Rex Restaurante, para comer e beber até tarde: Imagens da Semana

qua

Para ver tudo o que já contei nesta tag, clique aqui.

Um dos jeitos mais espertos de se escapar do caos da cidade é adotar um horário alternativo. Dá para evitar um pouco do trânsito, do pico do transporte público e até mesmo da fila do cinema – chegar e comprar o ingresso sem preocupação é luxo para poucos em São Paulo! O problema é quando alguns serviços da cidade não acompanham o ritmo de quem já adotou um horário diferente para viver.

Quer exemplos? Bares e restaurantes com cozinhas que fecham, impreterivelmente, à meia-noite. E o que dizer dos lugares que nem abrem aos domingos à noite para o jantar? Não sou ninguém para aconselhar donos de restaurantes, mas nestas horas, mesmo estando na maior capital do país, o público se sente numa cidadezinha do interior.

.

Rex: cheio até altas horas

Pois foi justamente numa situação difícil – domingão e tarde da noite – que visitei, finalmente!, o Rex. Ele estava sempre ali, no jeito e de portas abertas na Consolação, mas nunca havíamos parado para lhe dar atenção. Que erro grotesco! Foi só colocar o pé ali dentro e provar o primeiro drink para saber que vou voltar muitas e muitas vezes.

.

bloody mary: meu favorito bem preparadinho

O ambiente descontraído e com trilha sonora bem pensada faz você se sentir à vontade. O serviço é bacana e amigável, também te deixa livre para escolher o que estiver afim. Você não vai se sentir pressionado a pedir um prato ou um drink. Você pode só beber ou só comer, ou então pedir uma cerveja e pular para sobremesa. O clima de acolhimento, aliás, faz a casa ficar cheia mesmo num tal domingo de madrugada, deixando claro que há público para mais estabelecimentos com essa proposta em Sampa.

.

cogumelos puxados na manteiga

Steak tartare acompanhado de pãezinhos e batatas

Os pratos tem preços variando entre 40 e 60 reais, drinks em torno de 20 e entradas de 20 a 30 reais. Provamos a porção deliciosa e bem servida de cogumelos puxados na manteiga e também dividimos um steak tartare, que é servido como entrada compartilhável, mas eu recomendaria para uma pessoa só – talvez você ache gostoso demais para dividir. ;)

.

decoração cheia de detalhes

Quero voltar para provar os pratos, que são servidos mesmo a este horário – e não se espantem por eu estar batendo nesta mesma tecla, viu? Quem tenta jantar depois das 11 da noite em São Paulo sabe bem do que estou falando. Vida longa ao Rex, um lugarzinho especial que também faz a gente se sentir em outro lugar – yeah, New York, I’m looking at you! 

VAI LÁ: Rex Restaurante – R. da Consolação, 3193 – São Paulo, SP. Horários e demais informações aqui.

Cateto, queijos e cervejas artesanais na Mooca: Imagens da Semana

ter

Para ver tudo o que já contei nesta tag, clique aqui.

Cateto: cervejas, queijos e um lugar para passar horas degustando novos sabores

Quem disse que só se pode harmonizar queijos com vinhos? Hora de rever isso aí. Os sócios do Cateto – Beber e Comer Artesanal resolveram tentar algo diferente: unir queijos brasileiros com bebidas de cervejarias artesanais. O bar de ambiente rústico e aconchegante apóia produtores locais e abre suas portas justamente num bairro que carecia (e muito!) de novas propostas. Sim, é no coração  da Mooca, meu! Oba!

.

as cervejas e o cardápio do Cateto

No Cateto, não há cozinha. Tudo é preparado à vista e no balcão. O menu de comidinhas foca em sanduíches e em tábuas de queijos e embutidos. Já a geladeira tem cervejas diferentonas que já ficaram famosas e muitas do tipo “achado”,  que nunca tinha ouvido falar ainda – caso da Madalena, de uma cervejaria do ABC. Também dá para levar tudo para viagem, com exceção do chopp Colorado, tirado ali no bar, na hora.

.

o balcão e algumas peças de queijo para levar para casa

Provamos duas cervejas diferentes (Madalena e Curupira), o chopp, uma porção de bruschetas que levam linguiça defumada, além de uma bela tábua de queijos. No dia em que fomos, ainda estava rolando uma degustação e tivemos a felicidade de comprar queijos diretamente com o produtor mineiro. Os queijos, aliás, são sempre servidos com uma porção de pesto ou de mel. Para escolher tudo isso, um dos donos, o Márcio, nos deu recomendações e foi super prestativo.

Das cervejas às comidas, tudo estava maravilhoso, sem exceções. Os mais puristas só não vão gostar de uma coisa: as bebidas são servidas em potes de vidro, não em copos. Não me incomodo e acho que tem a ver com a proposta, mas, é… Prefiro copos. rs

.

as bruschetas e a maravilhosa tábua de queijos: diferentes texturas e sabores

O Cateto é lugar para chegar relativamente cedo  e passar a tarde comendo e bebendo, sem preocupação – especialmente se você adorar queijos e cervejas. rs Como o local é pequeno, talvez seja realmente bom ficar atento à este detalhe e se programar. Algumas degustações tem sido marcadas na casa, por isso a lotação também pode variar bastante. Ah sim: o som também faz jus ao estilão da casa e é uma verdadeira viagem no tempo.

.

as sacolinhas para levar sua “marmita” para casa

Ultimamente, o bairro vem ganhando várias novidades que se destacam das tradicionais pizzarias e faço questão de prestigiar, até mesmo porque é ótimo não ter que atravessar a cidade só para tomar uma cerveja num lugar legal, para comer num bistrô, ou num japa com preparo de respeito.

Estes lugares das redondezas, aliás, estão despertando a curiosidade até de gente que chamava a região de “zona lost”. Casos recentes são o do Cadillac Burger, que foi eleito uma das melhores hamburguerias da cidade em 2013 segundo a Veja (já falei sobre ele aqui no blog também) e o Bravo Bistrô, que está entre os 10 mais de São Paulo no Trip Advisor.

Será que finalmente a Mooca vai entrar no mapa de São Paulo também para os “modernos”? Torço para que sim. Há muitos bairros além de Pinheiros, Vila Madalena e Jardins que merecem as visitas dos recém-chegados.

.

PREÇO MÉDIO: Aqui tudo vai depender do seu consumo de álcool. A nossa conta saiu em R$53 por pessoa.

VAI LÁ: Cateto – Beber e Comer Artesanal. Rua Fernando Falcão, 810 – Mooca. Aberto de quarta a domingo.

Comidinhas na Casa Nero: Imagens da Semana

sex

A tag fantasma retorna com tudo, com dicas & mais. Para ver todos os posts do Imagens da Semana, clique aqui.

 

UPDATE: O RESTAURANTE ENCONTRA-SE FECHADO DESDE O FINAL DE 2013. 

 

Casa Nero: cerveja gelada, carne boa e drinks bem feitos. Precisa mais?

Uma das minhas hamburguerias favoritas na cidade morreu há algum tempo: era o Chez Burger, ficava na Al. Lorena, e era um dos restaurantes do grupo do Bar Secreto. Depois de alguns meses de tristeza, o grupo relançou o endereço no final de 2012, com uma nova proposta, novo nome e nova decoração – e ainda bons hambúrguers no cardápio: nascia a Casa Nero. E aí eu ganhei outro restaurante favorito.

O nome do imperador só tem a ver mesmo com o fogo da bela churrasqueira que ocupa a cozinha do local, já que a especialidade da casa são as carnes. Também é um bom lugar para pedir uma cerveja e dividir comidinhas de boteco (queijo coalho, pastel, pão de alho, salaminhos…) e petiscar porções de “churrasco” bem mais interessantes que a já batida picanha no rechaud servida por aí.

Carnívora que sou, já perdi as contas de quantas vezes fui na Casa Nero e de quantos dinheiros deixei por lá. Sei que já provei quase o cardápio inteiro e até hoje nada me desagradou. A frequência é ótima, o som é bom, o ambiente bonito e o preço razoável também contribui para o local ser uma ótima opção diante dos abusos que andam rolando em São Paulo. Abusivo mesmo talvez seja só o preço do valet, mas eu estaria sendo injusta se não dissesse que infelizmente é o mesmo valor praticado em toda a região – com sorte, encontra-se uma vaga na vizinhança.

Bem, depois de tantas idas e vindas, tava na hora de contar por aqui, certo? Eis alguns dos pedidos da última vez que estive por lá:

Pastéizinhos de queijo: ou de carne, ou de palmito ou de camarão. Você escolhe ou pede tudo misturado, tanto faz. Massa leve, recheio abundante. Alegria frita de boteco, não há quem não goste!

Bloody Mary: é meu drink favorito já há tempos e infelizmente não é tão fácil de achar boas versões da mistura em São Paulo. Com sorte, a Casa Nero repete a receita impecável do Chez Lorena (do mesmo grupo) e tudo fica dentro dos conformes! <3

Carpaccio rústico: a tradicional salada de carpaccio tem uma pegada bem roots por aqui. Vem numa ótima quantidade, é feita na casa, super saborosa e ainda é acompanhada de um delicioso molho mostarda e desse pão tostado que faz toda a diferença! É meu prato favorito no momento!

 

Gorgonzola Burger: carne ao ponto bem rosada com queijo gorgonzola e a porção de batatinhas fritas crocantes e fininhas que acompanham todos os sanduíches

De sobremesa, o pudim da casa é um must-eat: essa calda leva laranja e é simplesmente de delirar! A receita da sua avó vai ficar com ciúmes depois que você provar esse! hauahauh

.

Outras boas pedidas do cardápio que recomendo: queijo coalho na grelha, batatas fritas (perfeitas!), porção de lingüiça toscana, porção de azeitonas pretas e salaminho para acompanhar uma cerveja gelada, o Black Burger, o steak tartar, o bife de chorizo e o frango desossado. Quando o assunto é bebida, a cerveja de garrafa vai bem, o Bloody Mary é meu favorito e o milk shake de pistache continua 5 estrelas –  já era excelente na época do Chez Burger e continua por lá!

Preço médio: R$60 por pessoa, com entrada e prato principal. Indo em turma, dá para pedir várias porções e provar de tudo.

E só para não dizer que não falei do serviço: já dei pinta lá tantas vezes, que o gerente já chama pelo nome e pergunta se eu quero meu drink. <3 kkk

Hambúrguer gostoso e novinho na Mooca: Imagens da Semana

seg

Para ver tudo o que já contei nesta tag, clique aqui.

É com muita alegria e orgulhinho bairrista que hoje venho dar a dica de um restaurante delicioso e pertinho de casa: é na Mooca, meu! Fiquei sabendo do Cadillac Burger através de uma matéria do Guia da Folha e já logo anotei para ir num dia de preuiça de de atravessar a cidade. rs

O Cadillac Burger fica na Rua Juventus, super bem localizado, e tem decoração caprichada. O dono é José Américo “Tatá” Crippa, figurinha carimbada da cultura “lowrider” no Brasil e responsável por personalizar carros de gente como o rapper Mano Brown – dá pra ver, aliás, algumas obras dele estacionadas do lado do restaurante.

pedacinho do salão do Cadillac!

O resultado da pesquisa do cara é uma casa com carinha de diner de estrada californiana e elementos estradeiros pelas paredes, além de hambúrgueres muito leves e bem feitos e cervejinhas diferentes, como a Brooklyn. Outros pontos positivos são o estacionamento próprio (viva o mundo sem valet!) e o som que toca: uma rádio bem boa lá do Havaí.

Algumas das nossas escolhas:

“La Mafia”: hambúrguer com mussarela de búfala gratinada, tomate confitado, rúcula e manjericão

torta de maçã absurda, simplesmente a melhor que já comi em São Paulo!

Comemos as batatinhas rústicas da casa e eu optei por esse belo hambúrguer, o La Mafia, surpreendentemente leve e com tempero no ponto certo. A leveza dos pratos, aliás, foi um ponto positivo: o meu sanduíche e o do Rafa estavam perfeitos e ainda deu para pedir essa torta de maçã para dividir. Eu amo essa sobremesa e saí de lá suspirando, foi a melhor que já comi em São Paulo!

No fim das contas, vou voltar com certeza – e não só porque é perto de casa. Realmente é uma novidade competitiva e fora do circuito tradicional de hamburguerias da cidade.

.

Gastrobar Canelle em Ubatuba: Imagens da Semana

qui

Para ver tudo o que já contei nesta tag, clique aqui.

Sempre dou dicas de lugares que curto em São Paulo, mas dessa vez quero falar de um restaurante relativamente novo no Litoral Norte, afinal o verão tá chegando e todo mundo desce a serra pelo menos um final de semana, né? Aliás, não é um restaurante: é um gastrobar. O Cannelle fica em Ubatuba e é um bar com decoração gracinha e comidinhas super bem executadas e pensadas, daí o “gastro” no nome.

o cardápio da casa

No menu você encontra sanduíches de recheios apetitosos por preços entre R$10 e 15, caldinhos, pasteis e porções encorpadas como as que comemos, um ceviche e uma tábua de rosbife de filé mignon. Os drinks também tem um cuidado especial e a carta de cervejas é bem recheada, algo beeem diferente do que costumamos encontrar nos “botecos” da praia.

Fazia tempo que não ia pra Ubatuba (tenho casa lá e quase nunca consigo ir!), aí fomos para aproveitar uma parte do feriado e, tá-dá!, chuva. O consolo foi ter descoberto esse lugarzinho incrível, que é lindo, serve café da manhã de frente pro mar (vou da próxima!) e não tem aquela “comida de praia” pra alimentar um batalhão familiar.

Tudo o que comemos estava maravilhoso e tem vários outros itens do cardápio que me interessaram; vou voltar até provar tudo! hahaha

ceviche com peixe fresquinho e macio com sabor tradicional e sem “invencionices”

tábua de rosbife de filé mignon com batata rústica e molho bechamel (!!)

bicicletinha na porta para homenagear todo mundo que usa bike na cidade

A iniciativa é da empresária Vanessa Campiolo, de Guaratinguetá, e da chef carioca Michele Glaberte. O Canelle inaugurou em julho e eu simplesmente amei o lugar! Veio pra ficar, faltava algo assim precioso no “centrinho” da cidade!

 .

SERVIÇO

Canelle Gastrobar
Endereço: Rua Guarani, 240, Bairro: Itaguá, Ubatuba/SP
Mais informações no Facebook 

Jantar à luz de velas no Beato: Imagens da Semana

ter

Para ver tudo o que já contei nesta tag, clique aqui.

Aconchegante, intimista e romântico: de cara foi isso que pensei quando entrei no pequeno Beato, casa nova de Pinheiros aqui em São Paulo. Depois de ler resenhas incríveis sobre o lugar, o Rafa e eu resolvemos passar lá para jantar pouco antes de viajarmos.

O preço do cardápio é levemente acima do que costumamos pagar para um jantar casual, mas simplesmente valeu cada centavo – especialmente porque, de uma certa forma, a noite era especial sim: o Rafa e eu estávamos comemorando as primeiras férias (yey!) da vida dele e, consequentemente, nossas primeiras férias juntinhos! #own   <3

à luz de velas

O restaurante conta com três ambientes, um logo na entrada onde fica o bar e o sofá de espera e mais algumas mesas, o salão principal, que me pareceu mais confortável já que a tendência ali é estar sempre cheio pois o local é pequeno; e um terceiro ambiente, onde nos sentamos, que é uma espécie de jardim de inverno.

Achei a concepção desta “saleta” muito interessante, porque mesmo estando com mais quatro mesas para duas pessoas ao nosso lado, não nos sentimos num lugar “lotado”. É claro que a ambientação ali faz toda diferença: ar condicionado na medida, música interessante em todos os lugares, espelhos que aliviam o espaço pequeno e te deixam à vontade.

a vista do “jardim de inverno” para a sala principal

Mas vamos falar do que interessa: a comida! Para a entrada, pedimos as bruschettas com queijo de cabra e nos deliciamos com a textura, estava simplesmente impecável. O tamanho e a quantidade também são algo bom, pois não atrapalha em nada o prato principal.

as bruschettas de queijo de cabra

Na hora de pedir o prato principal, Rafa e eu acabamos escolhendo pelas carnes. Ele foi de bisteca com polenta (super bem servida, super pra macho! rs) e eu optei por um filé mignon com crosta de cogumelos e purê de batatas, este da foto abaixo.

Confesso que cada detalhe do prato me surpreendeu, pois a carne estava macia e no ponto exato, os cogumelos se misturaram ao sabor da redução de carne com vinho tinto e o purê, que costuma ser acompanhamento “básico”, estava simplesmente delicioso, muito acima das expectativas. Tanto foi que acabei ficando com desejo de mais purê! Combinação divina! rs

filé alto com purê de batata e crosta de cogumelos

De sobremesa (e infelizmente sem foto!), pedimos o mousse de mascarpone e deliramos: é a famosa “sobremesa de adulto”. Não é espetacularmente doce e não vai fazer sua dieta ir para o espaço, mas tem uma explosão de sabores maravilhosa e uma textura de comer rezando, assim como todos os outros pratos que provamos. 

O Beato é uma ótima pedida para um jantar a dois, para um almoço acompanhado de alguém que aprecia uma boa comida e também para levar um amigo de fora para comer bem num lugar que só quem conhece a cidade já ouviu falar da novidade. ;)

Se desconsideramos o vinho, o jantar sai em média R$80 por pessoa e é possível ver o menu completo e os preços no site do restaurante. Aliás, a quem interessar possa, a carta de vinhos abraça todos os bolsos. Eu certamente voltarei – e já sei até o que vou pedir! rs O único ponto negativo é que, como toda boa novidade de São Paulo, já já o lugar vai começar a ficar lotadão e a fila de espera tem grandes chances de se tornar um problema.

.