A riqueza que te carrega

qui

“Coisas que você precisa fazer quando virar adulta: servir um jantar requintado para os amigos, ajudar no casamento de alguém, se dar uma jóia”. Até hoje não tinha ligado para o “se dar uma jóia”, até que uma coleção nova da Tiffany’s me fez encher os olhos: braceletes modernos, limpos, valiosos e ao mesmo tempo discretos. Milhares de dólares que eu não me ocupei em transformar em reais porque… Porque eu ainda tenho outras prioridades.

 

.

Entre tantos desejos de consumo que invadem nossas timelines diariamente, o que você realmente precisa para te fazer feliz e ainda não tem? O que é luxo para você? Enquanto o luxo de uns é ter tempo para viver e experimentar, o luxo de outros é só o luxo, mesmo quando a conta bancária não acompanha o ritmo de tantas vontades. Roupas, jóias, sapatos, personal trainer babá: o céu é o limite para levar para frente uma pobreza de espírito que não cabe numa “selfie sem make”.

É difícil admitir, mas quantos (todos nós) já ficamos imaginando a reação que causaríamos ao aparecer no lugar xis com a coisa y? Ou tentamos sempre ser o primeirão da turma a ter o brinquedo novo, o celular novo ou o videogame novo, mesmo que isso signifique um aperto desnecessário na fatura do cartão? Acho engraçado notar que, ao mesmo tempo, vários (de todos nós) sofrem dessa vaidade, mas não pensam duas vezes na hora de apontar o dedo para essa cultura-pop-ostentação. Essa mesma das músicas, que faz a menina do morro desejar uma bolsa igualzinha a que você deseja. Ou se esforçar para comprar do mesmo jeito que você se esforçou.

Essa semana me perguntaram o que eu faria se tivesse 2 bilhões e tralalá no bolso e apenas seis meses de vida, condição sine qua non para o dim dim brotar na conta. Difícil. Minha primeira resposta, rindo: “compraria um monte de bolsas de rica!”. Mas isso era só o meu humor idiota trabalhando. Minha segunda resposta, mais provável: “produziria uma música e faria um clipe memorável usando o dinheiro, vou poder dizer que pelo menos tentei ser cantora uma vez na vida”. Realizar um sonho, contar uma história, sei lá. Tão mais legal que aparecer num episódio de “Acumuladores”.

O mais interessante do desafio do “dois bilhões” é colocar as coisas em perspectiva: com apenas seis meses de vida, contados a partir de hoje, quanto de riqueza você acumulou com você? Quantas e quais experiências fizeram você se perguntar o que quer da vida? A resposta é pessoal, a resposta pode nunca vir e tá tudo bem, mas são as dúvidas que vão te fazer ser realmente interessante.

Não vou enganar ninguém com esses parágrafos: é claro que sou materialista e vaidosa. Não tenho esse espírito elevado de quem não se importa com o que os outros pensam e definitivamente não acho a história da moda uma banalidade. Você anda nu? Eu também não. Mas dentre todos os feeds para seguir, escolho quais acompanhar: parei com pessoas físicas e jurídicas que não sabem explicar o luxo que vomitam para o resto do mundo.

A cada dia rumo aos “seis meses”, acrescentamos uma letrinha no nosso epitáfio. Alguns enchem os seus de riquezas, outros de histórias. Qual você prefere?

Comentários via Facebook

6 comentários

  1. Chell

    Histórias, memórias e viagens, com certeza =D

    Responder
  2. Bruna

    Uau, que reflexão incrivel!

    Acho que com dois bilhões de dolares eu comprava mais alguns meses de vida, será que pode? Por mais que vivamos nessa sociedade consumista e materialista, por mais que não pareca. tem muita gente percebendo que o que realmente conta é quem a gente é. E nada como um problema de saúde, uma perda de alguem querido, pra nos fazer perceber o quão tênue é a linha entre a vista e a morte, esse fio que em segundos é rompidos e não nos permite levar conosco rumo a eternidade nenhum par de sapato.

    Seu blog é MUITO bacana! Parabéns por trazer reflexões tão legais!

    Abraço!

    Responder
  3. Vy

    Viagens!!! Torraria com todas aquelas viagens de luxo ridiculamente caras que cotei para outros nessa vida de turismologa! Ficaria na ilhota onde o principe illiam passou a lua de mel! Me hospedaria naquele Aman de babar onde o George Clooney acabo de se casar! Ah, e comeria, iriam em todos os estrelados michelins possíveis! E compraria um sapato muito lindo, porque, né, não sou de ferro, hahaha!

    Responder
    1. Fernanda Pineda

      Vy on 29/09/2014 at 9:42 pm said:

      Viagens!!! Torraria com todas aquelas viagens de luxo ridiculamente caras que cotei para outros nessa vida de turismologa! Ficaria na ilhota onde o principe illiam passou a lua de mel! Me hospedaria naquele Aman de babar onde o George Clooney acabo de se casar! Ah, e comeria, iriam em todos os estrelados michelins possíveis! E compraria um sapato muito lindo, porque, né, não sou de ferro, hahaha!

      Comer e viajar <3 Não precisa falar mais nada. hahaha

      Responder
  4. Ana Carla

    Se ganhasse esse dinheiro todo faltando 6 meses para morrer, sem hipocrisia, tentaria ajudar o máximo de pessoas ao meu redor. Para que acumular ou me encher de prazeres efêmeros se daqui a pouco eu iria morrer? E isso vale para todo o tempo – lógico que sempre com o devido equilíbrio. Quero chegar ao final sabendo que contribui também com o meu próximo e não somente para alimentar os meus interesses egoístas. Mas também tem tudo a ver com o fato de eu acreditar em Cristo e na continuidade da vida em outro lugar, mas daí já é outro assunto. Concordo com o comentário da Bruna lá em cima. Interessante post! (:

    Responder

Deixe seu comentário