“Feios”: quanto vale ser igual a todo mundo?

qua

futurologia e crítica à sociedade com ar moderninho

Imagine que nossa sociedade chegue ao tal colapso tantas vezes já previsto por obras de ficção. Nosso modo de consumo e de produção se esgota, nossas fontes de energia e sua escassez limam as condições básicas de existência e uma nova geração surge, extremamente regrada, com modelos e objetivos de vida bastante rígidos e restritos.  Tudo  isso, é claro, regido por uma instituição invisível.

Isso te lembra alguma coisa? Pois é. A trama básica de “Feios”, de Scott Westerfeld, não é o que se pode chamar de original, mas vem fazendo sucesso justamente por isso. O autor retoma uma concepção de futuro que  já entrou para o inconsciente coletivo com obras como “Admirável Mundo Novo” e “1984”, clássicos lançados respectivamente em 1932 e 1948 que se tornaram essenciais para quem gosta de futurologia.

A obra de Westerfeld traz novamente a ideia de coletividade que remete ao socialismo, mas a apresenta de uma terceira forma, mais contemporânea e embalada com o formato comercial que ajuda a evaporar os livros das prateleiras. Best-seller do “New York Times”, “Feios” é o primeiro de uma trilogia – que tem tudo para virar filme.

Em Vila Feia, cidade em que a história começa, todos os adolescentes passam por uma operação plástica completa ao fazerem 16 anos, de forma que passam de feios a perfeitos em poucos dias. Depois de mudar de vida, os jovens entram na fase adulta e passam a viver em outra cidade, Nova Perfeição, lugar de festa 24 horas por dia.

Cerca de dois meses antes de seu fatídico aniversário, Tally Youngblood conhece Shay, uma garota que parece saber um pouco mais que a maioria e que, curiosamente, não planeja ser transformada pelos médicos. A partir daí, a jovem mergulha num novo universo e passa a questionar a desejada operação que a deixaria bonita e desejável, mas igual a todos os outros.

Quando a personagem é obrigada por oficias da Circunstâncias Especiais a fugir de tudo que conhece para se tornar perfeita,  a história realmente começa e entramos numa jornada difícil e dolorosa de amadurecimento. A fuga de Tally mostra que nem tudo lhe foi ensinado na escola e abre seus olhos para a organização política de sua sociedade. Afinal, se existe uma polícia política e se todos os seus membros são cirurgicamente alterados para serem mais habilidosos  que um cidadão comum, algo não deve ser tão perfeito assim.

A trama engrena rapidamente na segunda parte, mas antes disso demora a capturar o leitor. Apesar do narrador da história ser onisciente, é como se ele também fosse deste outro tempo, de forma que ele não se apressa para explicar como tudo funciona com energia magnética e não se demora muito descrevendo carros voadores – como voam? porque voam? como são as pistas de rodagem no céu? Ainda quero descobrir.

Além da futurologia interessante para quem nunca leu algo do gênero, o livro traz a tese de que a aparência é uma das grandes razões para a desigualdade social.

No universo de “Feios”, o governo garante as necessidades básicas a todos os habitantes. Todos recebem as mesmas casas,  vão às mesmas escolas,  dormem nos mesmos alojamentos durante a preparação para a operação e, finalmente, recebem a mesma boa aparência.

Depois de sofrer uma bela lavagem cerebral por toda a vida, a população acredita que esta é a sociedade perfeita e que, obviamente, não se pode viver sem uma cirurgia que mude desde a estatura até o tamanho dos olhos, pois no passado a estética era determinante para que alguns conseguissem cargos melhores que outros.

Com uma protagonista absolutamente mais enérgica e ativa que Bella de “Crepúsculo” e contornos modernosos para falar de política e de auto-estima, a série “Feios” tem tudo para ser grande e alcançar um público variado.  A trilogia se completa com os livros “Perfeitos” e “Especiais”, sendo que o segundo já está a venda e o terceiro chega às lojas em março.

Por fim, digo que recomendo. Acabo de começar “Perfeitos” e e estou bem curiosa para saber como será a evolução da protagonista, já que o primeiro livro termina em clima de suspense, com a jovem propondo um desafio a si mesma.

.

ps: quem mais leu? Contem suas impressões – só cuidado com spoilers! ;)

Comentários via Facebook

19 comentários

  1. Thais

    Opa! Foi tão boa a resenha que me fez sair do reader para comentar aqui na página do blog! Eu li feios em dezembro e quero muito ler perfeitos! Westerfeld teve muita esperteza de criar uma saga baseada em livros aclamados como os que vc citou e dar uma cara mais adolescente e moderna a história… Teve um post do fake doll q vc mostrou alguns livros adquiridos e se eu n me engano tinha o homem que n amava as mulheres do Stieg Larsson, vc já leu? terá resenha tb?
    bjs

    Responder
  2. Lorena Takaara

    Oi, nossa estou doida para ler esse livro, já está na minha próxima compra ^^
    Lindo seu blog
    kissus
    http://www.garotainvitro.blogspot.com

    Responder
  3. Tati Lopatiuk

    Li este livro o ano passado, achei sensacional. Pena que não tem o restante da trilogia na biblioteca pública (FUÉM), vai demorar um pouco pra eu me animar e comprar a continuação. Mas vale a pena, sem dúvida. Ótima resenha, Fê. Mas faz um tempão que você comprou o livro, né? Lembro dele em um “Imagens da Semana” (aquelas que seguem mesmo o blog)… :)

    Responder
  4. Desirée Lima

    Eu estou lendo admirável mundo novo! Quero muito ler Feios. A resenha ficou ótima!

    Responder
  5. “uma protagonista absolutamente mais enérgica e ativa que Bella de Crepúsculo” >>> QUALQUER pessoa é mais enérgica e ativa que a Bella, rssss

    Eu li Feios e Perfeitos e gostei bastante da série. Tô enchendo o saco pro meu irmão de 16 anos ler também. Acho que pros adolescentes é bárbaro, consegue propor essa reflexão sobre as consequências da busca a qualquer custo por uma aparência perfeita e também as questões ecológicas sem ser chato.

    E na verdade ainda tem um quarto livro, Extras!

    Responder
  6. Gisela

    Eu ameeeeeeeeeeeeeeei esse livro. Ganhei de Natal o Perfeitos e só não comecei a ler ainda pq estou terminando de ler a série The vampire diaries (tb melhor que Twilight)!

    ps. realmente a Bella é mt mosca morta.

    Responder
  7. Fernanda

    Tati Lopatiuk on 09/02/2011 at 8:54 am said:

    Li este livro o ano passado, achei sensacional. Pena que não tem o restante da trilogia na biblioteca pública (FUÉM), vai demorar um pouco pra eu me animar e comprar a continuação. Mas vale a pena, sem dúvida. Ótima resenha, Fê. Mas faz um tempão que você comprou o livro, né? Lembro dele em um “Imagens da Semana” (aquelas que seguem mesmo o blog)… :)

    faz um tempo sim! Comecei a ler no fim de dezembro e a leitura demooorou pra me pegar, tanto que depois li mais de meio livro em poucos dias! rs ;) Agora com a curiosidade no auge, devo devorar “Perfeitos” rapidinho!

    Responder
  8. Fernanda

    Juliana Vargas Ferreira on 09/02/2011 at 10:13 am said:

    “uma protagonista absolutamente mais enérgica e ativa que Bella de Crepúsculo” >>> QUALQUER pessoa é mais enérgica e ativa que a Bella, rssss

    Eu li Feios e Perfeitos e gostei bastante da série. Tô enchendo o saco pro meu irmão de 16 anos ler também. Acho que pros adolescentes é bárbaro, consegue propor essa reflexão sobre as consequências da busca a qualquer custo por uma aparência perfeita e também as questões ecológicas sem ser chato.

    E na verdade ainda tem um quarto livro, Extras!

    Eu vi isso hoje! hahaha Mas acho que são extras mesmo, porque a própria editora continua falando em “trilogia”. Se você souber mais sobre o que é o ‘extras”, me fala! não ficou muito claro.

    Responder
  9. Fernanda

    Gisela on 09/02/2011 at 10:19 am said:

    Eu ameeeeeeeeeeeeeeei esse livro. Ganhei de Natal o Perfeitos e só não comecei a ler ainda pq estou terminando de ler a série The vampire diaries (tb melhor que Twilight)!

    ps. realmente a Bella é mt mosca morta.

    “Vampire Diaries” eu não li e nem animei, meu coração é do Edward! kkk Mas eu sou apaixonada por ficção científica/futurismo e etc! Se essa série mantiver esse ritmo, certamente vou me apaixonar.

    Responder
  10. Liih Coelho

    Aí está, mais um livro que preciso incluir com certa urgência no meu ‘para ler’. Tem três começados na minha cabeceira, mais três que ganhei de Natal dentro do armário e tempo que é bom, nada, né?
    Minha irmã está lendo o segundo livro da série, “Perfeitos” e diz que está gostando, instigando assim, a curiosidade em mim!

    FATO! Qualquer pessoa é mais energética e ativa que a Bella. Fico me perguntando como o cara mais lindo da escola foi se apaixonar justamente por essa coisa sem sal. Um dos livros da minha cabeceira é “A Fúria”, o terceiro da série “Diários do Vampiro” e estou adorando. De fato, a personagem principal, e o tema ‘Vampiros’ é muito mais interessante que Crepúsculo, haha.

    Olha eu fugindo do tema do post no comentário, sorry, hihi.
    Beijos.

    Responder
  11. Janaina

    Comprei Feios ano passado com muitas espectativas pela história e não me decepcionei. O tema e a visão do autor formulando os detalhes conseguiram um ótimo resultado.
    É só começar a leitura pra perceber que o mundo do futuro do livro não está muito longe da nossa realidade. O individualismo da sociedade, a busca pela aparência perfeita e sua necessidade…
    O modo como ele formulou a história trás mais “glamour para o socialismo”, mas ao mesmo tempo alerta sobre costumes que estão sendo perdidos na sociedade atual, tão preocupada em ter tudo e ao mesmo tempo não dar valor ao que tem.
    Estou anciosa para continuar a leitura!
    Bjos, Jana

    Responder
  12. Igor Faria

    “Opa! Foi tão boa a resenha que me fez sair do reader para comentar aqui na página do blog!” +1 :)

    E, uau! Que honra ser o primeiro homem a comentar esse post! hehehe

    Finalmente consegui ler sua resenha, Fê. Me animou demais a ler e, não sei se você já leu/conhece, mas me fez lembrar de um outro que li tem pouco tempo: “Gênesis” (http://skoob.com.br/livro/51388). Acho que você vai gostar. Eu li e me surpreendi com o final. Também levanta essas questões de sociedades perfeitas e unas cositas más. ;)

    “FEIOS” já foi pra lista de #musthave.

    Bessos

    Responder
  13. Taís

    Acabei de acabar de ler “Feios”.
    Tinha visto este seu post e salvei nos favoritos para ler quando acabasse o livro (estava com medo de spoilers).
    Não foi meu livro favorito, mas confesso que achei bastante interessante o modo como o autor tratou de política e desigualdade em um livro do tipo best-seller para adolescentes.
    Realmente me surpreendeu nesse aspecto mas me confundi em algumas partes da narrativa porque não conseguia imaginar todos os cenários e ferramentas desse mundo futurista.
    Já estou curiosa para ler “Perfeitos” e espero que tenha filme da série, para tornar o que eu imaginei (ou tentei) mais concreto.
    Beijos

    Responder
  14. Monica

    Fernanda, você tem perfil no skoob? Seria legal para a gente saber o que vc está lendo. :)

    Responder
  15. Fernanda

    Monica on 18/02/2011 at 4:19 pm said:

    Fernanda, você tem perfil no skoob? Seria legal para a gente saber o que vc está lendo. :)

    puxa, eu tenho, mas confesso que quase não mexo lá! Eu geralmente acabo falando sobre o que estou lendo no Twitter mesmo. rs

    Se eu começar a usar pra valer, aviso aqui! ;)

    Responder
  16. Hieda

    Com certeza esse livro já foi para minha lista de livros para ler e deve passar na frete de vários. Adoro ficção científica/futurismo mas ando meio desatualizada dos lançamentos de livros. Então adorei a dica.
    Bjus

    Responder
  17. Steh

    Oi Fernanda! Que bom ver tanta gente falando bem de Feios, eu comecei a ler e me desanimei… Achei o começo um pouco monótono o primeiro capítulo foi agitado, mas depois que ela conhece a Shay achei cansativo. Mas ler a sua resenha e os comentários me animou para pegar o livro de novo. Adorei o blog!

    Beijos

    Responder
  18. Leka Marcondes

    Li os 4 livros. Feios, Perfeitos e Especiais são muito bons, devorei os 3 em praticamente uma semana cada. Já Extras, na minha opinião, perde um pouco a graça porque foge dos arredores da Tally, mas não deixa de valer a pena. Apesar de ser meio juvenil em alguns pontos, oferece ótimas reflexões sobre a humanidade. Indico para todo mundo!

    Responder

Deixe seu comentário