O que aprendemos com Kristen Stewart

qui

Depois do sucesso deste texto e dos comentários enlouquecidos na fanpage do blog (curte lá!), achei que o assunto merecia post. Ah, este não é um texto sobre a Kristen.


.

Não se fala de outra coisa: Kristen Stewart traiu Robert Pattinson dando uns beijos em outro cara. O outro cara, diretor do filme da Branca de Neve, é casado, tem filhos e traiu também. “Um momento de fraqueza”, afirmaram as fontes; “desculpas”, pediram os envolvidos. E aparentemente enquanto a esposa do cineasta sofreu publicamente com a notícia, Robert está pensando no caso. Mas essa não é a questão.

O que vem ao caso é que traição é um tema tão complicado. Tão complicado. A própria definição de traição já traz dúvidas e levanta discussões ardentes. Só beijo é traição? Só beijo com sexo é que é traição? E se o sexo for com um(a) profissional do sexo, tem problema? E se foi uma ficada com um estranho numa festa? Nesse caso é bobagem da grossa e vale a pena perdoar ou vai ser difícil aceitar que o parceiro te traiu num momento tão banal e que por isso qualquer outra tentação constante pode ser fatal? Consigo imaginar noites inteiras com o tema rolando em mesa de bar.

Já diria o poeta que a gente não manda no coração, mas e a carne, fraca que é, onde fica? Tenho até um “aponta estudo” para incluir aqui: 65% das mulheres e 80% dos homens afirmam que trairiam se tivessem certeza que não seriam descobertos, tudo para voltar para a casa e para o velho cobertor de orelha numa boa depois.

Em “Closer”, filme adaptado de uma peça sobre relacionamentos que não vão para a frente porque, pasme!, as pessoas falam a verdade, a personagem Alice (Natalie Portman) sabiamente declara que sempre existe um momento decisivo: “sempre existe um momento em que você pode ceder ou resistir. Aposto que você também teve um”, diz ela ao namorado Dan (Jude Law) ao descobrir que ele está apaixonado por outra.

Pode ser que este momento aconteça ao imaginar como seria a pulada de cerca antes de ir dormir, pode ser que você desista do encontro com o (a) amante já no meio do caminho e pode ser que você reflita só quando já estiver na situação de perigo que inconscientemente tanto procurou: a dois dedos de distância de beijar uma nova boca. Mas o momento existe, ninguém pode negar.

A teoria da personagem é tão válida que não há como não questionar como alguém pode se entregar e simplesmente não pensar no outro e no estrago que está causando ao se enroscar e gemer com outra pessoa. Podem dizer que às vezes é preciso trair para perceber o que se estava fazendo de errado e consertar, ou que a traição é um sinal para terminar, mas e nas relações que eram saudáveis? Alguém que vivia numa boa conseguirá passar a se relacionar com um círculo de desconfiança ao seu redor? Será que precisamos rever o conceito de “fidelidade”?

Ninguém pode julgar ninguém (e eu tava bem brincando no Twitter falando bobagem), mas nunca vi perdão bem perdoado de traição. Nunca. Só fico sabendo de longe e tenho mais esperança na humanidade quando ouço história de quem salvou o casamento e superou. São heróis da resistência, gente de espírito evoluído: “não vou acabar com meu casamento por causa de uma pessoa qualquer”. Parabéns!, porque a carne é fraca. Fraca para trair e sem força o suficiente para perdoar.

(Mas, ó, cá entre nós. Se você pulou o meio do texto e caiu aqui no final, preste atenção no que realmente aprendemos: chifre é acessório democrático. Serve em todo mundo e sempre dá merda)

.

 

Comentários via Facebook

13 comentários

  1. Fabio Allves

    Posso ser chamado de careta, mas pra mim traição é imperdoável, afinal se não está mais com a pessoa o melhor é terminar. Uso esse princípio em todas minhas relações, acho uma questão de honestidade e confiança com o próximo.

    Concordo com a Fe no choque que tivemos pelo casal representar algo adolescente “mágico” e quase perfeito na minha cabeça pelo menos, é legal acontecer esse tipo de coisa pra sabermos que não existe mundo perfeito, que mudamos de opinião e mudamos de gosto como todos os seres no mundo.

    Afinal traição é um tabu sim! Devemos discutir sempre e aprender com os erros alheios.

    Bju Fê

    Responder
  2. Viviz

    Concordo muito com a personagem Alice do tal momento decisivo. Acho que ceder a tudo (e todos) que aparece de interessante é não pensar nas consequências, principalmente quando se tem uma outra pessoa na sua história. É muito fácil ser egoísta e só pensar em si. Pensar no outro (se vc tem outra pessoa) e praticar a empatia (se colocar no lugar do outro) pode ser difícil, mas é o primeiro passo para não magoar e perder o que se conquistou.
    Eu sou a favor da sinceridade ANTES do acontecido, falar que ta afim, o porque e aí ver o que a relação tem de errado. Desculpe, mas não consigo praticar o poliamor.

    Responder
    1. Fernanda Pineda

      Viviz on 26/07/2012 at 11:51 am said:

      Concordo muito com a personagem Alice do tal momento decisivo. Acho que ceder a tudo (e todos) que aparece de interessante é não pensar nas consequências, principalmente quando se tem uma outra pessoa na sua história. É muito fácil ser egoísta e só pensar em si. Pensar no outro (se vc tem outra pessoa) e praticar a empatia (se colocar no lugar do outro) pode ser difícil, mas é o primeiro passo para não magoar e perder o que se conquistou.
      Eu sou a favor da sinceridade ANTES do acontecido, falar que ta afim, o porque e aí ver o que a relação tem de errado. Desculpe, mas não consigo praticar o poliamor.

      Também, não, Viviz. E olha, realmente acho que é coisa para gente de espírito evoluído. Não é coisa de bacanal/safadeza/pouca vergonha, é coisa para quem está desapegado dos materialismos, não liga para o que os outros pensam e tem generosidade (no sentido mais amplo) não só consigo mesmo. Acho extremamente difícil, mesmo que na modalidade easy (vide casas de swing).

      Responder
  3. Samara Anjos

    Oi Fe, concordo com o que o Fábio disse, pode me chamar de careta, mas traição é imperdoável, acredito que se você esta com uma pessoa e ama ela você nao precisa de uma outra pessoa qualquer pra nada. A partir do momento que assumimos um relacionamento, abrimos mão de outras pessoas pelo simples fato de querermos aquela pessoa escolhida, vontade pode surgir afinal ninguém é de ferro, mas é ai que vale pensar no Respeito e no que vale a pena.
    Acho que se a pessoa esta disposta a trair é Pq o relacionamento nao é tão importante.

    E mesmo se houver perdão a confiança vai ter sido quebrada.

    Enfim sou contra traição e odeio tal atitude.

    Beijos

    Responder
  4. Ka Lopes

    Traição, para mim, é sinônimo de egoísmo e covardia. Pensar somente na própria carne fraca sem ao menos cogitar se a carne da pessoa traída é forte o suficiente para aguentar a traição. Não se pode brincar com o sentimento dos outros, isso é cruel, imperdoável. Concordo plenamente com o Fábio!

    Beijos, Fer =)

    Responder
  5. Bruna

    Concordo com quem disse que não perdoaria. Realmente, não posso julgar mas não consigo deixar de ter uma opinião sobre. Depois de ver as novas fotos, eles viram os fotógrafos, meio que riram, ao que parece ela sabia que vazaria, saiu fotos deles em jantar meses antes com o pessoal do filme, mas meio que flertando, disse em entrevista de um mês antes que estava entendiada e que logo algo mudaria, algo desse tipo que disse. E o comunicado então? Talvez seja egoísta, ou não, por ver apenas o lado do Robert e da esposa do diretor, mas não consigo entender. Não quer mais, ou quer algo diferente, por que não termina? O outro que pague pela sua diversão, depois pede desculpas?

    Responder
  6. Paula

    Ótimo post!!! Poderia assinar embaixo.
    Não existe isso de fazer sem pensar. A pessoa decide fazer e ponto. Se arrepender depois é outra história.
    Beijinhos,
    Paula

    Responder
  7. Venâncio Filho

    O que é ou não é traição tem que ser acertado por cada casal. Simples assim. Um relacionamento é, de certa forma, um contrato. Um acordo. O casal estando acertado nisso, pronto. Trair começa quando você trai o que sente, e depois trai o que tinha concordado com o outro.

    Responder
    1. Fernanda Pineda

      Venâncio Filho on 26/07/2012 at 6:27 pm said:

      O que é ou não é traição tem que ser acertado por cada casal. Simples assim. Um relacionamento é, de certa forma, um contrato. Um acordo. O casal estando acertado nisso, pronto. Trair começa quando você trai o que sente, e depois trai o que tinha concordado com o outro.

      Disse tudo: “Trair começa quando você trai o que sente, e depois trai o que tinha concordado com o outro”.

      Traição já começa no pensamento, muitas vezes.

      Responder
  8. vanessa del caro

    Como todos sabem traição é um assunto delicado,mas acho que cada um deve ponderar a situação e decidir o que é melhor pra si.
    Pessoalmente eu acho que se alguém com namoro de 2 meses é traído não vale o perdão,mas um casamento de 20 anos é outra historia.Também penso que se foi algo esporádico o perdão é mais fácil,mas casos longos,ter uma amante fixa é imperdoável .

    Responder
  9. Re Vitrola

    Fe, eu concordo totalmente sobre esse momento “decisivo”, a linha entre o “se joga” e o “cai fora”. Já estive dos dois lados, obviamente que na minha vez ( de colocar os então chifres) eu era uma babaca adolescente, e futuramente, enfiada no medonho chapéu, quando já era casada. A traição é algo que mexe com tudo que você acredita, e faz uma nova visão de coisas que você sequer sabia que existia ou acreditava. Eu sou radical, do tipo que me faz mudar a visão das futuras pessoas com quem me relacionarei. No maior estilo “com os relacionamentos anteriores aprendi…”. Hoje em dia, mesmo tendo já passado pela experiência, ainda fico no grupo “talvez perdoaria”. Mas, certeza mesmo é que o termo perdoar carrega N coisas, que de tão grande, rende até assunto para um outro post como esse… rs
    Beijos!

    Responder
  10. Fernando Faro

    Traição é coisa de macho. As mulheres embora também traiam, tem muito mais dificuldades. O Homem consegue ter uma ideia muto clara do que seja amor e sexo. Traimos na maioria das vezes simplesmente por sexo. Sem nenhum envolvimento emocional e afetivo. Então a definição de traição é muito ampla. Mas na minha opinião, essa istoria de traição é como disse Jesus para Maria Madalena ” QUEM NUNCA TRAIU QUE ATIRE A PRIMEIRA PEDRA” . Somos um animal traidor. É da nossa natureza. E, por mais paradoxal que possa parecer, as vezes precisamos de uma traição, para que nosso casamento possa sobreviver.

    Responder
  11. Tui

    Nossa, que texto bom! Eu consegui perdoar de coração uma traição sem nunca jogar na cara dele o que tinha feito nem pensar em vingança. Mas é complicado, não sei se suportaria de novo.

    Responder

Deixe seu comentário