e já me preparei para as próximas festas por aí!

no corredorzão do hotel antes da festa!

Meu vestido veio da Ellen Brione e, como comprei duas peças, acabei conseguindo um desconto com a própria dona, que faz questão de ter vestidos diferentes do padrão da região. Paguei um preço bacana no meu (não lembro direitinho, mas foi cerca de R$450) e depois fiz apenas um ajuste na altura do top  no estúdio de costura da minha confiança.

Uma semana antes da festa por acaso encontrei também uma bolsa super achado na Jorge Alex, inspirada naquele famoso modelo com caveiras McQueen. Achei o preço super bom para uma bolsa de festa: R$105. A minha eu comprei na loja do Shopping Anália Franco, mas **fontes** me disseram que já está em falta por lá.
.

.

Depois dessas fotos no meio do corredor, guardei a câmera no quarto e nos mandamos para a festa, que foi ótima por sinal – mas não me pergunte muito porque, enfim, não lembro tooodoos os detalhes e… ;) Felicidades aos noivos e obrigada por nos convidarem para fazer parte deste momento!

.