Literatura erótica além de “50 Tons de Cinza”

sex

Perto do Natal entrei numa livraria e não dava jeito: eram milhares de mulheres carregando, orgulhosas, suas caixas com a trilogia “50 Tons de Cinza”. Algumas compravam pra presente, outras estavam se presenteando e muitas outras estavam com um olho no peixe e outro no gato, já que milhares de outros livros do gênero brotaram nas prateleiras prometendo mais do mesmo.

foto de Natalie Dybisz

Apesar de me divertir bastante com o hype e de ter devorado o primeiro livro da série, confesso que já não agüento mais a escrita de E.L. James e, mesmo querendo saber o final da história, empaquei nos “Mais Escuros”. Estou insistindo na trama, mas não tem como não ficar ansiosa pelo momento em que o texto vá evoluir – e isso nunca acontece. Aliás, a probabilidade do filme ser melhor que os livros é bem alta nesse caso.

“50 Tons” é entretenimento puro, é claro, mas dá pra ter entretenimento com muito mais qualidade, obviamente. Por isso resolvi puxar da memória outros livros do gênero que já li e recomendo muito mais que esse erotismo fast-food. 

– “A Casa dos Budas Ditosos”, João Ubaldo Ribeiro

Uma senhora de 68 anos grava uma fita narrando suas aventuras sexuais desde a infância. O relato é libertário, cômico e excitante, mas misterioso. O autor diz que recebeu uma gravação real e apenas transcreveu. Acreditando nisso ou não, o livro merece ser lido e chegou a virar monólogo com Fernanda Torres em cena.

– “Cem Escovadas Antes de Ir Pra Cama”,  Melissa Panarello

O livro é um relato autobiográfico de uma jovem italiana que resolve descobrir o sexo entre os 15 e 16 anos. Ela mergulha de cabeça em sua busca, descobre o amor, se rende ao prazer e também ao sofrimento. O livro ficou famoso em meados dos anos 2000 e acabou ganhando uma adaptação catastrófica para o cinema, com o nome de  “Cem Escovadas Antes de Dormir”.

– “A Entrega: Memórias Eróticas” – Tony Bentley

Mais um autobiográfico, “A Entrega” é um relato despudorado da descoberta do prazer na submissão. Realista e rico em detalhes, o livro vai agradar a quem ficou com vontade de libertar de verdade a “Anastacia Steele interior”: sem contrato, sem quarto vermelho da dor, só quatro paredes e duas pessoas interessadas. Não concordo com a visão da protagonista e autora sobre muitos assuntos, mas ao longo de sua jornada ela faz afirmações muito pertinentes sobre o universo feminino. Comentei de leve sobre esse livro num texto bem antigo, aqui.

– “Memórias de Minhas Putas Tristes”, Gabriel García Marquez

Um jornalista de 90 anos resolve se dar de presente de aniversário uma noite de amor com uma virgem, que se vende para ajudar nas finanças da família. Ao entrar no quarto ele descobre a garota adormecida e se apaixona. Como dá para imaginar, o livro não é erótico pura e simplesmente, mas sim poesia pura e uma série de reflexões sobre o amor e sobre o sexo de alguém que já se sente no fim de sua vida.

– “Lolita”, Vladimir Nabokov

Cumprindo a cota dos clássicos, este não é apenas literatura erótica, mas sim o relato de uma obssessão e o mais “pesado” desta lista. A história já famosa ganhou duas adaptações para o cinema, uma de Stanley Kubrick em 1962, e outra de Adrian Lyne em 1997. As adaptações são bem diferentes, simplificam bastante a trama e, se você curtiu algum dos filmes, vale a pena ler o original para decidir de que lado você fica.

ps: ainda preciso e quero ler muitos clássicos, como os do Marquês de Sade e “A História de O”, por exemplo. Por isso, essa lista não é nem pretende ser um GUIA, ok? Mas você aí pode deixar sua dica nos comentários! ;)

.

Comentários via Facebook

18 comentários

  1. Tati Lopatiuk

    Não li 50 Tons ainda por pura preguiça do hype… Desses que citou, só não li “A Entrega”, mas li e adorei todos os outros. Literatura boa de verdade, independente de ser ~safadinha~ ou não. :)

    Responder
  2. Fernando

    Tem também “fogo nas entranhas” do Almodovar! :)

    Responder
    1. Fernanda Pineda

      Fernando on 04/01/2013 at 10:41 am said:

      Tem também “fogo nas entranhas” do Almodovar! :)

      Opa, Dica anotada! Coloquei aqui só os que eu realmente já li! ;)

      Responder
  3. Michelli

    Li 100 escovadas, não curti muito, a menina é piração demaiiiiss rs

    Responder
    1. Fernanda Pineda

      Michelli on 04/01/2013 at 10:43 am said:

      Li 100 escovadas, não curti muito, a menina é piração demaiiiiss rs

      hahahah eu achei ótimo, foi forte pra mim na época. Eu tinha 16 anos também. rs

      Responder
  4. thiago

    bota aí nessa lista qq um do henry miller… pode ser o Sexus, pode ser tb o Trópico de câncer.

    Responder
  5. Camila

    “A Venus das Peles” também, ein

    Responder
  6. Caio Mandolesi

    Boa lembrança de garcia marquez. Também fiz uma listinha, com algumas coisas em comum.

    http://caioccino.wordpress.com/2012/12/02/50-tons-de-literatura-sacana-decente/

    Responder
  7. Marilia Andreo

    Eu comecei a ler “A História de O” quando era bem mais nova, mas acho que me faltava estrutura e a clareza mental que tenho hoje e nem terminei, tanto que nem sabia que tinha esse lado erótico. Eu era nova, me chocava com tudo, ia no Teatro Oficina com a minha mãe e ficava desconcertadíssima com as pessas do Zé Celso, achava indigno tanta gente pelada, haha, achei até Macunaíma e as inúmeras citações de “brincadeiras” entre os personagens um horror. A gente é besta, né? Mas 50 tons de cinza não li, nem quero ler, e admiro sua honestidade sobre a trama, acho que muita gente comprou só pra tirar foto e postar no Facebook/Instagram e nem leu, viu?

    Ah, lembrei que li um erótico, “Onze minutos (ou segundos)” do Paulo Coelho, mas achei chato, a primeira frase é bem escrita, mas na segunda ele acaba com toda a graça da primeira e fica um saco, nem recomendo.

    Responder
  8. Bruno Portella

    Tem o mais recente Pornopopeia do Reynaldo Morais que também é ótimo. Embora o foco não seja exatamente a coisa erótica, tem muito do assunto e vale por todo o resto também.

    Responder
  9. Vanessa

    Eu também não consegui acabar a trilogia,devo ter ido até a pag.50 (irônico) do terceiro livro.
    Não gostei nem do primeiro,a escrita é ruim,os personagens são fracos.A Anna é uma sonsa e o Grey um psicopata.Achava que o segundo seria melhor,porém é pior,nada acontece e quando acontece termina de forma tão chata e ridícula.

    Responder
  10. Aline Winter

    Nunca li nenhum livro com a temática, tentei ler 50 tons pra tentar entender essa obsessão toda mas achei muito ruim. Sobre a temática, somente li fanfics. Sou bem chata quando vou ler alguma história porque eu prezo por uma escrita impecável, mas as fanfics que eu cheguei a ler eram muito bem escritas. Muito melhor que o autor de 50 tons – e eu sempre me esqueço do nome desse indivíduo.

    Responder
  11. Tany

    Eu adoro literatura erótica, e anotei todas as suas dicas. Lolita e Memórias de Minhas Putas Tristes já estavam na lista, mas o resto eu não conhecia.
    Te recomendo muito ler Anais Nin, principalmente os diários, são maravilhosos!

    Responder
  12. Ana

    Tirando todos esses já citados… vale citar Guido Crepax e Milo Manara com os quadrinhos. Acho genial.

    Responder
    1. Fernanda Pineda

      Ana on 07/02/2013 at 10:05 pm said:

      Tirando todos esses já citados… vale citar Guido Crepax e Milo Manara com os quadrinhos. Acho genial.

      Verdade, Ana! Os quadrinhos são ótimos mesmo!

      Responder
  13. Talita

    você esqueceram da trilogia erotica da bela adormecida de Anne Rice, otimo para curte algo mais sado masoquista. a leitura é contagiante!!

    Responder
  14. Carol

    Pra quem lê em inglês tem os livros da Megan Hart. Os livros dela são bem picantes e tem enredos que fogem do clichê de garota inexperiente e submissa e homem poderoso e dominador. Um deles, Broken, conta a história de uma mulher cujo marido é tetraplégico e tem como única distração ouvir as aventuras de um homem com quem ela fez amizade durante a hora do almoço do trabalho dela.

    Responder

Deixe seu comentário