A Cobertura da Semana Polêmica

ter

@ SPFW Verão 2011

quem pode ver?

Todo São Paulo Fashion Week levanta uma polêmica. Parece que cada edição traz uma lista de motivos diferentes para amar ou odiar o evento. No inverno, as modelos estão magérrimas; no verão, são celebridades de menos para repórteres sedentos demais; em ambas as estações, é o público cada vez maior e cada vez menos democrático, já que não basta entrar na Bienal se nem um convitinho para lounge você tiver na manga.

Dizem os fashionistas que para sentir o evento e respirar moda, basta circular pelos corredores por ali. As modelos, os famosos, os estilosos, os hipsters, as patricinhas e até quem teve de revirar o armário para encontrar algo digno estão ali, formando uma confusão de mensagens que só é decodificada pelos especializados – ou pelos olhinhos apurados da mídia independente que tem roubado o público cativo de muito diplomado.

Talvez esta seja a questão desta edição de inverno: a cobertura. Quem pode olhar? Quem pode falar alguma coisa? E, aliás, quem é mais relevante? A moda em si ficou um pouquinho para depois, com tantas celebridades gringas dando pinta em meio à desorganização das assessorias das grifes.

Li não um, não dois, mas vários textos de pessoas se sentindo de alguma forma atingidas com variedade de veículos que hoje têm acesso ao evento. Já estive lá apenas de bonita, indo ver desfile e voltando para casa, mas estive lá mais ainda para trabalhar. Conheci o evento para valer cobrindo para dois veículos diferentes (e grandes), e senti na pele a desorganização das assessorias, problema que ganha proporção ainda maior se observarmos que o número de credenciados aumenta a cada estação.

Quase todo backstage funciona na base do berro: entra quem fala mais alto, não necessariamente quem “pode” mais. Em alguns honestos casos existe uma fila, mas quem é amigo do “promoter” é fila A em qualquer ocasião, dentro ou fora da sala de desfile. E, o pior, se foi fácil entrar, é bem provável que exista um outro camarim mais disputado e importante para você estar ao mesmo tempo.

Dado este cenário caótico, vi alfinetadas indo de lá pra cá entre blogs de moda e veículos grandes; gente que tem o olho bem treinado pelas revistas que leu versus quem estudou o assunto para poder escrever “seriamente” para estas pessoas. A discussão é ampla, mas se há alguns anos a internet mal tinha voz no evento, hoje são veículos grandes, impressos e online que estão reclamando de blogueiros credenciados como imprensa.

O buraco é tão profundo que estão colocando até extremos no mesmo saco.  É bonito falar de democracia das fontes de informação, mas quem faz desfile de credencial na semana de moda deveria ser colocado em uma posição justa quando comparado à uma pessoa séria, que abriu um site para divulgar seu trabalho, ou mesmo diante de quem tira o sustento do próprio blog, assim como o editor experiente que vive da revista para qual trabalha.

Quando veículos grandes e tradicionais se predispõem a intrigas com gente independente, fica claro que quem erra na hierarquização das diferentes “imprensas” não é a organização do evento, que está absolutamente correta em sua abertura de horizontes; mas sim as assessorias das grifes.

Os assessores tem a obrigação de conhecer  o mínimo dos veículos credenciados para poder escolher quem é interessante para seu cliente e produz conteúdo relevante; só assim é possível elencar razoavelmente a relevância de cada um numa porta de backstage, por exemplo.

Se a confusão atrás das portas já é tradicional, na sala de desfile a crise também se instalou: imprensa agora só com convite, ao contrário das últimas edições, em que qualquer credenciado podia ver o desfile até de pé se quisesse. E essa nova regra, meus caros, é também absolutamente democrática: vai do blog até a revista que não recebeu convites suficientes para sua equipe.

Quer dizer, o São Paulo Fashion Week é cada vez mais para todos respirarem a moda dos corredores, e cada vez menos para todos olharem de perto.

* foto tirada por mim durante o desfile da Ellus na temporada de julho de 2010

.

ps: desta vez não estou por lá, e até por isso quis escrever a respeito diante do que andei lendo. O que espero, de verdade, é que em julho a organização fique esperta e que todos voltem a falar de moda. Aí sim estarei ansiosa para ler.

Comentários via Facebook

6 comentários

  1. Barbara Salgueiro

    Ah que triste saber que é assim, gostaria de um dia poder assistir ao SPFW, já que tive uma pseudo carreira de modelo frustrada…

    Responder
  2. Ju Dacoregio

    Gostei muito do post. Bem informativo.

    Responder
  3. Nossa, Fê, ia escrever tb sobre isso… Hahahaha… Já estive em lounge do SPFW trabalhando e já estive lá de bonita pra ver desfile também. Nem ia entrar nesse detalhe da briga imprensa vs assessoria vs bloggers porque…

    “Os assessores tem a obrigação de conhecer o mínimo dos veículos credenciados para poder escolher quem é interessante para seu cliente e produz conteúdo relevante”

    …mas também tem muito jornalista que acha que aquele conteúdo é relevante para o veículo dele, apesar da assessoria não concordar, né? rs Aí sai essa briga toda!

    O maior problema é que tem uma boa parte da galera que acha que existe um glamour QUE NÃO EXISTE lá. Que ver um desfile vai colocá-lo num patamar diferenciado do resto da humanidade e não vai… Ele não vai ser mais fashionista ou vai conhecer mais de moda pq viu um desfilinho de míseros cinco minutos! E o triste é que muita gente que tem essa visão equivocada tá nesse grupo de “criei um blog para ganhar brindes” e vai se batendo com todo mundo para ter uma credencial para ver um desfile de merda e ficar fazendo auê no twitter… (não vamos citar nomes, mas sei que você pensou em vários!! rs)

    Claro que tem blogueiras muito sérias, blogueiras que vivem disso, tão sérias que começaram cobrindo SPFW porque arrumaram outros trabalhos lá nada glamurosos como amarrar sapato de modelo e aproveitaram para aprender, fazer contatos… Nessa edição temos até esses polls de blogs patrocinados por marcas e achei isso muito bom.

    Duro é que do lado de quem faz a sério, sempre vai ter quem está lá para aparecer, pelo deslumbramento. E isso tanto entre blogueiros quanto entre jornalistas! Haja ego ferido num lugar só!

    Responder
  4. Fernanda

    Juliana Vargas Ferreira on 01/02/2011 at 2:22 pm said:

    Nossa, Fê, ia escrever tb sobre isso… Hahahaha… Já estive em lounge do SPFW trabalhando e já estive lá de bonita pra ver desfile também. Nem ia entrar nesse detalhe da briga imprensa vs assessoria vs bloggers porque…

    “Os assessores tem a obrigação de conhecer o mínimo dos veículos credenciados para poder escolher quem é interessante para seu cliente e produz conteúdo relevante”

    …mas também tem muito jornalista que acha que aquele conteúdo é relevante para o veículo dele, apesar da assessoria não concordar, né? rs Aí sai essa briga toda!

    O maior problema é que tem uma boa parte da galera que acha que existe um glamour QUE NÃO EXISTE lá. Que ver um desfile vai colocá-lo num patamar diferenciado do resto da humanidade e não vai… Ele não vai ser mais fashionista ou vai conhecer mais de moda pq viu um desfilinho de míseros cinco minutos! E o triste é que muita gente que tem essa visão equivocada tá nesse grupo de “criei um blog para ganhar brindes” e vai se batendo com todo mundo para ter uma credencial para ver um desfile de merda e ficar fazendo auê no twitter… (não vamos citar nomes, mas sei que você pensou em vários!! rs)

    Claro que tem blogueiras muito sérias, blogueiras que vivem disso, tão sérias que começaram cobrindo SPFW porque arrumaram outros trabalhos lá nada glamurosos como amarrar sapato de modelo e aproveitaram para aprender, fazer contatos… Nessa edição temos até esses polls de blogs patrocinados por marcas e achei isso muito bom.

    Duro é que do lado de quem faz a sério, sempre vai ter quem está lá para aparecer, pelo deslumbramento. E isso tanto entre blogueiros quanto entre jornalistas! Haja ego ferido num lugar só!

    Realmente, pode dar uma nova briga quando um quer fazer uma pauta e assessor não libera, mas sabe, observar a relevância de cada veículo já mudaria bastante coisa, porque o que vemos hoje é GNT e Globo (quando vai) passando na frente de todo mundo e o resto é resto. Revista é igual blog que é igual site que é igual TV grande e TV pequena. Aí é complicado, né?

    Responder
  5. Anne

    Adorei o seu texto, parabéns! Ele mostra o outro lado do SPFW, pois quem está do lado de fora e não tem a oportunidade de conhecer esse meio nunca imaginará que o evento não é tão glamouroso quanto pintam!

    Responder

Deixe seu comentário