[VÍDEO] Deu ruim: e se nada der certo para a Geração Y?

seg

Trabalhar com o que ama e adequar o seu sonho a sua renda ou adequar seus sonhos para a renda que você tem fazendo aquilo que ama? Essa é uma das questões que trago no vídeo de hoje, sobre os dilemas profissionais de eu, você e muita gente com 20 e poucos anos.

Se você também acha que o diploma não te assegurou uma boa carreira e já se pegou tendo conversas constrangedoras com a sua família para explicar porque você ainda não tem o próprio apartamento ou o próprio carro, com certeza vai se identificar. E, por favor, conta pra mim nos comentários a sua história!

Já se inscreveu no canal? Então vai lá!


Para ver outros vídeos já publicados, clique aqui.

Comentários via Facebook

16 comentários

  1. Juliana

    Vou deixar meu depoimento aqui.
    Concordo principalmente com a parte da cobrança e sinceramente, não me importo e nunca me importei com isso.
    Sempre faço as coisas no meu ritmo, dane-se se fulano tem mais, o que realmente me importa é o que eu tenho e o que eu ainda preciso fazer para melhorar.
    Aos 16 sai de casa para morar com desconhecidos (um porre morar com minha mãe), estudar, aos 18 anos abri mão de uma faculdade tão sonhada de arquitetura para tentar a vida do outro lado do mundo (foi uma oportunidade) e não foi glamour que muita gente pensa.
    Sofri preconceitos por ser brasileira, trabalhei horas em pé, virei dias sem dormir para bater cotas, cobranças, sozinha etc…
    Eu não sonhava com isso só agarrei uma oportunidade. Hoje sou grata por ter tido coragem de largar tudo e trilhar o desconhecido.
    Voltei para o Brasil com 28 anos e com dinheiro suficiente para comprar meu apartamento, aprendi a dar valor ao dinheiro, ter pés no chão, ter cuidado com gastos, etc…sou criticada as vezes por ser assim, sou chata mesmo e penso no meu futuro, dá licença? Rs…
    Não sou formada na tão sonhada faculdade, não tenho o trabalho dos sonhos e quem dera as coisas pudessem sem bem mais fáceis. Mesmo assim não me sinto menos e nem melhor por isso. Cada um cuidando do que é seu ou no seu quadrado como dizem por aí, deixa o mundo em paz e sem guerras. Beijos.

    Responder
    1. Fernanda Pineda

      Que história, Juliana! Você teve muita coragem, além de tudo. Em nenhum momento teve medo de dar tudo errado? Ou esse medo te empurrou pra frente? Vejo que muita gente foge da situação, enquanto outros usam o mesmo “motor” para enfrentarem tudo…

      Responder
  2. Ana Paula

    Você fala muito bem, parabéns!

    Amei o vídeo, é tão difícil se encaixar nessa vida profissional, ainda mais quando você é meio frustrado com a profissão/mercado/realidade =(

    Responder
    1. Fernanda Pineda

      Oi Ana! <3 Muito obrigada! É extremamente difícil, mesmo. E quando a empresa "dos sonhos" fecha as portas ou vai aos poucos dando provas de que não vale a pena seu esforço para chegar lá? :(

      Responder
  3. Vinicius

    Olha, vou ser bem sincero. No começo fui muito pré conceituoso e pensei “la vem merda do youtube…” e com alguns minutos do vídeo mudou para “cara, ela ta na minha mente??”

    Falou praticamente tudo que eu penso, e vejo que também parou onde eu parei,rs.

    Bom vídeo!

    Responder
    1. Fernanda Pineda

      Opa, que bom que deu uma chance, Vinicius! hahaha :) Parei aí que é até onde a minha experiência própria me levou, embora ainda não tenha descoberto, pra valer, o “meu lance”. Se você descobrir o seu, volta pra me contar, por favor. rsrs

      Responder
      1. Vinicius

        Exatamente! O dificil é o lance hahaha..vc pelo menos ja faz algo que eu gostaria muito de fazer, videos pro youtube hahaha. E se você descobrir o seu primeiro, faz o vídeo e me avisa! ahahha..vc ja tem o e-mail mesmo (:

  4. Chell

    Vou ter que discordar um pouco do início do vídeo. Acho que essas notícias que falam do trabalho e da paixão por algo são inspiradoras. Fiz faculdade e trabalhei em agências de publicidade alguns anos, pulava de uma pra outra tentando achar uma que eu gostasse, mas todas só querem funcionários madrugando e perdendo a vida social (pelo menos as que passei). Depois de começar a pagar um preço físico por conta de toda a maluquisse dentro delas (gastros, ortopedistas, psicólogos etc) resolvi engatar em uma ideia que tive e hoje estou lutando pelo meu espaço ao Sol com minha empresa que começa aos poucos a funcionar.

    Quando estava na faculdade aprendemos que a palavra trabalho vem derivada de tortura, então todo trabalho tem algo que você não vai gostar, nada será 100% perfeito, só temos que achar esse equilíbrio que você falou. Algo que nos alimente. Então esses textos que você se acha que te desanimam quando você lê, pra mim servem de gás pra correr atrás do meu sonho de ter a empresa crescendo. Acho que vai de cada um. Cada um tem um jeito de achar um espacinho pra ter algo. Tem gente que sonha em fazer concurso público e ficar naquele cargo por 30/40 anos e que ganhar o salário compensa todas as segundas, terças, quartas, quintas e sextas que ele foi infeliz. Só queria ser mais feliz durante a semana e não ter apenas que ser feliz sábado e domingo. =D

    Responder
    1. Fernanda Pineda

      Oi Chell! Acho que você é um dos raros casos que conseguiu fazer virar. No fim, estes textos causam comichões em muita gente e não levam a pessoa a lugar nenhum. Às vezes é falta de sorte, às vezes falta de talento, às vezes só um timing ruim no mercado. Tenho N amigos que “apostaram” na internet e tiveram que correr atrás de emprego tradicional de volta porque não pagavam as contas com produção de conteúdo. Infelizmente tenho mais casos “ruins” do que bons pra citar. De resto, assino embaixo ;)

      Responder
      1. Chell

        Tudo isso é um processo de auto-conhecimento. As vezes alguém lê e acha que tem que mudar, mas não é bem assim. Cada um é de um jeito. As vezes você pode estar chateado hoje no trabalho, mas gosta do que faz e não é por isso que você tem que ir fazer arte com as coisas que a natureza dá né? rs

  5. Mariana Maia

    Sabe o que acho mais foda?! é a pessoa sentada do teu lado ser um estagiário e tah ganhando o mesmo que você, que já é formado e tem uma pós. Não é desmerecendo. Mas as empresas, hoje em dia, ferram duplamente. Sugam até a alma o estagiário e o formado, e desvalorizam a profissão no geral. Se a empresa te oferece todos os direitos trabalhistas, vc agradeça aos céus. Tá no lucro! Tem empresa que se faz de louca e não faz nem isso. Adoeci legal no meu antigo trabalho e pedi pra sair. Hoje, tô na estaca zero, não sei se continuo na minha área, ou tento outra coisa, faço um concurso. Só rindo pra não chorar. ahuahuahuhh O mais bizarro é que a gente pensa que essa infelicidade profissional só tá acontecendo com a gente. Mas pelo que o tema tem bombado por aí, tá complicado para maior galera.
    Bjoo.

    Responder
    1. Fernanda Pineda

      Exatamente, Mariana. Acho importante discutir, porque nunca somos levados a sério. Quando o estagiário tem responsabilidade de empregado, já tá tudo errado. Sobre a questão financeira, vou nem falar nada… Só rindo para não chorar mesmo. rs e cuida da tua saúde, é o mais importante.

      Responder
  6. Márcio Luís

    Que vídeo sensacional, menina!
    Eu trabalho no quê amo! Trabalho como radialista!
    Mas ando procurando um outro emprego pra complementar a renda, porque só com o din din da rádio, consigo pagar minhas contas! Mas para algo mais, já fica complicado…!

    Seus vídeos estão cada vez melhores!
    Meus parabéns, e um super bjo! ;)

    Responder
  7. monica albuquerque

    Adorei o vídeo. Sou uma pessoa apaixonada pelo tema Geração Y, apesar de não pertencer mais a esta geração. Acho que todos tem direito de ser feliz da melhor maneira que lhes convierem… e como todos nós sabemos, não podemos generalizar, pois toda generalização é burra!! Então só diria para ter mais cuidado com o uso dessas generalizações: “GY é uma geração que já nasce sabendo”. Será mesmo que nascem sabendo?? Sabendo do que?? Por que nem todos conseguem um bom emprego, uma boa remuneração, uma boa carreira?? Sabemos que em todas as gerações temos os verdadeiros talentos e isso sim é a chave do sucesso, ser um talento e não necessariamente ser da Geração.!!
    Bj

    Responder
  8. Cláudia Lafetá

    Ótimas reflexões Fernanda!

    Tudo é um processo de se conhecer, e principalmente de identificar o que é essencial na vida para você mesmo!

    Beijo! E parabéns !

    Responder

Deixe seu comentário