Respeito, sim. Preconceito, não.

sex

Não deu pra ficar quieta diante de algumas ignorâncias. E, meio óbvio, mas enfim: antes de cair na noite no final de semana, leia o texto inteiro, senão não fará o menor sentido.  Não, eu não fumo.

.
A Lei Antifumo entrou em vigor no estado de São Paulo esta semana. Com ela, os fumantes ficaram proibidos de fumar em todo e qualquer ambiente fechado ou público, sendo que isso inclui até calçada de bar, caso este possua um toldo e mesinhas para seus clientes.

Fumar em restaurantes, escolas,  hospitais ou qualquer estabelecimento que envolva remédios, doentes, crianças e, claro, comida, já deveria ter sido proibido faz tempo. No caso dos restaurantes,  na minha opinião jamais deveria ter sido permitida a implantação da pergunta “fumante ou não fumante?”, portanto creio que neste âmbito a regulamentação  é um avanço.

Tudo é uma questão de respeito a quem não fuma. Os fumantes alegam que ninguém morre de fumo passivo, só que quem disse que o próprio fumante tem de morrer de fumo?  Como diria meu avô, “para morrer só basta estar vivo”. Sendo assim, o simples incômodo com um vício que não é seu já é o suficiente para reclamar, afinal é a sua liberdade sendo limitada por conta da diversão do outro, principalmente quando falamos de quem se sente mal com o cheiro da fumaça.

– O que é isso no seu braço?
– Tomei uma carimbada.
– Tortura chinesa?
– Não, foi só uma festa mesmo.

Nas baladas, casas noturnas e shows, não preciso nem dizer. O ambiente é propício para os fumantes e não envolve comida nem criança, porém quantas vezes não tivemos amigas com cabelo queimado e fedendo ao final da noite? Eu mesma já levei carimbadas no braço e ouvi um simples “desculpa”. Agora tenho uma cicatriz. Bacana, não?

Para mim é um pouco óbvio que por mais cuidado que uma pessoa tome, ela jamais vai conseguir controlar o dedinho do cigarro no meio da galera, que dirá depois de tomar umas. Se eu já deixei cair copo no chão sem nem estar alegre, o que me garante que aquela brasinha ali não vai me queimar?

Queimaduras são o menor dos males, já que são eventualidades perto de um cabelo fedorento de toda noite, mas não deixa de ser um risco muito maior, proporcionalmente falando, do que esse alarde dos “pobres fumantes passivos intoxicados”. Infelizmente, quem vive numa cidade grande como São Paulo não é sensato ao fazer tanta tempestade em cima deste copo d’água por seus pulmões.

Não estou aqui para defender fumante, não só pelas situações a que sou contrária já citadas, mas também porque não fumo, não gosto de ficar com alergia da fumaça, me sinto lambendo cinzeiro ao beijar um fumante e, obviamente,  não gosto do gosto do cigarro e só sei como é pois já fumei em cena. Inclusive uso isto como artifício quando realmente penso que tal personagem seria mais completa assim. Tipo, Fulana poderia ter uma tatuagem, um carro do ano ou um tênis de luzinha, mas ok, eu escolhi que ela fuma. Aí sim, eu fumo.

Ao meu ver, o maior problema é que a lei soa um exagero em muitos momentos. Além de proibir os fumódromos, que eram uma excelente saída para os fumantes, ainda proibiram o consumo do cigarro em bares. Em barzinhos de calçada. Ao ar livre. Quer dizer, se nem ao ar livre o sujeito pode fumar, aonde mais ele poderá? A lei diz que é permitido “fumar em casa”. Ainda bem, não?

Fumar não faz bem a ninguém, aumenta os riscos de câncer, impotência, anorexia, fetos defeituosos e por aí vai, mas isso todo mundo sabe. O problema é que para o indivíduo que fuma, talvez isso seja uma válvula de escape. Conheço muitas pessoas criativas que fazem coisas incríveis, mas tem essa muleta. Só creio que a partir do momento que o cigarro não é uma substância ilícita e a pessoa não está incomodando ninguém, qual o problema? …

Quer dizer, pessoas que sentem necessidade de fumar em determinados intervalos de tempo perderão seus empregos? Terão de fazer longos intervalos de 20 minutos para deixar seus edifícios comerciais, fumar e voltar? E, bom, melhor nem mencionar o quanto isso pode atrapalhar a produtividade do profissional em questão.

A lei proíbe o fumo, mas não dá nenhum tipo de assistência ao fumante. É como se de repente o cigarro fosse a nova maconha e os fumantes fossem “viciados” que só não largam porque não querem, como se fosse um simples “hábito”. Vício é vício. Não importa em qual substância, porém, se ela é lícita, nada mais justo que estas pessoas não se tornem excluídas socialmente desta forma. Ou também vão restringir o consumo de álcool em bares com toldinho?

Em vários países a regulamentação é um sucesso e, de fato, creio que estamos avançando sim, principalmente pelos motivos que falei no início e pela falta de respeito de alguns fumantes ao agirem como se não incomodassem ninguém. Porém, um aviso: o preconceito contra essas pessoas vai aumentar.

Se os legisladores tiveram coragem de proibir, num primeiro momento, que até em peças de teatro os personagens não fumassem, pode acreditar que eles poderão interferir em outros momentos. Para mim, isso beira à censura de um estilo de vida, algo em que o governo teoricamente não mete o bedelho enquanto não for chamado.

Nos últimos dias, esta decisão foi revogada e o cigarro poderá sim ser usado no teatro novamente, mas adivinha qual das duas versões do cartaz de “Coco Avant Chanel” (Coco Antes de Chanel) será divulgada no Brasil?

É claro que fumantes ocasionais vão encarar as mudanças melhor que os mais dependentes, porém não me parece justo que alguém que fumou a vida toda se sinta impelido a parar por uma lei estadual, e não por vontade própria.

Educação e conscientização quanto ao uso de qualquer droga ou substância é algo essencial,  primordial e obrigatório, mas tem limite.  Creio que há muitos fumantes brasileiros esclarecidos quanto a isso. Não precisamos fazer do cigarro a nova maconha.

Comentários via Facebook

36 comentários

  1. Viviane

    Realmente, concordo com você, Fernanda. Eu sou fumante, moro no RS, aqui já faz um tempo que bares e restaurantes e afins não permitem fumo, embora em danceterias ainda seja relativamente permitido.
    Nunca tive problemas em procurar mesas do lado de fora, ou conversar com o gerente, deixar minhas coisas na mesa com os amigos e sair só com o cigarro e isqueiro na mão pra fumar lá fora.
    Sempre fui uma fumante consciente que, mesmo sentando ao ar livre, se tem gente na mesa que não fuma, troca de lugar até achar uma posição em que a fumaça não vá para cima dos demais, entre outros cuidados. Minha mãe odeia cigarro, então não fumo em casa, a menos que esteja sozinha, e mesmo assim, vou para o quintal e fico bem longe de portas e janelas pra fumaça não entrar dentro de casa.
    Mas proibir até nas mesas de calçada é ridículo. Vendo um programa na tv outro dia, eu havia entendido que poderia fumar nas calçadas, desde que se houvesse janelas ou portas do estabelecimento próximas a janela, estas estivessem fechadas. Proibido só se estas estivessem abertas. E espero que seja assim, mesmo, senão o absurdo toma proporções dantescas.
    A impressão que me dá é que a perseguição aos fumantes, que sabem do mal que fazem a si mesmos, virou a nova “caça às bruxas”, o que não se admite nos dias de hoje.
    Daqui a pouco, até quem mora em apartamento vai ser prejudicado: cidadão que não quer fumar dentro do apê e tem uma bela acada vai acabar proibdo de fazer usodesta e vai acabar tendo que sair fora do pátio do prédio, se continuar assim.
    Eu fumo no meu escritório, meu sócio também, dividimos a sala em dias diferentes cada um usa, embora eu ocupe na maior parte do tempo.
    Pagamos aluguel e impostos e a fumaça de dentro não afeta o corredor e as outras salas, mas se quisessem proibir até isso aqui, eu acho que surtaria, até pq os escritórios aqui são todos particulares e praticamente todos meus vizinhos fumam em seus escritórios.
    A coisa está tomando uma dimensão que beira ao ridículo, certamente.

    Responder
  2. Vy

    Vou pensar mais sobre o preconceito. Porém sobre fumar no trabalho… Acho complicado. Minha mãe trabalha fora e é fumante, verdade que é só ela saltar da sacadinha e ela cai num gramadão pra fumar, mas até ela que fuma há uns 45 anos não está chiando. Alias, começar a trabalhar fora a ajudou a diminuir a quantidade.

    Mas como não fumante, me sinto muito prejudicada em relação aos fumantes, que podem sair para fumar, mesmo que seja no fumodromo. Não fumantes não têm o direito de fazer 5 minutinhos pra respirar ar livre.

    Nunca vi um fumodromo de verdade no Brasil. No Japão era um cubiculo todo fechado que jogava a fumaça pra fora e ainda assim fedia pacas, nem os fumantes curtiam, mas não eram contra. Acho que ai é legal, porque todos tinham uma pausa e cada um fazia o que bem entendia (nãaaao, eu não comia, economizava até no chocolate!).

    Bjos

    Responder
  3. Fernanda

    Vy on 14/08/2009 at 3:47 pm said:

    Vou pensar mais sobre o preconceito. Porém sobre fumar no trabalho… Acho complicado. Minha mãe trabalha fora e é fumante, verdade que é só ela saltar da sacadinha e ela cai num gramadão pra fumar, mas até ela que fuma há uns 45 anos não está chiando. Alias, começar a trabalhar fora a ajudou a diminuir a quantidade.

    Mas como não fumante, me sinto muito prejudicada em relação aos fumantes, que podem sair para fumar, mesmo que seja no fumodromo. Não fumantes não têm o direito de fazer 5 minutinhos pra respirar ar livre.

    Nunca vi um fumodromo de verdade no Brasil. No Japão era um cubiculo todo fechado que jogava a fumaça pra fora e ainda assim fedia pacas, nem os fumantes curtiam, mas não eram contra. Acho que ai é legal, porque todos tinham uma pausa e cada um fazia o que bem entendia (nãaaao, eu não comia, economizava até no chocolate!).

    Bjos

    eu também acho injusta essa pausinha de 20 minutos pra nada! rs Porque se eu levantar pra dar um rolê ninguém vai me compreender. Mas eu já vi fumódromo de verdade, sim. Na Abril é um cubículo fechadinho com janela (o prédio só tem circulação interna e só ali tem janela) e tem em todos os andares.

    Responder
  4. Eu apoio 100% essa lei e tô doida pra q ela chegue na minha cidade! Eu tenho uma cicatriz de cigarro na testa, pq um cara estava no camarote de um boate e jogou a bituca lá de cima por pura diversão. E a infeliz veio pouSar na minha testa!
    Por uns e outros assim é que o restante paga o pato.
    E se eu não fumo, tb não quero ficar fedendo cigarro. E não é pq a gente que não fuma não morre de fumo passivo, que precisamos ficar respirando sempre aquela fumacinha fedorenta!

    Beijos

    Responder
  5. Fernanda

    Francielly Custódio on 14/08/2009 at 3:52 pm said:

    Eu apoio 100% essa lei e tô doida pra q ela chegue na minha cidade! Eu tenho uma cicatriz de cigarro na testa, pq um cara estava no camarote de um boate e jogou a bituca lá de cima por pura diversão. E a infeliz veio pouSar na minha testa!
    Por uns e outros assim é que o restante paga o pato.
    E se eu não fumo, tb não quero ficar fedendo cigarro. E não é pq a gente que não fuma não morre de fumo passivo, que precisamos ficar respirando sempre aquela fumacinha fedorenta!

    Beijos

    Não sei se você leu até o final, mas, enfim, eu também não gosto de cheirar fumacinha horrível e tenho alergia, porém se isso não me incomodar, não vejo porque as pessoas não podem fumar nas mesas de bar “abertas”. Também tenho marquinha de cigarro nos braços, e isso realmente me encheu o saco, porém se ambas as partes se respeitarem, não vejo problema.

    Responder
  6. Viviane

    Só pra complementar, quanto à injusta da pausa que os não fumantes não tem: como eu disse, fumo no escritório, mas é meu, eu sou minha chefe, não perturba meu trabalho, mas também acho meio injusto.

    Sempre que trabalhei em locais que tinha chefe, colegas e afins, nunca fiz as tais pausas, por achar sacanagem com os colegas. Não tinha mais direitos do que eles: bastava aproveitar a ida até o trabalho, a hora de almoço, em que saia pra ir almoçar, e a hora de ir embora.

    Se é pra ter pausa, então que se dê pausas de 5 minutos, a cada x tempo, pra todos funcionários darem uma voltinha, esticarem as pernas, fumantes ou não, ou que não se dê pra ninguém.

    E também já vi fumódromo. Quando estava ainda na faculdade, depois de proibirem fumar nos corredores e escadas, obrigando os alunos a sairem do prédio nos intervalos, complicado em dias de frio e chuva, pegaram uma sala vazia, num andar meio deserto e transformaram em fumódromo. Professores e alunos se encontravam lá, pra felicidade dos demais alunos do curso, que ficaram livres da fumaça. Sempre fui lá fora, evitei corredores e escadas, mas a salinha foi uma mão na roda no inverno chuvoso. ;)

    Responder
  7. silvia

    Leio sempre o seu blog, mas nunca comentei nenhum post. Nao pude deixar passar a oportunidade de te parabenizar pelo post. É o primeiro que vi com um pingo de bom senso.
    Concordo que ninguém precisa ficar respirando fumaça sem querer, em ambientes fechados.. até eu que sou fumante me incomodo, imagina que nao fuma.. mas daí a proibir fumar ao ar livre me parece um absurdo!
    Na Espanha, ao contrário de outros países europeus onde em nenhum espaço fechado se permite fumar,se o local em questao tem menos de 120 metros quadrados (senao me engano), o dono pode escolher se se permite fumar ou nao. Acho ótimo porque o consumidor pode ESCOLHER se entra ou nao. Ninguém é obrigado a entrar! Creio que por aí está o equilíbrio.. deixar as pessoas exercitarem o seu poder de decisao.
    De todas formas parabéns pelo post, vc conseguiu ir além da ideologia demasiado persecutória vigente nos dias de hoje.. eu costumo brincar que hoje em dia ser fumante é como ser judeu nos tempos do nazismo.. daqui a pouco fumantes vao ter que se identificar com estrelhinhas no braço.
    Eu entendo que nao fumantes nao queiram ser fumantes passivos, nem ser queimados, nem ficar com o cabelo cheirando mal, mas em ambientes abertos, ao ar livre?? por favor!

    Responder
  8. Leandro Pincini

    O pior problema é o que realmente essa mudança trás, e vc foi bem mais além do que aquilo que eu poderia esperar do post, meu, creio totalmente que além do preconceito, isso fará nada mais nada menos com que os contratantes deixem de contratar os fumantes, porque? Porque, como você disse a pouco, não vão conseguir produzir o que produziam antes por causa dessa lei. E podem falar o que quiser, mas eu já vi dono de restaurante falando pra mim que parou de contratar fumantes, por causa disso…

    E eu lhe pergunto, nessa sua bola de cristal, você sabe se o Sr cidadão que criou (not) essa lei (não sei nem quero saber quem foi, só sei que afeta algumas pessoas), pensou por esse lado? HA!

    ps: Nunca fumei ativamente na vida.

    Responder
  9. Leandro Pincini

    Muletas minhas: música (tocar violão e guitar), twitter/loverox / fake-doll :/

    Responder
  10. Isabella

    Assim como você, também acho a lei um avanço. E, aliás, adorei.
    Não sou fumante, nunca fumei (nem em peça de teatro) e acho ótimo que seja proibido fumar também nas calçadas dos bares.
    Sabe por quê? Porque se não fosse proibido, a calçada do barzinho seria a “ala dos fumantes”. E se você optasse por ficar lá fora, tomando um “arzinho”, acabaria tomando uma “fumacinha”. E, como não temos muito espaço nestas calçadas, certamente tomaria mais uma carimbada.
    Eu sei que parece preconceito e até entendo seu ponto de vista. Mas quantas vezes você não quis matar aquela pessoa na balada, bêbada e que está cambaleando (pro seu lado!) com o cigarrinho? Você sabe que ela vai te carimbar. E sabe que, se te carimbar, você só vai ouvir um pedido de desculpas, como você já escreveu aqui. Nada justo.
    A lei veio para colocar limites na falta de respeito de muitos fumantes. Às vezes nem é por querer, eles não sentem, mas a fumaça chega na gente. Chega, não chega? E eu morro de alergia. Alergia, hein? Não alegria!
    Por quanto tempo tivemos propagandas incentivando o fumo? Glamour, elegância, jovialidade, charme… Quem não associa fumo a isso vendo comerciais e filmes de umas décadas atrás? Já sabemos que faz mal. Se quer fumar, vá mais longe, pra não atrapalhar quem não quer. Odeia. Tem alergia. Está parando. Mil motivos.
    As pessoas continuam podendo fumar. Nas ruas, em casa, em tabacarias. Fim.
    Chega que eu já fumei (passivamente) muito nesta vida. E meu cabelo é cheiroso demais pra ser defumado.

    Responder
  11. Mari

    Concorco com vc… realmente exitem fumantes que não tem um pingo de bom senso e praticamente obrigam o outro a fumar junto… como dizem, o direito do outro começa onde o meu termina. A lei é necessária e um grande avanço, como vc mesma disse, mas a forma como ela posiciona o fumante na sociedade não é legal. O fumante acaba marginalizado, como se fosse ilegal fumar. , sobre o cartaz de divulgação do filme, Channel sem o cigarro não é Channel, justamente pelo cigarro ser uma constante na vida da estilista, inclusive em imagens divulgadas na mídia e nos veículos de comunicação em geral.

    Responder
  12. Thiago S Rosa

    O cigarro não é a nova maconha para os governantes. Não quero politizar este post, mas é claro que a Lei foi criado com o intuito de impulsionar o Governador de São Paulo para Presidência. Mas esta lei em si não muda muito o panorama no geral. A grande questão é se o cigarro é uma droga ou não e se deveria ser tratada como tal ( Afinal de contas, seria melhor sobrecarregar o cigarro de IPI, fazendo acréscimo no produto que ele ficasse impossível de ser comprado por muitos). E como a lei no Brasil para fumantes já era bastante restritiva, é claro que a liberdade artística vai perder para o marketing industrial. No fundo, o Brasil é muito careta neste sentido. É isso.

    Responder
  13. Aninha

    Olá Fernanda :)

    Eu li o seu post até o fim e respeito a sua opinião, porém não acho que essa lei seja de forma alguma chocante. Para mim já devia ter sido posta em prática faz muito tempo. Hoje, as pessoas já perderam todo o respeito umas pelas outras. Eu já tive um professor na faculdade que fumava dentro da sala de aula fechada e não estava nem aí.

    Achei interessante que você disse que a lei não dá assistência nenhuma ao fumante. A assistência pra mim é a campanha de desistência que sempre fez: FUMAR FAZ MAL A SAÚDE, LARGA ESSA FUMAÇA FEDIDA LOGO!

    Agora, a minha mais sincera opinião de não fumante é: GRAÇAS A DEUS!!! Não vou mais ter nem que sentir esse cheio horroroso, que me da alergia, me faz tossir loucamente e meu cabelo não vai mais ficar duro e fedido :) !

    Sinto muito fumantes, o desrespeito da maioria de vocês levou a isso.

    Responder
  14. Dani Danczuk

    Concordo com tudo que você disse. E sabe o que acho ridiculo? É que eles fazem maior drama com os fumantes, mas e os alcolatras? Eles matam muito mais e muito mais rápido, nem por isso proibiram propagandas na tv, não aumentaram o preço da bebida, você não ver na garrafa ou latinha uma imagem dos acidentes, das pessoas que perderam o braço ou morreram (sem nem beber) por causa de um louco bêbado.
    tem mais uma lista enorme de coisas urgentes que o governo deveria se preocupar no momento…
    Não, eu não sou fumante, nunca fumei. Não gosto de cigarro e nunca gostei, mas eu acho que não é proibindo e multando (pra ter mais dinheiro pra encher as cuecas) que vão resolver os problemas.
    E parecem que querem fazer essa lei funcionar aqui em Curitiba.
    Ahh e tem um fumodromo lá onde eu fiz o curso de webdesign.

    Responder
  15. gi

    Isso é beeem complicado, né? Eu fiz Direito e a gente sempre entrava nessas discussões, onde termina o direito de um, onde começa o do outro?

    Os fumantes nao me irritam taaanto, só na balada msm, pq tenho rinite. Nos outros lugares, tô nem aí.

    BJS

    Responder
  16. Luiz Felipe

    Fernanda bem vinda ao estado governado por El Ditador Jose

    Quanto ao fumo, ja perdi uma tia minha graças a ele, portanto quero bem longe de mim, e tudo que testemunhei sei o quanto esse vicio é dificil de ser superado restringir essas pessoas que tem esse vicio sem dar nenhuma contra partida é tipico de El Ditador infelizmente

    Responder
  17. Flah Castro

    Hmm… Bem, Em primeiro lugar, “Olá!”. Achei seu blog meio por acaso e simplesmente adorei.

    Há alguns meses tenho lido o que costuma escrever e agora que resolvi voltar ao mundo de blogeira pensei… “oras, porque não comentar?” E acabei vindo comentar em um post onde eu vesti meia carapuça.

    Não, não sou fumante, mas sou uma grande incomodada com o cigarro e embora tenha um pai fumante e uma mãe ex fumante (e o “ex” fica por conta de um ‘belo’ câncer de pulmão) eu era 100% a favor dessa nova lei.

    Queria que o cigarro fosse proibido e nunca mais encontrado em lugar algum. (Até parece que acredito em coelho da páscoa e papai noel, né!?) Não queria mais ninguém doente por causa dessa porcaria. Não queria maridos sofrendo ou filhos perdendo os pais… Mas eu devo dar o meu braço a torcer quando você diz “Creio que há muitos fumantes brasileiros esclarecidos quanto a isso.” E meu pai é a prova viva disso. Sofre com a doença da minha mãe e mesmo assim não larga o maldito. E agora, a sua visão sobre o assunto me fez enxergar como deve ser realmente difícil largar o vício.

    Então será que o cigarro será a nova maconha? Acho que já estamos “bem servidos” né?! São tantas drogas pra gerar violência e corrupção no mundo. Realmente precisamos de mais uma?

    Apoiadíssima, Fernada.
    Beijos.

    OBS super fútil: estou doida pra ver o filme da lindíssima Audrey.

    Responder
  18. André

    Concordo plenamente com tudo que você disse.

    Mais aqui no Rio, essa lei ainda não foi implementada e boates fechadas são lotadonas de gente com cigarrinho. E eu entrei no time do “se não pode vence-los, junte-se a eles”, de modo que eu fumo toda vez que eu estou bêbado. Bad bad idea e eu odeio o gosto mas, sei lá, virou um hábito… não um que eu me orgulhe, muito pelo contrário.

    Responder
  19. Felipe

    Realmente é mto ruim qndo vc entra em um restaurante, uma boate ou qualquer lugar fechado e vê aquela pessoa fumando… é a pior coisa! Ainda mais quem é alérgico, tem asma ou sei lá, qualquer problema respiratório…

    Em falar nas carimbadas, eu já levei mta carimbada! E o pior, a pessoa ou não fala com vc e sai andando ou qndo fala é com aquele sorriso amarelo.

    Responder
  20. Lany

    Ai flor adorei o post! Super concisos os seus argumentos concordo com vc! E adorei ver o cartaz do filme da Chanel, ainda não tinha visto rss

    bjocas e bom fim de semana!

    Responder
  21. Cris

    Bravissimo Fernanda, concordo do inicio ao fim… Eu faço parte dos fumantes ocasionais e como vc disse encaro a lei numa boa, mas os dependentes como ficam? São os nossos governantes que simplesmente jogam as leis, não estudam o impacto. Pra mim mais importante que isso era a lei seca, foi tudo lindo no começo mas e agora alguem aqui ainda vai embora de taxi, ou tem aquele amigo da vez que não vai beber pra poder dirigir…

    bjos

    Responder
  22. Cauê Madeira

    Concordo com você, Fernanda. Acho a lei um avanço, mas é ridícula a forma com que isso se tornou uma caça às bruxas. Acabou por incentivar uma situação de inimizade, dividindo a população entre os “malditos fumantes” e os “pobres não-fumantes”.

    É maravilhoso que eu possa comer sem sentir a fumaça do cigarro atacando minha rinite, mas o Estado não pode decidir o que fazemos com nossas vidas, se fumamos ou não.

    Não sei quanto a vocês, mas não vejo mais blitz da Lei Seca. Já ronda da patrulha anti-fumo eu vejo em todo canto.

    E as calçadas? Tiraram os cinzeiros, que bela ideia, agora não tem mais onde jogar fora o cigarro. Fica um nojo.

    E só pra terminar, sou a favor da legalização da maconha, mas acho que isso é assunto para outra ocasião.

    Fazia tempo que eu não comentava, mas estou sempre aqui.

    O Mário Viana postou um texto legal sobre o assunto no blog dele, depois passa lá pra ver quando tiver um tempinho. http://migre.me/5e9j

    beijos

    Responder
  23. Tânia

    Oh menininha pra escrever bem! Não quer escrever minha dissertação? rsssss
    concordo em gênero, número e grau. Acho que é uma falta de respeito aos fumantes, por mais que eu odeie o cigarro, mas acho que as coisas tem que ser mais flexíveis, pq isso não é só uma questão de lei e sim de mudanças de vidas e tem que ser escolha da pessoa, não impostas! Boa semana!!!! bjs

    Responder
  24. Anadele

    Concordo com você Fernanda!
    Minha filosofia de vida é “cada um leva sua vida do jeito que quer e com a liberdade que pode, desde que não prejuque o próximo”
    Eu não fumo e não gosto da fumaça do cigarro, mas eu achei o cúmulo do absurdo essa proibição toda que tá acontecendo em SP, tipo quase a um passo da ditadura…
    Dá pra notar que houve umas mudanças sutis, como não se vê mais mocinho fumando em filmes, séries ou novelas, só se vê na maioria de vezes vilões fumando em cena, e acho que nem tem mais. E nos livros que li eu não lembro de nenhum personagem a não ser a Bridget Jones que era bem viciadinha…
    E não dá pra confiar em nada no Brasil que já passou no Raio-X da censura, essa não é a primeira vez que trocaram um cigarro por algum instrumento mais educativo(como no caso do poster) uns amigos meus me contaram que tem um anime que no japão um dos personagens fuma e quando trouxeram o anime para o Brasil trocaram o cigarro por um pirulito para atender a um “público maior”, ou seja adultos e crianças.
    Como diria um professor meu, essa lei não passa de um tapa-buraco só para mostrar que os deputados estão ‘trabalhando’ fazendo leis muito úteis para o povo. ¬¬”
    Bjus

    Responder
  25. Bruna

    Ai, é tão complicado né. Eu concordo contigo. Se por um lado eu tenho pavor de cigarro e acho ótimo que essa lei tenha sido estabelecida (até em aula, quando as criaturas voltam fedendo do intervalo eu me irritava), por outro a gente não pensa muito em como é ser um dos fumantes. Acho que o bom é que quem fuma mais por vício do que como válvula de escape vai acabar diminuindo o ritmo de qualquer forma. Mas acho que empresas, por exemplo, devem ter um “fumódromo” pros intervalos ou coisa assim. Minha mãe fuma, e ela cuida até onde fumar dentro de casa pra que não fique cheiro. E em lugar públicos é bem raro até ela fumar, é mais um “hobbie caseiro” hahaha

    Ah Fê, sobre o Tamiflu! Graças a deus ele não é obrigatório. Além de ser mega caro, não tem em qualquer lugar… na verdade ele não é a cura pra nada, é tipo um “otimizador” pra que a pessoa fique boa mais rápido. Por exemplo, se eu fiquei 6 dias de cama, poderia ter ficado só 3 tomando Tamiflu. Acho mais válido pra caso tenha algum problema que possa ser agravado em muitos dias doentes, ou caso a febre não baixei depois de 72 horas!

    Beijos!!

    Responder
  26. Claudio

    O problema não é a defesa do direito dos não fumantes, mas sim a imposição de um comportamento. Se o cara quiser um bar exclusivo para fumantes, não pode. Isso chama-se autoritarismo. O resto é puro disfarce…

    Responder
  27. maykon

    Vou mostrar esses texto a minha avó,pois ela é desse tipo de pessoa que fuma e acha que não prejudica o seu próximo,no caso os meus familiares e eu ,pois ela está passando um tempo conosco e abusa do cigarrinho.Espero que com essa lei,quem precisava de um motivo pra parar de fumar ,adquira coragem e largue esse vício.
    Abraço.

    Responder
  28. Danilo B.

    Deveriam proibir o governador Serra em bares e restaurantes! Juro por Deus, eu gostaria muito de ter um bar que o nosso excelentíssimo filho da puta governador José Serra frequentasse, só pelo prazer de poder barrá-lo na entrada e dizer: “não gosto de políticos”.

    Sim, porque até agora eu não entendi as razões dessa lei anti-fumo. Poluição, câncer, doenças? Tá, mas se eu tenho uma área ABERTA no meu bar ou na minha empresa que é exclusiva para fumantes, cadê a porra do problema? “Mas é que polue o ar”. Ok, então vamos proibir carros de circular nas ruas e vamos fechar todas fábricas que emitem CO² em São Paulo.

    “Mas é que de acordo com Instituto Nacional do Câncer, 7 brasileiros morrem a cada dia por doenças provocadas pela exposição passiva à fumaça do tabaco”.

    Tá, e segundo o Laboratório de Poluição Atmosférica da Faculdade de Medicina da USP, “a poluição provocada pelos veículos mata indiretamente, em média, quase 20 pessoas por dia só na região metropolitana de São Paulo”.

    Segundo vários outros pesquisadores, a poluição industrial e automotiva está ligada a várias doenças autoimunes, como tireoidite crônica autoimune, lúpus eritematoso sistêmico, síndrome de Sjogren, vitiligo e esclerose múltipla etc, isso sem contas problemas respiratórios e cardiovasculares. Tem também artrite reumatoide, que com o tempo faz a pessoa perder o movimento das áreas atingidas.

    Enfim, existem centenas de doenças ligadas a poluição que não vem só do cigarro. E existem mortes por conta dessas doenças. Tem também o álcool que causa dependência, doenças e mortes, por que não proibem?

    Tem também carros que atropelam, alimentos que matam e tem até religiões que manipulam seus fiéis de que Deus cura câncer e que você só precisa ter bastante fé que a cura simplesmente acontece.

    E porque os deputados aliados do José Serra não proibem tudo isso? Já sei: é mais fácil “bater em criança” do que enfrentar os gigantes da indústria automobilística ou as fábricas poluidoras, né? Justiça conveniente do caralho, que se aproveita da ignorância de muitos para foder com a liberdade de poucos.

    O problema é o mau cheiro, é ruim, incomoda? Ok, eu por exemplo tenho rinite e sinusite e tenho sensibilidade a cheiros fortes. Então vamos proibir gente fedida em trens e ônibus.

    Também quero proibir gente que usa perfumes fortes, pois ataca minha sinusite. Ah, todas as empresas também devem retirar aparelhos de ar condicionado de seus locais de trabalho, pois também ataca minha sinusite.

    E a polícia? Com certeza vai adorar essa nova lei anti-fumo, vai receber salário só pra ficar dando multas em dono de bar. Enquanto isso na favela…

    Imagine a indecisão do policial: “O que faço? Arrisco minha vida trocando tiros com traficantes armados com fuzil ou vou pra algum bar expulsar fumantes?”

    Enfim, o Serra é um ditador, repressor inimigo da liberdade que há séculos o ser humano tenta conquistar e conservar. E ele também é careca, e eu não gosto de carecas. Que tal proibirmos carecas em bares e restaurantes também?

    Responder
  29. Fernanda

    Danilo B. on 18/08/2009 at 2:34 pm said:

    Deveriam proibir o governador Serra em bares e restaurantes! Juro por Deus, eu gostaria muito de ter um bar que o nosso excelentíssimo filho da puta governador José Serra frequentasse, só pelo prazer de poder barrá-lo na entrada e dizer: “não gosto de políticos”.

    Sim, porque até agora eu não entendi as razões dessa lei anti-fumo. Poluição, câncer, doenças? Tá, mas se eu tenho uma área ABERTA no meu bar ou na minha empresa que é exclusiva para fumantes, cadê a porra do problema? “Mas é que polue o ar”. Ok, então vamos proibir carros de circular nas ruas e vamos fechar todas fábricas que emitem CO² em São Paulo.

    “Mas é que de acordo com Instituto Nacional do Câncer, 7 brasileiros morrem a cada dia por doenças provocadas pela exposição passiva à fumaça do tabaco”.

    Tá, e segundo o Laboratório de Poluição Atmosférica da Faculdade de Medicina da USP, “a poluição provocada pelos veículos mata indiretamente, em média, quase 20 pessoas por dia só na região metropolitana de São Paulo”.

    Segundo vários outros pesquisadores, a poluição industrial e automotiva está ligada a várias doenças autoimunes, como tireoidite crônica autoimune, lúpus eritematoso sistêmico, síndrome de Sjogren, vitiligo e esclerose múltipla etc, isso sem contas problemas respiratórios e cardiovasculares. Tem também artrite reumatoide, que com o tempo faz a pessoa perder o movimento das áreas atingidas.

    Enfim, existem centenas de doenças ligadas a poluição que não vem só do cigarro. E existem mortes por conta dessas doenças. Tem também o álcool que causa dependência, doenças e mortes, por que não proibem?

    Tem também carros que atropelam, alimentos que matam e tem até religiões que manipulam seus fiéis de que Deus cura câncer e que você só precisa ter bastante fé que a cura simplesmente acontece.

    E porque os deputados aliados do José Serra não proibem tudo isso? Já sei: é mais fácil “bater em criança” do que enfrentar os gigantes da indústria automobilística ou as fábricas poluidoras, né? Justiça conveniente do caralho, que se aproveita da ignorância de muitos para foder com a liberdade de poucos.

    O problema é o mau cheiro, é ruim, incomoda? Ok, eu por exemplo tenho rinite e sinusite e tenho sensibilidade a cheiros fortes. Então vamos proibir gente fedida em trens e ônibus.

    Também quero proibir gente que usa perfumes fortes, pois ataca minha sinusite. Ah, todas as empresas também devem retirar aparelhos de ar condicionado de seus locais de trabalho, pois também ataca minha sinusite.

    E a polícia? Com certeza vai adorar essa nova lei anti-fumo, vai receber salário só pra ficar dando multas em dono de bar. Enquanto isso na favela…

    Imagine a indecisão do policial: “O que faço? Arrisco minha vida trocando tiros com traficantes armados com fuzil ou vou pra algum bar expulsar fumantes?”

    Enfim, o Serra é um ditador, repressor inimigo da liberdade que há séculos o ser humano tenta conquistar e conservar. E ele também é careca, e eu não gosto de carecas. Que tal proibirmos carecas em bares e restaurantes também?

    concordo com tudo de cima a baixo.

    “E porque os deputados aliados do José Serra não proibem tudo isso? Já sei: é mais fácil “bater em criança” do que enfrentar os gigantes da indústria automobilística ou as fábricas poluidoras, né? Justiça conveniente do caralho, que se aproveita da ignorância de muitos para foder com a liberdade de poucos.” [2]

    Responder
  30. Amanda

    Só um ps:

    Quando você diz:
    “Com ela, os fumantes ficaram proibidos de fumar em todo e qualquer ambiente fechado ou público, sendo que isso inclui até calçada de bar, caso este possua um toldo e mesinhas para seus clientes.”

    Não é bem isso, segue FAQ do portal da lei antifumo:
    “Fumar nas mesas nas calçadas em bares e restaurantes é permitido?
    R: Fumar é permitido desde que a área seja aberta e haja algum tipo de barreira, como janelas fechadas ou parede, que impeça a fumaça de entrar no estabelecimento.

    Se houver toldo sobre as mesas colocadas na calçada, é permitido fumar?
    R: É permitido, desde que haja barreiras, como janelas fechadas ou parede, para impedir que a fumaça entre no estabelecimento. Além disso, as laterais e a frente do toldo devem estar livres para que haja circulação do ar.”

    Bjão

    Responder
  31. Fernanda

    Amanda on 18/08/2009 at 3:03 pm said:

    Só um ps:

    Quando você diz:
    “Com ela, os fumantes ficaram proibidos de fumar em todo e qualquer ambiente fechado ou público, sendo que isso inclui até calçada de bar, caso este possua um toldo e mesinhas para seus clientes.”

    Não é bem isso, segue FAQ do portal da lei antifumo:
    “Fumar nas mesas nas calçadas em bares e restaurantes é permitido?
    R: Fumar é permitido desde que a área seja aberta e haja algum tipo de barreira, como janelas fechadas ou parede, que impeça a fumaça de entrar no estabelecimento.

    Se houver toldo sobre as mesas colocadas na calçada, é permitido fumar?
    R: É permitido, desde que haja barreiras, como janelas fechadas ou parede, para impedir que a fumaça entre no estabelecimento. Além disso, as laterais e a frente do toldo devem estar livres para que haja circulação do ar.”

    Bjão

    o problema é que uma calçada cheia de mesas jamais vai proporcionar toda essa circulação que eles querem… Sendo assim, o que mais se vê inclusive na Vl. Madalena em bares assim é o povo na calçada fumando, por mais que esteja DO LADO das mesas, os garçons obrigam as pessoas a fumar na rua.

    Responder
  32. Larissa

    Danilo, não sou a pessoa mais politizada do mundo, e não estou defendendo José Serra em outras questões, mas dúvido que possa concordar com o que falou.
    O fumo não é uma coisa útil para a sociedade (apenas para aqueles que vendem o cigarro). Os carros por outro lado… Eles poluem, ok, concordo, mas de grão em grão…?
    Acho incrível que todos querem mudanças, todos querem que o país evolua e quando alguma coisa é feito. Bam. O caos é instalado na sociedade Brasileira.
    A proibição dos fumo em lugares fechados não é só uma questão de saúde, é uma questão de bom senso. Eu concordo que se o estabelecimento tem um lugar ao ar livre, a coisa devia funcionar diferente, mas levar tudo a ferro e fogo como você está sugerindo é dificilmente a solução.
    Ou por acaso você conhece muitas pessoas que odeiem tanto assim carecas? Porque eu, particularmente, já vi minha amiga ir para o hospital, por culpa da fumaça do cigarro dos outros… acho que nenhum careca teria o mesmo efeito.

    Responder
  33. Danilo B.

    Larissa, é muito simples: eu gosto de fumar. Do mesmo jeito que gosto de beber. A vida é minha, foda-se a sociedade e não é crime.

    Eu não gosto de incomodar ninguém com minha fumaça, tanto é que apoio essa lei hipócrita, em partes. O problema é que essa lei é um atentado contra a liberdade individual, contra a liberdade de todos os donos de bares.

    Por exemplo, se eu tivesse um bar e botasse uma placa na porta: “proibido a entrada de não-fumantes”, o que vc ia achar? Ou se eu colocasse um aviso dizendo que naquele local há fumaça e fumantes, e que é por sua conta e risco entrar, e vc entra – afinal a vida é sua e o pulmão é seu – o que o governo tem a ver com isso?

    Daqui uns dias eles vão me proibir de fumar dentro da minha casa também, ou melhor, vão proibir a venda de cigarro. Aí cria-se o tráfico de cigarros e eu serei um financiador de armas para traficantes.

    Aí depois vão proibir alimentos gordurosos também, afinal, causa um monte de doenças. E se a desculpa é o cheiro que fica na roupa, vamos proibir lanchonetes e pastelarias de fritar alimentos?

    Sobre os carecas, foi uma piada!

    Responder
  34. Valzinha

    Olha, eu não acho um exagero.

    Eu tenho bronquite asmática e sou alérgica a alguma das composições do cigarro (como são mais de 10 mil, não deu pra descobrir), ele fecha na hora minha traqueia e eu tenho dificuldade de respirar.

    Eu morei muito tempo em SP e por causa dessa alergia, deixei de praticamente sair de casa, só indo em lugares que eram ao ar livre, que tivessem uma boa área isolada de não fumantes ou locais em que não se podia fumar. Tudo isso porque quem fuma, quer se matar lentamente, mas não se importa com os outros.

    Desculpa, mas fumante passivo sofre sim. Você tem o direito de fumar, mas eu não tenho a obrigação de fumar por tabela. Fumante não tem respeito, ele acha que pode fumar e danem=-se os outros.
    Já pensou se as pessoas se embebedassem pelo ar também? Você beberia, mas quem tivesse perto, ia acabar ficando bebada com seu bafo tambem, ou pelo menos, bebendo o suficiente pra atrapalhar seus reflexos.

    Era um horror ter que andar com uma máscara na bolsa e a bombinha, sem poder ir pra festas, pra locais com meus amigos por causa de fumantes que não respeitavam os outros.

    Quer fumar, sai pra fora, fuma num local aberto. Mas não, tinham que fumar DENTRO DA PADARIA! Desculpa, mas eu sou a favor dessa lei.

    Os fumantes prejudicam não somente a si mesmos, mas quem está ao redor e já foi comprovado que dependendo do ambiente, um fumante passivo é capaz de “fumar” tanto quanto um ativo…

    E já tem casos relatados de gente que não fuma com cancer de pulmão originado por ser fumante passivo.

    Quer se matar, se mate sozinho. Deixe-me viver.

    Responder
  35. Valzinha

    Olha.. vamos fazer um parâmetro.

    VOCÊ tem direito de decidir o que é bom pra sua vida. Então você tem o direito de beber, não é mesmo?
    Mas, no entanto, beber e dirigir é crime, porque coloca pessoas em riscos.

    É a mesma coisa com fumar. Você fuma, mas esquece que se fizer isso em um local cheio de pessoas, voce pode, indiretamente matar uma delas.
    SIm… MATAR.

    Pega alguém extremamente alérgico, com gripe e rinite ou bronquite e sua fumaça causa uma reação nessa pessoa e ela acaba indo pro hospital, no entanto, suas vias aéreas não são descongestionadas e ele morre, numa morte horrível, sufocado, tentando respirar.

    É praticamente a mesma coisa. Assim como vc bebendo um copo de cerveja e dirigindo acha que nunca vai machucar alguém, porque é só um copo, você também não acha que seu cigarro vai fazer alguém não conseguir respirar.

    É o mesmo princípio.

    Eu já tive gente morta na minha familia por alguém que bebeu uma cerveja e dirigiu, assim como tive gente que era fumante passivo e morreu.

    Responder
  36. Fernanda

    Valzinha on 28/08/2009 at 11:43 pm said:

    Olha.. vamos fazer um parâmetro.

    VOCÊ tem direito de decidir o que é bom pra sua vida. Então você tem o direito de beber, não é mesmo?
    Mas, no entanto, beber e dirigir é crime, porque coloca pessoas em riscos.

    É a mesma coisa com fumar. Você fuma, mas esquece que se fizer isso em um local cheio de pessoas, voce pode, indiretamente matar uma delas.
    SIm… MATAR.

    Pega alguém extremamente alérgico, com gripe e rinite ou bronquite e sua fumaça causa uma reação nessa pessoa e ela acaba indo pro hospital, no entanto, suas vias aéreas não são descongestionadas e ele morre, numa morte horrível, sufocado, tentando respirar.

    É praticamente a mesma coisa. Assim como vc bebendo um copo de cerveja e dirigindo acha que nunca vai machucar alguém, porque é só um copo, você também não acha que seu cigarro vai fazer alguém não conseguir respirar.

    É o mesmo princípio.

    Eu já tive gente morta na minha familia por alguém que bebeu uma cerveja e dirigiu, assim como tive gente que era fumante passivo e morreu.

    Entendo seu ponto de vista e seu problema com relação aos tóxicos, inclusive de pessoas que passam mal por isso. No meu caso, eu apenas não gosto da fumaça por simples alergia, um incômodo. Como disse, eu não fumo e nem fumarei. Não estou aqui para defendê-los, só expus um ponto de vista bastante simples: quem fuma está viciado. Se a pessoa começou a fumar por diversão, por bobeira ou por “querer se matar”, não importa. Muitos simplesmente não conseguem parar, e se você já viu casos assim na sua família sabe do que eu estou falando. Assim como você não tem culpa de ser alérgica, muitos perdem o auto-controle de seu “vício” depois de, obviamente, estarem viciados nisso. Agora respeito é bom e cabe em todo lugar, principalmente se estamos falando de pessoas com dificuldades respiratórias – quanto a isso, não tem realmente o que discutir.

    Responder

Deixe seu comentário