Não seja seu maior inimigo

seg

pare de jogar WAR mental.

Entre todas as batalhas internas que o homem pode ter de superar, creio que se aceitar e se impor estão entre as mais árduas, se não forem as campeãs de dificuldade. Enfrento esta há uns bons anos e me surpreendo ao ver que alguns conseguem fazê-lo de forma absolutamente natural, enquanto outros fazem disso um grande piano a ser carregado nas costas – muitas vezes por toda a vida.

Há quem tenha de se aceitar para sair do armário, outros que precisam disso para abandonar aquela graduação tradicional que só agrada à família, e outros, finalmente, precisam admitir e aceitar o fato de que são seus piores inimigos: de que são eles próprios os grandes reponsáveis por planos que não saem do papel, por exemplo.

Planos podem se tornar coisas concretas, mas nem todo sintoma de batalha interna é tão concreto assim. Quem trava uma guerra de trincheiras contra si mesmo costuma ver problemas onde não tem, criar os famosos “pêlos em ovo”.

Quem é inimigo?

Quem é inimigo de si mesmo acaba assumindo indiretas que não são para si, costuma fantasiar que um olhar torto é uma ofensa pessoal e, realmente, não encontra força para dar um passo adiante ou tentar algo diferente porque lá no fundo simplesmente tem medo de fracassar.

Insegurança pode ser o combustível para a maior parte destas situações, mas por que não dizer que o inseguro é seu maior inimigo? Porque ele é.

A insegurança faz a imaginação correr solta, criando sofrimentos antecipados e infundados e gerando ainda mais ansiedade em sujeitos que já são ansiosos  simplesmente por sempre andarem com o “benefício” da dúvida.

Como mudar?

Admitir tal característica, saber que você mesmo se prejudica, dá um respiro maior entre o tempo de um pensamento petulante se tornar raiva ou tristeza. Esses minutinhos são preciosos para refletir e separar o que é sua fantasia de impotência e o que é a rejeição do outro, evitando dores de cabeça desnecessárias.

Ainda busco soluções para exercitar a auto-confiança diariamente, mas ter praticidade adianta bastante. Se cabe a dica, eliminar pequenos momentos de indecisão, pendências e dúvidas ajuda a ter mais confiança em momentos chaves.

Pode parecer bobinho, mas definir a roupa que você vai usar um dia antes resolve aquela meia hora em frente ao guarda-roupa pensando que não tem roupa, ou que você está horrível. Com essa atitude simples, sobra mais tempo para pensar no que realmente importa e começar o dia de forma mais alegre.

Para refletir sobre a questão, vale a pena ver os dois queridinhos do Oscar 2011, “Cisne Negro” e “O Discurso do Rei”, ambos com histórias de quem faz de si mesmo seu maior obstáculo.

.

ps: farei mais posts de comportamento, atendendo a pedidos! A turma que gosta também dos textos sobre relacionamentos/sexo/trabalho/etc., deixe sugestões. :)

Comentários via Facebook

19 comentários

  1. Uaba

    Gostei do post. Há um tempo tive que tomar uma decisão super difícil, que foi deixar Arquitetura numa universidade pública (muito difícil de entrar) e voltar a cursar Letras numa particular. Demorei 3 anos na tortura, me perguntando se era aquilo mesmo. No meu caso, tive total apoio dos meus pais, ainda bem. Porém, ainda tem mutias coisas que deixo de fazer por insegurança ou transformo tudo num problema bem maior do que é.
    Espero mais posts assim. Bjs :D

    Responder
  2. Tati Lopatiuk

    Que texto maravilhoso pra começar bem a semana. :)

    Responder
  3. Vahallam

    Me identifiquei muito…eu fiz uma graduação inteirinha e agora estou fazendo minha tão sonhada Ciência da Computação…muitas vezes é necessário escutar a voz do coração…Não deixar que as opiniões alheias influenciem em nossas aitudes, afinal, é nossa felicidade que está em jogo..
    AMEI SEU POST

    Responder
  4. Thaís Nascimento

    Gostei do post. Há um tempo tive que tomar uma decisão super difícil, que foi deixar Arquitetura numa universidade pública (muito difícil de entrar) [2]

    Nossa, o post foi pra mim >_<
    É tão difícil essa batalha que ainda preciso de terapia, não me sinto pronta pra enfrentar sozinha. Mal espero por outros posts assim, Fê :)

    Responder
  5. Adriana

    Adorei o texto!
    Andei pensando nas mesmas coisas depois de assistir Cisne Negro. Incrível e verdadeiro como podemos ser nosso maior obstáculo.
    É muito mais fácil falar, mas temos que arriscar e lutar pelo que realmente queremos. Se vai valer à pena? Isso a gente deixa pra descobrir depois.
    Eu mesma já fiz de tudo nessa vidinha e só tenho 21. Me formei em audiovisual, já fui telefonista, assistente de fotografia, produtora e até lojinha na internet eu tenho. Descobri que ainda não é isso que eu quero, vou deixando a vida me levar porque um dia, eu sei, tudo vai dar certo.
    Beijos ;)

    Responder
  6. Aline Mello

    Que ótimo texto para começar a semana, disse tudo e vale a reflexão.
    Nosso pior inimigo muitas vezes somos nós mesmos, essa é a realidade.
    mas como é DIFÍCIL passar por isso, por mais que você ache que amanhã estará tudo o-k, por mais que você tente colocar isto na cabeça, dizendo pra si mesma tudo o que você quer ser, no dia-a-dia vem aquela insegurança, a ansiedade vai a mil e tudo vai abaixo.
    Mas sigo na luta, aos poucos, pode ser semana que vem ou daqui a dois anos, mas sei que um dia poderei andar com segurança e ligar só para O MEU pensamento e para MINHA felicidade! deixar tudo pra mim… na primeira pessoa do singular :)
    obrigada pelo texto

    Responder
  7. Lívia Cunha

    amei o texto, realmente a mudança sempre vem de nós mesmos, até que o texto me ajudou a refletir um pouco sobre como começar a minha vida profissional, álias, é um momento difícil, quando há a pressão da família… Tento agora passar cada obstáculo, tentando aprimorar minhas qualidades e consertar meus defeitos… Sabendo entender a mim mesma para que nada de errado aconteça.
    Continue com os seus textos, faça sempre na segunda, eu já comecei bem hj lendo-o, imagina as outras pessoas q tbm leram :)
    bjus Fer

    Responder
  8. Nicole Collino

    Estava precisando ler um texto desse hoje!

    Responder
  9. Marina

    Fernanda, ainda estou esperando o seu post sobre cisne negro, adoro as suas criticas cinematográficas.
    Ps.: Ótimo texto sobre você contra você mesmo.

    Responder
  10. Anne

    Eu amei o seu texto. Quando era adolescente vivi essa fase de não assumir quem realmente eu era, sofria com a baixa autoestima e para “ser aceita” em algum grupinho me anulava demais, não falava as minhas opiniões e gostos e fazia coisas que nada tinham a ver comigo. Sofri bastante e fui aprendendo com o tempo. Ainda preciso melhorar bastante, mas hoje sou uma pessoa bem melhor e percebo quanto sofrimento poderia ter evitado com atitudes tão simples como você mesma citou!

    Responder
  11. thays

    AMEI o post!! super me identifiquei.. venho em seu blog todos os dias, mas nunca comentei… hj nao pude deixar de faze-lo… PERFEITO o texto.. ajuda muito!!
    Vou até levar p a minha terapeuta, p ela saber com eu me sinto Mts vezes…
    Sucesso p vc!

    Responder
  12. JOyce Aparecida

    E exatamente assim que eu me sinto hoje, as vezes as pessoas não estão nem ai p o que vc faz e vc fica naquela neura que se olham é p vc, se riem é de vc e etc.
    Percebi que é normal se sentir assim né? O dificil é conseguir passar por cima de toda essa insegurança e ansiedade.
    Enfim ótimo post, acertou em cheio.. vou aproveitar e ver os filmes que vc sugeriu!

    Responder
  13. Murielly

    Eu acompanho seu blog faz um tempo já, mas nunca tinha comentado.
    Mas diante desse texto é impossível não comentar.
    Eu realmente precisava ler esse texto hoje, não tenho certeza de mais nada na minha vida e isso me dá medo.
    E o texto despertou uma vontade de mudar e de agir que estavam faltando em mim.
    Então, obrigada por ter escrito isso hoje.

    Responder
  14. Andie

    Adorei o post! Ótimo texto como sempre, Loverox!
    Continue sim escrevendo sobre comportamente, pois vc leva muito jeito!

    Responder
  15. PaulaQ

    Amei o post!
    Faz refletir, e mesmo, passei o dia pensando em como adotar outra postura, porque War mental é um dos meus péssimos passatempos atuais.
    Além de auto estima as vezes resolver sair correndo de mim -.-

    E continua com os posts sim, adoro suas reflexões!

    Responder
  16. Bia Saltarelli

    Fê,
    AMEI o post! Ando justamente pensando nisso. Acho que, às vezes, o medo de fracassar, acaba nos impedindo, mesmo que inconscientemente de tentar! :(

    Responder
  17. Flávia

    Já é o melhor post do ano ! ^^

    Responder
  18. marielle

    posso falar? tem tudo a ver comigo esse post. obrigada! escreve mais rs =D

    Responder

Deixe seu comentário