Gisele, o movimento

seg

lançamento - Pantene

mais fotos no flickr

No tal evento da Pantene, tivemos a oportunidade de ver e ouvir Gisele Bündchen por alguns sete minutos, o que obviamente não nos possibilitou perguntar coisa alguma e nos deu a certeza total que ela passa spray de baforada de Afrodite no cabelo, ou qualquer coisa divina do gênero.

Com portuguesinho gringo e uma gíria ou outra “tipo assim”, a loira explicou rapidinho o que eram os lançamentos e falou das novas embalagens da marca feitas com plástico cuja matéria prima é a cana de açúcar – ou ao menos foi isso que entendi, já que estava bastante ocupada fotografando.

Olhando bem pra mulher, vimos que é toda uma energia absurda que não se trata de cabelo, de produção ou de passarela. Talvez Gisele seja atriz por natureza e saiba concentrar sua energia toda no sorriso aberto ou no carão durante os poucos minutos que se mistura conosco, pobres mortais.

Quem sabe ela nem seja assim no dia a dia, quem sabe seja toda uma questão de concentração para dar o melhor de si nos milionários segundos em que aparece e dá o ar de sua graça. Ou, sei lá, ou a mulher é mesmo iluminada, e aí saberemos que não há Pantene – ou qualquer outra coisa – que traga tanta energia para o nosso cabelo e ilumine nosso rostinho.

Quer dizer, quem sabe Gisele, e seu movimento ondulado, sejam a tal beleza real, a tal inner beauty que só quem se ama – e se ama demais – pode ter.

Posso falar? Admirei-a como ser humano. (mas ainda não consigo imaginá-la fazendo o número 2.)

Comentários via Facebook

2 comentários

  1. Ester

    “Olhando bem pra mulher, vimos que é toda uma energia absurda que não se trata de cabelo, de produção ou de passarela. Talvez Gisele seja atriz por natureza e saiba concentrar sua energia toda no sorriso aberto ou no carão durante os poucos minutos que se mistura conosco, pobres mortais.”

    Ri horrores, :D

    Responder
  2. dajna hoyos

    eu também não consigo imaginar uma diva dessas fazendo o número 2. auhauahuahua.

    Responder

Deixe seu comentário