Alice in Wonderland

qua

Eu sou fã. Sou fã da obra de Lewis Carroll, sou fã das ilustrações dele. Sou fã do Tim Burton e da sua maluquice poética. Sou louca pelo Johnny Depp e admiradora fiel do trabalho dele. Agora, eis que a Disney finalmente irá lançar uma versão cinematográfica à altura da obra literária e com ninguém menos que o diretor mais indicado e mais suficientemente genial para isso. “Alice no País das Maravilhas”, por Tim Burton: como eu poderia não falar?!

Tim Burton é famoso pelos seus filmes nonsense, muitas vezes com um mórbido bom humor, como é o caso de O Estranho Mundo de Jack e Noiva Cadáver. Em 1990, Johnny Depp era um ator que ainda caminhava rumo ao sucesso, com apenas 5 filmes no curriculum. Neste ano, ele e o diretor se conheceram e filmaram Edward Mãos de Tesoura. Daí em diante, os dois colecionam sucessos: Ed Wood, A Lenda do Cavaleiro sem Cabeça, o remake de A Fantástica Fábrica de Chocolate, A Noiva-Cadáver e o musical (excelente!) Sweeney Todd: o Barbeiro Demoníaco da Rua Fleet.

Este ano, Tim Burton começou a filmar “Alice no país das maravilhas” e convidou o ator para a sétima parceria. Johnny Depp irá interpretar “o Chapeleiro Maluco”, a atriz “quasedesconhecida” Mia Wasikowska viverá “Alice”, Matt Lucas estará no papel dos irmãos “Tweedledee” e “Tweedledum” e, completando o elenco, Anne Hathaway, sim! de O Diabo Veste Prada, e Helena Bonham Carter, esposa do diretor e atriz dos filmes Sweeney Todd e Clube da Luta; sendo que Anne será a Rainha Branca e Helena, a Rainha Vermelha.

Já conseguem imaginar Johnny no papel do Chapeleiro?

Apesar de algumas fotos do filme já terem vazado na web, ainda não podemos ver nem as rainhas nem Johnny em cena. Por enquanto, só temos o aviso do diretor de que as rainhas serão algo que jamais vimos antes. E a gente acredita, Tim! Sobre o filme, ele ainda declarou o seguinte ao Sci-fi Wire:

“Nunca vi uma versão de Alice em que eu sentisse que toda a obra original foi traduzida na tela. É uma série de aventuras esquisitas, e tentar fazê-las funcionar como filme será interessante.” […] “As histórias [de Alice] são como drogas para menores, sabe?”

Agora, quanto à rapariga Alice, pode-se dizer que a atriz acordou com sorte num belo dia! Mia Wasikowska tem apenas 18 anos e nasceu na capital da Australia, Canberra. Atualmente, a garota tem um papel fixo na série In Treatment da HBO e estará em mais três filmes até o lançamento de “Alice…”: Defiance, I have to see that evening sun go down e Amelia.

Mia Wasikowska no set com Tim Burton

Apesar da garota ter um certo quê melancólico de Alice, não me convenci. Ainda acho que Tim Burton deveria ter sido um tantinho mais ousado e finalmente ter colocado uma atriz criança para viver a personagem, coisa que nenhuma das outras versões cinematográficas fez. É difícil pensar que uma garotinha faria tão bem uma personagem tão complexa, uma personagem que, se olharmos bem, não vive os conflitos de uma criança. Porém, Dakota Fanning é uma loirinha que não está de brincadeira e eu realmente acho que ela ficaria ótima no papel, mesmo sendo meio “insuportável”. Mas, bola pra frente: ele sabe o que faz.

Falando um pouquinho mais das escolhas do diretor, o grande quê de “Alice…” será a tecnologia utilizada. O filme entrará para a história das produções em 3d da Disney e  utilizará a mesma técnica de A Lenda de Beowulf, que misturou live-action com efeitos especiais e CG. Para quem não viu ou não lembra da cara do filme, dê uma olhadinha no trailer.

Por fim, o que posso dizer? Dizer que o filme estréia em março de 2010 e que até lá eu vou morrer de ansiedade. E depois vou morrer de novo com a direção de arte do filme. Porque, enfim, pode até ser que a versão fique horrível (o que eu duvido!), mas o Tim só manda gente caprichada pra fazer a arte nos filmes dele.

Enquanto isso, ficarei de olho nas fotos do set que forem vazando na web. Quero muito ver o figurino das rainhas e do nosso Johnny, é lógico! 8)

Antes que eu me esqueça! Se alguém aqui também é fã de Alice, veja o photoshoot da Annie Lebovitz para a Vogue, em 2003. No editorial, a modelo Natalia Vodianova fez Alice e posou ao lado de John Galiano, Donatella Versace e outros  figurões trajados como as personagens do universo de Lewis Carroll. Imperdível!

Créditos: Alice in Wonderland, Firstshowing.net, Imdb, Omelete, Telegraph, Wikipedia

ps: (pra não perder o costume) a promoção da Puket vai até sexta-feira. Ainda dá tempo de participar!

Ele simplesmente não está afim de você.

ter


Ele simplesmente não está afim de você
Liz Tuccilo & Greg Behrendt
Editora Rocco

O livro é antiguinho (de 2005) e eu só comprei agora, depois de ser encorajada pela matéria da Gloss de agosto sobre “rolos que nunca desenrolam”. Considerando minhas últimas experiências e a ausência de resultados empíricos, mas sim de muita dor de cabeça, resolvi comprar o maldito livro.

Capinha cor de rosa, cheio de ilustrações: típico livro pra mulher otária, como eu mesma postei no twitter. Eu só não fiquei mais desconfiada porque os autores eram da equipe de “Sex and The City”. Mas, o livro trata de impor respeito logo na introdução, com uma histórinha convincente de que muitas (e quase todas) perguntas sobre comportamentos masculinos duvidos podem ser respondidas com a frase “Ele simplesmente não está afim de você”.

Faz sentido? Faz, principalmente quando são aquelas dúvidas simples, mas insistentes, do tipo, água mole em pedra dura, tanto bate até que fura. O “He’s just not that into you” cai como uma luva para perguntas como:

– por que ele me chamou pra sair e sumiu?
– por que ele não me ligou se disse que ia ligar?
– como a vó dele só fica doente de final de semana?

E assim por diante. O fato é que nós, mocinhas, quando começamos a gostar de um rapaz acabamos inventando 1001 desculpas mentais para as falhas do moço. Afinal, como pode? Ele era tão incrível! Por que fez isso comigo? Eu não mereço, de novo não, não pode ser! A vó dele deve estar agonizando de verdade na UTI!

Bom, não sei vocês, mas eu sou do tipo que cogita trocentas idéias e ainda chama as amigas pra ajudar a queimar fosfato atrás de desculpas plausíveis, épicas e heróicas para comportamentos que jamais deveriam ser admitidos pelo suposto “homem da minha vida”. Que comportamentos? Eu digo.

Ele quer te ver? Porque não te convida? Ele te acha realmente linda? Custa falar? Ele é legal com todo mundo, menos com você? Será que tá certo? Ele não te come? Ok, essa é beeeem comum, embora os homens neguem, e, na minha cabeça, já é caso pra internação. Por essa eu não me deixo enganar.

É claro que Greg Behrendt e Lizz Tuccillo vão muito mais longe e pegam no calcanhar de Aquiles de toda a mulher: parar de aceitar pouco. Muitas de nós passam a tolerar certos comportamentos achando que é necessário para a relação, mas mulheres quase sempre são mais flexíveis. Aí, veja só, quantas vezes você estava fazendo um verdadeiro contorcionismo pra agradar esse homem e ele… Nada?

Pois é. É disso que eles falam. E dizem pra você levantar a bunda da cadeira e encontrar alguém que “não saiba tirar as mãos de você”. É difícil? É. E sim, eles são tão absurdamente otimistas que dá até raiva. Afinal, é impossível ter tanto homem legal assim para tantas leitoras. No entanto, o representante masculino no livro, o Greg, simplesmente diz: tenha fé.

Resposta dogmática, boba e simples. Mas verdadeira e possível, já que veio da boca de um homem. E ele e a Liz conseguem te convencer sempre que você pensa “mas é impossível um cara assim”. Então quer saber? Eu vou é passar pra frente quem não está afim de mim. E acreditar no… amanhã. Afinal, eu sou jovem, sou bonita, tenho saúde…

Cof-cof. Chega.

PS: Apesar de parecer coisa de solteira-encalhada, recomendo o livro pra todas as moças de plantão. Todas aquelas que já sentiram que mereciam um pouquinho mais…

PS2: não é pra mulher otária não, tá? Uma hora você se encontra no livro. E chega de PS.

Férias, pero no mucho

ter

Cursinho (de locução)

Começaram as férias da faculdade, mas o trabalho continua bombando, logo, tenho que me contentar em acordar 3 horas mais tarde apenas (mas, acreditem: já é uma bela diferença!).

Ontem comecei uma oficina de locução lá na faculdade mesmo, mas quase só tem gente de fora, e o professor parece ser super bom. Termina semana que vem, mas só com a aula de ontem já deu para eu consertar algumas coisinhas que tenho na minha voz na hora de locutar.

Como eu sempre trabalhei com a voz (cantando ou no teatro) – e adoro! – resolvi fazer. Assim, quando o layout novo vier (com conteúdo e etc), virão também meus podcasts, com certeza com mais qualidade, pois já vou ter terminado o curso. ;D Essa semana pretendo colocar no ar o layout novo, prometo! :D

Por aí…

Image Hosted by ImageShack.us– Assisti “Quarteto Fantástico” esse final de semana só para passar o tempo (e porque até o Shrek legendado tava lotado!) – aliás: Jessica Alba horrível de cabelo loiro e lente azul. ¬¬ Mas, estou ansiosa mesmo é pelo blockbuster “Simpsons – The Movie”. Enquanto isso, a internet inteira está se divertindo fazendo avatares simpsônicos no site oficial do filme. Esta sou eu. ;D

– Ajude a salvar o planeta sem sair de casa e não acesse o Google, acesse o Blackle: o site utiliza o sistema de pesquisa do google e promete gastar menos energia mundial, por ser todo black.

– Aniversário de 45 anos do Tom Cruise. E ele continua maravilhoso. Considerando que ele só namora mulheres mais novas e já pegou uma “latina” (Penelope Cruz – gatona), eu manteria minhas esperanças, mas ele já está com idade pra ser meu papis. Deixa pra lá.

– Time off: comprei “O Segredo” e “A Lei da Atração”. Tô curiosa para lê-los e preciso mesmo aprender a atrair bons fluídos pra mim. Inveja sux e força de vontade rox. hahaha xD

– Viciei no Twitter. Atualizações diáárias. Add me NOW!

Eu, agora
Humor vontade de ir ao banheiro. xD
Pensando ganhei um super beijão, no meio da rua hoje. nice. (L)
Comendonada.
Ouvindo/Assistindo barulhos do pessoal digitando aqui na Capricho.
MSNThaís
Navegandoagora, nada. :p

Yeah!

sáb

Consertei meu computador! E não perdi nada. A torcida sorri aliviada: uhh! _o/ hehe

Essa semana eu li “Alice no país das maravilhas”, do Lewis Carroll. Ok, aparentemente o livro é para crianças, mas vos digo: não necessariamente. Quem diria que a menininha Alice, originalmente, gosta de ter dupla personalidade e briga consigo mesmo a todo momento no livro? Certamente isso não é lá uma leitura apenas infantil. Talvez seja como Pequeno Príncipe (e todo mundo diz isso que eu vou dizer, mas eu nunca li): as crianças podem ler à vontade, mas se um adulto lê, vai entender muito mais mensagens do que uma criança.

Alguém vai comer Jesus na Páscoa? Os católicos de carteirinha realmente deveriam ter mais senso de humor, ou aceitar uma coisa chamada “licença poética”.