Plus size, no-retouching e essa fábrica de cabides.

sex

Britney sem Photoshop ainda deve mandar melhor que a sua vizinha neurótica

Toda mulher neurótica gosta de pensar que não está tão neurótica. Um bom jeito para isso é enfiar seus dilemas embaixo do tapete passando seu questionamento adiante. Logo, as ciumentas conseguem enfiar minhocas na cabeça das não-tão-ciumentas, as obcecadas com o cabelo fazem brotar frizz até na mais lisa e auto-confiante, e as minhas  favoritas mesmo são as que não estão contentes com o próprio corpo e gostam é de comentar o corpo alheio.

Um dia fala-se sobre a bunda de fulana, no outro sobre silicone feio de ciclana e no dia seguinte sobre um culote, um pneuzinho, um bracinho mais avantajado. Ou seja, coisas nada anormais no mundo dos humanos com formas e tamanhos normais – mas tudo fora do tal padrão estético.

Teoricamente, padrão estético é algo bastante variável, mas todo mundo sabe que as mais cheinhas  não voltam à moda há séculos. Podem dizer que Marilyn Monroe era avantajada, mas ela era um belo 90x60x90, aproximadamente. Avantajado? Sei não. Para mim, ela era gostosa, tinha um corpo saudável e até onde eu saiba isso nunca deixou de ser bonito, ou algum homem aqui não pegaria essa loira? Ahan que não.

Apesar disso, repete-se exaustivamente que esta fase já foi, ao mesmo tempo que o império da magérrima Twiggy parece nunca ter fim. Com apenas 1,67m de altura e um peso pena que eu realmente não faço a menor questão de saber (42kg, para quem faz), esta “pequena” modelo se tornou grande nos anos 1960 justamente por representar o oposto da voluptuosidade de Marilyn.

Desde então, o “padrão” estacionou nas magrinhas, embora os homens e trocentas pesquisas científicas continuem reforçando que na esmagadora maioria dos casos eles gostam mesmo é de um belo quadril cheio (chamada da revista “Nova”, tá?).

Um dos editoriais mais legais de todos os tempos, da “V Magazine”: uma modelo “do padrão” e outra mais “girl next door”. Qual fica melhor?

Os críticos de moda dizem que o final dos anos 1990 foi marcado pela volta das “sexy curves”, tendência comprovada com a ascensão de la Bündchen e devidamente atestada pela Vogue em 1999 quando publicou que Gisele era a grande responsável pela nova tendência.  Só que aonde estas tais “sexy curves” chegam perto das de Marilyn?

Tirando Gisele da parada, manequins 36 e às vezes até 34 são os que desfilam, chegando ao ponto de modelos serem engordadas e terem seus ossos proeminentes apagados em processos de pós-produção. Hoje a moda é de “não-retocar”, e a pergunta é  onde vão esconder os ossos que aparecem até no meio dos peitos siliconados.

Se estas garotas são saudáveis, não é o meu ponto aqui: em qualquer extremo  sempre haverá gente doente. Assim como sempre existirão gordinhas “nascidas”, sempre existirão as “magras de ruim” e, olha!, está aí a diversidade. O que não é nada diverso é o tal “padrão”, que só serve à meia dúzia de manequins, alguns estilistas e alguns heróis  que se julgam capazes de acompanhar fisicamente tudo isso e se sacrificam.

Depois da tendência do não-retocar, outro grito da moda são as modelos 46, que já colocam seus pézinhos no outro extremo da balança. Quanto ao meio termo, esqueça! Também pegou chamar manequim 40 de plus-size. E por que não “normal size”? “Medium size”? (E vale incluir aqui qualquer nomenclatura que não seja puxa-saco dessa tal fábrica de cabides.)

Quando até Twiggy afirma que gostaria de ter nascido com as curvas de Marilyn Monroe, só cabe uma pergunta:  somos grandes ou elas são pequenas demais?

.

ps: e este foi um mero comentário vindo de uma garota que também gostaria de perder mais 2kg e “photoshopar” algumas coisas, mas que não abandona a cerveja ou a sobremesa por isso. Não vale a pena.

Comentários via Facebook

24 comentários

  1. Clau

    Booooa :)

    E seria bem legal se essa moda de não photoshopar loucamente pegasse

    Bjobjo fe :*

    Responder
  2. Vahallam

    Ahhh concordo plenamene com o que você falou e assino embaixo. Se cuidar tudo be, mas tudo tem um limite. Eu quem não vou ficar me matando para perder peso loucamente e arriscar minha sapude com isso. Acho que o sacrifício é válido se a pessoa for obesa, não se sentir bem assim e estiver passando por problemas de saúde por causa disso. Muitas vezes tbm quis chegar a tals sonhada “perfeição”…até que um dia eu percebi que não era perfeição e sim que estava ficando “neorítica e doente mentalmente”, ou seja, insatisfeita psicologicamente eu estava me agredindo e assim era uma forma de me punir…

    Cruel…hj assim como vc…não largo a cervejinha, nem sobremesas e muito menos as comidonas italianas…rs…rs..rs..

    Muito bom o post..

    ADOREI…

    Responder
  3. Babs

    Mas nem se eu passar 2 meses na somalia não fico essa magricela. Fala pra esse pessoal deixar minha bundinha 40 em paz, e parar de faze calça 32 q não entram nem nas canelas.

    Responder
  4. Jana

    A-NI-MAL Fe!! Parabéns.

    Responder
  5. Vy

    O que importa é ser saudavel… E cada um sabe na real qual o seu limite. Eu acho… Eu não largo as coisas gostosas por nada, mas com certeza não preciso comer que nem pedreiro! As pessoas deviam ser mais felizes com o que têm, mesmo. Cabelo, peito, bunda… Até ter ou não ter um himem! (Jezuis, como Deus deixa existir uma louca como a Angela Bismark???)

    Bjo

    Responder
  6. Fernanda

    Vy on 16/04/2010 at 11:40 am said:

    O que importa é ser saudavel… E cada um sabe na real qual o seu limite. Eu acho… Eu não largo as coisas gostosas por nada, mas com certeza não preciso comer que nem pedreiro! As pessoas deviam ser mais felizes com o que têm, mesmo. Cabelo, peito, bunda… Até ter ou não ter um himem! (Jezuis, como Deus deixa existir uma louca como a Angela Bismark???)

    Bjo

    acho que ela só existe para mostrar pra gente o que NÃO devemos fazer. hahaha

    Responder
  7. Lusinha

    Apoiada Fê!
    Bjitos!

    Responder
  8. Hanny Meire

    Não tem nada mais chato do que essa onda de querer colocar na cabeça das pessoas que existe um modelo de perfeição a ser seguido. É doentio e faz as mulheres ficarem neuróticas e deixarem de se amar como são.

    Não acredito nessas modelos perfeitas, que comem de tudo e não engordam (acho isso muito raro) da mesma forma que não creio nessas atrizes que se dizem magras e lindas porque só comem coisa natural e fazem exercícios…. a gente sabe que elas se acabam na plástica, usam photoshop mesmo nas fotos, fazem procedimentos estéticos, e tudo mais.

    Achei graça uma entrevista que li da Débora Bloch, onde ela dizia que nunca faria plástica… pois ela fez uma no nariz (antes parecia um tucano) fora o fato de alisar o cabelo, (antes era uma bucha) !

    Por que as pessoas não se assumem ? Não digo que vc seja obrigada a conviver com algo que não goste, mas que pelo menos, assuma que alisa cabelo, fez plástica, faz dieta, drenagem linfática,e outros procedimentos para ficar mais bonita.

    Outra coisa que eu acho absurda é nego dizer que “está na moda ser magra/ gorda/ bunda grande/ peito grande/ peito pequeno”… pelo amor de Deus, desde quando o nosso corpo virou um acessório pra “entrar na moda” ?

    Só sei de uma coisa, tu pode até não acreditar, mas eu me amo e me aceito. Até por que não faço procedimento algum, plástica nenhuma, nada de photoshop, e sem querer ser convencida, mas estou muito bem na fita !

    Beijos e se amem, mulheres !

    Responder
  9. Sabrina Mix

    Oi, Nanda!

    Sou muito mais uma mulher geração saúde (não geração “plus size”) do que essas esqueléticas da passarela.

    Beijos e sucesso!!!

    Responder
  10. Bia Almeida

    Oi Fê
    Graçs a Deus no fim do texto vc lembrou das “magras de ruim”. Acho muito legal o assunto dessa magreza excessiva ser lembrado e discutido, mas é como falei com meus pais dia desses. Do jeito que a coisa vai, eu vou viver tempo suficiente pra sofrer preconceito por ser magra demais! Com os padrões de beleza invertidos.

    Ouvi falarem tanto nas plus size recentemente que fiz um post pra dizer que nem toda magra é assim porque deixa de comer e porque quer. Eu tenho 1,70m e 49kg que não aumentam nem comendo lasanha+cachorro quente+strogonoff no mesmo dia (hoje). Eu adoraria chegar aos 55, mas não vai, não rola. Já tive a fase de ser encucada com isso, hoje me aceito melhor..

    Acho mesmo é que as pessoas tem que parar de se preocupar com os outros. “Eu só quero seu bem, vc está saudável? Então seja feliz vestindo 34 ou 46 amiga!” Não seria tudo mais fácil e mais simples?

    Responder
  11. Michelle

    Oi Fê
    Graçs a Deus no fim do texto vc lembrou das “magras de ruim”. Acho muito legal o assunto dessa magreza excessiva ser lembrado e discutido, mas é como falei com meus pais dia desses. Do jeito que a coisa vai, eu vou viver tempo suficiente pra sofrer preconceito por ser magra demais! Com os padrões de beleza invertidos.

    Ouvi falarem tanto nas plus size recentemente que fiz um post pra dizer que nem toda magra é assim porque deixa de comer e porque quer. Eu tenho 1,70m e 49kg que não aumentam nem comendo lasanha+cachorro quente+strogonoff no mesmo dia (hoje). Eu adoraria chegar aos 55, mas não vai, não rola. Já tive a fase de ser encucada com isso, hoje me aceito melhor..

    Acho mesmo é que as pessoas tem que parar de se preocupar com os outros. “Eu só quero seu bem, vc está saudável? Então seja feliz vestindo 34 ou 46 amiga!” Não seria tudo mais fácil e mais simples?

    Responder
  12. Dafne

    Acho que o problema esta nos estilistas, que não fazem roupas grandes pois não querem ver pessoas gordas usando a sua marca!!!
    Ta certo que certas coisas caem melhor em pessoas mais magras, mas acho que se a moda começasse a ter diversos tamanhos a coisa iria melhorar.
    Beijos

    Responder
  13. Simon

    Oi Fê
    Graçs a Deus no fim do texto vc lembrou das “magras de ruim”. Acho muito legal o assunto dessa magreza excessiva ser lembrado e discutido, mas é como falei com meus pais dia desses. Do jeito que a coisa vai, eu vou viver tempo suficiente pra sofrer preconceito por ser magra demais! Com os padrões de beleza invertidos.

    Ouvi falarem tanto nas plus size recentemente que fiz um post pra dizer que nem toda magra é assim porque deixa de comer e porque quer. Eu tenho 1,70m e 49kg que não aumentam nem comendo lasanha+cachorro quente+strogonoff no mesmo dia (hoje). Eu adoraria chegar aos 55, mas não vai, não rola. Já tive a fase de ser encucada com isso, hoje me aceito melhor..

    Acho mesmo é que as pessoas tem que parar de se preocupar com os outros. “Eu só quero seu bem, vc está saudável? Então seja feliz vestindo 34 ou 46 amiga!” Não seria tudo mais fácil e mais simples?

    Responder
  14. Celso

    Fernanda, bem legal seu post.

    Cheguei aqui meio por acaso, e quero deixar um mero comentário como homem hehe

    Esse padrão de beleza baseado em modelos já encheu o saco, assim como toda essa neura com celulite, estrias, gordurinhas etc.

    Na boa: homem de verdade não liga para essas coisas. Tenho mais de 40 anos e NUNCA conversei isso em mesa de bar. Homem gosta de mulher que esteja à vontade com seu próprio corpo e que busque seu prazer com o que tem, sem encanações.

    Eu, por exemplo, que sou um cara meio “robusto”, não consigo ver nada de mais nessas mulheres muito magras, nem sei direito como pegar, por medo que quebre hehe

    Sobre a foto no meio do texto, as duas modelos do editorial da “V Magazine”, não tem nem o que pensar, a modelo da direita (“girl next door”) é linda (a melhor palavra seria “gostosa”, mas não quero que soe vulgar…). Na verdade, para mim com mais uns 5 ou 7 kg ela estaria perfeita.

    A modelo da esquerda parece um cabide. Não importa a hora da noite ou o tanto de álcool na cabeça, não consigo pensar em nada com um “cabide”. Só estilista e fotógrafo gosta de mulher assim.

    Beijão pra ti.

    Responder
  15. Fernanda

    Celso on 25/04/2010 at 9:28 pm said:

    Fernanda, bem legal seu post.

    Cheguei aqui meio por acaso, e quero deixar um mero comentário como homem hehe

    Esse padrão de beleza baseado em modelos já encheu o saco, assim como toda essa neura com celulite, estrias, gordurinhas etc.

    Na boa: homem de verdade não liga para essas coisas. Tenho mais de 40 anos e NUNCA conversei isso em mesa de bar. Homem gosta de mulher que esteja à vontade com seu próprio corpo e que busque seu prazer com o que tem, sem encanações.

    Eu, por exemplo, que sou um cara meio “robusto”, não consigo ver nada de mais nessas mulheres muito magras, nem sei direito como pegar, por medo que quebre hehe

    Sobre a foto no meio do texto, as duas modelos do editorial da “V Magazine”, não tem nem o que pensar, a modelo da direita (“girl next door”) é linda (a melhor palavra seria “gostosa”, mas não quero que soe vulgar…). Na verdade, para mim com mais uns 5 ou 7 kg ela estaria perfeita.

    A modelo da esquerda parece um cabide. Não importa a hora da noite ou o tanto de álcool na cabeça, não consigo pensar em nada com um “cabide”. Só estilista e fotógrafo gosta de mulher assim.

    Beijão pra ti.

    simplesmente obrigada por dar sua opinião masculina. Às vezes acho que muitas meninas precisam saber disso.

    Beijo! :)

    Responder
  16. Fabio Ferro (FDFabio)

    Durante muito tempo eu me pergunto sobre essa porcaria que chamam de padrão. E não consegui resposta satisfatória.
    Mas não é só na moda não! Na vida se cobra muito dos outros, muita gente está infeliz hoje sabendo que no fundo poderia estar muito bem.
    Eu prefiro as mulheres de verdade com seus defeitos, suas frescuras ou não, que tomem isotônicos ou cerveja tanto faz, só exijo que ela seja real.

    Responder
  17. Larissa

    Acho que, antes de qualquer coisa, esse blog, pelo o que eu vi até agora, ou é uma ferramenta de difusão de preconceitos contra pessoas magras ou a dona do blog morre de vontade de ser magra, não consegue e faz isso para se sentir bem consigo mesma. Mas isso não me diz respeito, a única coisa que posso fazer é expressar minha sincera opinião.

    Se o padrão de moda atual é ser magra e você é contra isso, não condene todas as garotas que são naturalmente magras por sua insatisfação. Da mesma forma que é inaceitável criticar uma pessoa por ser o que chamam de “gorda” ou julgar qualquer um apenas por apresentar mais/menos tecido adiposo no corpo. Aliás, o julgamento de qualquer fenótipo sob a ótica da discriminação é ridículo e, ao meu ver, se encontra no mesmo nível de gravidade de outros preconceitos relacionados ao físico que servem de base para “bullying” e são até considerados crime. Ou você acha que são apenas as gordinhas que sofrem disso?

    Se alguma vez na sua vida você se sentiu mal por ter o corpo que tem, seja lá como ele for (eu particularmente não sei) e odeia o terrorismo que a mídia faz para massacrar aqueles que não tem o corpo segundo o padrão imposto por ela, por favor, não tente massacrar as pessoas que não tem o corpo que VOCÊ gostaria que fosse padrão.

    Além do fato de estar difundindo aqui um estereótipo de que modelos são todas anoréxicas, narcisistas e drogadas, o que pra mim soa extremamente clichê e é um pensamento limitadíssimo, contrastando com a imagem de pessoa de personalidade que você tenta passar nesse blog, além de colaborar com o conceito machista de que modelos são todas iguais, sem personalidade e vontade próprias e não podem apenas ser profissionais que estão quietas fazendo seu trabalho assim como você está fazendo o seu e não gostaria de ouvir piadinhas de mal gosto sobre “produtoras” ou “atrizes”. Minha irmã já foi modelo e ela nasceu naturalmente magra, nunca precisou vomitar e sempre esteve longe de drogas.

    E nem tente negar isso e passar a imagem de imparcial dizendo que o que eu escrevi não tem nada a ver com o que você difunde aqui. No post “Plus size, no-retouching e essa fábrica de cabides”, para começar por chamar pessoas magras de “cabide” e depois pelo comentário “uma modelo do padrão e outra mais girl next door. Qual fica melhor?”. Que resposta você esperava? “É, a mais cheinha fica melhor mesmo”. Você pressupõe que não tem leitoras magras que se sentiriam mal com isso? Ou você não está nem aí mesmo? Na minha concepção é exatamente isso que a indústria da moda faz, mas indo pelo caminho contrário. Crítica que aproxima o ser crítico do objeto criticado, na minha opinião, não passa de demagogia desnecessária e inválida.

    Enfim, só não consegui entender ainda se isso é natural da sua personalidade ou é mesmo uma patológica necessidade de auto-afirmação. Se você acha que isso tudo é conversa fiada, ria muito e vá dormir hoje com a consciência 100% limpa. Caso contrário, pense um pouco.

    Responder
  18. Fernanda

    Olá, Larissa!

    Acho imporante a opinião extra que você trouxe, mas preciso esclarecer que não, este blog não é uma ferramenta para desabafo de uma pessoa que não tem o “corpo perfeito”. Não sei como vc chegou aqui, mas de navegar mais, verá que falo sobre os mais diversos assuntos.

    Tenho amigas geneticamente magras (e parentes também) e nao tenho absolutamente nada contra este fenótipo! Eu estaria totalmente errada se fosse, pois este post é unicamente para defender a democracia de corpos e para mostrar que existe mais de uma opção para quem quer ser bonita.

    Vi que vc também comentou no post de “modelos ou zumbis” e, puxa, não pretendo ofender ninguem com isso. Se te ofendi, peço desculpas, mas a intenção foi bem humorada e, novamente, uma forma de crítica a uma indústria de padrões à qual muita gente se submete mesmo que isso signifique não ser saudável.

    Não estou aqui para maldizer uma minoria magra, saudável e que, às vezes, pode até estar sofrendo tentando engordar (tb tenho amigas nesta situação). Estou apenas usando este veículo para mostrar a outras pessoas que se rebaixar e perder a auto-estima para agradar a sabe-se lá quem não vale a pena, não só porque existem mais tipos de beleza, mas porque realmente pode não fazer bem sempre.

    Se sua irmã é saudável, como vc diz, ótimo! Mas nem todas as modelos que formam o padrão atual são. Já cobri pelo menos sete semanas de moda e já vi new faces extremente felizes e outras só na base do laxante, do cigarro, do cafezinho e sabe-se lá mais o que – e é por isso que tomo a iniciativa de criticar este tema.

    Espero que tenha compreendido, e peço desculpas novamente caso tenha te ofendido.

    Abraços!

    Responder
  19. gene

    Sou magra ( de ruim! rs) e sinceramente também me senti um pouco ‘ofendida’ com seu post ! Entendo que talvez sua intenção fosse apenas fazer uma crítica ao atual padrão dos corpos e às meninas que se maltratam para obte-lo, e tentar fazer com que meninas que não nasceram com este biotipo se aceitem e se achem bonitas também! Porém, como bem disse a Larissa, em alguns momentos você foi bem preconceituosa ! Se as mais avantajadas,como você diz, não tem culpa de não terem nascido magras, não se pode esquecer que as magras também não tem culpa de não terem nascido mais avantajadas.

    Sem querer ofender, mas achei seu texto bem hipócrita! Você diz estar criticando o fato de existir um ‘padrão de beleza’, mas durante todo o texto só o que você faz é elogiar um padrão de beleza : O das mulheres curvilineas!

    Você não está falando que acha bonito ser saudável, está falando que é bonito ser como Marilyn Monroe! Você não disse que os homens preferem mulheres saudáveis, disse que “eles gostam mesmo é de um belo quadril cheio”, o que nem toda mulher, por mais saudável que seja, por mais que coma e que malhe, as vezes consegue alcançãr!

    Quando a Twiggy surgiu o bonito era ser como Marilyn Monroe, e as mulheres magras é que eram ‘massacradas’. Ou seja, ela não fez esforço para emagrecer, era o seu natural. Ela veio para mostrar ao mundo que ser magra também pode ser bonito para algumas pessoas. Quando você critica o peso dela ou o fato dela ter feito sucesso por ser exatamente o oposto da Marilyn, você não está falando mal de quem é doente, está falando mal do fato de pessoas magras serem elogiadas. O mesmo quando fala da Gisele : “Só que aonde estas tais “sexy curves” chegam perto das de Marilyn?” Para mim, o tempo todo, você faz uma apologia a Marilyn Monroe e a corpos curvilineos.

    Ao meu ver, sua crítica não é contra existir apenas um padrão e sim sobre o fato de você e a grande maioria das mulheres não fazerem parte deste padrão. Duvido que se você fosse bem magra tivesse feito este post ou se o padrão continuasse sendo o das mulheres ‘gostosas’ você fosse fazer um texto que defendesse as mulheres magras !

    Quero deixar claro que não estou falando isso de recalque, pois tenho um corpo normal, com bumbum, perna grossinha, apesar de ser magra. Mas não pude deixar de dar minha opinião, pois achei o texto bem injusto. E como não me considero gostosa e quando mais nova, na escola, frequentemente era chamada de ‘Olivia Palito’, me senti alfinetada com as suas palavras!

    Responder
  20. gene

    Ah! Não tenho nada contra a Marilyn, acho ela linda e tenho vários de seus filmes em casa! Mas vale lembrar, para quem não sabe, que nem Marilyn Monroe era como Marilyn Monroe! Ela também tentou a todo custo atingir o tal ‘padrão’! Seu loiro platinado era artificial, imitando Jean Harlow, fez eletrolise para amentar a testa, plástica no nariz, no queixo, e dizem que foi uma das primeiras mulheres do mundo a colocar silicone! Basta ver as fotos : http://api.ning.com/files/SslhqnnHtKvhQiTsQ3ZDpdWpRYFuvuJ0hSWxQP2rjrX89*50dKIqIHNq*X2cwO2*GvrnanVu-ZQUXjcdNKhzBpmxNZxG7FR0/112384.jpg
    http://ww2freak.files.wordpress.com/2010/04/rosiemarilyn.jpg

    E, sinceramente, ja que é para falar de curvas, ja vi corpos mais bonitos.. rs
    http://free.bridal-shower-themes.com/img/marilyn-monroe-dress-jfk_3.jpg
    http://i.dailymail.co.uk/i/pix/2009/08/28/article-1209783-021AD8520000044D-503_468x459.jpg

    Responder
  21. Fernanda

    gene on 27/05/2011 at 1:57 pm said:

    Sou magra ( de ruim! rs) e sinceramente também me senti um pouco ‘ofendida’ com seu post ! Entendo que talvez sua intenção fosse apenas fazer uma crítica ao atual padrão dos corpos e às meninas que se maltratam para obte-lo, e tentar fazer com que meninas que não nasceram com este biotipo se aceitem e se achem bonitas também! Porém, como bem disse a Larissa, em alguns momentos você foi bem preconceituosa ! Se as mais avantajadas,como você diz, não tem culpa de não terem nascido magras, não se pode esquecer que as magras também não tem culpa de não terem nascido mais avantajadas.

    Sem querer ofender, mas achei seu texto bem hipócrita! Você diz estar criticando o fato de existir um ‘padrão de beleza’, mas durante todo o texto só o que você faz é elogiar um padrão de beleza : O das mulheres curvilineas!

    Você não está falando que acha bonito ser saudável, está falando que é bonito ser como Marilyn Monroe! Você não disse que os homens preferem mulheres saudáveis, disse que “eles gostam mesmo é de um belo quadril cheio”, o que nem toda mulher, por mais saudável que seja, por mais que coma e que malhe, as vezes consegue alcançãr!

    Quando a Twiggy surgiu o bonito era ser como Marilyn Monroe, e as mulheres magras é que eram ‘massacradas’. Ou seja, ela não fez esforço para emagrecer, era o seu natural. Ela veio para mostrar ao mundo que ser magra também pode ser bonito para algumas pessoas. Quando você critica o peso dela ou o fato dela ter feito sucesso por ser exatamente o oposto da Marilyn, você não está falando mal de quem é doente, está falando mal do fato de pessoas magras serem elogiadas. O mesmo quando fala da Gisele : “Só que aonde estas tais “sexy curves” chegam perto das de Marilyn?” Para mim, o tempo todo, você faz uma apologia a Marilyn Monroe e a corpos curvilineos.

    Ao meu ver, sua crítica não é contra existir apenas um padrão e sim sobre o fato de você e a grande maioria das mulheres não fazerem parte deste padrão. Duvido que se você fosse bem magra tivesse feito este post ou se o padrão continuasse sendo o das mulheres ‘gostosas’ você fosse fazer um texto que defendesse as mulheres magras !

    Quero deixar claro que não estou falando isso de recalque, pois tenho um corpo normal, com bumbum, perna grossinha, apesar de ser magra. Mas não pude deixar de dar minha opinião, pois achei o texto bem injusto. E como não me considero gostosa e quando mais nova, na escola, frequentemente era chamada de ‘Olivia Palito’, me senti alfinetada com as suas palavras!

    Responder
  22. Fernanda

    gene on 27/05/2011 at 1:57 pm said:

    Sou magra ( de ruim! rs) e sinceramente também me senti um pouco ‘ofendida’ com seu post ! Entendo que talvez sua intenção fosse apenas fazer uma crítica ao atual padrão dos corpos e às meninas que se maltratam para obte-lo, e tentar fazer com que meninas que não nasceram com este biotipo se aceitem e se achem bonitas também! Porém, como bem disse a Larissa, em alguns momentos você foi bem preconceituosa ! Se as mais avantajadas,como você diz, não tem culpa de não terem nascido magras, não se pode esquecer que as magras também não tem culpa de não terem nascido mais avantajadas.

    Sem querer ofender, mas achei seu texto bem hipócrita! Você diz estar criticando o fato de existir um ‘padrão de beleza’, mas durante todo o texto só o que você faz é elogiar um padrão de beleza : O das mulheres curvilineas!

    Você não está falando que acha bonito ser saudável, está falando que é bonito ser como Marilyn Monroe! Você não disse que os homens preferem mulheres saudáveis, disse que “eles gostam mesmo é de um belo quadril cheio”, o que nem toda mulher, por mais saudável que seja, por mais que coma e que malhe, as vezes consegue alcançãr!

    Quando a Twiggy surgiu o bonito era ser como Marilyn Monroe, e as mulheres magras é que eram ‘massacradas’. Ou seja, ela não fez esforço para emagrecer, era o seu natural. Ela veio para mostrar ao mundo que ser magra também pode ser bonito para algumas pessoas. Quando você critica o peso dela ou o fato dela ter feito sucesso por ser exatamente o oposto da Marilyn, você não está falando mal de quem é doente, está falando mal do fato de pessoas magras serem elogiadas. O mesmo quando fala da Gisele : “Só que aonde estas tais “sexy curves” chegam perto das de Marilyn?” Para mim, o tempo todo, você faz uma apologia a Marilyn Monroe e a corpos curvilineos.

    Ao meu ver, sua crítica não é contra existir apenas um padrão e sim sobre o fato de você e a grande maioria das mulheres não fazerem parte deste padrão. Duvido que se você fosse bem magra tivesse feito este post ou se o padrão continuasse sendo o das mulheres ‘gostosas’ você fosse fazer um texto que defendesse as mulheres magras !

    Quero deixar claro que não estou falando isso de recalque, pois tenho um corpo normal, com bumbum, perna grossinha, apesar de ser magra. Mas não pude deixar de dar minha opinião, pois achei o texto bem injusto. E como não me considero gostosa e quando mais nova, na escola, frequentemente era chamada de ‘Olivia Palito’, me senti alfinetada com as suas palavras!

    Olá, Gene!

    Não posso mudar em nada o seu sentimento, pois estou aqui dando uma opinião pessoal. Em todo caso, gostaria de esclarecer apenas uma única coisa: existe mesmo a necessidade de se defender o que já está establecido? É apenas por isso que o texto foi escrito desta forma. Os corpos magros já são considerados bonitos e estou apontando para o outro lado; expliquei isso no outro comentário para a Larissa inclusive.

    Só para exemplificar, imagine ter que escrever um post sobre a causa gay tendo que lembrar que ser heterossexual é tão legal quanto…? Então.

    Por fim, gostaria de dizer que não, este texto não foi escrito por conta da minha condição física, mas sim por conta da condição física da maioria das mulheres. Se você está na minoria mais bem aceita, fique feliz! Peço desculpas se a ofendi, mas, novamente, esta é uma opinião. E este texto poderia ser sim escrito por qualquer pessoa que se importe com o próximo que tenta, a todo custo (e às custas da própria saúde), alcançar o que não foi feito para seu biotipo. Só para constar, sou manequim 38 e não entendi o seu comentário com relação a meu próprio corpo.

    abs.

    Responder

Deixe seu comentário