A lista de coisas para fazer antes dos 25 anos

sex

Cresci fazendo festas de aniversário. Festas de arromba, chamava toda a quinta, sexta, sétima, oitava série, botava um DJ e devia incomodar muito os vizinhos. Debutei com os 15 anos com umas 300 pessoas num salão gigantesco. Nenhuma festa chegou nem aos pés disso depois. Virei “maior”, marquei barzinho, fiz festa de aniversário em dupla e… Parei. Enjoei. Peguei bode. Não achava mais graça em comemorar, os eventos foram ficando cada vez mais vazios e resolvi não me decepcionar e simplesmente abri mão.

Dia desses estava pensando na fatídica data de meu nascimento que, cof cof, se aproxima e pensei: “puxa, odeio festa, mas quando eu fizer 25 vou ter que comemorar”. Entrei no banho, fiz minha rotina normal, escovei os dentes, me olhei no espelho e… PÁ. NA CARA. “Tá doida? Você VAI fazer 25 anos. E está há menos de um mês disso acontecer”.

Não sei se isso era para ser uma espécie de pensamento que passa pela cabeça aos 30, mas a verdade é que até eu me choquei ao simplesmente esquecer minha própria idade. Esquecer ou ignorar, eis a questão? Provavelmente, ignorar. Há quem diga “você SÓ vai fazer 25” e na minha cabeça eu ouço “você JÁ vai fazer 25”.

Essa nossa geração-lista enfiou na nossa cabeça bilhões de metas que deveriam ser cumpridas até uma determinada época e vejo que agora, se eu fosse fazer uma lista, provavelmente ficaria bem mais deprimida ao terminar. Veja: a gente faz listagem  para tudo. Até na adolescência já fiz lista de pró e contra pra saber se tinha que continuar uma paquerinha ou não.

Esse jeitão de ver a vida é pratico e direto, mas pouco caloroso e, quando não funciona, doloroso demais. Imagino até que venha daí parte das crises dos 20 e poucos anos: fomos educados por uma geração extremamente eficiente e aprendemos ao máximo seu jeito de pensar. Mas não deu certo – e culpar a geração anterior não nos fará dar nenhum passo extra para frente.

.

Para aliviar a crise (ou piorá-la), há algumas listas bem-humoradas e até bonitas com coisas para se cumprir antes dos 25 anos que rodam a internet. Uma delas, postada no ano passado, foi feita pelo Thought Catalog e traduzida pelo Guia Ingresse. Acho que vale a pena a leitura, mesmo se você não sinta essa urgência em realizar as coisas – aliás, parabéns por isso! Confesso, aliás, que eu talvez tenha cumprido as menos importantes ou mais idiotas, por isso mesmo acrescentei uns grifos nos feitos realizados e comentários aleatórios.

.

25 coisas para fazer antes dos 25 anos

1. Faça as pazes com os seus pais. Seja por, finalmente, reconhecer que eles realmente querem o melhor para você ou por perdoá-los por serem imperfeitos, você não pode entrar feliz na vida adulta com essa marca de ressentimento familiar.
(conselho dos mais importantes. Claro que não cumpri!)

2. Beije alguém que seja ‘muita areia para o seu caminhãozinho’. Beije modelos, estudantes de medicina e empreendedores que moram em Dubai, e não se preocupe se eles(a) vão te ligar depois ou não.
(e se eu pudesse acrescentar algo, te diria para ter um relacionamento totalmente casual e desocmpromissado, de preferência com alguém por quem você não possa se apaixonar, mas adore a companhia) 

3. Minimize a sua passividade.
(e isso não significa aumentar a agressividade, mas podemos conquistar isso até os 30…) 

4. Seja subordinado ou faça um bico, para começar a entender como gorjetas funcionam, como manter a paciência perto de babacas e como algumas palavras amáveis podem mudar o dia de alguém.

5. Reconheça liberdade como uma passada num fast food às 5h30 da madrugada com um bando de estranhos que você acabou de conhecer.

6. Tente não se martirizar por possuir um diploma ‘inútil’. Dinheiro é um terror e as coisas não aconteceram exatamente como você planejou, mas você tinha mesmo que fazer faculdade… E ter um diploma não é a pior coisa do mundo. Nós vamos resolver essa confusão, provavelmente. O ponto é que você não merece menos só porque ir à faculdade não trouxe um retorno imediato. Seja paciente, trabalhe com o que você tem e lembre-se que muitos de nós estamos nessa juntos.
(diploma NUNCA é inútil; pelo menos na prisão já adianta alguma coisa!) 

7. Se você está em qualquer emprego que seja, abra uma poupança. Você nunca sabe quando estará desempregado ou  desesperado para fugir da sua vida por uns dias. Mesmo R$20 por semana já fazem R$1040 a mais por ano do que você teria de outro jeito.

8. Adquira o hábito de ir lá fora, aproveitar a luz, cultivar seus amigos, esquecer a internet.

9. Fique curtindo – e alimentando – uma ressaca por 4 dias seguidos.

10. Comece um relacionamento com o(a) sua paixão platônica dizendo que o(a) quer. Diretamente. Tipo, olhando em seu rosto e dizendo assim: Eu quero você. Eu quero ficar com você.
(ainda existem paixões platônicas depois dos 20 anos ou as pessoas só se relacionam com quem escolhem – e que as escolhe também?) 

11. Aprenda a dizer não – para você mesmo. Não continue usando salto alto se você odeia, não continue fumando se você odeia o seu cheiro no dia seguinte, pare de passar dias inteiros afundado no sofá para depois reclamar que está perdendo o Sol.

12. Tire um tempo para revisitar os lugares que construíram quem você é: o apartamento em você cresceu, sua escola, sua cidade natal. Esses lugares até podem ficar lá para sempre, mas você definitivamente não.

13. Encontre um hobby que te faça esperar pelo momento de ficar sozinho, que deixe essa solidão momentânea agradável e energizadora.

14. Pense que você se conhece até conhecer alguém mais do que você.

15. Esqueça quem você é, suas prioridades e como uma pessoa deveria ser.
(tarefa difícil para a geração-lista! rs) 

16. Identifique os seus medos e, ao invés de deixar que eles controlem as suas ações, encontre e converse com pessoas que já os superaram. Não se contente sem experimentar 000002% do que o mundo tem para oferecer porque você tem medo de viajar de avião.

17. Adquira o hábito de organizar as coisas e desapegar. Só porque funcionaram em algum momento não significa que você deve mantê-las para sempre – sejam essas ‘coisas’ o seu par de calças favorito ou o seu ex.

18. Pare de se odiar.

19. Saia e assista àquele filme, leia aquele livro ou ouça aquela banda que você já mentiu sobre ter assistido, lido, ouvido.

20. Tire vantagem do plano de saúde enquanto você ainda é saudável.
(use  o seu plano de saúde por mais 10 pessoas que não usam – mas use!)

21. Crie o hábito de falar às pessoas como você se sente, seja escrevendo um e-mail de fã para alguém cujo trabalho você ame ou falando ao seu chefe por que você merece um aumento.

22. Namore alguém que diga “Eu te amo” primeiro.

23. Deixe o país com a desculpa de “se encontrar”. Isso não funcionará. Lugares não mudam pessoas. Invés disso, beba bastante sozinho, leia vários livros, faça sexo em albergues sujos e volte para casa quando a saudade bater.

24. Revolucione e compre um Macbook Pro.

25. Largue aquele emprego que te deixa infeliz, termine relacionamentos que te façam agir como um lunático, abandone os amigos que ininterruptamente te dão vontade de vomitar. Você é novo, resiliente, há outros trabalhos, relacionamentos e amigos se você estiver aberto a eles.
(comece limpando o armário, termine limpando o restante. <3) 

.

Comentários via Facebook

9 comentários

  1. Anna

    Oi Fernanda! Te acompanho há anos naquele esquema fantasma sabe-Deus-por-que-nunca-comentei-aqui-antes que a gente sempre acha curioso quando as pessoas confessam o hábito nas nossas caixas de comentários mas fazemos isso a torto e a direito, mas o negócio é que hoje eu quis comentar porque eu absolutamente adorei sua reflexão. Mesmo. Eu peguei uma birra sem igual dessa geração-lista, que por acaso é a que eu calhei de nascer, e quando leio a palavra meta já entro em parafuso existencial.
    Adoro essa listinha do Thought Catalog que você escolheu – aliás, o site todo é cheio de listas bacanas – e é uma das poucas que eu acho mais inspiradora do que angustiante, talvez porque nos incentive a levar a vida menos a sério e parar de sermos tão duros com nós mesmos.
    Enfim, esse comentário não fez muito sentido pra quem passou tanto tempo lendo calada e só agora resolveu abrir o bico, mas o principal é que eu gostei muito do texto, gosto quando você escreve sobre comportamento e te desejo um feliz aniversário adiantado.
    Beijo!

    Responder
  2. fefa

    me identifiquei com o texto, fe.
    também faço 25 esse ano!
    pode ser que eu não consiga cumprir toda essa lista, mas com certeza me fez pensar e repensar em muitas coisas.

    feliz 25 para nós! ;*

    Responder
  3. Chell

    Ok, hora de ficar bodeada porque logo faço 26 =O

    Responder
  4. Pearl

    Oi Fê!

    Você se expressou exatamente como eu me sinto com os meus recém completos 28. Aliás, falei sobre isso no meu blog essa semana! Sempre esqueço a minha idade, mas por um lado isso é bom para aproveitar cada vez mais! Sábios conselhos!

    Beijos

    Responder
  5. Anie Talasca

    EU TAVA PRECISANDO LER ISSO AI! VALEEEEEEU FÊ!

    Responder
  6. Douglas Holanda

    Eu vou fazer 19 semana que vem, ta certo que faltam 6 anos pra ter 25 anos e talvez seja precoce ter crises existenciais do gênero… Mas desde quando é cedo demais pra parar de perder tempo com fragmentos de imaturidade correto? Graças à essa lista brilhante estou num sábado decidido a melhorar minha “passividade”, quem disse que toda vez eu preciso esperar que o garoto chegue em mim na balada? Ainda preciso escolher uma faculdade, e definitivamente aprender a dizer não para a Zara, ter 18 anos e estar com o o cartão estourado feat. nome não é exatamente o que alguém espera assim tão cedo. Também preciso parar de odiar a assimetria do meu rosto e a beleza que até então não consigo enxergar 24horas por dia. E por fim, quero me desapegar e ser honesto com os amigos que definitivamente não me identifico mais, procurarei um novo emprego que não me cobre metas e instantaneamente acabo de adquirir o hábito de dizer as pessoas como me sinto. Obrigado, obrigado e obrigado sua linda/fashionistatupiniquim. <3

    Responder
  7. Nicas

    Algumas semanas antes de chegar aos 25 (agora no começo do mês), dei de cara com várias listas dessas e fiquei absolutamente deprimida. Não devo ter dado conta nem da metade, realmente fiquei mal. Demorou um tempo pra ver que essas listas não contam únicas da vida da gente, qualquer coisas que fuja do padrão (um estágio num banco legal, uma viagem pra China, u responsabilidade por um gato siamês que completa 19 anos em novembro). Mesmo assim dói um pouco, me lembra que, mesmo tendo realizado muitas coisas inesperadas, a idéia que eu tinha aos 15 do que me esperava dali 10 anos, não tem nada a ver com o que tenho hoje.

    Responder
  8. - Links da semana |

Deixe seu comentário