“Amizade Colorida”: sexo na sessão da tarde

ter

Kunis e Timberlake em “Amizade Colorida”

“Amizade Colorida” é um daqueles filmes que capricha muito mais no lançamento do que na produção em si, especialmente pelo casal de atores protagonistas escolhidos a dedo pra causar bastante fora da tela. Acho que esse fenômeno pode ser lembrado pelo lançamento + buchicho de romance que empacotou muito bem a ação sensual de “Sr. e Sra. Smith”.

Para lançar “Friends With Benefits”, toda a estratégia de divulgação do filme foi focada em explicar como Mila Kunis e Justin Timberlake se sentiram rodando as cenas de sexo, se pintou um clima, se ficaram tímidos – e nada mais.

Como a imprensa também adora um climinha por trás das câmeras, os boatos de que os dois estariam juntos ajudaram a apimentar as notícias – uma mão pesada talvez desnecessária, já que comédias românticas sempre tem lugar no coração de mocinhas machucadas, por mais previsíveis que sejam (essa em especial).

Em todo caso, se não fosse um ou outro take mais ousado nos corpinhos, diria que o filme é 100% sessão da tarde. O longa basicamente gira em torno dos personagens de Timberlake (Dylan) e Kunis (Jamie) e pouco fala sobre a vida extra dos dois. Tudo se resume ao casinho de sexo sem compromisso, como se nenhum tivesse uma vida interessante o suficiente para ser mostrada além disso.

Para não dizer que o filme ignora sumariamente o mundo fora das quatro paredes dos amigos que transam, as famílias desestruturadas de ambos vêm à tona para explicar porque eles se dão tão mal nos relacionamentos, o que também justifica de uma certa forma porque eles se “merecem”. Enquanto Jamie tem uma mãe mente aberta e meio maluca, o pai de Dylan é abandonado pela mulher por ainda gostar de outra e o trauma acaba fazendo com que ele desenvolva Alzheimer.

os “desestruturados” sempre tem que se merecer? hm.

A dupla de protagonistas se conhece quando Jamie, uma headhunter muito inverossímil, recebe a tarefa de encontrar um novo diretor de arte para a revista GQ, que ganhou uma bela publicidade (paga?) pro finzinho desse ano com o filme. Dylan é o candidato perfeito e acaba topando se mudar de Los Angeles para Nova York pelo emprego. É na redação, enfim, que suge o personagem mais sensato do longa: o editor de esportes gay que insiste em tentar tirar o protagonista do armário, mas tem as falas mais interessantes e sábias de todo o roteiro.

A questão é que “Amizade Colorida” insiste em lições velhas sobre relacionamentos, além de ter divulgado muito e chegado atrasado: várias outras comédias românticas sobre “sexo sem compromisso” são melhores; caso de “Amor à Distância”, mais divertido, e “Amor e Outras Drogas”, mais elaborado e, ouso dizer, profundo.

É sessão da tarde, tem muito diálogo e pouca história, mas tem também uma cena impagável dos dois tentando jurar que vão transar sem se apaixonar em cima da bíblia no iPad.

Se eu não fosse fã do Timberlake, fato que me fez correr para ver, diria que é um bom filme para esperar passar na TV e assistir numa tarde à toa. Caso você não seja, já sabe!

.

Comentários via Facebook

7 comentários

  1. Anne

    Assisti o filme nesse fim de semana e concordei com absolutamente com tudo que escreveu! Confesso também ser fã do Justin Timberlake… Eis o motivo do meu interesse para ver “Amizade Colorida”.
    Todo (e tanto!) falatório sobre o filme acaba me fazendo criar grandes expectativas e aí é mais fácil se frustrar…

    Responder
  2. Rafael Venturelli

    Mila Kunis não tem bunda

    Responder
  3. Ani

    Mila Kunis não tem bunda, nem peito, nem coxa, enfim! hahaha Mas é MUITO linda de rosto. Fato.
    Eu só não sei se o pai do Dylan DESENVOLVEU Alzheimer pelo “trauma”. Sou apenas uma estudante de Psicologia, mas não sei se isso é possível. Pq a doença tem uma grande influência genética (80%, mais ou menos), claro que tbm não se pode descartar os “fatores externos” mas esses, que eu saiba, são tbm fatores físicos (infecção/derrame).

    Muito boa crítica! Também esperarva mais por toda a divulgação que fizeram.

    Responder
  4. Fernanda

    Ani on 11/10/2011 at 11:36 am said:

    Mila Kunis não tem bunda, nem peito, nem coxa, enfim! hahaha Mas é MUITO linda de rosto. Fato.
    Eu só não sei se o pai do Dylan DESENVOLVEU Alzheimer pelo “trauma”. Sou apenas uma estudante de Psicologia, mas não sei se isso é possível. Pq a doença tem uma grande influência genética (80%, mais ou menos), claro que tbm não se pode descartar os “fatores externos” mas esses, que eu saiba, são tbm fatores físicos (infecção/derrame).

    Muito boa crítica! Também esperarva mais por toda a divulgação que fizeram.

    então, sei disso também, mas é a “explicação” que o próprio senhorzinho dá no filme! Pelo que já li sobre a doença, sei que fatores cotidianos da vida da pessoa ajudam sim a desenvolver ou não a doença – é aquela história de se a pessoa foi mais ativa ou não, enfim. É claro que pessoas saudáveis emocionalmente e fisicamente também podem ter a doença, mas tem menos chances. Aparentemente é meio roleta russa, né? :/

    Responder
  5. Caroline®

    O filme é bem esquecível mesmo, tanto que nem me dei ao trabalho de ir ao cinema. Baixei e vi em casa. E parece que descobriram que os românticos também mandam ver no sexo, né? Antes era só aquela coisinha fofa, mommy and daddy… Agora, nego vai fundo na real da coisa!

    Responder
  6. Vy

    Ah, eu gostei! Mas eu sou aloka da comédia romantica e esse ano tem um monte (e td vez q rola o trailr a lista cresce)! Esperei muito pra ver esse, talvez por causa dos protagonistas, mas não me interessei pelo “Sexo sem compromisso” (ou o q qr q seja o nome do filme com o ashton kutcher de mesma temática), vai entender…

    De fato “Sexo e outras drogas”é bem mais ousado, até nas cenas… Foi oq comentei com minhas amgas qd saimos do cine! Mas Sexo se vendeu muito tb como “a história do viagra”, com uma historinha fofa de pano de fundo (ou foi o contrario?) enqt Amizade (péssimo nome, btw) é só um filme bobo msm, feito pra gte sonhar no cinema e dps se perguntar “cade o meu JT, vida desgraçada???” huahua!

    Responder
  7. Fabiana Miyoshi

    Então, baixei esse filme porque vi tanto dele nos blogs que fiquei curiosa, e também porque precisava de uma boa dose de água com açúcar e uma pitada de risada pra esse feriado.
    Sessão da tarde? Com certeza! Só que a gente curte um conto de fadas, atores/cantores bonitinhos e toda essa cena clichê :)

    BTW, happy bday @loverox ^___^ hihihi

    Responder

Deixe seu comentário